6 de mar de 2010

Foto do Dia

Cela do  1º DP de Bacabal interditada pelo juiz Roberto Oliveira de Paula


GOVERNAR É CUIDAR DAS PESSOAS!!!!

Manoel Conceição: sinômino de coragem, luta e coerência


* Sílvio Bembem

     Com esse artigo presto minha homenagem a uma das mais importantes e respeitada liderança da luta camponesa, sindical, ambiental, popular e política do nosso Brasil, fundador do PT, da CUT – Central Única dos Trabalhadores e Presidente de honra do PT/MA.

     Manoel Conceição Santos nasceu em 1935, no distrito de Pirapemas, numa comunidade chamada Pedra Grande, no Maranhão, na época era município de Coroatá. Sua origem é de camponeses e agricultores pobres, sua avó descendente de indígenas, seu pai descendente de africano e a mãe descendente de brancos portugueses, uma mistura de raça. Desde cedo, ele e os irmãos aprenderam a manejar o facão e a enxada na lida diária da agricultura familiar, plantando arroz, feijão, milho, mandioca, frutas, verduras.

     As letras e a escola ficaram para depois, como era comum no meio rural maranhense, onde o analfabetismo campeia até hoje. Foi aprender a ler já adulto, numa carta de ABC e na Bíblia, mesmo sem freqüentar a escola. Manoel Conceição é casado com a assistente social e advogada Maria Denise Barbosa Leal, e vive na cidade de Imperatriz/MA é pai de quatro filhos: Raquel Pinto; Manoel da Conceição Filho; Mariana Conceição; e Rosinha que faleceu com 20 anos vítima de um acidente de trânsito em Recife-PE, onde residia e tinha formação em História. Na cidade de Imperatriz fundou o Centru - Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural entidade que atua na defesa do meio ambiente e tem como objetivo contribuir na formação política, cultural, ideológica e econômica no campo.

     Mané, como é carinhosamente chamado pelos amigos e companheros (as) de luta, nunca deixou de sonhar com um mundo melhor. Com um mundo com democracia e respeito aos direitos humanos como um valor nobre. Sempre buscou entender o porquê da grande ambição do homem em querer tudo só para si. Sempre sonhou com uma sociedade com justiça, liberdade e vida digna para a classe trabalhadora do campo e das cidades. Sempre buscou saber qual a causa do desrespeito ao meio ambiente, com a destruição dos nossos recursos naturais, buscou entender por que a terra não pode ser de quem produz. Questões que sempre preocupam e até hoje move a militância de Mané.

     Defensor da água, da fauna e da flora Mané tem dedicado mais de cinco décadas de sua vida na construção de um mundo aonde o centro seja o respeito à vida de todos os seres vivos do nosso planeta Terra.

     Na luta pela terra ele foi ferido na perna por um tiro de espingarda e depois jurou que a partir daquele dia dedicaria sua vida à luta contra o latifúndio. Na região de Pindaré-Mirim, Manoel Conceição fez curso sobre sindicalismo promovido pelo MEB- Movimento de Educação de Base, ligado à igreja católica. Em 1963, fundou o primeiro Sindicato de Trabalhadores Rurais do Maranhão -STR em Pindaré-Mirim.

     No ano de 1964 com o golpe, os militares assumem o poder do país. Foi o fim da democracia. Os partidos políticos foram dissolvidos. Mandatos de senadores, deputados, governadores e prefeitos foram cassados; sindicatos fechados e líderes sindicais perseguidos, presos e exilados. Estudantes, jornalistas, artistas e intelectuais foram torturados e muitos mortos. O governo cria a figura dos senadores “biônicos”. Neste período Manoel Conceição foi preso cinco vezes, na cadeia de Pindaré até cair no mundo, passando a resistir na clandestinidade. Em 1966, o senador José Sarney fora eleito governador pela UDN, Manoel voltou a Pindaré. Sarney prometia criar leis que acabassem com os conflitos no campo. Em informações levantadas, isso não aconteceu. O que se constatou foi que os animais dos grandes fazendeiros continuavam a invadir e destruir roças e os agricultores que continuavam a revidar, matando as reses.

     Em entrevista com Manoel Conceição ele conta que “no dia 13 de julho de 1968, durante uma reunião na sub-sede do Sindicato, em Anajá, na região do Pindaré-Mirim, policiais chegaram atirando. Fui ferido a bala na perna direita e novamente preso. Depois de seis dias na cadeia, sem tratamento, parte da minha perna gangrenou e teve que ser amputada. Na época, Sarney me ofereceu vantagens materiais para que ficasse calado, mas recusei e respondi ao Governador uma frase que ficou famosa: Minha perna é minha classe”.

     Para reiniciar a caminhada, Manoel contou com apoio dos camponeses e dos companheiros da Ação Popular, que angariaram recursos que garantiu o tratamento da perna e a colocação de uma prótese mecânica, em São Paulo.

     Em 1969 Manoel fez uma viagem à China e lá conheceu Mao Tsé-tung com quem conversou sobre o Brasil. Na China também fez um curso de política.

     Depois que voltou a andar, Manoel retornou a luta em Pindaré, onde os sindicatos estavam fechados, muitas pessoas perseguidas e outras presas pelo Exército. Mesmo assim, ele e os companheiros que resistiram, reorganizaram entidades e criaram várias cooperativas para eliminar os intermediários que ficavam com todo o lucro da produção. A repressão militar aumentou no início da década de 1970 contra os trabalhadores rurais da região de Pindaré.

     No dia 2 de janeiro de 1972 prenderam novamente Manoel Conceição e o levaram para São Luís, onde passou um mês na cadeia, recebeu visitas de padres e foi na época entrevistado por um Jornal. Durante esse período foram muitas prisões e torturas. No dia 11 de setembro de 1975 Manoel foi solto e ficou sob proteção da Anistia Internacional, que providenciou seu exílio em Genebra, na Suíça, para onde partiu em maio de 1976 na companhia da mulher Denise. Durante três anos e sete meses, que foi refugiado político na Suíça deu uma entrevista à jornalista Maria Galano que resultou em um livro “Essa terra é nossa”, traduzido para o francês, no qual relata sua trajetória na luta pela reforma agrária e na resistência à ditadura no Brasil. No exílio conviveu com vários brasileiros entre eles o educador popular Paulo Freire, de quem se tornou amigo, o bispo D. Fragoso em 1977.

     Com anistia em 1979, Manoel e outros exilados políticos retornaram ao país, daí retoma sua participação na reorganização da Ação Popular, ajuda na fundação do PT, em São Paulo, do CENTRU em Recife (PE) e Imperatriz (MA), onde reside até hoje. Também criou a Central de Cooperativas Agro-Extrativistas do Maranhão. É um defensor na Economia Solidária, da organização e do empoderamento da classe trabalhadora.

     No ato de fundação do PT, colégio Sion, em São Paulo, no dia 10 de fevereiro de 1980, Manoel Conceição foi um dos seis primeiros signatários do manifesto de criação do PT, juntamente com o escritor e líder socialista Mário Pedrosa, o Historiador Sérgio Buarque de Holanda, a atriz Léila Abramo, o educador Moacir Gadoti (que assinou em nome do Educador Paulo Freire), Apolônio de Carvalho, combatente na Guerra Civil Espanhola e na Resistência Francesa e um dos líderes dos movimentos da resistência popular no Brasil.

    De volta ao Maranhão, no final de 1985, Mané tem estado muito vivo nas lutas atuais, com a convicção de quem vai participar ainda em vida da derrocada do modelo oligarca instalado há mais de 40 anos no nosso Estado. Manoel participou do movimento de resistência contra cassação do ex-governador Jackson Lago (PDT) ocorrido em abril do ano de 2009. No mesmo ano Mané foi homenageado no III Seminário Latino-Americano de Anistia e Direitos Humanos, no auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados. Ele recebeu das mãos do ex-governador do Maranhão e amigo, o médico Jackson Lago, uma condecoração que dizia: “Aqueles que lutam toda vida, esses são imprescindíveis”.

     Em 2004, Manoel Conceição Santos fora o vencedor na categoria Liderança Individual do prêmio Chico Mendes na sua 16.ª edição. Em 2008, recebeu a medalha Ordem do Mérito do Trabalho Getúlio Vargas. A premiação é uma forma de reconhecimento ao trabalho e à importância do serviço prestado no controle social das políticas públicas de trabalho, emprego e renda em benefício dos brasileiros.

     No 4.º Congresso Nacional do PT, realizado no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília, no período de 18 a 21 de fevereiro de 2010, acompanhei in loco, o quanto Manoel Conceição é querido e já tem seu nome na História política do país. Na oportunidade, quando acontecia à posse da nova Direção do Partido dos Trabalhadores, o ex-presidente Ricardo Berzoini, quando do seu discurso de despedida, fez um breve resgate da Fundação do PT e depois solicitou que alguns dos principais sujeitos dessa História que se encontrara presente no auditório ficassem de pé e lá estava Manoel Conceição. Mané, você está na galeria de lutadores por um mundo melhor, como: Zumbi dos Palmares, Luiza Mahin, Mahatima Ganghi, Antônio Conselheiro, Negro Cosme, Martin Luther King, Malcon X, Ernesto Guevara, Chico Mendes, Irmã Dorothy, Padre Josimo, Leonel Brizola, Miguel Arraes, Herbeth de Souza (Betinho), Maria Aragão, Milton Santos, Zilda Arnes, Nelson Mandela, Abdias Nascimento, João Francisco dos Santos, Neiva Moreira, Luiz Inácio Lula da Silva, e tantos outros.

     Como reconhecimento pela sua história de coragem, de luta e coerência, o advogado e dirigente do PT/MA Bira do Pindaré apresentou proposta na primeira reunião do novo Diretório Estadual do partido, realizada no dia 27 de fevereiro de 2010, para que Manoel Conceição fosse escolhido como o presidente de honra do PT/MA, o que fora aprovado por unanimidade pelos 51 membros da direção.

     Manoel Conceição tem sido objeto de filmes, pesquisas acadêmicas, artigos em revistas, jornais e livros. A Professora Doutoranda Helciane de Fátima Abreu Araujo (UEMA), em sua dissertação de mestrado, intitulada “Memória, mediação e campesinato. As representações de uma liderança sobre as lutas camponesas da Pré-Amazônia Maranhense”, faz uma análise das representações dessa liderança sobre a sua história de vida. Recentemente foi lançado outro livro cujo título “Manoel da Conceição – Lutador das liberdades da classe trabalhadora” que serviu de referência bibliográfica para o presente artigo.
    
     Manoel Conceição, você nos orgulha e nos motiva a continuar na luta. É como explicita o livro VALE A PENA SONHAR, do seu amigo de luta Apolônio de Carvalho “Em tempos de globalização, como vivemos, em que os produtos e os capitais estão em toda a parte, desconhecendo fronteiras, há os que lutam para que os ideais de justiça e igualdade também se globalizem”. Manoel Conceição é um desses.

     Atualmente Manoel Conceição, com 74 anos de idade e com a saúde debilitada, aguarda resultado do processo que move contra União, desde o dia 22 de fevereiro de 2007, em função das várias torturas que fora vítima pelo Estado totalitário e repressor do Governo militar.

*Administrador, com Especialização em Sociologia das Interpretações do Maranhão (UEMA), Foi Secretário-Adjunto de Estado da Igualdade Racial do Governo Jackson Lago, é Bolsista do Programa Internacional de Pós-Graduação da Fundação Ford. E dirigente do PT/MA. E-mail: silviobembempt@uol.com.br

Manchetes dos jornais

AQUI-MA – 5 mortos

ATOS & FATOS – Pedófilo sai da CPI da AL direto para a prisão

DIÁRIO DA MANHÃ –Acidente com ônibus maa cinco pessoas em Caxias

JORNAL A TARDE – Governadora Roseana entrega 176 títulos de propriedade em Pedreiras

JORNAL PEQUENO – Candidatos a deputado e senador não poderão participar de inaugurações

O ESTADO DO MARANHÃO – Acidente mata cinco em Caxias

O IMPARCIAL – Juiz fecha 4 delegacias e deixa presos em camburão

TRIBUNA DO NORDESTE -Juiz fecha delegacias de 4 municípios do Estado