22 de ago de 2010

No Contraponto do Painel da Folha

Também quero
Em entrevistas a emissoras de rádio do Norrdeste, na terça-feira passada,  Lula mencionou o recente anúncio da descoberta de gás no Maranhão:
-O sarney tinha me dado um livro para explicar porque o Maranhão é pobre,mostrando que a terra não era da qualidade de outras terras, que o Maranhão não tinha minérios. Eu acabo de receber o livro,mal tinha lido a dedicatória, e o Eike Batista encontra o gás...
O presidente ainda brincou:
-O Piauí está doidinho, achando que tem gás lá...

No Radar on-line de VEJA.COM

PT longe de Roseana
Boa parte dos candidatos do PT a deputado federal e estadual no Maranhão não põe o nome de Roseana Sarney em seus materiais de campanha.
Por Lauro Jardim

Sobre o dono do gás no Maranhão

Eu chego lá
De Eike Batista no “60 minutes”, o programa de TV dos EUA, ao responder se vai ser o homem mais rico do mundo:
— Slim tem de dirigir olhando pelo retrovisor para ver se vou ultrapassá-lo pela esquerda ou pela direita.
O mexicano Carlos Slim é o homem mais rico do mundo, de acordo a Forbes.
Do Ancelmo.com

Festa São Raimundo dos Mulundus se repete em Vargem Grande

Mundo, mundo, vasto mundo. Se me chamasse Raimundo...Raimundo, vaqueiro nascido em Vargem Grande (MA) e encontrado morto e exalando perfume na Fazendo Mulundos, seria reverenciado como santo e um rosário de devotos seguiriam meus passos no andor, todos os anos no mês de agosto – sempre do dia 22 ao dia 31, em pleno sertão Maranhense. Seria São Raimundo dos Mulundus, o santo protetor dos vaqueiros do Maranhão.
     Na paisagem agreste de Vargem Grande, às vésperas do período mais seco e ensolarado do ano que antecede os chamados meses bros (setembro a dezembro), acontecem a partir deste domingo os Festejos de São Raimundo dos Mulundos, um dos maiores eventos religiosos do Estado.
     O nome Mulundus da fazenda tem origem na dança de raízes negras chamada lundu, hoje desaparecida.
     Os festejos têm hora marcada para começar. Às cinco horas da manhã do dia 22 de agosto os sinos dobram na Igreja de São Sebastião – padroeiro oficial de Vargem Grande, convocando os fieis a seguir em procissão até a Paulica (a pronúncia do povo do lugar troca o au por ó),lugar distante cerca de oito quilômetros das escadarias da igreja.
     A aurora no sertão imprime suas cores no céu e no chão. E das ruas de traçado retilíneo de Vargem Grande emergem centenas de pessoas. Aos primeiros galopes dos cavalos o silêncio se espatifa. Eles caminham em direção à igreja central da cidade, de onde sai a imagem do santo em um pequeno andor decorado com flores vermelhas e brancas, cores oficiais de São Raimundo Nonato.
     Os 40 degraus das escadarias da igreja de São Sebastião elevam ainda mais a imagem do santo, que desce em andar pontualmente às 6 horas para iniciar o percurso religioso.
     Pagadores de promessa se vestem de mantos de toda cor. As tonalidades se apegam à fé. Vermelha é a própria, branco a paz, verde a esperança. Mas, é o tom do jibão que faz estreia nesse dia, com direito a mocó, perneira, peitoral e um indefectível chapeu de couro que mais chama atenção.
     Tanto o vaqueiro como Dona Nini Barros, espécie de zeladora e curadora do Santuário de São Raimundo, sempre foram o ponteiros da festa.
      A imagem de São Raimundo Nonato dos Mulundus, trazida da Espanha, em nada lembra o vaqueiro, certo dia desaparecida e encontrado morto ao lado de uma carnaubeira na fazenda onde trabalhava e operou milagres, despertando a devoção de muitos e muitos fieis.
     Segundo contam os vargemgrandenses a primeira imagem do santo,feita em Portugal, encontra-se em Roma. Ficou uma réplica em Vargem Grande. Em 1981, a imagem de São Raimundo dos Mulundus foi roubada de dentro da igreja de São Sebastião,, Dias depois foi encontrada no estado de Pernambuco.
     Romeiros de lugares vizinhos e outros vindos de muitas léguas distantes seguem a pé na trlha do santo. Demonstram gratidão por milagres alcançados. Mulheres com pedras na cabeça,crianças em trajes de São Francisco, anjos de asas coloridas. Mortalhas, túnicas e outras peças da indumentária religiosa fazem parte do figurino. A romaria a cavalo é masculina. Os vaqueiros prestam homenagem ao padroeiro em contrição. Enfim, a procissão de devotos de São Raimundo dos Mulundus. O percurso inclui um trecho da BR-222 no Maranhão.
     Na chegada a Paulica o alvoroço é grande. A poeira enevoa o clima quente e leva a fé às alturas.Dentro da igreja se abarrotam os romeiros.
     Do lado de fora, uma imagem do santo está acima de todos os homens. A peça foi confeccionada pela artesã Diane Mota, conterrânea e devota de São Raimundo dos Mulundus. É ela que organizada a missa do vaqueiro na programação da festa.
     Do lado de fora ainda um leilão é realizado. Capões, porcos, sacas de arroz, de farinha e mercadoria de toda espécie são leiloadas.
     Cumprida a obrigação religiosa, o resto é só festa. Muito baião, reggae, forró e tudo que embale uma multidão de ávidos por diversão.
     Quando o sol arde menos no horizonte se inicia o caminho de volta. Quando a noite cai as velas iluminam os passos, inclusive dos cavalos conduzindo os donos trôpegos. Depois de se encontrarem no meio do caminho, entre palmas e gritos de vivas, São Raimundo volta a igreja de São Sebastião.

Onde acontece a festa
Vargem Grande está localizada a 153 quilômetros de São Luís. O acesso a partir da capital se faz pelas BR-135 e 222. A primeira povoação local data do século XVIII. A devoção a São Raimundo está intimamente relacionada às boiadas conduzidas por vaqueiros que se serviam da trilha à beira do Rio Itapecuru e Munim.

Soldado solta a piriquita em busca de votos

     Em tempos de eleição, vale tudo para angariar votos. Até fazer a “Dança da Periquita” ao som de um rebolation pra lá de depravado. A fórmula inusitada virou slogan de campanha do soldado Queiroz, do 9º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana de São Paulo. Na verdade, o soldado Queiroz tenta fazer do limão uma limonada. No início do ano, um vídeo em que ele aparece rebolando e dançando a periquita com a farda de policial, em horário de serviço, vazou e conquistou a internet. O soldado Queiroz foi punido, mas não se fez de rogado. Com o sucesso alcançado pelas imagens, lançou sua candidatura, pelo PSDC.
     O vídeo do PM da Periquita já teve mais um milhão de visualizações. Dançarino habilidoso, Queiroz passou da condição de policial camarada para aspirante da política. O corpo-a-corpo com o eleitorado foge da fórmula enfadonha defendida pelos marqueteiros. Sempre que solicitado, Queiroz faz vai além e faz a performance que entretém o eleitor e lhe rendeu a fama de “candidato da periquita”. Sucesso absoluto!
     Embora haja a intenção de não ficar apenas no discurso da periquita, Queiroz abusa da fórmula. Na propaganda eleitoral, o candidato usa como jingle das promessas de campanha resgatar a dignidade dos praças. “Se eu for eleitos os praças não vão dançar”. Mais adiante se identifica: “Olá, eu sou o soldado Queiroz, aquele que ficou famoso com a dança da periquita”, destaca no programa gravado que vem sendo veiculado no horário eleitoral.
Do Congresso em foco
Veja aqui a “Dança da Periquita” do Soldado Queiroz:

Machete do dia

Manchetes dos jornais

CORREIO DE NOTÍCIAS - Dilma abre 17 pontos acima de Serra
JORNAL A TARDE - Datafolha aponta vitória de Dilma no 1º turno
JORNAL EXTRA - Minha filhinha, meu papai: Castelo enche Gardeninha de verba e esquece a cidade
O ESTADO DO MARANHÃO - Descoberta de gás enche Capinzal do Norte de otimismo
O IMPARCIAL - Juízes na berlinda: 30% dos punidos pelo CNJ são magistrados maranhenses
TRIBUNA DO NORDESTE - Detentas de Imperariz denunciam humilhações


Com todo o gás

Renato Dionísio*
     Leio pelos jornais o anúncio da descoberta da maior reserva de gás natural já encontrada em nosso país. Segundo dizem, maior que a metade de toda a reserva conhecida da Bolívia, tesouro esse capaz de colocar nosso país como expressão mundial em produção gasosa.
     A simples publicação do fato, com certeza, cria uma expectativa positiva no seio da comunidade maranhense, produzi uma atmosfera de otimismo de confianças nas possibilidades de futuro de nosso Estado e projeta, em conseqüência, desdobramentos alvissareiros para nossa gente.
     Disso se aproveita a atual ocupante do Governo do Estado, Roseana Sarney, para, no bojo do anúncio, turbinar sua candidatura para permanecer onde está. Tal descoberta coube à empresa OBX, braço do grupo EBX para exploração de petróleo no Maranhão. Pertence ao dono da maior fortuna do país, senhor Eike Batista. Ele tem investimentos em várias áreas, quase todos, no entanto, fruto de concessões públicas, fato que, para alguns, é suficiente para colocá-lo em suspeição.
     Confesso não conhecer a tradição empresarial de Eike Batista, a não ser o fato de que é filho de ex-ministro Eliezer Batista que “serviu” ao país no governo de José Sarney. Desta forma, não se constitui nenhum absurdo supor ser ele amigo do representante do braço empresarial da oligarquia Sarney, Fernando Sarney, e manter com este relações comerciais.
     Assim, fiquei impactado ao ler a “Coluna do Sarney”, publicada no jornal do senador no domingo último, 15. Diz que “quando presidente (85/90), mandei fazer pela geofísica da Petrobras...descobrimos a gigantesca bacia...a Petrobras abriu um poço...na mesma área...reserva de gás natural...mais da metade das reservas da Bolívia, A atual descoberta está justamente a 200 metros de distância do poço perfurado durante o meu governo”.
     Ainda do mesmo artigo: “Nesta quinta-feira, dia 12 de agosto, eu chorei quando Eike Batista me telefonou, às oito e meia da manhã, dizendo que encontrara a imensa reserva de fás com a qual eu sonhara e profeticamente buscava sempre”. Tocado por estas afirmativas, passo a comentá-las sem precisar pedir perdão ao senador, pois minha intenção é tão somente esclarecer.
     Devo perguntar: Se este achado era de domínio de todo corpo diretor da Petrobras ou foi cuidadosamente guardado Se era de domínio coletivo, por que demorar duas décadas para sua exploração. E por que a própria companhia não se incluiu de tão nobre tarefa Quando da venda desse lote para prospecção e exploração, nossa petrolífera cobrou um adicional por conta destas informações e estudos.
     Nessa mesma linha de conduta, a atual gestora se apressou a informar que, sendo também visionária, tão logo assumiu – no período 95/98 -, mandou para nossa Assembleia Legislativa projeto de lei propondo a criação da Companhia Maranhense de Gás – Grasmar, talvez conhecendo as informações ora divulgadas por seu pai ou, quem sabe, vazadas da própria Petrobras.
     Para não esquecer nunca!O mega investidor abriu o mapa do Maranhão – a Wikipédia não vale – e descobre, num passe de mágica, ou mesmo por pura premonição, nossa relegada Capinzal do Norte. Mais que isso: consegue a proeza de perfurar um poço, a exatos 200 metros de outro ali aberto, muitos anos antes. Seria isso fruto do “imenso carimbo” que o mega-investidor já deveria aos mais de seis milhões de viventes deste “pobre” Maranhão.
     Claro que não. Eike Batista não deu tiro no escuro, ao “adotar” Capinzal do Norte para suas “pesquisas”. Informações privilegiadas, principalmente no setor petrolífero, custam muito caro. As cifras passam quase sempre dos milhões, bilhões de dólares. Sarney parece agir como aquele menino que não aguenta segurar a língua quando encontra alguma cédula perdida no caminha e fica com ela. Claro que, há muito, como ele mesmo confessa, sabia que Capinzal repousava sobre uma imensa fortuna. Só não se sabe é a quem (ou se) confessou o seu achado.
     Se o Brasil fosse um país sério, essa história mal contada de Sarney bateria na Polícia Federal. Que deveria apurar se o poço de Sarney fica a apenas 200 metros do de Eike Batista ou se é um poço só. Um poço sem fundo. Que o maior coronel da política brasileira ainda em atividade no Brasil deseja transformar em votos para a filha, tentando, com isso, dar sobrevida aos seus tentáculos.
     Vivêssemos num país sério, repetimos, nosso “dileto” senador haveria de se manifestar em comissão de inquérito, para esclarecer as dúvidas deixadas em seu artigo. As confissões ali registradas, não podem passar ao largo do julgamento ético e moral da sociedade. Da mesma forma, e no mesmo diapasão, as manifestações da atual ocupante dos Leões deveriam ser analisadas e criteriosamente julgadas pela Justiça Eleitoral do Maranhão, por se constituíres em crime eleitoral.
     Por fim, roguemos que, mais uma vez, os desmandos políticos e administrativos dessa família não fiquem impunes. Ou se queimem, agora, em gigantescas labaredas provocadas pelas famosas reservas de gás de Capinzal do Norte

*Renato Dionísio é empresário e Produtor Cultural