16 de jun de 2010

Genoino: greve de fome de Domingos Dutra é "atitude pessoal"

     Atacado no plenário da Câmara pelo correligionário Domingos Dutra, que faz uma greve de fome contra a aliança do PT com a família Sarney no Maranhão, o deputado José Genoino diz que não vai comentar "uma atitude pessoal".
     Em 11 de junho, o diretório nacional petista atropelou a decisão dos militantes maranhenses e atendeu a pressões do senador José Sarney (PMDB-AP) ao declarar apoio à governadora Roseana.
     Com o respaldo de Lula e Dilma, os deputados Genoino, Ricardo Berzoini e Cândido Vaccarezza (líder do governo), capitanearam o grupo pró-Sarney, em Brasília. Para protestar contra a intervenção, Domingos Dutra e o fundador do PT, Manoel da Conceição, iniciaram uma greve de fome. Há cinco dias, recorrem apenas a líquidos.
     "Genoino, seja solidário a Manoel! Genoino, seja solidário a sua história! Porque você está sendo solidário a um oligarca perverso, criminoso, corrupto desse País", atacou Domingos Dutra, nesta quarta (16), na tribuna da Câmara. "...Entregaram de mão beijada o PT pra Roseana... Filiem Sarney ao PT, mudem o nome do PT!".
     Manoel da Conceição, opositor de Sarney e com trajetória ligada aos movimentos sociais maranhenses, passou mal e foi atendido pelo departamento médico da casa. O discurso de Dutra não encontrou solidariedade dos congressistas petistas.
     Em entrevista ao Terra, Genoino defende a aliança com Sarney, mas prefere não opinar sobre o discurso dramático. "Não vou opinar, porque é uma atitude pessoal. Concordo com a decisão do diretório nacional do PT, que decidiu com base na resolução do congresso do partido, e orientou o apoio ao PMDB. Não vou entrar no mérito da greve. O partido tinha que decidir e decidiu corretamente."
     Indagado se a chapa com os Sarney não fere a história dos petistas no Estado, Genoino garante que "não". "Roseana foi líder do governo Lula e o PMDB é muito importante para a aliança nacional", explica. Para ele, Dutra também demonstrou incoerência. "Ele se aliou com o PSDB, tem foto dele na campanha. Não vou entrar nas questões do Maranhão. Estou me prendendo na questão do PT nacional e de fazer alianças nos estados. Não vou polemizar com ele", rebate.
Do Portal Terra

Flávio Dino e Jackson Lago podem se aliar contra Roseana

O presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo, afirmou nesta quarta-feira (16), que o pré-candidato do partido, Flávio Dino, pode abrir mão da candidatura ao Palácio dos Leões e se aliar ao governador cassado do Estado, Jackson Lago (PDT). O movimento em sentido oposto, com a desistência de Lago, também está sendo negociado e ganharia força, por exemplo, caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) entenda que a exigência de ficha limpa para a disputa no pleito de outubro envolva também condenações já consolidadas.
     Em prol da desistência do governador cassado, pesa ainda o fato de Lago ter rompido com o projeto de eleição da petista Dilma Rousseff após o PT ter decidido apoiar a reeleição de Roseana Sarney, sua adversária histórica.
     "(A candidatura de Dino pode ser retirada) se o movimento local que apoia a candidatura ache que tenha de retirar. Tudo é possível. (Podemos fazer) um acordo com o Jackson ou uma aglutinação de forças em torno do Jackson. Não posso dizer a tendência. Estamos começando a ver agora", comentou Rabelo na convenção nacional comunista, em Brasília.
     "É prematuro dizer que vou retirar a candidatura. É uma coisa muito insipiente e não chega a ser uma negociação. Mas se for o entendimento da maioria das forças (retira candidatura)", disse Flávio Dino.
     Pesquisa interna do PCdoB não registrada junto à Justiça eleitoral aponta Roseana Sarney com 44% das intenções de voto, seguida por Jackson Lago, com 24%, e Flávio Dino, com 18%.
Palanque para Dilma
Independentemente da costura em nível estadual, o PCdoB exigirá de Dilma Rousseff tratamento igualitário em todos os Estados que tiver candidato próprio. "Se há necessidade, por exemplo, de palanque duplo em alguns Estados, não se pode legitimar o pleito de um aliado e vedar esse mesmo direito a outro", diz trecho do programa de governo que o PCdoB pretende encaminhar à ex-ministra da Casa Civil.
Do Portal Terra

Museu de Tudo: Haroldo Sabóia festeja hoje 60 anos de vida

Castelo demite o pessoal que Pereirinha e Cleber Verde mantinham na folha da prefeitura

     Romperam-se os laços de cordialidade política entre o prefeito  João Castelo (PSDB) e o presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Isaías Pereirinha (PSL). Era questão de tempo o rompimento entre os chefes do executivo e legislativo municipais, desde que Pereirinha passou a manifestar apoio incondicional à governadora Roseana Sarney (PMDB), caminho trilhado pelos próceres do PSL. Entre estes está o vereador Chico Carvalho, derrotado por Pereirinha na eleição para a presidência da Mesa. Carvalho o apoio meio velado de Castelo.
     Havia, porém, quem apostasse na estratégia de Pereirinha em não perder as benesses que o bom relacionamento propiciava.
     Na semana passada, de uma canetada só, o prefeito confirmou a ruptura. Demitiu boa parte da turma que Pereirinha mantinha na folha de pagamento da Prefeitura de São Luís por conta da colaboração institucional. A maioria dos apaniguados do presidente da Câmara estacionara na folha de contrataos da Secretaria Municipal de Esporte.
     Pereirinha tem forte vinculação com o esporte. Justiça seja feita: esse sempre foi o mote de sua atuação política. Presidente e empresário do IAPE (sigla sobre as iniciais do nome do vereador), time que desponta na Copa União como um dos candidatos ao título de campeão, o presidente da Câmara Municipal enxertou quase mil nomes entre os contratados pela Prefeitura.
     Também perdeu a boquinha na prefeitura o deputado federal Cleber Verde. Depois que se bandeou de vez para a turma do Sarney, Verde está com o prestígio esvaziado na prefeitura. A troca foi vantajosa, na medida em que ele passou a contar com um máquina maior:a secretaria de Estado de Administração, justamente a que contrata o pessoal.  Mesmo assim, o parlamentar ainda mantém nichos, como, por exemplo, a manutenção da quadra da Liberdade pela Associação dos Feirantes de São Luís. Nada mais pitoresco para o deputado que nem se coça com a ficha limpa.
     A folha de pagamento da prefeitura hoje é assunto de dez entre dez funcionário municipal. Há comentários que pessoas nem mesmo domiciliadas em São Luís estariam com contra-cheque assegurado na condição de prestador de serviço. Sem especificação- ou, absolutamente, qualquer qualificaçao para estar no quadro - eles estão com outros incumbências.
     Por ora, são comentários. O Ministério Público precisa desempenhar seu papel.

Lambe-lambe: Dilma, Lula e Roseana, união que só uma banda do PT do Maranhão duvidava

PSOL realiza convenção nacional no dia 30 em São Paulo

     No dia 30 de junho o Partido Socialismo e Liberdade, PSOL, realiza a Convenção Eleitoral Nacional do partido, em São Paulo. Na ocasião será lançada oficialmente a candidatura de Plínio Arruda Sampaio (foto) para a Presidência da República pela legenda. O evento está marcado para ocorrer das 9h às 13h, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Av. Pedro Álvares Cabral, 201 – andar monumental – Ibirapuera).
     Além de Plínio, deverão estar presentes no evento militantes, os parlamentares do partido e diversos intelectuais. “A convenção é a consolidação da candidatura e por isso é um fato importante. Eu espero que o evento seja caloroso e que participe o maior número possível de militantes, já que será um momento de preparação para participarem da campanha do PSOL”, afirma Plínio.
     No Maranhão desde dezembro do ano passado, durante Encontro Estadual do PSOL-MA foram escolhidos os nomes dos candidatos à chapa majoritária. Saulo Arcangeli vai disputar o Governo do Estado e Paulo Rios o Senado da República.
Apoio
     Assim como ocorreu nem 2006, a candidatura do PSOL à Presidência da República nestas eleições se coloca como uma opção e uma necessidade à polarização entre o PT e o PSDB/DEM, que, segundo pensamento do partido, têm na base de seus programas a salvação do capital diante da crise e ataques à classe trabalhadora.
     Entre seus apoiadores do PSOL está um grande grupo de intelectuais. A lista reúne mais de 40 nomes, muitos dos quais deverão estar presentes à Convenção. A intenção do PSOL é, além divulgar o apoio, convidar os acadêmicos para um diálogo, de forma que eles possam contribuir no debate programático do partido.

Deputado médico diz que Dutra e Manoel da Conceição podem morrer esta noite

BRASÍLIA - Entrando no quinto dia de greve de fome e com dois quilos a menos, o deputado Domingos Dutra (PT-MA) fez um discurso de resistência na tribuna da Câmara na noite de ontem. Começou com lágrimas e terminou com os punhos cerrados pregando contra o apoio da cúpula petista ao grupo do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no Maranhão. O discurso em resposta ao deputado José Genoino (PT-SP), que o criticara, silenciou o plenário da Casa e terminou em aplausos.
     Com Dutra, está também em greve de fome o petista histórico Manoel da Conceição, de 75 anos. Ele já perdeu 1,9 quilo.
     Desde sexta-feira passada, os dois apenas tomam água e água de coco em uma manifestação contra a decisão do Diretório Nacional do partido de anular o apoio do PT do Maranhão à candidatura do deputado Flávio Dino (PC do B-MA) ao governo do Estado em troca de se aliar à governadora Roseana Sarney (PMDB), em busca da reeleição.
    "Genoino, seja solidário a Manoel da Conceição e à sua história, porque você está sendo solidário a um oligarca perverso, criminoso e corrupto", discursou, referindo-se a Sarney. "Eu vou morrer aqui para que respeitem a democracia." Dutra reafirmou que o PT no Maranhão cumpriu todas as normas do partido e decidiu pelo apoio a Dino e a direção nacional está negando a democracia interna ao retirar o apoio ao deputado em troca de apoiar Roseana.
     Dutra recebeu solidariedade de outros partidos. Médico, o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS) afirmou que tanto Dutra quanto Manoel da Conceição podem morrer esta noite. Conceição tem diabetes e já foi duas vezes vítima de acidente vascular cerebral.
     O deputado Flávio Dino criticou a cúpula petista, que, segundo ele, está usando a candidatura de Dilma Rousseff como argumento para desprezar os partidos aliados, como o PC do B e o PSB, que apoiam a candidatura dele. "Em nome de uma violência política, estão desprezando os aliados. A arrogância é sempre má conselheira." Na defesa do apoio a Roseana, a cúpula petista argumenta que, em troca, Dilma terá em torno de 2 milhões de votos a mais do que o adversário tucano, José Serra, no Maranhão.

TSE deve esclarecer dúvida sobre elegibilidade de Jackson Lago segundo a Lei da Ficha Limpa

     Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral, TSE, decidem amanhã, 17, se a Lei da Ficha Limpa, sancionada no dia 4 pelo presidente da República, vai atingir políticos já condenados na Justiça ou se as novas regras atingirão apenas aqueles que forem condenados a partir do dia 7 de junho, data em que o texto foi publicado no Diário Oficial.
     O grupo que faz oposição a Jackson Lago especula que o ex-governador por ter tido seu diploma cassado pelo TSE sob crime eleitoral de abuso de poder econômico estaria impedido de concorrer nas eleições deste ano. Advogados e juristas interpretam que o ex-governador cumpriu sua pena de suspensão dos direitos políticos por três anos, considerando que a penalidade foi aplicada com base na eleição de outubro de 2006.
     A dúvida sobre a abrangência da norma foi provocada por uma alteração de última hora sugerida no Congresso pelo senador Francisco Dornelles (PP-RJ). A emenda trocou a expressão "tenham sido" por "que forem". O texto do projeto aprovado pela Câmara determinava que não poderiam se candidatar políticos que "tenham sido condenados" por órgão judicial colegiado ou em última instância. Com a alteração, a lei passou a firmar que "os que forem condenados" não poderão disputar as eleições.
     Senadores que defenderam a alteração explicaram, após a aprovação do projeto, que esta era uma mera mudança de redação. Até porque, disseram, se a emenda aprovada no Senado alterasse o sentido do projeto, o texto não poderia ter seguido para a sanção do presidente da República. A proposta teria de retornar à Câmara para ser submetido a nova votação.
     A depender do entendimento dos ministros, os políticos já condenados em decisão transitada em julgado ou por órgão colegiado por uma série de crimes - entre eles, compra de votos gastos ilícitos de dinheiro de campanha, crime contra o sistema financeiro, abuso de autoridade, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas, formação de quadrilha - ficarão de fora nestas eleições.
     O presidente do TSE, ministro Ricardo Lewandowski, no entanto, admitiu que a regra é controversa e que por isso precisa ser examinada pelos integrantes do tribunal. "Vou refletir sobre a questão do tempo verbal (do texto da lei), que precisa ser analisado", disse na semana passada.
Consulta
     Os novos critérios de inelegibilidade passaram por uma primeira avaliação do TSE na semana passada. Ao responder uma consulta protocolada pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), os ministros concluíram que a nova legislação vale para as eleições deste ano, mesmo que a lei tenha sido sancionada às vésperas das convenções partidárias.
     Por 6 votos a 1, os ministros entenderam que as alterações na legislação valem para estas eleições. O relator da consulta, ministro Hamilton Carvalhido, afirmou que a nova regra não interfere no processo eleitoral e, por isso, não precisaria ser aprovada um ano antes de iniciado o processo eleitoral para vigorar. O único a divergir foi o ministro Marco Aurélio, que votou pelo não conhecimento da consulta.
Com informações de o estadao.com.br

Agenda de Imperatriz

AUDIÊNCIA. Para discutir a situação do sistema carcerário do município, o Ministério Público promove uma audiência pública no dia 18 de junho, às 9h, na Câmara Municipal de Imperatriz. O evento deverá contar com a presença do secretário de segurança pública Aluísio Mendes.

Não há como nos conformarmos com uma decisão dessas, diz Terezinha Fernandes

     Em greve de fome desde a noite de segunda-feira, 14, a ex-deputada federal Terezinha Fernandes (foto) disse que o seu protesto é uma solidariedade aos companheiros de partido Domingos Dutra e Manoel da Conceição. “Não tem como a gente se conformar e aceitar uma situação dessa”, explicou.
     O anúncio da adesão à greve de fome foi feito em plenária realizada na sede do diretório estadual do partido, onde ela deverá ficar acampada até o encerramento de sua manifestação. Durante o ato político, ela recebeu o apoio do marido, o ex-prefeito de Imperatriz Jomar Fernandes, e de várias lideranças políticas ligadas à legenda.
     Terezinha é a terceira pessoa no PT a aderir ao protesto. Dutra está sem comer desde sexta-feira, quando o Diretório Nacional do PT decidiu, por 43 votos a 30, anular o Encontro de Definição de Tática eleitoral que decidiu o apoio do PT maranhense ao deputado federal Flávio Dino, do PCdoB. No sábado, 12, Manoel da Conceição, mais velho entre os fundadores do PT ainda vivos, aderiu à greve.
     Para Terezinha Fernandes, os indicadores sociais do Maranhão atualmente são fruto da forma como ele vem sido governado. “Nós não concordamos com a forma como o Maranhão é governado. Combatemos isso durante os nossos trinta anos de vida política, inclusive com a ajuda do presidente Lula”, lembrou ela.
Sensibilidade
     Tanto Terezinha como Dutra e Manoel da Conceição afirmam que o protesto não tem data prevista para encerrar. Agora, o grupo apela para a sensibilidade do Diretório Nacional. “Não temos data para terminar a greve. Vamos esperar que haja um mínimo de sensibilidade para revogar essa decisão que atenta contra a democracia interna do nosso partido”, disse Terezinha, que ainda arrematou: “Não podemos abrir mão dos nossos princípios e nem dos nossos sonhos”.

Manchete dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO -Brasil vence a Coreia do Norte na estreia
O IMPARCIAL - Aprovado reajuste de 7,7 para aposentados