7 de jan de 2011

José Mario e Júnior Marreca vão disputar eleição da FAMEM em fevereiro

Júnior Marreca inscreve Chapa 2
    Está confirmado: os prefeitos José Mário Alves de Souza (São João dos Patos) e Antonio da Cruz Filgueira Júnior (Itapecuru) vão disputa a eleição da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, FAMEM, no próximo dia 17 de fevereiro.
    Eles inscrevem suas respectivas chapas por volta do meio-dia de hoje. A comissão formada por Margareth Mendes Carvalho, Tammy de Oliveira Cunha Ramos e Danney Cristians Barroso de Lacerda encerrou as inscrições ao meio dia e cinco.
   O prefeito de Itapecuru, Júnior Marreca,  terá como vice na chapa 2 - Unidos pelo municipalismo, o atual prefeito de São José de Ribamar, Gil Cutrim. Zé Mário e Irene Soares, prefeita de Presidente Dutra, compõem a chapa 1 - Famem participativa.

João Castelo faz segundo lance no jogo da reeleição

    O prefeito João Castelo (PSDB) abriu o jogo na posse do novo secretário da Informação e Tecnologia (o que significa isso?!), Rodrigo Passínio Azevedo. Desconhecido do meio político, Passínio é ungido pelo líder do PP, o deputado federal reeleito e ex-secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Waldir Maranhão. Abre também a porta das negociações em torno de uma coligação partidária com obviedades ululantes na manutenção do tucano no comando do Palácio La Ravardière.
    Foi o segundo passo de Castelo na montagem da plataforma política pela qual pretende enfrentar adversários renitentes.
    O primeiro passo foi trazer para sua constelação translúcida o ex-secretário de Governo da administração do ex-prefeito Tadeu Palácio (ex-pedetista), o pedetista Clodomir Paz, adversário e posterior aliado do tucano.
    A missão de Paz, além de comandar a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes, é apaziguar as insatisfações pedetistas com o tratamento de Castelo nesses dois anos. Embora tenha convocado para seu quadro o pedetista Júlio França, a afabilidade do tucano não chega a empolgar a "militância pedetista", essa sim uma ferramenta valorosa para quem quer disputar a prefeitura de São Luís.
    Essa "militância pedetista", espalhada em pontos estratégicos de mobilização da ilha de São Luís, gestada e posta em incubadora pelo PDT durante o período em que o partido comandou a prefeitura de São Luís, foi a mola mestra para conferir a vitória no segundo turno das eleições municipal pelo ex-governador do estado do Maranhão pelo PDS (embrião do PFL e raiz do DEM). Uma mãozinha também dos pedetistas instalados no Palácio dos Leões contribuiu sobremaneira para colocar o tucano no endereço apegado. Clodomir Paz foi um dos artífices dessa estratégia.
    No governo Jackson Lago (PDT), pedetistas tencionavam inflar a folha de pagamento do governo. Mas os olhos de lince estavam postos sob o governo da Frente, um conglomerado partidário que se estilhaçou logo após o pedetista ser ejetado da cadeira do executivo estadual. No comando do Detran, após derrota na campanha eleitoral no primeiro turno o pedetista Clodomir Paz deu vazão a seu talento de agregar os companheiros partidários. Como o gládio e a balança para a Justiça, são os atributos políticos que nortearão a convocação de novos integrantes para equipe de Castelo na segunda metade do seu mandato.
Nesse universo conclui-se  que heresia não é privilégio dos ímpios de bigode.

Lambe-lambe: Obra incompleta provoca protesto na Avenida Santos Dumont

Candidatura de Zé Mário à presidência da FAMEM pode ser natimorta

    Principal apoiador da candidatura do prefeito de São João dos Patos, José Mario, à presidência da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, o deputado Ricardo Murad (PMDB) instalou em sua residência no Olho D´àgua o QG da candidatura do também peemedebista.
    Zé Mario tem dificuldade de encontrar nomes suficientes para compor sua chapa. As inscrições se encerram nesta sexta. Pelo estatuto da entidade são necessários 27 nomes na composição da diretoria. O prefeito de São João dos Patos quer reduzir para 23 integrantes.
    Nos últimos dias, José Mário se transferiu para a casa de Ricardo. Almoça e jantar na mansão do ex-secretário de Saúde e ex-prefeito de Coroatá.
    Contra Zé Mário pode haver uma composição das chapas de Júnior Marreca, prefeito de Ityapecurua, com a prefeita de Timon, Socorro Waqui. Aí sua candidatura desandará de vez. Até o final do dia se medirá o poder de artculação do deputado Ricardo Murad.

TV Cultura fecha surcursal de Brasília

A TV Cultura anunciou nesta semana o fechamento da sua única sucursal, instalada em Brasília. A equipe composta por dois jornalistas, um editor de imagens, dois cameramen e dois auxiliares de produção foi inteiramente demitida. Conforme informou a assessoria do canal, estas demissões ocorreram por uma “questão de conceito”.
    Sem a equipe de reportagem direto de Brasília, a Cultura irá centralizar sua equipe de jornalismo em São Paulo, mas com informações fornecidas por agências de notícias, como a BBC, e os canais Brasil e NBR, que cobrem os acontecimentos da capital brasileira e o noticiário ligado ao Planalto.
    Por questões legislativas, a TV Cultura é impossibilitada de contratar e demitir funcionários concursados em ano eleitoral. A dispensa, entretanto, não se resumiu apenas aos profissionais em Brasília: dois editores, Rui Rebelo e Roberto Chaves, e o chefe de redação Evaldo Dell Omo também foram recentemente demitidos. Para o cargo de chefia, Marília Asseff é a nova contratada.
    A explicação apontada pela assessoria da Cultura envolve uma reformulação na equipe de jornalismo, dirigida pelo coordenador Celso Kinjô. O objetivo da TV Cultura em 2011 é tornar o seu jornalismo mais analítico e de debate. Para o cargo de chefe de redação, Kinjô convidou a jornalista Marília Assef, que há pouco tempo estava na Rede TV!.
Do Comunique-se

Profetas da chuva se reúnem amanhã

Antonio Lima: previsão de chuvas através da folha de feijão
    Mais de 40 participantes já confirmaram suas presenças no XV Encontro dos Profetas das Chuvas 2011, que será realizado amanhã, 8, no município de Quixadá, no Sertão Central, a 158 quilômetros de Fortaleza.
    Como no ano passado, o encontro será no antigo Clube dos Agrônomos, que fica próximo ao açude do Cedro, a partir das 8 horas. Até meio-dia, os profetas da chuva irão falar sobre o resultado de suas experiências com relação à quadra chuvosa que começa no próximo mês de fevereiro e continua até maio.
    João Soares e Helder Cortez, os coordenadores do evento, dizem que além dos profetas, haverá convidados especiais: sociólogos, doutores em Antropologia da Unicamp e do Canadá, além de curiosos e admiradores daqueles que observam o tempo e fazem experiências com plantas, astros, insetos e animais para a previsão da quadra chuvosa do Ceará. O cantor e compositor cearense Raimundo Fagner deve comparecer ao encontro deste ano.
    Em 2010, a maioria dos profetas errou a previsão feita para a quadra chuvosa. Muitos disseram no encontro do segundo sábado de janeiro, que as chuvas seriam acima da média no Ceará, mas as precipitações foram bem escassas e isoladas. Os agricultores perderam mais de 90% do que plantaram em todas as regiões do Estado.
    Vários profetas afirmaram que o homem do campo teria uma boa colheira em 2010. Um deles foi o conhecido João Leiteiro que observa os ventos, a lua e os astros. Ele previu até inundações em algumas áreas do Ceará, o que não aconteceu no ano passado.
    Mas teve quem fosse contrário a essa previsão e acabou acertando, como Francisco Alves Batista. Ele disse que, em 2010, as chuvas seriam irregulares, “fininhas e afastadas. Vai chover num canto e noutro não”. Acabou fazendo a previsão correta.
Encontros desde 1997
O primeiro encontro de Profetas Populares da Chuva foi em 1997, em Quixadá. Sempre na véspera do encontro anual duplas de cantadores de viola saúdam os profetas e convidados. A noitada cultural do VI Encanta Quixadá será realizada este ano, no Centro Cultural Rachel de Queiroz, ao lado do Memorial da escritora, no Centro da cidade.
Nos motes de viola, os repentistas serão desafiados a improvisarem na cantoria temas relacionados ao hábito secular sertanejo de anunciar os sinais da quadra chuvosa. A entrada para o evento é gratuita.
Quem
ENTENDA A NOTÍCIA
Os profetas da chuva possuem conhecimentos empíricos (se apoiam exclusivamente na experiência e observação) sobre a previsão do tempo. Observando a natureza e com as crenças repassadas pelos antecedentes, eles fazem previsões sobre a estação chuvosa no Ceará.
SAIBA MAIS
- O Encontro dos Profetas Populares da Chuva e o Encanta Quixadá são eventos promovidos pelo Instituto de Pesquisa de Violas e Poesia Cultural Popular do Sertão Central.
- Os profetas se reúnem anualmente, no segundo sábado do mês de janeiro em Quixadá, às margens do açude Cedro, para falar de suas previsões. Cada um tem método próprio.
- Sem equipamento meteorológico, nem respaldo científico, os profetas da chuva têm o respeito dos agricultores, que a partir dos seus conselhos, definem o tempo de fazer os roçados.
De O Povo

No claudiohumberto.com.br

Ramake
O jantar do vice Michel Temer com cardeais do PMDB lembrou aqueles de Ulyses Guimarães com ministros do PMDB para conspirar contra o governo José Sarney – que reclamava e Ulysses fazia ouvidos moucos.

Político não deve ter TV e rádio, diz ministro

    O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo Silva, defendeu que os políticos sejam proibidos de ter concessão de rádio e TV.
    Conforme a Folha revelou em dezembro, a proposta consta do anteprojeto de lei de comunicação eletrônica deixada pelo ex-ministro Franklin Martins, que o governo colocará em discussão.
    Ele duvida que o Congresso aprove a medida, em razão do grande número de políticos com concessões -61 eleitos em 2010 informaram possuir rádio ou TV.
Uma semana depois de dizer que era a favor da limitação de 30% para o capital estrangeiro nos portais de conteúdo jornalístico na internet, o ministro recuou e disse não ter posição fechada.
Folha - O PT passa a administrar o Ministério das Comunicações. O que muda?
Paulo Bernardo - Nas minhas conversas com a presidente Dilma, ela não mencionou nenhuma questão partidária. Ela entende que o Brasil precisa avançar a passos rápidos para promover a disseminação da radiodifusão e das telecomunicações. Não é possível transformar o Brasil em um país de classe média, como quer Dilma, sem massificar o acesso à internet.
Que destino o governo dará ao projeto de regulação da mídia eletrônica do ex-ministro Franklin Martins?
A minha opinião, que não é necessariamente a do governo, é que o projeto deve ser colocado em debate público. O projeto que resultar dessa discussão seguiria para o Congresso Nacional.
A mídia vive um momento de transição tecnológica. Existe também o receio de que o governo tente algum projeto para controlar a imprensa.
Esse cenário reforça minha convicção de que precisamos construir um marco regulatório. Há questões econômicas por definir: se teles vão fazer TV a cabo em larga escala, se a convergência das mídias se dará livremente ou se vai ter regra para o jogo. Acho que tem de haver regra.
O Brasil vive uma democracia política plena, embora careça de mais democracia econômica. A liberdade de expressão é vital na democracia, e ninguém no governo quer mexer nisso.
As empresas de comunicação defendem que o limite de capital estrangeiro de 30% válido para elas seja estendido aos portais de jornalismo na internet. Qual sua opinião?
O que está em discussão é se um portal de conteúdo jornalístico equivale a uma empresa de comunicação.
Há portais ligados a empresas de comunicação produtoras de conteúdo. Mas há outros que só reproduzem conteúdo de terceiros. Acredito que a discussão terá de ser resolvida pelo Supremo Tribunal Federal. Não tenho posição fechada.
Na semana passada, o sr. defendeu que os portais de jornalismo na internet tenham tratamento igual ao das empresas de comunicação, em relação ao capital estrangeiro. Mudou de opinião?
Foi uma declaração rápida sobre o tema. Levei muita paulada no Twitter por isso. Descobri que o Brasil tem tantos especialistas em comunicação quanto técnicos de futebol. Milhões de ministros das Comunicações.
Como o sr. vê a presença de igrejas na radiodifusão, que é uma concessão pública?
A Constituição também menciona que políticos não deveriam ser donos de radiodifusão. Isso mostra que há fragilidade no marco regulatório. As pessoas acham que falar em marco regulatório é uma afronta à liberdade de expressão. As igrejas procuram formas de difundir suas mensagens. Sem regulação, como poderei impor limites?
Pretende abrir uma discussão pública sobre a presença de políticos na radiodifusão?
O projeto deixado por Franklin Martins sugere a proibição. Como depende do Congresso, vai ser difícil aprovar. É mais fácil fazer o impeachment do presidente da República do que impedir a renovação de uma concessão de rádio ou TV.
Por que político não deve ter concessão?
É o Congresso que autoriza as concessões. Então, me parece claro que o congressista não pode ter concessão, para não legislar em causa própria. Os políticos já têm espaço garantido na televisão, nos programas eleitorais. E há também a vantagem nas disputas eleitorais, e o poder político e econômico.
Como o governo vai massificar a oferta de banda larga, ao preço de R$ 30 a R$ 35 mensais, como prometeu?
Vamos fazer um esforço conjunto com Estados para reduzir impostos, costurar acordos com operadoras privadas, e atrair pequenos provedores. Será preciso uma força-tarefa. Os resultados não serão imediatos, mas em quatro anos haverá uma enxurrada de banda larga.
A Anatel e as teles não chegaram a acordo sobre metas de expansão de serviços em áreas remotas e carentes. O sr. já tem uma proposta?
As empresas foram à Justiça contra o plano de metas e contra a Telebrás. O ex-presidente Lula ficou bravo e me pediu para resolver. As operadoras tiraram as ações, e vamos negociar. Ainda não há acordo. A Anatel falou em R$ 1 bilhão; as teles, em R$ 5,7 bilhões. Há muita choradeira das empresas. Vamos negociar com planilhas de custos na mãos. Se o Estado tiver que pagar, vai pagar.
A Telebrás vai oferecer banda larga ao usuário final?
Não achamos que seja função da Telebrás levar banda larga ao usuário final. O papel dela será estimular a concorrência, baixando o preço da transmissão de dados no atacado. Mas, onde não houver grupo privado interessado em oferecer banda larga, ela pode fazê-lo.
Da Folha de S. Paulo

Manchetes dos jornais

ATOS & FATOS- Polícia prende cinco assaltantes e um é suspeito de matar PM
CORREIO DE NOTÍCIAS-Castelo diz que gestão terá ênfase política
JORNAL A TARDE- Posse de Joaquim Haickel será hoje no Estádio Castelão
JORNAL PEQUENO- José Sarney sugeriu uso do salário mínimo para barganhar cargos
O DEBATE-Justiça bloqueia bens de Alessandro Martins
O ESTADO DO MARANHÃO - Estado tem arrecadação recorde
O IMPARCIAL - Pedrinhas: Por dentro do caos
TRIBUNA DO NORDESTE-PAC combaterá miséria que Lula diz ter acabado