23 de abr de 2010

Fátima Travassos dependerá da visão democrática de Roseana para continuar no cargo


Terminou nesta sexta-feira às 17 horas o prazo de inscrições para o cargo de Procurador-geral de Justiça. A atual Procuradora-Geral de Justiça, Maria de Fátima Rodrigues Tavares Cordeiro, está entre os pleiteantes inscritos até o momento. Os procuradores de Justiça Francisco das Chagas Barros de Sousa e Raimundo Nonato de Carvalho Filho que no passado recente ocuparam o lugar de Fátima Travassos também estão no páreo.
É complexa a situação da candidata à reeleição sucessiva. Travassos foi escolhida pelo ex-governador Jackson Lago (PDT) numa lista tríplice na qual figurava como segunda mais votada no pleito. O primeiro, Francisco das Chagas Barros de Sousa, foi preterido numa clara demonstração de prestígio de Fátima Travassos com o governador em exercício. E, dizem, sobretudo, com a primeira-dama dos Leões, Clay Lago.

A escolha da procuradora, segundo verbalizou o Chefe de Casa Civil do Governo, o ex-deputado e ex-candidato ao Governo do Estado em 2006, Aderson Lago (PSDB), atendeu a uma orientação do governador que assim procedendo prestigiaria o gênero, em detrimento do processo eleitoral democrático. A lista tríplice é contestada dentro e fora do Ministério Público.

Na semana passada, quando a governadora do Estado, Roseana Sarney (PMDB), se transferiu para a região Sul do Estado para cumprir uma agenda trepidante, Fátima Travassos coincidentemente também cumpria agenda de trabalho. Na pauta as lamentações por apoio institucional para atender à população do estado. Não tenho conhecimento se elas – as autoridades – se cruzaram por um acaso premeditado.

Se conquistar a maioria dos votos, Fátima Travassos terá aguardar a benevolência democrática da governadora para que ela acate a manifestação soberana do colegiado através do voto. São ecos para surdo nos ouvidos da governadora que assumiu o lugar de Jackson Lago por determinação do colegiado do Tribunal Superior Eleitoral.

Os ex-procuradores gerais têm afinidades com a governadora. Afinal, ambos estavam no comando do órgão fiscalizador da aplicação da lei quando Roseana Sarney exerceu seus dois mandatos consecutivos. Foi nessa era que  a chefe do executivo, numa complacência dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, permitiu que seu nome fosse estampado na fachada do órgão auxiliar do legislativo que julga as contas do Estado. Outras transgressões nem tão cintilante quanto a inscrição já retirada do prédio também foram cometidas acobertada pela miopia seletiva do Ministério Público. Travassos poderá então reduzir suas ilusões a pó diante da situação espinhosa na qual se transformará a eleição marcaa para 17 de maio.

PROGRAMA DESTA SEXTA-FEIRA

Ciro Gomes: "Acho que dá Serra"

Na entrevista que concedeu ao iG na noite de quinta-feira,22, o deputado federal, Ciro Gomes (PSB-CE), afirmou que, com sua saída da corrida presidencial, o candidato tucano tem mais chances de vencer a eleição do que Dilma Rousseff.

“Minha sensação agora é que o Serra vai ganhar esta eleição. Dilma é melhor do que o Serra como pessoa. Mas o Serra é mais preparado, mais legítimo, mais capaz. Mais capaz inclusive de trair o conservadorismo e enfrentar a crise que conheceremos em um ou dois anos.”

As palavras reservadas por Ciro a Serra impressionam. Impressionam porque a relação entre os dois é reconhecidamente conflituosa – e se situa num grau de agressividade elevadíssimo. As ofensas mútuas publicadas na imprensa dispensam repetição e podem ser conferidas numa pesquisa rápida em sites de busca na internet. As palavras mais pesadas partem em geral do deputado cearense. Nesta entrevista, Serra foi poupado de ataques. “Todos sabem o que sinto pelo Serra. Não preciso repetir”.

Brasilia 50 anos segundo Caju e Amâncio

Jornalista é proibido de citar governador de RR no Twitter


DA AGÊNCIA FOLHA
A Justiça Eleitoral de Roraima multou um jornalista em R$ 5.000 por entender que ele fez propaganda eleitoral antecipada negativa em seu perfil no Twitter.

Em decisão liminar anterior, o juiz Johnson Araújo, do Tribunal Regional Eleitoral de Roraima, havia proibido o jornalista José Raimundo Rodrigues Silva de citar no microblog o nome do governador José Anchieta Júnior (PSDB), que é pré-candidato à reeleição.

O jornalista anunciou, em março, em seu perfil no Twitter, que iria postar 45 supostos crimes eleitorais de Anchieta Júnior. Antes de chegar ao 30º "crime", uma liminar proibiu que ele mencionasse o nome do governador, mesmo que implicitamente, e fixou uma multa diária de R$ 300 em caso de descumprimento.

J.R. Rodrigues, como é conhecido, é secretário de Comunicação da Assembleia e ligado a políticos de oposição a Anchieta Júnior.

Para o jornalista, a decisão é um caso de censura prévia. O advogado do PSDB, Alexander Ladislau, nega a acusação. (SÍLVIA FREIRE)

Manchetes dos jornais

AQUI - MA - Facãozada, bala e morte
ATOS & FATOS - Descoberta fraude em cartórios da Justiça
CORREIO DE NOTÍCIAS:  Dilma: "Corrupção não tem partido"
JORNAL A TARDE: Maranhão promove semináerio para debater objetivos do milênio nesta sexta
JORNAL EXTRA: Quadrilha é presa cheia de drogas na Raposa
JORNAL PEQUENO: Governadora corta 40% da verba destinada a agricultura do Estado
O DEBATE: Polícia desbarata quadrilha que fraudava IR
O ESTADO DO MARANHÃO: Maranhão é o 2º do país que mais vacinou contra gripe A
O IMPARCIAL: Novo mutirão contra gripe A
TRIBUNA DO NORDESTE: Roseana deixa agricultura à míngua