5 de jan de 2011

Na agulha: Encontro de Maria Bethânia e a violonista Rosinha de Valença em "Álibi", de Djavan

Inscrição para concurso da Petrobras começa na segunda

    Começam na próxima segunda-feira (10) as inscrições para o concurso Petrobras 2011. São 838 vagas, para cargos de nível médio e superior. A remuneração para os aprovados é de até R$ 6.217,19. Os interessados têm até 27 de janeiro e devem acessar a página da Fundação Cesgranrio (www.cesgranrio.org.br), onde encontrarão o edital do processo seletivo.
    A taxa de inscrição será de R$ 30 para os cargos de nível médio e de R$ 45 para os cargos de nível superior. As vagas estão distribuídas nos estados da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Sergipe, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraíba, Amazonas, Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio Grande do Sul, Alagoas, Pernambuco, Maranhão, Pará, Goiás e Santa Catarina. As provas objetivas devem acontecer no dia 27 de fevereiro.

Costa Ferreira vai embolsar R$ 107 mil no mês de recesso parlamentar por assumir mandato-tampão

    Pai do secretário de Assuntos Estratégicos, Israel Ferreira, o ex-secretário de Desenvolvimento Social e candidato derrotado nas eleições de outubro para deputado federal, o advogado e ex-deputado federal Costa Ferreira (PSC) assumiu ontem,4, o mandato-tampão na vaga do deputado federal Pedro Fernandes (PTB).
    Por ocupar a vaga no período do recesso, Costa Ferreira vai receber R$ 107 mil. Isso se Fernandes abrir mão dos R$ 60 mil reservados ao pagamento dos 25 assessores que mantém em seu gabinete, em Brasília e no Maranhão. Para chegar ao mais de cem mil são acrescentados o salário de R$ 16,5 mil e os "cotão", dinheiro destinado a manutenção de escrítórios nos estados, passagens, moteis e tudo que tem direito um parlamentar que soma R$ 34,2 mil.
    Enquanto isso, o suplente do deputado federal Pedro Novais (PMDB) ainda não assumiu. Desde segunda-feira, Novais é ministro do Turismo do governo Dilma.Da Câmara ele está licenciado desde o dia 1º de janeiro. A vaga deve ser preenchida por Bene Camacho (PTB), seguindo a regra de que a suplência pertence à coligação.  Mas, o ex- (atual?!) secretário de representação do governo do Maranhão em Brasília, Francisco Escórcio, aguarda decisão da Justiça para que a vaga seja destinado aos partidos, conforme entendimento do Supremo Tribunal Federal.

Temer quer mulher longe dos holofotes

Marcela Temer, mulher do vice-presidente da República
SÃO PAULO e BRASÍLIA - Um dos homens mais invejados hoje no país, não propriamente pelo cargo que ocupa desde sábado, o vice-presidente da República, Michel Temer, sempre soube que, quando sua mulher, Marcela Temer, 42 anos mais nova do que ele, aparecesse em exposição pública causaria o frisson que acabou provocando. Pela beleza e corpo escultural, a vice-primeira dama, paulista de 27 anos, não só virou o acontecimento da blogosfera e da mídia em geral como sacudiu Brasília e deu uma graça extra à passagem de Temer pelas solenidades da posse da presidente Dilma Rousseff, desde sábado. "
    Mas não por vontade do vice-presidente. Se dependesse de Temer, dizem os amigos mais próximos, ele continuaria mantendo a ex-miss Marcela longe dos holofotes, como conseguiu manter nos sete anos de casamento. Desde que se casaram, Marcela mora em São Paulo com sua mãe e o filho do casal, Michelzinho. E Temer vive em Brasília.
    Durante os dois anos em que o marido presidiu a Câmara dos Deputados, Marcela só apareceu em Brasília duas vezes, mas reservadamente, na residência oficial. Quando aparecia na sala em reuniões políticas, segundo relatos dos participantes, era segurando o filho no colo.
    Os adjetivos "discretíssima", "compenetradíssima", "dedicadíssima" e "apaixonadíssima" são repetidos pelos amigos de Temer, para descrever a nova sensação do mundo político de Brasília.
- Marcela é despojada de vaidade e sem deslumbramento. Não trabalha. Sua profissão é cuidar do Michelzinho. É muito compenetrada, dedicadíssima, não vai criar nenhuma dificuldade para Michel. Os dois são apaixonadíssimos - diz um dos aliados de Temer.
    O já setentão Michel Temer começou a namorar Marcela em 2003. Provocou surpresa no mundo político ao anunciar que se casaria com a ex-miss, na época com 20 anos.
- Quando Michel disse que estava namorando e foi nos apresentar a Marcela e a mãe, todo mundo achou que ele estava namorando a mãe, que é também "um avião". Quando vimos que era a filha, ficamos todos de queixo caído - conta um parlamentar do grupo de Temer.
    Marcela teve uma passagem relâmpago por Brasília para participar das solenidades de diplomação e posse. Voltou a São Paulo e nem pôde participar nesta terça-feira, com Temer, da visita ao Palácio do Jaburu, futura moradia do casal. Ela deve ajudar na redecoração, troca de móveis e colocação de coisas pessoais. Mas só depois que o palácio passar por uma reforma nas instalações hidráulicas e elétricas, conserto de infiltrações e troca de armários.
    O Jaburu, com a supervisão do Iphan, também vai passar por adaptações para Michelzinho, inclusive instalação de proteção na piscina. Por enquanto, Temer fica num apartamento funcional em Brasília.
    Marcela também não era figura presente nos corredores da Câmara. Funcionários da Casa contam que apenas uma vez ela apareceu nos dois anos de mandato do marido na presidência. Foi a todas as salas do gabinete da presidência, cumprimentando um a um os funcionários. E demonstrava ser atenciosa: após cada apresentação, apertava a mão e repetia o nome do funcionário.
    Foi descrita como uma pessoa muito bonita, simpática e de poucas palavras. No dia dessa visita à presidência, também estava usando uma saia de cós alto e uma blusa básica.
    Amigos mais próximos de Temer, que convivem com a família, também reafirmam que Marcela é uma pessoa muito discreta. E que, em viagens, mesmo quando todos estão dividindo uma bebida, ela prefere não beber. Também não é de falar muito nas conversas ao redor da mesa. Os amigos acreditam que, como vice-primeira dama, Marcela também vai manter a discrição, evitando badalações e colunas sociais.
    Entre os colegas da Câmara, a beleza e a diferença de idade entre o casal Temer era comentada nos bastidores. Temer era discreto, evitava o assunto. Quando o pequeno Michel nasceu, alguns comentaram sobre a coragem dele de ter um filho na sua idade, ou seja, quase aos 70 anos.
    Nesta terça-feira, Marcela teve sua foto estampada numa propaganda da Faculdade Autônoma de Direito (Fadisp). O informe a homenageia e avisa sobre a abertura de inscrições para o vestibular 2011. A vice-primeira-dama fez o curso de Direito, depois do casamento com Temer, em 2003, mas não exerce a profissão. Quando conheceu o marido, ela tentava a carreira de modelo.
    A publicidade, veiculada no jornal "O Estado de S.Paulo", ocupou um quarto de página e estampou em destaque uma foto de Marcela ao lado de Temer, tirada na festa da posse. "A Fadisp tem a honra de parabenizar sua bacharel em Direito, Marcela Temer, por representar o Brasil como vice-primeira-dama e aproveita para desejar-lhe sucesso nesta nova jornada", diz o anúncio. Abaixo da foto, há informações sobre o vestibular deste ano.
    O diretor-superintendente da Fadisp, Nelson de Carvalho Filho, disse não se tratar de um anúncio para promoção da instituição, mas uma homenagem à ex-aluna:
- Não tivemos a intenção de utilizar a imagem da Marcela como peça publicitária. Apenas desejamos manifestar o nosso orgulho, como educadores que somos, pelo sucesso de uma estudante nossa - afirmou.
    Pela mesma razão, Carvalho Filho disse que não houve pedido de autorização para uso da imagem do casal.
De O Globo

Lambe-Lambe: Sob desproteção em São José de Ribamar

No Painel da Folha de S. Paulo

Eu não.José Sarney (PMDB-AP) nega ligação com Alexej Predtechensky, diretor presidente do Postalis. "Conheço-o apenas superficialmente". À frente do fundo de pensão dos Correios, ele fez investimentos em empresas controladas por pessoas que, segundo a PF, são ligadas a Fernando Sarney, filho do Senador.

Turismo no Maranhão ganha R$ 32 milhões

Pedro Novais, Michel Temer e Roseana Sarney
Edson Sardinha
    Antes mesmo de tomar posse, o novo ministro do Turismo, Pedro Novais (PMDB), mostrou seu poder de fogo. Apenas nos quatro últimos dias de 2010, o Ministério do Turismo garantiu o repasse de R$ 32 milhões para obras de infraestrutura no estado natal dele, o Maranhão. Parte desses recursos foi remanejada de emendas parlamentares que tiveram o empenho cancelado de última hora.
    O valor prometido para obras em solo maranhense supera a soma de tudo o que foi prometido no mesmo período para as três principais economias do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Paulistas e mineiros ficaram com a promessa de receber R$ 15,9 milhões e R$ 14 milhões, respectivamente. O estado Rio de Janeiro, cenário do mais conhecido cartão-postal brasileiro, acumulou empenho inferior a R$ 2 milhões entre os dias 28 e 31 de dezembro.
    Dos 18 municípios contemplados no Maranhão, 16 são comandados por prefeitos aliados da governadora Roseana Sarney (PMDB) e que apoiaram a reeleição da filha do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um dos fiadores da indicação de Novais para o ministério. Em 11 deles, Novais foi reeleito deputado com mais de 20% dos votos válidos.
    O partido com mais prefeitos atendidos é o PDT, do ex-governador Jackson Lago. Pode parecer uma contradição, mas na verdade ajuda a explicar a derrota de PDT no Maranhão. Terceiro colocado na disputa em outubro, ele é o principal adversário político da família Sarney na atualidade. São sete as prefeituras pedetistas apontadas por Novais. Seis delas são dirigidas por prefeitos que contrariaram a orientação partidária e fizeram campanha para Roseana.
    Nas eleições de outubro, apenas cinco dos 67 prefeitos do PDT apoiaram a candidatura do partido ao governo do estado. Dois fizeram campanha para o segundo colocado, deputado Flávio Dino (PCdoB), e 60 pediram votos para Roseana Sarney. O diretório estadual pretende abrir sindicância para investigar caso a caso e ameaça pedir a expulsão dos rebelados.
    Em apenas dois dos colégios eleitorais lembrados por Novais, Caxias e Sítio Novo, Roseana não venceu a eleição em outubro passado. Caxias e a capital São Luís são as únicas cidades contempladas administradas por prefeitos que não apoiaram a reeleição da governadora. Duas das promessas de pagamento atendidas na última semana do ano têm como origem emendas parlamentares do novo vice-governador do estado, o ex-deputado federal Washington Luiz (PT).
Motel
    Pedro Novais assumiu o Ministério do Turismo na segunda-feira (3) sob os olhares atentos de três importantes aliados políticos: José Sarney, Roseana Sarney e o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). Em seu discurso de posse, o novo ministro prometeu “seriedade e consciência pública” em sua gestão e se comprometeu a acabar com a farra da liberação de recursos para festas e eventos e se emocionou ao dizer que havia se tornado vítima de uma “campanha sórdida” desde que recebeu o convite de Dilma. Deputado por seis mandatos, ele pediu à Câmara ressarcimento por gastos em um motel em São Luís, conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo. Segundo ele, houve um equívoco na apresentação das notas fiscais.
    Procurado pelo Congresso em Foco, o Ministério do Turismo negou que tenha havido direcionamento de recursos à base eleitoral do novo ministro. De acordo com a assessoria do ministério, o Maranhão foi apenas o terceiro estado com maior volume de empenho nos últimos quatro dias do ano, atrás de Tocantins, com R$ 36 milhões, e Mato Grosso, com R$ 44 milhões.
    “Os municípios do Maranhão e o governo daquele estado receberam recursos de acordo com a disponibilidade orçamentária”, afirmou o ministério. “Em dezembro de 2010, por exemplo, recebeu menos que o Mato Grosso e Tocantins, incluindo o período compreendido entre os dias 28 e 31 de dezembro. Ao longo do ano, o Maranhão ficou na sétima posição entre os estados que receberam recursos para infraestrutura turística, atrás de São Paulo, Ceará, Alagoas, Pernambuco, Sergipe e Minas Gerais”, acrescentou a assessoria.
    Há, porém, uma grande coincidência entre os municípios que receberam recursos e o mapa político da votação de Pedro Novais no Maranhão.

Mapa político coincide com empenho de recursos
    Novo ministro do Turismo teve mais de 20% dos votos válidos em 11 dos 18 municípios contemplados. Apenas dois são administrados por oposicionistas à governadora Roseana Sarney

Miranda do Norte
Prefeito: José Lourenço Bonfim Júnior (PTB), eleito em 2008 em coligação com o PMDB. Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,1% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 8.775.000

Barra do Corda
Prefeito: Manoel Mariano de Sousa, Nenzim (PV), eleito em 2008 em coligação com o PMDB. Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,07% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 7.800.000

Dom Pedro
Prefeita: Maria Arlene Barros Costa (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,07% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 5.362.500

Passagem Franca
Prefeito: José Antonio Rodrigues da Silva, Gordinho (PTB). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,05% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 2.437.500

Nova Colinas
Prefeita: Valmira Miranda da Silva (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 46% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 1.852.500

Caxias
Prefeito: Dr. Humberto (PDT). Apoiou a eleição de Flávio Dino (PCdoB), candidato que venceu no município. A mulher dele, deputada estadual Cleide Coutinho (PSB), fez dobradinha na eleição passada com a deputada federal Nice Lobão (DEM), mulher do ministro Edison Lobão (PMDB) e aliada da família Sarney.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,2% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 1.462.500

Magalhães de Almeida
Prefeito: João Cândido de Carvalho (PMDB). É do partido de Novais e da governadora. Roseana venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 44% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$ 780.000

Centro do Guilherme
Prefeita: Maria Deusdete Lima, Detinha (PR). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,1% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$ 780.000

São Raimundo das Mangabeiras
Prefeito: João Francismar de Carvalho Feitosa (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 30% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$ 536.250

Sítio Novo
Prefeito: Carlos Jansen (PRP). Apoiou a reeleição de Roseana, que perdeu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 30% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$390.000

Pio XII
Prefeito: Raimundo Rodrigues Batalha, o Mundiquinho (PP), eleito em 2008 em coligação com o PMDB. Apoiou a reeleição de Roseana.
Votação de Novais em outubro de 2010: 22% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$ 390.000

Nina Rodrigues
Prefeita: Iara Quaresma (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 19% dos votos válidos.
Valor empenhado: R$ 390.000

Carutapera
Prefeito: Amim Quemel (PSDC), eleito em 2008 com apoio do PMDB. Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 32% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 390.000

São João do Carú
Prefeito: Alison Luiz Camporez (PP). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 41% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 292.500

Luís Domingues
Prefeito: Fernando Sodré (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 47% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 292.500

Colinas
Prefeita: Valmira Miranda da Silva (PDT). Apoiou a reeleição de Roseana, que venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,05% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 253.500

São Luís
Prefeito: João Castelo (PSDB). Apoiou a eleição de Jackson Lago (PDT). Roseana venceu no município.
Votação de Novais em outubro de 2010: 0,2% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 195.000

Primeira Cruz
Prefeito: Sérgio Ricardo de Albuquerque Bogea (PMDB). É do partido de Novais e da governadora, que venceu no município
Votação de Novais em outubro de 2010: 25,8% dos votos válidos
Valor empenhado: R$ 146.250
Do Congresso em Foco

Manchetes dos jornais

ATOS & FATOS - Vícios condenam hospital em que Castelo gastará R$ 92 milhões
JORNAL A TARDE - Secretário Luiz Fernando Silva defende retomada das gerências regionais
 JORNAL PEQUENO - Ministro defende a reeleição de Sarney depois de ser boicotado
O ESTADO DO MARANHÃO - :Secretário promete agilizar conclusão dos 64 hospitais
O IMPARCIAL - Emenda parlamentar: Deputados priorizam três secretarias