15 de mai de 2010

Estudo da FIESP aponta que custo da corrupção no Brasil chega a R$ 69 bilhões

Um estudo realizado pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da FIESP revelou os prejuízos econômicos e sociais que a corrupção causa ao País.

Segundo dados de 2008, a pesquisa aponta que o custo médio anual da corrupção no Brasil representa de 1,38% a 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, gira em torno de R$ R$ 41,5 bilhões a R$ 69,1 bilhões.

No período entre 1990 e 2008, a média do PIB per capita do País era de US$ 7.954. Contudo, o estudo constatou que se o Brasil estivesse entre os países menos corruptos este valor subiria para US$ 9.184, aumento de 15,5% na média do período, equivalente a 1,36% ao ano.

Entre 180 países, o Brasil está na 75ª colocação, no ranking da corrupção elaborado pela Transparência Internacional. Numa escala de zero a 10, sendo que números mais altos representam países menos corruptos, o Brasil tem nota 3,7. A média mundial é 4,03 pontos, de acordo com o Índice de Percepção da Corrupção (CPI, em inglês).

Nação prejudicada
Além disso, o levantamento também traz simulações de quanto a União poderia investir, em diversas áreas econômicas e sociais, caso a corrupção fosse menos elevada.
Educação – O número de matriculados na rede pública do ensino fundamental saltaria de 34,5 milhões para 51 milhões de alunos. Um aumento de 47,%, que incluiria mais de 16 milhões de jovens e crianças.

Saúde – Nos hospitais públicos do SUS, a quantidade de leitos para internação, que hoje é de 367.397, poderia crescer 89%, que significariam 327.012 leitos a mais para os pacientes.

Habitação – O número de moradias populares cresceria consideravelmente. A perspectiva do PAC é atender 3.960.000 de famílias; sem a corrupção, outras 2.940.371 poderiam entrar nessa meta, ou seja, aumentaria 74,3%.

Saneamento – A quantidade de domicílios atendidos, segundo a estimativa atual do PAC, é de 22.500.00. O serviço poderia crescer em 103,8%, somando mais 23.347.547 casas com esgotos. Isso diminuiria os riscos de saúde na população e a mortalidade infantil.

Infraestrutura – Os 2.518 km de ferrovias, conforme as metas do PAC, seriam acrescidos de 13.230 km, aumento de 525% para escoamento de produção.  Os portos também sentiriam a diferença, os 12 que o País possui poderiam saltar para 184, um incremento de 1537%. Além disso, o montante absorvido pela corrupção poderia ser utilizado para a construção de 277 novos aeroportos, um crescimento de 1383%.

Fonte: Fiesp

Scorpions desativada divulga involuntariamente turnê da banda que pode incluir São Luís

Quinze anos depois de se apresentar no Rock in Rio a banda alemã Scorpions está se despedindo dos palcos e planeja incluir o Brasil no roteiro da turnê mundial de 2010. São Luís estaria na rota brasileira da banda que divulga atualmente o álbum “Sting in the tail”.



Em duas outras ocasiões a banda esteve no Brasil: em 2005 e há três anos. Nessa última a banda fez shows fora das capitais.



Os ingressos serão sendo vendidos online, mas ainda não data para acontecer. Há indefinição também sobre o roteiro da banda no Brasil para os shows que acontecem em setembro.



Enquanto os alemães do Scorpions não vêm, a cover desativada maranhense divulga seu nome à margem da MA-201, no conjunto Paranã.

Flip testa veia literária de Lou Reed

CRISTINA FIBE
DE NOVA YORK

Lou Reed, escritor? É a pergunta que se faz diante da confirmação da presença do músico na próxima Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), de 4 a 8 de agosto.

Pois são as canções do roqueiro e fotógrafo -imortalizado, nos anos 60, ao criar a banda Velvet Underground- que justificam a sua participação no festival pop literário.

Em julho, a Companhia das Letras traz ao Brasil "Atravessar o Fogo", que reúne 310 músicas. Lançado em inglês em 2000, foi tido pela mídia americana como o endosso da importância de Reed como poeta.

Mas o autor de clássicos como "Walk on the Wild Side", "Heroin" e "Perfect Day", hoje com 68 anos, demonstrou outros vínculos com a literatura ao longo de sua carreira.

No mesmo ano do lançamento da coletânea que chega agora ao Brasil, Reed revisitou as histórias de mistério do escritor americano Edgar Allan Poe (1809 -1849) para escrever a peça "POEtry", em parceria com o diretor Robert Wilson.

Mais tarde, transformou o texto teatral no álbum-conceito "The Raven" (2003), em que gravou com convidados como Steve Buscemi e David Bowie. E as músicas, de novo, viraram livro, acompanhadas de fotos do cineasta Julian Schnabel.

"Eu amo a linguagem de Poe", disse, em 2001, ao "New York Times". "Combina perfeitamente com a minha ideia do que o rock poderia ser: o ritmo, o sexo do rock e o seu impulso físico, com o verdadeiro poder da linguagem."

A mescla de literatura e música, segundo o compositor, não é uma tentativa de legitimar o rock ou ensinar uma lição a adolescentes iletrados, apenas a recusa de separar dois meios de que gosta.

"Não vejo nenhuma razão pela qual você não possa gostar de rock e ser inteligente. Podemos engajar nossas mentes dentro da música", afirmou.

O "rock inteligente" de Reed começou nos anos 60, depois de estudar poesia com Delmore Schwartz (1913-1966), a quem chama de "mestre", na Universidade Syracuse.

Entre 1965 e o início dos anos 70, Reed aplicou seus conhecimentos literários a letras realistas sobre vícios, sexo e amores problemáticos, no auge da banda Velvet Underground, cujo nome foi inspirado no título de um livro.

Fora do grupo, o roqueiro se voltou mais uma vez à poesia, chegando a participar de recitais com a presença de Allen Ginsberg -ícone da geração beatnik- e a proclamar que nunca voltaria a cantar.

Desde então, não largou nem o rock nem a poesia, na tentativa de levar "sensibilidade literária ao rock and roll".

Questionado pelo jornal "El País", no fim de 2008, se imaginava o seu nome como candidato ao Nobel de Literatura, Reed, que foi à Espanha naquele ano participar de um recital de poesias, respondeu: "A pergunta é se acho possível? Não, Bob Dylan já preenche a cota de candidatos no setor dos cantores/compositores judeus. Se acho que mereço? Tenho obra suficiente".

E, nesta semana, Reed anunciou o seu próximo projeto musical, "Music for Dogs" (música para cães), em parceria com sua mulher, Laurie Anderson.

O concerto para ouvidos caninos está marcado para 5 de junho, como parte de um festival australiano que terá a curadoria do casal. Segundo a mulher de Reed disse a um jornal de Sydney, eles têm mais de dez anos de experiência em fazer música para o seu rat terrier.

Poeta do rock marginal dos anos 60, americano vai participar da festa de Paraty

No Painel da Folha de S. Paulo

Benefícios. A Assembleia Legislativa deve votar na terça-feira emenda à Constituição estadual garantindo aos 645 prefeitos paulistas e seus vices o direito a férias remuneradas e décimo terceiro salário. O texto, apresentado em 2007, é de autoria de um grupo de deputados liderados por Uebe Rezeck (PMDB).

Morre o deputado João Evangelista

Morreu às primeiras horas deste sábado o deputado estadual João Evangelista (PSDB), 52 anos, ex-presidente da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Maranhão. Há dois anos ele lutava contra um câncer que o afastou da vida pública deifinitivamente nos últimos meses. 

Eleito deputado pela primeira vez em 1994, pelo PFL, João Evangelista presidiu a Casa entre 2005 e 2008, por dois mandatos consecutivos. Foi um dos responsáveis pela constituição da Frente de Libertação do Maranhão.

O corpo do ex-parlamentar será velado neste sábado no Palácio Manoel Bequimão, sede da parlamento estadual no Sítio Rangedor, bairro do Cohafuma. O enterro está marcado para a tarde. .

Em março deste ano seu filho, Neto Evangelista, distribuíu para a imprensa. Leia abaixo a carta:


'"Peço permissão aos amigos leitores para ocupar este espaço com o reconhecimento a um grande maranhense. Escrevo este artigo ao lado do leito do deputado João Evangelista, homem guerreiro, sempre lutador pelo Maranhão e pela vida. Há dois anos e dois meses, enfrenta sua maior luta: a luta contra uma doença infame, que prefiro não referir-me nominalmente.

João Evangelista é natural de São João Batista, veio para São Luís aos sete anos de idade junto com sua família de sete irmãos. Ele tinha um sonho: dias melhores para o povo maranhense. Esse sonho foi cultivado durante toda sua adolescência. Mas, para torná-lo realidade precisava entrar na vida publica. Foi o que fez. Com a garra e a determinação que sempre teve, conseguiu lograr êxito e foi eleito vereador de São Luis, em 1988, com a quarta maior votação. Reeleito, em 1992, com a maior votação já registrada até aquelas eleições, foi conduzido por seus pares à Presidência da Câmara Municipal. Teve destacada atuação à frente do Legislativo ludovicense, cuja marca foi a modernização de sua estrutura e a democratização.

Seu atuante desempenho na Câmara, o credenciou a conquistar o mandato de deputado estadual em 1994, com a terceira maior votação do estado e a maior da capital, votação esta jamais obtida por um parlamentar, até aquele ano. Foi reeleito em 1998, em 2002 e em 2006, sendo outra vez o terceiro mais votado.

Como deputado estadual, João Evangelista trabalha incansavelmente pela melhoria das condições de vida dos maranhenses. Foi eleito presidente da Assembléia Legislativa nos biênios 2005/06 e 2007/08. Suas gestões foram marcadas pela visão empreendedora de valorização da instituição e de seus servidores; projetos relevantes, como Sol Nascente, que inclui socialmente crianças da periferia de São Luís pela arte, dança, teatro; Parlamento Estudantil; Assembléia na Comunidade, Águas Perenes, entre outras; as ações de comunicação que aproximaram o Legislativo da sociedade, além de comandar a construção de uma das Assembléias Legislativas mais modernas do Brasil, proporcionando aos parlamentares um espaço digno para o trabalho legislativo e para a população, a verdadeira Casa do Povo.

Acostumei ouvir que atrás de um grande homem, existe sempre uma grande mulher, Georgina, sua esposa, que sempre ao seu lado, dedicou-se ao marido e aos filhos, ajudando-o a realizar uma administração jamais vista pelo povo maranhense a frente daquele poder.

Assumiu também o governo do Estado em substituição ao ex-governador Jackson Lago de forma interina no ano de 2008.

Chama-me bastante atenção quando vejo pessoas como o ex-governador Zé Reinaldo Tavares e o deputado federal Ribamar Alves comparando-lhe com a rainha do jogo de xadrez nas eleições de 2006, e quando vejo o ex-governador Dr. Jackson Lago afirmando a importância de um homem como João Evangelista no processo político maranhense.

Sempre dedicado ao tripé que lhe agracia, a família, a política e o Maranhão, João Evangelista tem o nome registrado nos anais da política maranhense.

Deixo de falar como eleitor e admirador e passo a falar agora como filho, e permitam-me, diretamente a ele: no momento em que lhe faltarem pernas, use as minhas, quando lhe faltarem braços, use os meus, não sei se acreditam em super-heróis, mas eu passei a acreditar quando nasci e conheci meu pai.

Deixo este artigo registrado, para a posterior leitura do deputado João Evangelista, pois acredito no Deus que eu sirvo. Ele mais que ninguém é fiel e existe uma promessa em sua vida, e eu creio que ela será cumprida. Te espero para um abraço e para muitas conquistas que ainda virão."



Manchetes dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO - Obras da refinaria vão ser iniciadas em julho