28 de fev de 2010

Maranhão está entre estados que mais assentaram no governo Lula

      Os estados do Maranhão, Pará e Mato Grosso, todos da Amazônia Legal, encaixaram 50% dos 574 mil lotes de assentados no governo Lula desde 2003, segundo dados oficiais. Nestes estados se concentram 17% dos acampados do Movimento dos Sem Terra no país.

     Revelam os dados que o número de lavradores acampados inflou desde o primeiro ano do primeiro mandato de Lula. Em 2003 esse número saltou de 60 mil para 150 mil famílias. Nesse primeiro momento de extrema euforia, Lula prometia assentar todos os acampados do país. O número de acampados, porém, continua estagnado em 220 mil famílias.

     O MST acusa o governo Lula de promover política de assistencialismo com a distribuição de cestas básicas nos acampamento. Por outro lado, mantém a estrutura agrária secular e perversa do país.

      No Nordeste estão 56% dos acampados no país e apenas 30% dos assentados até agora pelo governo Lula. A dificuldade na obtenção de terra é a principal dificuldade apontada pela superintendência do INCRA para assentar os acampados na região Nordeste.

      O MST diz que Lula cumpriu a meta de assentamento somente no ano de 2005. A defasagem no ano passado, por exemplo, foi de 25 mil famílias, entre as meta estabelecida e alcançada pelo governo federal. São esses os motivos que levaram o MST a comunicar ao PT que não apoiará nenhum candidato no primeiro turno, repetindo a postura de 2006.

Governo federal treinará policiais para combater o crack

     O governo federal vai treinar 15 policiais militares e guardas municipais de cada estado para combater o tráfico e o consumo de crack. O anúncio do treinamento foi feito na sexta-feira,26, pelo secretário nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Ricardo Bakestreri, durante reunião da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia, CBDD, na sede do Movimento Viva Rio, no Rio de Janeiro.


     “O crack é uma droga que possui uma nova característica. É vendida nas ruas, não em pontos específicos, em pequenas quantidades e por baixos valores. Nossa polícia ainda não tem khow how para combatê-la”, explicou.

     Balestreri aproveitou o encontro também para defender alterações na legislação sobre as drogas. Ele sustentou que é preciso tratar de maneira diferenciada os pequenos e grandes traficantes.

     “Hoje, a política de enfrentamento ao tráfico de drogas não é inteligente.È preciso alterá-la. Não podemos penalizar o pequeno traficante da mesma forma que aquele que produz em escola industrial”, orientou.

     De acordo com o secretário,cerca de 90 mil pessoas estão presas por tráfico de drogas no país. Deste grupo, 90% são réus primários. Têm bons antecedentes e foram presos com pequena quantidade de droga.

     “E sabemos que os presídios funcionam como escola de crime”, completou.

     A idéia da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia é encaminhar ao Congresso um projeto de lei que trate do assunto.

Morre em São Paulo o bibliófilo José Midlin

SÃO PAULO – O empresário e bibliófilo José Mindlin, de 95 anos, morreu na manhã deste domingo no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele estava internado há cerca de um mês na instituição, com pneumonia. O corpo será levado para o Cemitério Israelita de Vila Mariana, onde o velório está previsto para 13h. O sepultamento ocorrerá às 15h.


Mindlin reuniu ao longo de 80 anos uma biblioteca, chamada Biblioteca Brasiliana, que é considerada a mais importante coleção do gênero no Brasil formada por um particular. Ele e sua esposa doaram o acervo no ano passado à Universidade de São Paulo (USP).

O conjunto de livros e manuscritos inclui cerca de 40 mil volumes, entre obras de literatura brasileira e portuguesa, relatos de viajantes, manuscritos históricos e literários (originais e provas tipográficas), periódicos, livros científicos e didáticos, iconografia (estampas e álbuns ilustrados) e livros de artistas (gravuras).

Entre as obras, colecionadas desde a década de 1930, estão raridades como a primeira edição de “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, e a primeira edição de “O Guarani”, de José de Alencar, livro que demorou quase vinte anos para ser comprado, entre leilões e oportunidades perdidas. Em entrevista ao iG em 2009, Mindlin declarou: "Tinha pena de quem não dava o devido valor aos livros e não sabia o que estava perdendo, o prazer que os livros podem proporcionar".

Formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Mindlin fundou a indústria de autopeças Metal Leve, onde ficou até 1996. Dono da cadeira número 29 da Academia Brasileira de Letras, da qual passou a fazer parte em 2006, Mindlin era advogado, jornalista e empresário.

* Com Agência Estado

V Semana de Teatro acontece de 22 a 28 de março no TAA

O maior evento de artes cênicas do Estado se inicia no dia 22 de março no Teatro Arthur Azevedo (TAA) e percorrerá durante uma semana outros espaços públicos como Teatro Alcione Nazareth, Teatro João do Vale, Circo da Cidade, praças e sedes de grupos teatrais. É a V Semana de Teatro, grande intercâmbio cultural entre os artistas maranhenses e os do Brasil inteiro nas suas mais variadas linguagens e estilos.


     A organização da V Semana do Teatro no Maranhão é de responsabilidade da Comissão Artística do TAA, segmento teatro que tem a frente o arte-educador e professor do IFMA (Alcântara): Armando Veras e Michelle Cabral, diretora e professora da UFMA e os produtores convidados, também artistas cênicos: Cássia Pires, Alex Santos, Tourinho, Josué da Luz, Lauande Aires e Nilce Braga.
     No Arthur Azevedo será montado o cantinho do escritor, com livros dramaturgos maranhenses e de obras teatrais. As entradas são gratuitas.
     As inscrições dos cursos serão gratuitas e realizadas no TAA, com vagas limitadas e oficinas com duração de 15 dias. Cursos já confirmados: Lambe-Lambe (SC), Cascatas Acrobáticas (PB), Perna de Pau (RJ), Treinamento de Viewpoints (RJ), Direção Cênica e Maquiagem Teatral.

     Espetáculos inscritos para a mostra: "A mulher do Trem", do Grupo Os fofos encenam (prêmio de melhor espetáculo de 2009 pela CPT); "Traição", da Cia Duplô (RJ); "De malas prontas", da Cia. Pé de Vento Teatro (SC); "Abajur Lilás", do Grupo Imagens de Teatro(CE);"Seios", da Cia Satélite (RJ); "Lambe Lambe in Tchekov", dos Anjos da Noite Cia. de Teatro (SC) e outros.

     Neste ano a semana contará com uma seleção especial de Teatro de Rua e peças de categoria Projeto Social. Os espetáculos maranhenses inscritos são:
O baile das Lavadeiras (Grupo Teatro Dança)
A mulher ambulante (Pés de Fulô)
Entre Laços (Pequena Companhia de Teatro)
Bussos etc e tal (Colun Vox)
Duas Cenas (Cia. de Teatro Vitrine)
As Cores de Frida, espetáculo de Teatro-dança (Núcleo Atmosfera de Dança)
João e Maria (Tramando Teatro),
ABC da Cultura Maranhense (Cena Aberta)
História de todos os dias (Cia. Chegança)
Carroça é nossa (Xama Teatro)
Encontros Improváveis (Núcleo de investigação teatral fósforo)
O homem do cubo de gelo (Núcleo Pesquisas Teatrais Rascunhos) e outros. 

     Na segunda semana de abril, ainda fazendo parte das comemorações do Dia Mundial do Teatro (27 de março), 10 cidades maranhenses farão parte da caravana teatral, recebendo um espetáculo adulto, um infantil e uma oficina, tudo com entrada franca.




Manchete dos jornais

Atos & Fatos – Prefeito desvia 1,3 milhão e prejudica nove municípios

Correio de Notícias – CPI/Pedofilia: criança violentada contrai DST

Diário da Manhã –Vacina contra a nova gripe causa polêmica no Brasil e no mundo

Jornal A Tarde – Semus intensifica ações de combate à dengue em São Luís

Jornal Extra –Polícia de Cutrim sob investigação: MP investiga morte de jovem por ronda da comunidade

Jornal Pequeno –Tragédia anunciada: Enchentes “de calendário” é ameaça para Trizidela do Vale

O Estado do Maranhão – Lobão aposta que PT e PMDB vão se aliar no Maranhão
O Imparcial – Eleições sem fim no interior do Maranhão

25 de fev de 2010

Maranhão de volta ao século XIX - Era da revolução industrial

Marluze Pastor*

“O Maranhão não será mais o mesmo”. /Luiz Inácio Lula da Silva //durante sua visita a São Luís, dia 10 de dezembro de 2009.

“Trata-se de uma enorme oportunidade, de possibilidades, de construir um futuro melhor no Estado, no país”, Sergio Gabrielli de Azevedo, presidente da Petrobrás, //no Painel Empresarial, 14 de outubro de 2009.

“Chegada do futuro próximo”, Roseana Sarney, //na cerimônia de expansão da refinaria da Alumar, 10 de dezembro de 2009

Todas as vezes que se ouve essas frases feitas, bem como quando se analisa os projetos propostos pelo governo do Maranhão em pleno 2010, se tem a sensação de estar analisando os programas de governo militar para a Amazônia, as idéias de Golbery do Couto e Silva: fábrica de celulose, termoelétrica, exploração de minérios. Os objetivos são também semelhantes: extração de recursos, terra e mão de obra barata, lucro para construtoras.

A divulgação dos projetos de Roseana lembra Leonino Caiado governador de Goiás (1971-75), que na década de 70 criou a campanha “Traga sua poluição para Goiás”. Com objetivo de incentivar a novas indústrias.

Lembra também Ildemar Gonçalves, prefeito de Açailândia, em audiência sobre a criação do Distrito Florestal de Carajás, “Se tiverem que vir empresas que poluem, que poluam.”

Os empreendimentos propostos representam o atraso, pois, estão na contramão das preocupações com as mudanças climáticas, não são mais aceitos em paises, regiões e territórios ricos, por não oferecerem equilíbrio entre crescimento econômico, equidade social, diversidade cultural e a proteção ambiental. Além disso, esses empreendimentos exploram as riquezas e potencialidades locais até o esgotamento, deixando um legado de destruição ambiental e social.

QUANTO CUSTA ESSES EMPREENDIMENTOS?

Os empreendimentos                                                                 Os custos

Refinaria Premium I, da Petrobrás                                            R$ 40 bilhões

Fábrica de papel e celulose, da Empresa Suzano                      R$ 3 bilhões

Ouro Piaba da Empresa: Luna Gold Corporation, canadense    R$ 80 milhões

Usina Termelétrica Porto de Itaqui da MPX-EBX                     R$ 1,5 bilhão

Usina Termelétrica (Tocantinópolis e Nova Olinda)
Consórcio Geranorte                                                               US$334 milhões, recursos da SUDAM

Expansão da Refinaria da Alumar                                             R$ 5,2 bilhões

Aciaria de Açailandia                                                               R$ 300 milhões

PIER IV, da Vale                                                                    US$ 2 bilhões

fonte: EIA/RIMA das empresas, site do governo de Estado do Maranhão



QUEM PAGA POR ELES?

o As comunidades atingidas e do entorno dos empreendimentos . Para essas comunidades os danos são irreparáveis, perdem a terra, territórios, recursos ambientais. São destruídos o patrimônio cultural, seus locais e modos de vida, trabalho. É o caso da comunidade Salvaterra e as comunidades agroextrativista da Ilha de São Luís e muitas outras do interior do Estado.

o Os agricultores/as e pescadores. Os desmatamentos; perda da camada orgânica e envenenamento do solo; perda da vegetação, extinção de espécies; os resíduos químicos; emissões de particulados que são transportados para os mares e rios e a reconcentração fundiária vão reduzir ainda mais o trabalho e a renda dos agricultores/as e pescadores.

o O ambiente , os recursos, os moradores e moradoras do Estado. A emissão de material particulado; geração de chuva ácida e intensificação de efeito estufa pelas emissões de óxidos de nitrogênio, dióxido de enxofre, dióxido de carbono; alteração da paisagem; acumulação de dioxina e outros produtos tóxico na cadeia alimentar, vão aumentar os cânceres e outros males.

o Os trabalhadores das empresas. Acidentes de trabalho, doenças ocupacional como enrijecimento das articulações, impotência sexual, dores musculares e doenças degenerativas, relações de trabalho degradantes e baixos salários. O trabalhador brasileiro do setor siderúrgico recebe aproximadamente um quinto do que ganha o trabalhador da Alemanha e Coréia.

E AS ÁGUAS?

São Luís já falta água na maioria dos bairros, o uso de grande quantidade de água por esses empreendimentos tende a agravar o problema. No caso da termelétrica do Eike Batista já está usando 6,25m³/h de água do sistema público. A refinaria vai usar água do sistema Italuís na construção, e, no período de operação vai usar água do Rio Itapecuru. As termelétricas de Miranda vão usar do rio Mearim. Todos os resíduos vão ser jogados nesse rios e na baia de São Marcos. As consequências serão deterioração e contaminação das águas superficiais, subterrâneas e corpos hídricos, inclusive, por metais pesados; redução da recarga dos aqüíferos e perdas de nascentes; poluição por resíduos de fibras, aditivos, cola, óleos, tintas e outros químicos tóxicos.


PARA GERAR UM EMPREGO NOVO, CUSTA EM MÉDIA R 3.097.594,00

EMPREGO PARA QUEM?

A justificativa desse tipo empreendimento, considerado sujo, é baseada no emprego, entretanto, como pode ser observado, o valor do emprego é muito alto, a maioria dos empregados virão de outros estados, no caso da Refinaria, as empresas que irão trabalhar e as que já estão trabalhando são de outros estados: a VIP Segurança é de Sergipe; a EPT e de Osasco/São Paulo; a ENGEMPA é de São Paulo; a Elabore é de Brasília. No caso da termelétricas de Miranda a empresa construtora é a Wärtsilä, empresa da Finlândia. No caso da termelétrica do Eike Batista, o Sindicato dos Metalúrgicos denunciou que não estão aceitando trabalhadores maranhenses.

O dinheiro que está sendo investido vai gerar milhões de pobres, comprometer o futuro de várias gerações. Se esse dinheiro fosse empregado na agricultura (terra, assistência técnica, mercado) ao invés de 132 mil empregos indiretos na Refinaria teríamos 600 mil empregos diretos e vitalidade no mercado interno.
 
* Marluze Pastor, ex-superintende do IBAMA no Maranhão e ativista dos movimentos sociais

Veja Agora terá que indenizar o ex-governador José Reinaldo Tavares

A 1ª Câmara Cível do TJ negou recurso ao Jornal Veja Agora, de propriedade do hoje secretário de Estado da Saúde, Ricardo Murad, condenado ao pagamento de R$ 16.800 (dezesseis mil e oitocentos reais) mais correção monetária, a título de indenização ao ex-governador do Estado, José Reinaldo Tavares, por publicação de matéria ofensiva à sua honra e imagem. O julgamento foi relatado pela desembargadora Graças Duarte e se deu por maioria de votos.

No pedido de indenização, José Reinaldo assegurou que sofreu campanha de desmoralização pelo referido periódico, por motivações políticas, o que afetou-lhe a honra e a reputação familiar.

A condenação ao pagamento foi deferida pelo juiz da 3ª Vara Cível da capital, Douglas Airton Amorim, em março de 2008. O Jornal recorreu da sentença, alegando, entre outros pontos, que a publicação conferiu mero “dissabor momentâneo” ao ex-governador.

A relatora do processo considerou que a publicação ocorreu sem a utilização de fonte de veracidade e com uso de termos ofensivos, veiculando assuntos que nada tinham a ver com os atos de governo, mas que diziam respeito à vida privada do ofendido, o que afetava indiretamente os demais membros de sua família.

A decisão entendeu razoável a indenização determinada, destacando que os órgãos de imprensa têm obrigação de publicar matérias com veracidade, possibilitando a defesa e resposta das pessoas envolvidas. Acompanhou a relatora a desembargadora Anildes Bernardes Cruz. Votou contra o desembargador Paulo Velten Pereira, que deu provimento ao recurso.

Manchete dos jornais

Aqui- “Não fui eu”

Atos & Fatos –Secretário expõe números sobre passagem de ônibus na Câmara

Correio de Notícias –PPS “engessa” Eliziane e pede menos fervor

Diário da Manhã –Enade 2010 vai avaliar 4.500 cursos superiores

Gazeta da Ilha –Mais um é “salgado” em São Luís

Jornal A Tarde – Governo construirá espigão para conter erosão na Ponta d´Areia

Jornal Extra –Imagine! Pereirinha passa a perna em Evilson e fecha contrato com a Open Door

Jornal Pequeno –Ex-secretário Canindé é acusado de financiar protestos na Câmara

O Estado do Maranhão – Governo assume construção de espigão na Ponta D´Areia

O Debate- Ministério vai avaliar 4,5 mil cursos superiores no país

24 de fev de 2010

Lobão visita Usina Hidrelétrica de Estreito nesta sexta

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, visita, nesta sexta-feira (26), as obras da Usina Hidrelétrica de Estreito, no estado do Maranhão. Ele desembarca no aeroporto de Imperatriz às 9h30, de onde segue para o município de Estreito, onde visita o canteiro de obras de Estreito, hoje uma das maiores obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

A usina deve entrar em operação comercial ainda este ano, antecipando todo o seu cronograma de obras. A UHE Estreito é um dos maiores projetos de geração de energia elétrica em construção no Brasil, com capacidade para gerar 1.087 megawatts. Está sendo construída pelo Consórcio Estreito Energia (Ceste), formado pelas empresas GDF Suez, Vale, Alcoa e Camargo Corrêa.

Somente durante a fase de implantação do empreendimento estão sendo gerados cerca de 6.500 empregos diretos e 16.500 indiretos, totalizando 23.000 postos de trabalho. Além disso, tem sido priorizada a contratação da mão-de-obra local.

De acordo com o ministro, um total de R$ 92 bilhões de investimentos em grandes obras, como a Usina Hidrelétrica de Estreito e outros empreendimentos nas regiões Norte e Nordeste, até 2013, vão representar aumento de mais de 35% no setor elétrico em relação ao período entre 2005 e 2008. Lobão comemorou essas estimativas porque, segundo ele, mostram o acerto da política adotada pelo governo federal para a área que ele comanda há dois anos.

Nos próximos quatro anos, as usinas de Estreito, no Rio Tocantins, de Jirau e Santo Antonio, no Rio Madeira, vão representar investimentos de aproximadamente R$ 23 bilhões. Lobão já havia anunciado na última segunda-feira (22) projeções do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) de que os grandes projetos nas áreas de energia elétrica vão liderar a expansão da infraestrutura do País. De um total de R$ 274 bilhões previstos para investimentos nos próximos quatro anos em energia e telecomunicações, 33,6% virão de projetos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica.

Bulcão devaneia em números e diz que orçamento também é poesia

O advogado e apresentador de programa na Rádio Capital, César Bello, encetou um bate-boca nesta quarta-feira pela manhã com o secretário de Cultura, Luiz Bulcão. Bello inquiriu o gestor da cultura estadual se o mesmo se considerava sério, ao comprometer mais da metade do orçamento da pasta para promover uma festa com duração de uma semana. A festa referida é o “Carnaval de volta à alegria”, patrocinado pelo governo do estado, com recursos titubeantes.


     Antes de iniciar o embate verbal, Bulcão deitou falação sobre o que cria ser sua prestação de contas do evento bancado pelo erário. Lançando chamas na oposição e no governo de Jackson Lago, deposto no TSE por um processo encabeçado pelo grupo Sarney, faltou pouco para que o auto-intitulado poeta transformasse a coletiva à imprensa em mais um exercício de devaneio contumaz.


     Para Bello, o secretário elucubrava com intenção clara de anuviar os números oficiais do carnaval. Responsável pelo confete publicitário da festa, o secretário Sérgio Macedo explicou que o fato de ter sido divulgado pela própria Secom números superlativos de gastos com a festa tradicional de Momo, justificava-se diante da intenção de divulgar a farra em rede nacional. Macedo afirmou que pouco mais de dez por cento da verba gasta com o carnaval alimentou a publicidade interna.


     Bulcão rotulou Bello de defensor nato do governo passado que fechou praças esportivas e até mesmo a Biblioteca. Seletivo na amnésia, o secretário esqueceu que foi ele quem mandou lacrar a Biblioteca Pública Benedito Leite. Afinal de contas, ninguém nesse estado precisa ler ou pesquisar, já que mais de 90 por cento afirma aprovar a utilização de milhões e milhões com a promoção do carnaval. Ao menos foi isso que aferiu pesquisa da Escutec, instituto comandado pelo ex-radialista Fernando Leite, nome ligado à rádio Timbira ainda no primeiro mandato de Roseana Sarney (1995-98). A mesma Escutec que dava como certa a eleição da filha do senador José Sarney em 2006, quando ela foi derrotada nas urnas pelo pedetista Jackson Lago.

     A certa altura do debate sobre responsabilidade fiscal, Bello lançou o desafio ao travestido secretário: conheces a obra do poeta Nauro Machado? ! Bulcão balbuciou. Bello citou a obra “O Anafilático desespero da esperança ” (Edições Antares), em que Nauro Machado registra:
Os Mandarins
Com o poder do povo não conto,
para traduzi-lo em meu canto,

embora o tenha em fome e carne


Embora o sofra em minha boca,

abrindo igual a qualquer outra,

com sua metáfora e seu sêmen.


O poder do povo tem-no outros,

como o tem do poder de esgotos,

como o tem da aura do Poder.


Rodrigo Comerciário será fiel da balança na decisão sobre alianças no PT estadual

Rodrigo Comerciário (foto) será o fiel da balança no encontro estadual do Partido dos Trabalhadores que decidirá sobre alianças nas eleições de outubro deste ano. Comerciário, ex-candidato a vice-prefeito na chapa do deputado Flávio Dino (PCdoB) na eleição município de 2008 de início era defensor da aliança com os partidos do campo de esquerda.

Aparentemente a matemática petista é cartesiana. Dos 175 delegados, o deputado Domingos Dutra tem 38 delegados; Bira do Pindaré, 29; Augusto Lobato, 14, perfazando um total de 81.  Na tabuada do partido de Lula no Maranhão, a soma se completa com os 80 delegados, divididos entre o deputado Washington Luiz que possui 54; o secretário estadual de Trabalho, José Antônio Heluy detentor de 14 votos dos delegados e Fransuíla, com apenas 9. Eles pregam a aliança com o PMDB de Roseana Sarney (PMDB). Os outros 14 delegados (as) são de Rodrigo Comerciário. Dependerá destes a aliança ou não com o grupo peemedebista orientado pela Família Sarney.

É a segunda vez em que o sindicalista ocupa a posição de minerva. Na primeira, durante o Processo de Eleição Direta, PED, no ano passado, Rodrigo Comerciário manteve uma dubiedade obscura na disputa entre Augusto Lobato e Raimundo Monteiro.

Depois da resolução do 4.º Congresso Nacional do PT que deliberou que a palavra final será dada pelo Diretório Nacional em concordância com as Direções Estaduais; a não priorização da aliança com o PMDB e afirmou a necessidade de fortalecer o bloco da esquerda (PCdoB,PSB e PDT) haja vista que todos são da base apoio do Governo Lula.

Para o petista Silvio Bembem, cumprirá aos petistas maranhenses fazer a parte deles aprovando a tática com PT, PCdoB, PSB, PRB liderado por Flávio Dino - Governador e Bira -Senador no Encontro Estadual do PT/MA.

A primeira reunião do Novo Diretório do PT está marcada para o próximo sábado, 27. Na oportunidade será eleita a Comissão Executiva Estadual e marcada a data do Encontro Estadual, previsto para os dias 20 e 21 de março.

“Estamos trabalhando nesses dias para não deixar serem cooptados por Sarney. Essa deverá ser a nossa principal estratégia, para derrotar a turma da oligarquia dentro do PT/MA. Se ganharmos o Encontro de delegados(as) não terá intervenção com vem pregando a mídia da oligarquia”, conclui Bembem.

Frase do dia

"A política e o crime são a mesma coisa". Dom Tomazino (Vittorio Duse), em "O Poderoso Chefão", filme dirigida por Francis Ford Coppola.

Manchetes de hoje

Aqui- Cohatrac: Celular vale uma vida?
Atos & Fatos - Jovem morre morta a tiros por assaltantes no Cohatrac
Correio de Notícias – Flávio Dino contesta redução da bancada
Gazeta da Ilha – Morte no Cohatrac: Latrocínio ou crime passional?
Jornal Extra –Bicho soltou!!!: Louro Bill em liberdade
Jornal A Tarde – Mineradora vai investir R$ 280 milhões no Maranhão
Jornal Pequeno – Deu na Folha: Zé Dirceu é acusado de receber propina de telebras
O Estado do Maranhão – Mineradora investirá em extração de ouro no MA
O Debate - Mineradora Jaguar vai investir R$ 280 milhões no Maranhão
O Imparcial – A morte... sem compaixão

Flávio Dino pede rejeição de minuta sobre recomposição do legislativo

O deputado federal Flávio Dino (PCdoB-MA) entrou com uma petição no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por meio da qual pede que seja rejeitada a minuta de resolução que trata da redefinição do número de deputados da Câmara dos Deputados, das Assembleias Legislativas e da Câmara Legislativa do Distrito Federal.
Para o deputado, aplicar esta regra para as eleições 2010 seria uma medida “inconstitucional, geradora de insegurança jurídica e inconveniente”. Isso porque o artigo 16 da Constituição Federal estabelece que a lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra até um ano da data de sua vigência. Em sua opinião, o dispositivo se aplica não só às leis em sentido restrito, mas também às resoluções do TSE.
Além disso, o deputado destaca que a lei que permite ao TSE enunciar o número de vagas a serem disputadas nas eleições (Lei Complementar 78/93) determina que a quantidade de cargos será sempre estabelecida de acordo com atualização estatística demográfica dos estados, feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no ano anterior às eleições.
“No caso, não se evidencia que tais providências tenham sido adotadas no ano de 2009, como seria imperativo para cumprir-se os comandos constitucionais acima transcritos”, argumenta.
Flávio Dino afirma que a resolução se baseou em estimativas populacionais produzidas pelo IBGE em 2009 com a finalidade de se calcular as cotas do Fundo de Participação dos Estados e Municípios, entretanto, “tais dados são insuficientes para se estabelecer, com a segurança necessária, o número de membros da Câmara dos Deputados e do Poder Legislativo estadual”. Ele defende que essas estatísticas são produzidas de acordo com métodos próprios, com a finalidade única e específica de se calcular as cotas do FPM.
Destaca, por fim, que em 2010 haverá o censo demográfico que, “ao contrário das mencionadas estimativas populacionais, é instrumento apto a guarnecer o Congresso Nacional e o TSE das estatísticas necessárias para estabelecer o número de representantes de cada unidade da federação, seja no âmbito federal, estadual ou distrital".
Pede, portanto, que o TSE rejeite a minuta e que a recomposição seja reexaminada após concluído e divulgado o resultado do Censo 2010.
Reunião com o presidente
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ayres Britto, recebeu no início da noite de hoje o deputado Flávio Dino e outros parlamentares que representam os oito estados que perdem cadeiras nas casas legislativas com a redefinição do número de deputados no país.
O deputado Flávio Dino argumentou que a revisão neste momento vai causar instabilidade política, por causa da proximidade das convenções partidárias, e acrescentou que os líderes de todos os partidos políticos estão solidários e não querem que essa alteração ocorra agora.
O presidente Ayres Britto informou que o ministro Arnaldo Versiani vai colher amanhã, em audiência pública, todas as contribuições para a proposta de resolução que será levada para a apreciação do Plenário do tribunal.
“Somos todos sensíveis a esse tipo de postulação. E isso é muito sério mesmo”, disse o presidente.
O ministro Arnaldo Versiani, também presente à reunião, destacou que a alteração se baseia em dados oficiais do IBGE relativos ao censo de 2000 com atualização estatística de 2009.
Assessoria de Comunicação do TSE
23/02/2010

23 de fev de 2010

Governo não chega a consenso sobre gastos com carnaval

Em artigo postado em seu blog o secretário estadual de Articulação Política com os Municípios, Hildo Rocha, confirma: “Ano passado o governo do estado aplicou nove milhões de reais no carnaval. Este ano, só para os municípios, serão destinados aproximadamente trinta milhões de reais. Uma ajuda importante para os municípios que tradicionalmente realizam grandes carnavais.”

       Portanto, não está inventando o deputado estadual Edivaldo Holanda (PTC) quando afirma que o governo do estado promoveu o “Carnaval do Maranhão de volta à alegria” com gastos de R$ 50 milhões.

       Em entrevista a rádio AM do Sistema Mirante de Comunicação, ralo de boa parte dos milhões carnavalescos rubricados como verba de publicidade, o secretário Luiz Henrique Bulcão afirmou que não chega a R$ 40 milhões o orçamento anual de sua pasta e acusa o deputado oposicionista de estar cometendo mais uma aleivosia contra o governo Roseana, legítimo no entendimento do arauto madredivino. “É inveja do sucesso”, resume Bulcão, num lampejo da auto-avaliação positiva do carnaval do glamour.

      Foi a própria Secretaria de Comunicação do governo do estado que distribuiu a informação através de releases publicados nos meios de comunicação locais e até dos estados vizinhos - vide Portal 180 Graus, do Piauí – sobre os gastos com o carnaval.

      “Antes de viajar, a governadora deu um presente para os foliões maranhenses. Ela garantiu ajuda financeira às festas de carnaval de todos os 217 municípios do estado,assegurando investimentos da ordem de R$ 29 milhões ao reinado de Momo, o que vai gerar emprego, renda e incremento no turismo”, informava a peça seconiana.

      Somados aos R$18 milhões para a festa em São Luís anunciados no lançamento do projeto “Carnaval do Maranhão de volta à Alegria”, não há equívoco, muito menos tergiversação sobre a farra. Demonstrando uma disposição inata para a bondade, o gestor das cultura afirma que 55 prefeituras ainda não foram receber seus recursos ainda envelopados na SECMA. Pelo que se sabe,  prefeitos não aliados se negaram a fazer parte da farra, para não levar fama de embolsar míseros trocados.

     As altas cifras do chamado investimento no carnaval garantiu a alegria de alguns, poucos, como os que se mascaram no Baile de Gala – no Pestana Hotel, o momento de glamour e bom gosto financiado pelos cofres públicos. Roseana fará nesta quarta o balanço positivo da festa. Concluirá o que todos já sabemos: “Esse carnaval que passou realmente foi o bicho”.

Cemar tem que indenizar moradora de Açailândia por corte indevido

A consumidora Maria Neuza M. da Silva, moradora do município de Açailândia, terá direito a uma indenização de R$ 5 mil, por danos morais em função de corte indevido do fornecimento de energia elétrica praticado pela Companhia Energética do Maranhão (Cemar).
Nesta terça-feira, 23, a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça deu provimento parcial ao recurso ajuizado pela empresa, ao reduzir o valor da indenização, inicialmente fixado em R$ 10 mil pela juíza de primeira instância.
     O relator do processo, desembargador Stélio Muniz, reconheceu que houve dano à consumidora, porque a empresa não a notificou antecipadamente do procedimento. Ademais, segundo os autos, as faturas devidas já estavam pagas quando o funcionário da Cemar efetuou o corte de energia.
     Valendo-se do critério da razoabilidade, o relator e os desembargadores Jaime Ferreira de Araújo (revisor) e Anildes Cruz decidiram reduzir a indenização à metade do valor inicialmente determinado.

* Texto da Secretaria de Comunicação do TJ-MA

Vereadores de São Luís preferem ignorar planilha de aumento das passagens


Os vereadores de São Luís abriram mão da prerrogativa de legislador ao não aprovarem requerimento da vereadora Rose Sales (PCdoB). Com base no artigo 46, inciso 10 da Lei Orgânica do Município, a vereadora além de solicitar a revogação do reajuste das passagens urbanas de 22%, requeria esclarecimentos sobre planilhas para o cálculo do aumento, detalhamento do Termo de Ajustamento de Conduta, TAC, firmado entre o Sindicato das Empresas de Transporte, SET, e o Ministério Público do Trabalho;e, por último, o decreto do aumento assinado pelo prefeito João Castelo (PSDB).
     Argumentando que os dados solicitados pela vereadora serão esclarecidos durante audiência pública marcada para esta quarta-feira, 24, na Câmara Municipal de São Luís, com a presença do Secretário Municipal de Trânsito e Transporte, SMTT, os vereadores mudaram o tom indignado dos discursos da segunda-feira, acalorados pela galeria, formada por lideranças estudantis e representantes do movimento dos transportes públicos.
     Nem mesmo o presidente da Mesa Diretora, o vereador Isaías Pereirinha (PSL), tem conhecimento sobre a planilha que balizou o aumento de índice inédito na década. Com exceção da vereadora Rose Sales e Fernando Lima, ambos do PCdoB, não houve por parte dos outros membros da Câmara qualquer intenção oficial de revisão das tarifas.
     Com a extinção da Comissão Tarifária, a Câmara ficou sem rumo na questão dos transportes. Agachado diante do Executivo, o presidente Isaías Pereirinha ao abrir os trabalhos legislativos em 1º de fevereiro ressaltou em discurso seu papel de colaborar incondicional do prefeito. A missão constitucional de fiscalizar está enviesada no pensamento do presidente do legislativo municipal. Trilhando o caminho vincado na administração passada, de Tadeu Palácio, Pereirinha não é o político mais recomendado para defender interesses da população. Prefere exaltar a tarifa social, artifício forjado para conter os protestos crescentes contra a punhada aplicada na população traiçoeiramente no Sábado de Carnaval.

Em tempo: Vale lembrar que durante a campanha “Agora Vai”, o candidato João Castelo prometia adotar em São Luís aos domingos a mesma medida da prefeita de Fortaleza, a petista Luiziane, cuja campanha de reeleição foi comandada pelo marqueteiro Duda Mendonça. A tarifa na capital cearense aos domingos era de R$ 1,00.

22 de fev de 2010

Vítima de pedofilia em Açailândia recorre ao suicídio

A jovem Rosemeire Monteiro Silva, 25 anos, morreu na sexta-feira depois de ter ingerido veneno. Moradora de Açailândia, Rosimeire era mãe de dois filhos e uma filha. Tanto ela como a filha foram vítimas de abuso sexual infantil. O pai e avô Sebastião Alves da Silva, 57 anos, foi apontado como autor do crime. Reprisava-se o clássico: violência sexual dentro do ambiente doméstico.
Aos 13 anos de idade, Rosemeire saiu de casa. Mais de dez anos depois tomou coragem para denunciar, no final do ano passado, à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga crimes de abuso sexual contra crianças e adolescentes. Contou a jovem que, desde os oito anos de idade, o pai a violentava sexualmente. E não só a ela, também a irmã com problemas mentais.
Preso por porte ilegal de arma, Sebastião passou cinco meses na cadeia. A mãe de Rosemeire, Maria José da Silva Alves, 53 anos, tentou se desfazer da casa da família. O dinheiro da venda seria usado para advogados do marido. Mãe e pai em coro foram ouvidos na CPI.
Na época da denúncia, a propriedade foi citada como prumo do conflito entre pai e filha. Vizinhos temeram pela integridade de Rosemeire e sua filha. Afinal, ela havia delatado o criminoso, coincidentemente, seu pai. Quase anunciada pela vizinhança, a morte de Rosemeire teve lances de tragédia, testemunhada até por crianças. Segue o um ritual macabro envolvendo menores no município.
Açailândia está no foco central da CPI do legislativo estadual. São do município os adolescentes assassinados no interior das dependências da FUNAC – órgão do governo do estado -, na Maiobinha, em São Luís.
Na próxima quinta-feira, 25, a CPI de Combate a Pedofilia e ao Abuso Infanto-Juvenil retomará os trabalhos. Uma enxurrada de casos tem excitado os membros da Comissão a investigar não abastados, autoridades e pessoas de alto poder aquisitivo. Não necessariamente nessa ordem. O efeito mais pedagógico da atuação da CPI é a exposição de seus próprios integrantes na mídia. Sem o capuz sensacionalista, Rosemeire deu cabo da existência e fim a uma dor que não sai em jornais.

Com informações do Blog Sem Censura, de Wilton Lima

Moradores da Vila Bob Kennedy sofrem com descaso da prefeita Bia "Aroso" Venâncio


Desde o dia 18 de dezembro do ano passado, a prefeita de Paço do Lumiar, Bia "Aroso" Venâncio (na foto), se comprometeu em fazer um depósito de R$ 20 mil como parte do valor do terreno hoje ocupado por 44 famílias na Vila Bob Kennedy. Até hoje pela manhã a prefeita ainda não havia feito nenhum depósito, o que agravou ainda mais a situação dos moradores que estão na iminência de serem despejados por ordem judicial.
     Mesmo com a decisão do desembargador Jaime Araújo, publicada no Diário Oficial da Justiça de quinta-feira, 18,  de suspender a liminar que transferência a propriedade da área para os ocupantes, a prefeita não se movimentou para cumprir sua promessa. 
     O comprometimento da prefeita se deu diante de membros da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional do Maranhão; de membros da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa e de setores do movimento em defesa da moradia.
     Moradores e membros das comissões tentam agora inverter os papéis jurídicos, querem que agentes da Segurança Pública, ou seja policiais militares, garantam a integridade das famílias e a preservação das casas erguidas na propriedade em litígio. A proprietária da area reclama seu direito assegurado pela decisão da Justiça.
     Como paliativo para a falta de compromisso, a prefeita Bia "Aroso" Venâncio promete novamente fazer o depósito. O prazo máximo dado pela juiza Vanesasa Clementino Souza,  da Comarca do Município, termina na quinta-feira,24. No local o clima é de tensão com tendência a arrebentar do lado mais fraco da corda.  
   

21 de fev de 2010

Ministério da Cultura homenageia o rapper maranhense Preto Ghóez


O rapper maranhense Preto Ghóez (foto), do grupo Clã Nordestino, que morreu de acidente automobilístico em 2004 em Santa Catarina, será homenageado pelo Ministério da Cultura com o prêmio Cultura Hip Hot 2010. Na época o então ministro da Cultura, Gilberto Gil, lamentou a morte do artista maranhense, líder do Movimento de Hip Hop Organizado do Brasil, MHHOB, uma das organizações nacionais do segmento.
      "É uma imensa perda. Como artista, líder e articulador talentoso do Hip Hop, Ghóez deixou um trabalho sedimentado, voltado para a construção de políticas para a juventude brasileira. Ele era uma inteligência a serviço dessa revolução silenciosa que os grupos culturais promovem hoje nas centenas de periferias do país", afirmou Gil.
      As inscrições para o prêmio que irá distribuir R$ 1,7 milhão entre os ganhadores começam no mês de abril. O edital vai premiar 128 trabalhos inscritos.
     “A Secretaria de Identidade e Diversidade Cultural tem a tradição de realizar uma homenagem às lideranças dos segmentos que atua. Preto Ghóez foi um grande articulador do Hip Hop nacional”, afirma o secretário Américo Córdula. Para o secretário do MINC a premiação valoriza o talento e cultura da juventude. Ele acredita que o prêmio Hip Hop possa fomentar o apoio de instituições privadas ao movimento.

     Para a viúva do artista, Miriam Bezerra, o Ghóez conseguiu chegar onde queria: naqueles que poderiam tomar decisões nos ministérios, estado, prefeitura, e o presidente. O vocalista do grupo Racionais, Edi Rock, define Preto Ghóez como um ícone do Nordeste.

Confira as categorias do prêmio:

Reconhecimento: Personalidades ou entidades importantes para o desenvolvimento da cultura Hip Hop.

Sócio-Educativa – Escola de Rua: Iniciativas que já existem e que visem a utilização dos elementos do hip hop em ações sócio-educativas, através de oficinas e arte-educadores.

Geração de Renda: Iniciativas que visem a soluções que gerem renda. Por exemplo, distribuição de Cds e Dvds, oficina de moda, oficina de serigrafia, etc.

Difusão/Conhecimento (5° Elemento): Iniciativas que visem a realização de encontros, seminários ou painéis que reúnam atores do hip hop, ou à projetos que visem a produção de mídias para a difusão do hip hop. Por exemplo: jornais, fanzines, programas de rádios comunitárias, documentários, sítios de internet, etc.

Difusão Menções Honrosas: Valorizar as iniciativas que incorporem, associem, incentive o intercâmbio com outras formas artísticas à cultura hip hop, em particular das expressões culturais afrodescendentes.

Menção Honrosa: Inovação: Iniciativas socio-educativos que incorporam novos elementos à cultura de rua, além dos 4 elementos.

Menção Honrosa: Diáspora: Prêmio concebido a iniciativas que contribuam ativamente para a difusão/compreensão do significado da diáspora, por meio da difusão de informação ou a incorporação de outras formas artísticas negras à cultura hip hop.



Quem foi Preto Ghóez

Nascido em São Luís do Maranhão, o rapper passou parte da infância nos mangues, vivendo da pesca de caranguejos. Foi interno da Febem. Desenvolveu ali seu trabalho musical e, a partir daí, ajudou a organizar o movimento Hip Hop nas regiões Norte e Nordeste.
Ghoez foi idealizador, em parceria com o MinC, do projeto "Fome de Livro na Quebrada", previsto para ser implantado em oito estados do Brasil no primeiro mandato do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
"Era um intelectual orgânico das periferias brasileiras, dos grotões. Sua compreensão da cultura era ampla. Defendia o rap como variação do repente e dos ritmos nordestinos. Tenho certeza que o movimento que ele ajudou a construir continuará vivo" disse ainda o ministro Gilberto Gil.
Três meses antes de morrer aos 31 anos de idade, Ghóez também integrava um grupo de trabalho destinado a desenvolver parcerias entre ações do governo e o movimento Hip-Hop. O grupo, criado a pedido do presidente Lula era composto de representantes do movimento Hip-Hop de todo o país, além de membros do governo. O corpo de Ghóez foi enterrado em São Luís.





Manchetes dos jornais

Atos & Fatos – TJ derruba portaria do estado sobre vencimentos de policiais

Correio de Notícias – Pré-candidata, Dilma fala em coalização

Gazeta da Ilha – Polícia desarticula quadrilha no Parque Vitória

Itaqui-Bacanga – Prisões e Morte em São Luís

Jornal Extra – Washington Macaxeira:Aliança do PT no MA ainda está como merda n´água

Jornal Pequeno-Unidos da gastança: Folia milionária de Roseana deixa maranhenses indignados

O Estado do Maranhão – PT lança Dilma

20 de fev de 2010

Câmara vai debater aumento de passagens sem chance de mudar nada

A Câmara Municipal de São Luís promete debater em a partir de segunda-feira,22, e até em audiência pública o aumento dos preços das passagens dos transportes que vigora desde sábado de carnaval. O índice de majoração foi de 22%, historicamente o maior já concedido em todo o país em tempos de inflação controlada.


Nos bastidores, movimentos populares se arrumam para protestar contra o aumento que pegou a população de surpresa. De forma ardilosa, a concessão do aumento concedido pela prefeitura se deu em plena festa momesca, quando mais de um terço da população deixou a cidade, repetindo o êxodo dos últimos anos.

Sem constrangimento algum, o prefeito João Castelo (PSDB) marcou presença sorridente em todos os dias de desfile na Passarela do Samba – cujo valor não foi revelado. A liberação da passarela ao público, mediante distribuição de bilhetes, foi exaltada como enredo pela locução oficial em todos os intervalos do desfile.

Nos poleiros da arquibancada, passageiros do transporte coletivo sentiram-se acomodados. Na passarela, o presidente da Câmara, vereador Isaías Pereirinha (PTC), foi onipresente como confete e serpentina, tanto nas camisetas como patrocinador de um magote de brincadeiras como no papel de integrante das mesmas. Pululava no ritmo da marchinha “é tudo alegria”.

Na câmara, o índice desorienta até mesmo a assessoria de comunicação. A estratégia é usar a imprecisão como mote do debate. Vereadores da Comissão de Transportes da Câmara Municipal de São Luís afirmam - pelo menos o suplente Armando Costa – que nem mesmo foram comunicados sobre o aumento. Entende-se com isso que o aumento prescindiu da aprovação da câmara.

Com todos os pecados cometidos na administração municipal, que com certeza excederam os sete capitais, o ex-prefeito Tadeu Palácio teve o mérito de segurar os preços das passagens durante um bom período. Chegou mesmo a reduzir o valor, uma das primeiras medidas da maneira demagógicas de governar. Sem adversários no Legislativo e apoio incondicional de Pereirinha, Palácio não teria dificuldade em aprovar sucessivas majorações nos valores das passagens, apontadas como uma das mais caras do país.

Castelo tem maioria absoluta na Câmara, comandada por Pereirinha, aliado circunstancial que, dizem, coordenará a campanha de reeleição da deputada estadual Gardênia Castelo (PSDB). Frente a tamanha promiscuidade, difícil o interesse da população sair sem lesão.

19 de fev de 2010

Func confirma Turma do Saco como 2º colocado entre blocos organizados

A comissão organizadora do Carnaval de Passarela 2010, em parceria com a Associação Maranhense de Blocos Carnavalescos, esclarece que, após a apuração das notas dos Blocos Organizados, os grupos “Os Liberais” e “Turma do Saco” apresentaram o mesmo número de pontos (97,7), empatando em segundo lugar. Entretanto, o regulamento não permite empates em qualquer posição, de acordo com o artigo 20, que diz:


Art.20 – Não serão admitidos empates em qualquer posição; [...]

Para proceder o desempate o mesmo artigo prevê ainda que:

I – recorrer-se-á, sucessivamente, às notas concedidas em cada quesito, na ordem de precedência em que se encontram dispostas e relacionadas no Artigo 7º deste regulamento, obtendo, então, melhor classificação o bloco que alcançar as maiores notas em cada um dos supracitados quesitos, na ordem de precedência acima descrita;

A referida ordem apontada pelo Artigo 7º é a seguinte:

1- Fantasia;

2- Bateria;

3- Desfile;

4- Letra;

5- Melodia.

Obedecendo a esses critérios, o primeiro quesito a ser considerado é Fantasia. Nesse caso, o bloco Turma do Saco leva vantagem sobre seu concorrente, por ter alcançado 20 pontos, superior aos 19,7 pontos de Os Liberais, ficando assim em segundo lugar.

Resultado dos Blocos Organizados

1º Os Gorjeadores 98,4

2º Turma do Saco 97,7

3º Os Liberais 97,7

4º Sambistas Caroçudos 96,6

5º Os Cobras das Estrelas 95,6

6º Mocidade Independente de Fátima 94,5

7º Unidos de São Roque 90,2

8º Beatos do Samba 89,4

9º Dragões da Madre Deus 88,2

10º Canto Quente 82,5

11º Pau Brasil 80,3

12º Unidos do Porto Grande 75,5

13º Unidos da Vila Isabel 69,0

14º Super Sambista 68,1

15º No Maranhão o Babaçu Abunda 56,5

16º Mocidade do Monte Castelo 0

17º Unidos do Codozinho 0

18º Unidos da Vila Embratel II 0

Alberto Franco dá aula de cidadania cobrando R$ 5 por cabeça

De volta ao ninho sarneysta, o deputado estadual Alberto Franco (PMDB) exagera na demagogia. Performático na tribuna, com lustre da mídia aliada, o ex-tucano saiu em defesa do projeto “Carnaval – De Volta à Alegria”, financiado pelo governo do estado com recursos do tesouro estadual.

Para Franco, bancar festas com recursos do erário é uma garantia constitucional. No lúcido entendimento do parlamentar promover alegria, diversão, entretenimento, lazer é tarefa do estado.

Infelizmente, o barulhento discurso do parlamentar na tribuna do Palácio Manoel Bequimão jamais será ouvido pela “massa regueira” que fez fila – imensa, diga-se de passagem, durante toda a temporada do carnaval - na portaria da Choperia Marujo, onde para ter acesso ao Carnaval Popular do governo do estado o cidadão teria que desembolsar R$ 5 cinco reais.

Muitos deles são biscateiros, domésticos, domésticas e de classes subalternas para as quais a constituição não se concretiza nem como pedaço de papel. Real mesmo somente os decibéis da Itamaraty a embalar alienações em todos os sentidos.

Quanto à transparência da aplicação dos recursos, o deputado Alberto Franco segue a trilha dos que dançam conforme a música, estrategicamente é reticente como aliado subserviente.

Frase do Dia

"Fatos podem ser bem alusivos,podem desorientar. Enquanto, rumores, boatos, reais ou falsos, frequentemente são reveladores" - Coronel Hans Landa, nazista do SS interpretado pelo ator Christoph Waltz no filme "Bastardos Inglórios", de Quentin Tarantino

18 de fev de 2010

Bulcão terá de explicar gastos com carnaval


O deputado estadual Edivaldo Holanda (PTC), líder da oposição na Assembleia Legislativa, quer a convocação do secretário de Estado da Cultura, Luiz Henrique Bulcão, para explicar qual o critério de distribuição dos recursos públicos para financiamento do carnaval nos municípios. A sugestão foi reforçada pelo deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

Segundo denunciou Holanda (na foto)  nesta quinta-feira na tribuna legislativa, o município de Morros recebeu R$ 300 mil, enquanto Matões recebeu apenas R$ 20 mil. Matões tem como prefeita, Sueli Pereira, mãe do deputado estadual Rubens Pereira Júnior e esposa do ex-secretário do governo Jackson Lago e ex-deputado Rubens Pereira. Por enquanto, é tida como não aliada da governadora Roseana Sarney (PMDB), apesar da boa relação que Pereira pai manteve outrora com o secretário de Articulação do Governo em Brasília, Francisco Escórcio.

Holanda afirma que muito dos R$ 47 milhões destinados pelo Governo do Estado para financiar a festa de carnaval fomentou pré-candidaturas dos secretários de estado. Quer explicações também do secretário de Planejamento, deputado federal licenciado Gastão Vieira (PMDB), sobre a distrbuição do dinheiro.

Para o líder da oposição, os gastos anunciados e não comprovados com o carnaval, não passam de uma festa eleitoreira, sem retorno prático para a comunidade. Cita até mesmo o presidente da Associação dos Blocos Carnavalescos, Ivaldo “Brasa” como testemunha da empulhação. Segundo denuncia o presidente Brasa, a Secma repassou os recursos para uma obscura Sociedade Artística e Cultural do Maranhão, gestada pela turma da Madre Deus ligada a Jorge Murad.

Rubens Pereira fez uma comparação sobre a discrepância nos gastões. Com 30 mil habitantes o município recebeu R$ 20 mil, enquanto que alguns blocos de bairros em São Luís receberam até R$ 80 mil. São esses critérios que os deputados querem que o secretário Bulcão os transforme em algo plausível.

Frase do dia

“O caminho do engano nasce estreito, mas sempre encontrará quem esteja disposto a alargá-lo, digamos que o engano, repetindo a voz popular, é como o Comer e o coçar, a questão é começar” José Saramago, escritor português Prêmio Nobel, em “Caim” (Companhia de Letras)

17 de fev de 2010

Cesar Teixeira dedica título da Favela a Messias

Avesso à fogueira das vaidades, o compositor e poeta Cesar Teixeira dedicou o título de pentacampeã do carnaval maranhense c onquistado pela Favela do Samba, ao artista popular Messias. Amazonense, Messias foi um dos artistas fundadores da escola do bairro do Sacavém. Boêmio inveterado, tinha como parceiro permanente um cavaquinho que trazia sempre embaixo do braço, circulando pela rodas de samba da cidade.

Cesar Teixeira estreitou seu conhecimento sobre o artista amazonenses em conversas com sambistas antigos, moradores do Sacavém e das redondezas. Rastreando a vida e obra do artista, acabou desembocando no Rio Anil, onde participou de rodadas de charutos – muito distantes do cubano cobiha - com a turma de Chico da Gata. Entre boêmios perdeu muita coisa que achava guardar de memória entre goles, conversas e sambas.

Autor de sambas canções incluídos no repertório de Moacir Neves – figura lendária irretocavelmente vestida de branco que se recusava a dar ré em carro e fundou o Hotel São Francisco na década de 70 em São Luís. Neves era escudeiro do jovem político Jose Sarney, quando este ainda gestava seu domínio sobre o Estado.

Entre favelenses que comemoravam o quinto título consecutivo da Favela nesta Quarta-Feira de Cinzas na quadra da escola, o nome soou e continuou incógnito. Ilustre apresentado em carne e osso, somente o homenageado César Teixeira. “Esse aqui é César Teixeira”, apresentou ao público o puxador Vovô.

Antes de resgatar sua obra, Cesar Teixeira quer restaurar a imagem do sambista que também passou pela Mangueira. A foto restaurada pretende entregar à diretoria da Favela.

Após o desfile, Cesar Teixeira cruzou com uma turma do Quinto. “O Quinto levou a história de vários loucos para avenida. A Favela só levou a história de um e venceu”, comparou o autor de “Flor do Mal”.





“TNT me dá alergia”, diz Júlio Matos

O carnavalesco da escola que conquistou consecutivamente cinco títulos no carnaval de passarela de São Luís, Júlio Matos, diz que não vai ficar louco tentando imitar as escolas cariocas. Matos está há 18 anos à frente da Favela. Em 2011 pretende levar para a passarela todos os carnavais falenses. “Trabalho com minha realidade. Não fico imaginando alcançar uma realidade que não é minha”, desabafa.

A fórmula para conquistar títulos não tem segredos. “Carnaval se faz com seriedade”, professa. Este ano ele reservou um mês e meio para preparar todo o desfile da escola. Com jornada de trabalho racionalizada, não excedendo dez horas diárias -, Júlio Matos é imodesto quando se trata da avaliação do seu trabalho: “Fizemos o melhor”, resume.

Para desbancar as concorrentes, o carnavalesco da Favela diz que está sempre receptivo a sugestões. Todo o material da escola este ano foi adquirido no comércio de São Luís. O carnaval só não aceita que coloque TNT (Tecido não tecido) nas fantasias. “Tenho alergia a esse produto”, exagera. O material foi utilizado pela escola na cobertura dos carros alegóricos, entre eles o Shopping Brasil, que encerrou o desfile e que ele aponta como o melhor que já fez durante todos esses anos dedicados ao carnaval.