8 de nov de 2010

Um dos enes erros do Enem

Defensoria Pública vai recomendar anulação do Enem ao MEC

    A Defensoria Pública da União (DPU) irá recomendar ao Ministério da Educação (MEC) a anulação do Exame Nacional do Ensino Médio e a remarcação da prova. Caso o MCE não acate a recomendação, a DPU deve entrar com uma ação coletiva em nome dos prejudicados, pedindo que o exame seja anulado.
    A DPU considera ainda que as medidas tomadas até o momento pelo MEC foram falhas, pois não é possível saber em que ponto os estudantes perceberam o erro ao preencher o cartão de respostas. A correção invertida do cartão não resolveria o problema caso alguém só tenha se dado conta do erro no meio do preenchimento.
    A Defensoria também divulgou um e-mail. O endereço é enem2010@dpu.gov.br. Os prejudicados devem enviar nome, local da prova, falhas encontradas e orientação do fiscal quando o erro foi relatado. Essas informações podem ser úteis caso a Defensoria decida mesmo entrar com a ação coletiva.
Do Politica Hoje

Na coluna do Claudio Humberto

Ignorância
Maranhense, filho de paraibanos e desde a infância residindo no Piauí, o secretário-geral da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, chamou de “fruto da ignorância” o ataque idiota de uma estudante de Direito de São Paulo a nordestinos, revoltada com a vitória de Dilma Rousseff.

"Afinal, temos que acreditar nas mulheres..."

José Sarney, presidente do Senado, após citar frase de Dilma sobre salário mínimo

McCartney arrisca português e levanta público com Beatles

Paul McCartney no show no Beira-Rio, em Porto Alegre(RS)
    Com nove minutos de britânico atraso, Paul McCartney iniciou ontem em Porto Alegre a perna latino-americana de sua Up and Coming Tour. O show começou com a tríade "Venus and Mars"/ "Rock Show"/"Jet", com oito minutos de duração.
    Mas o Beira-Rio veio abaixo às 21h17, com os acordes beatlenianos de "All My Loving". A festa sessentista seguiu com "Drive My Car" e "The Long and Winding Road". De seu material solo, tocou ainda "Highway", "Let Me Roll It", "1985" e "Let" Em In". E da antiga banda, "I've Just Seen a Face", "And I Love Her" e "Blackbird".
    Sem surpresas no repertório, mas com uma qualidade de som e de imagem (em dois enormes telões) pouco vista no Brasil, McCartney caprichou na simpatia, rebolou, acenou, falou português, tirou o paletó roxo, mostrou os suspensórios, trocou baixo por guitarra e dançou a valer.
    No português, se estendeu, com a ajuda de um teleprompter instalado no chão: "Esta música é para minha gatinha Linda [sua ex-mulher, já morta]. Mas dedico a todos os namorados aqui". E começou a balada "My Love". Desnecessário dizer a quantidade de suspiros soltos pela plateia enamorada.
EXCLUSIVO
    Cerca de 50 mil fãs acompanharam a apresentação, mas apenas 200, que compraram o pacote Emotion a R$ 1.400, puderam assistir à passagem de som, às 16h. Na ocasião, McCartney tocou por uma 1h30, inclusive canções que não fazem parte da lista atual, como "Magical Mistery Tour" e "Comin" Up".
    Também executou "I'm Looking Through You", "Yesterday", "Band on the Run" e "Something".
Ao fim do minishow, os portões foram abertos para que os cerca de 48.800 outros fãs entrassem no estádio. Alguns com a roupa do time de futebol Internacional (o dono do estádio), muitos com camisetas da Up and Coming Tour (R$ 30), todos chegavam com uma blusa extra, já aguardando as baixas temperaturas da noite gaúcha.
    O show de McCartney estava programado para terminar por volta da meia-noite.
    Devido a uma lei municipal que obriga shows internacionais a programarem também uma atração local, os produtores brasileiros haviam acertado uma abertura com Kleiton e Kledir.
     A ideia foi descartada pelo produtor inglês do espetáculo. Para não descumprir a lei, os promotores colocaram um DJ gaúcho no palco, ao lado de um saxofonista e de um guitarrista, às 19h30. Foram 25 minutos de show.
Da Folha de S. Paulo

Ex-Beatle promete inédita para Lennon
    Os shows de Paul McCartney no Brasil são um dos eventos mais esperados do ano. Em entrevista ao “Fantástico” no último domingo (31), o músico disse que a apresentação da turnê “Up and Coming” está repleta de emoções. McCartney prometeu que irá cantar uma música para John Lennon, que é ainda inédita no Brasil. "Vou tocar uma canção que compus para ele quando morreu. Uma música de coração. Além, claro, de muitos sucessos dos Beatles", adiantou a estrela. A canção se chama "Here Today".
     Nos dias 21 e 22 fará shows em São Paulo. Paul disse que os brasileiros gostam tanto de música quanto ele, o que faz uma combinação perfeita. Na última vez que esteve em solo brasileiro foi há 17 anos, quando reuniu 185 mil pessoas para prestigiá-lo. “A última vez que eu estive no Rio, lotamos o Maracanã em um show incrível", relembrou.
    Zeca Camargo, o entrevistador, não pôde deixar de falar sobre os 70 anos de Lennon que foram comemorados recentemente. Discreto, ele disse que preferiu ficar em casa ao invés de participar dos diversos eventos que o homenagearam. "Cheguei em casa, tomei um drink sozinho e pensei bastante nele.”
    Aos 68 anos, McCartney aguenta firme cerca de três horas em cima do palco. Segundo ele, a receita é amar o que faz. “As pessoas se impressionam com isso. Mas, em primeiro lugar, eu estou acostumado. Eu faço isso já há muito tempo e gosto disso de verdade. Acho que eu estou curtindo mais do que nunca fazer esses shows. Já me disseram: ‘Você nunca para para beber água’. Mas para mim é estranho. Imagine se o Elvis Presley parasse uma apresentação. Nós somos do tempo em que não se fazia isso. Eu apenas vou lá, canto, me divirto e depois vou me recompor”. disse. Deu para aumentar ainda mais a ansiedade dos fãs, não é?!
Do Correio do Estado

Manchetes dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO - Milhares fazem o Enem em São Luís
O IMPARCIAL - Erros: MEC estuda aplicar nova prova do Enem