11 de set de 2010

No Radar on-line de VEJA

A disputa por McCartney
A turnê de Paul McCartney no Brasil está sendo disputada por duas empresas de eventos, a Time For Fun e a Traffic (via Planmusic, uma subsidiária). Se uma das duas fechar com os empresários de McCartney será para dois shows em novembro, ambos em São Paulo. Cada show do ex-beatle custa em torno de 5 milhões de dólares.
Por Lauro Jardim

Sarney elogiou gestão de ex-governador preso

     No dia 16 de junho deste ano, às vésperas do recesso parlamentar, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), deixou o assento principal da Mesa Diretora e, com o uso da palavra no plenário, fez elogios à gestão do ex-governador do Amapá Waldez Góes (PDT). Candidato a uma vaga de senador nas eleições de outubro, Waldez foi preso nesta sexta-feira (10) pela Polícia Federal, na deflagração da operação Mãos Limpas, depois de ter prisão temporária decretada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).
     Waldez é acusado de desvio de verbas públicas no estado, mesma denúncia que pesa contra o atual governador, Pedro Paulo Dias (PP), o secretário de Segurança Pública do Amapá, Aldo Alves Ferreira, o presidente do Tribunal de Contas (TCE-AP), José Júlio Miranda, e outros 14 agentes públicos. Todos foram presos por ordem do STJ. O processo corre sob sigilo e é relatado pelo ministro João Otávio de Noronha. Segundo nota da Polícia Federal, as investigações começaram em agosto de 2009 e revelaram indícios de esquema de desvio de recursos da União que eram repassados à Secretaria de Educação do Amapá.
     Mas o esquema de corrupção não impediu os elogios de Sarney ao colega de estado. “Administração pacífica” e “espírito público” foram alguns dos termos usados pelo ex-presidente da República. “Ele realizou uma obra política reconhecida por todos amapaenses e por toda a classe política do Amapá. Ele promoveu a paz entre todos aqueles que transformavam a luta política no nosso estado numa guerra. Ele, com seu temperamento, com seu espírito público, foi capaz de estabelecer uma união de forças políticas de tal modo que a bancada federal, seus deputados, quase unanimemente, e também os senadores, apoiavam todas as iniciativas tomadas pelo governo e, de comum acordo, aprovaram os planos que possibilitaram o Governo do Amapá realizar grandes obras”, declarou Sarney.
     O discurso foi proferido às 16h30 de uma quarta-feira de sessão deliberativa (reservada à votação de proposições). Sarney aproveitou a movimentação de senadores que estavam em Brasília e pediu o registro de suas palavras nos anais da Casa, dizendo que o fazia por “dever de lealdade e justiça” e “testemunho de verdade”.
     “Essas obras realizadas pelo governador Waldez Góes estão relacionadas aqui em um relatório que peço que vossa excelência [referência a Mão Santa, PSC-PI, que presidia a sessão] mande publicar como adendo das palavras que estou aqui proferindo, justamente louvando a sua ação de homem público, a correção com que ele se houve à frente do Governo do Estado e o grande avanço econômico que o Amapá alcançou nos anos do seu governo”, emendou Sarney, em menção ao apoio dado à criação da Zona de Livre Comércio e da Zona de Processamento de Exportação, bem como de rodovias e linhas de transmissão de comunicação e telefonia.
     “Acho que estou, neste ponto, expressando o que pensa toda a bancada [do Amapá no Senado e na Câmara] e o testemunho de todo o povo amapaense”, finalizou o senador, acrescentando que “política deve ser feita dentro sempre de um espaço comum, em que os homens públicos possam estar unidos em favor do bem-estar da população”.
Do Congresso em foco

Uma vítima da revolução na educação em plena Baixada Maranhense

Luanderson dos Santos Gaspar é um jovem de 17 anos, com aparência de idade muito menor, maranhense, nascido em Bequimão, município de Baixada Maranhense, que estranha completamente o que seja facebook, orkut,msn, etc.
     Como ele, outras dezenas de adolescentes estudantes do Centro de Ensino Manoel Beckman desconhecem o que sejam redes sociais ou qualquer sinonímia envolvendo o mundo da informática e da rede de computadores universal.
     Como pessoa, Luanderson nem mesmo sabe a precisão de navegar. Sobrevive com os pais no município com um dos menores IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do país. Tanto que não dá para praticar a compra local da merenda escolar diante da total ausência de produção de alimentos. Nem o peixe acessível na maré basta para chegar à mesa de muitas famílias no município.
     Luanderson já é cidadão emancipado. Exercerá o direito sagrado do voto em 3 de outubro. Não secreta seu voto. O traz na ponta da língua: nome e número binário no ato. Para acionar os demais na urna eletrônica precisará da cola, no caso sem a pecha ilegal que o acossa na escola.
     O jovem bequimaoense nunca entrou em uma lan-house. Sabe da sua existência.tanto quanto as máquinas, todas quebradas desde tempos imemoriais. Junho, julho...faz tempo que só uns quatro de sua turma acessam a sala de informática. São aqueles que sabem "mexer" com elas.
      No entanto, um ou dois cliques sobre o ícone do internet explored ou mozilla mudariam completamente a vida de Luanderson, quando então ele tomaria conhecimento da revolução vitual apregoada pelo governo do Maranhão que o toma como alvo. Tão real quanto a nuvem de fundo visual do windows nos computadores.

Digo sim

Ferreira Gullar
Poderia dizer
que a vida é bela, e muito,
e que a revolução caminha com pés de flor
nos campos do meu país,
com pés de borracha
nas grandes cidades brasileiras
e que meu coração
é um sol de esperanças entre pulmões
e nuvens

Poderia dizer que meu povo
é uma festa só na voz
de Clara Nunes
no rodar
das cabrochas no carnaval
da Avenida.

Mas não. O poeta mente.
A vida nós a assamos em sangue
e samba
enquanto gira inteira a noite
sobre a pátria desigual. A vida
nós a fazemos nossa
alegre e triste, cantando
em meio à fome
e dizendo sim
– em meio à violência e a solidão dizendo
sim –
pelo espanto da beleza
pela flama de Tereza
pelo meu filho perdido
meu vasto continente
por Vianinha ferido
pelo nosso irmão caído
pelo amor e o que ele nega
pelo que dá e que cega
pelo que virá enfim,
não digo que a vida é bela
tampouco me nego a ela
– digo sim

Os bons companheiros de Lula nas eleições 2010


     A política de adesão tem seus bônus, mas também seus ônus. O presidente Luíz Inácio Lula da Silva, pede que o Amapá eleja Waldez Góes (PDT), para ajudar Dilma no Senado.
     O pedido foi feito na propaganda eleitoral gratuita de quinta-feira Waldez foi preso ontem, por envolvimento em esquema de desvio de recursos. Confira no vídeo, o pedido do companheiro.

Escolha sua capa preferida da Rolling Stone

     A edição de setembro da Rolling Stone Brasil traz três capas para o leitor escolher a sua preferida. A revista chegou às bancas ontem (10/9), com capas dos presidenciáveis Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV), e tiragem e distribuição iguais para as três versões.
     A revista tem 15 páginas de entrevistas, cinco para cada político. Os candidatos falam sobre a legalização da maconha, o combate à corrupção, preferências literárias e musicais, direitos aos gays, juventude e política, entre outros temas.

Maranhão: Na Maternidade Carmosina Coutinho em Caxias

Manchetes dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO - Vale contrata a construção de 12 supergraneleiros
O IMPARCIAL - Fora da lei: Maranhão é 3º fraude eleitoral