1 de abr de 2011

João Castelo mexe mais uma vez na equipe de governo vidrado na reeleição em 2012


O prefeito João Castelo e o "novo" secretário Othelino Neto
     O prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), fez a décima primeira mudança em sua equipe de governo nesta sexta-feira, 1º de abril. Trouxe de volta o Othelino Neto para a Secretaria Municipal de Articulação e Desenvolvimento Metropolitano.
    Em dois anos e três meses de governo Castelo trocou onze auxiliares. Dois deles permutaram de secretaria nessa primeira metade da administração tucana.
    Ex-secretário de Meio-Ambiente do governo José Reinaldo Tavares (2002-2006) e da pasta no governo Jackson Lago (2007-abril 2009), Othelino Neto ocupou até abril de 2010 a secretaria municipal de governo, quando se desincompatibilizou para ser candidato a deputado estadual pelo PPS, com os tucanos e pedetistas na coligação O Povo é Maior.
    O troca-troca recente na administração faz parte de um estratagema de Castelo em busca da reeleição. Nesses lances de abertura, cooptou de vez o PDT através do casal Paz, consequentemente equacionando a aflição do suplente Edvaldo Holanda (PSC), ceifando as pretensões futuras do deputado federal Edvaldo Holanda Júnior (PSC).
    A reinserção de Othelino Neto na administração objetiva conter a barulhos intestinos do aliado PPS, causados principalmente pela postura crítica da deputada estadual Eliziane Gama. No segundo mandato a deputada se cacifa para disputar a prefeitura na garupa da sua atuação parlamentar destacável, superados os lapsos de avaliação histórica.
    Com esse lance Castelo garante a proteção do rei em nível de parlamento estadual, hoje com maior repercussão que a própria Câmara Municipal no debate dos temas municipais. O próximo lance será de consolidação de um leque de partidos que lhe forneça o conforto de uma coligação hegemônica na disputa da reeleição.
Entra e sai da equipe de Castelo
Helena Duailibe (Vice-prefeita)– Secretária Municipal de Saúde substituída pelo vereador Gutemberg Bogea
Angelina Angelim - Secretária de Tecnologia da Informação substituída por Rodrigo Passarinho Azevedo
Ribamar Oliveira – Secretário Municipal de Trânsito e Transportes substituído por Clodomir Paz
Cláudio Castelo de Carvalho – Secretário municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp) substituído por Marco Aurélio Freitas
Franklin David Souza -Secretário Municipal de Articulação Política substituído pela deputado estadual Graça Paz
Franklin David Souza - Secretário Municipal de Desportos e Lazer substituído por Carlos Goiabeira
Moacir Feitosa – Secretário Municipal de Educação substituído por Suely Tonial
Othelino Neto – Secretário Municipal de Governo substituído por Albertino Leal
Eduardo Braide – Secretário Municipal Extraordinária de Orçamento Participativo foi substituído pelo ex-deputado Pavão Filho
José Ribamar Luso Sousa - Secretário Municipal da Agricultura, Pesca e Abastecimento foi substituído por Júlio França
José de Ribamar Soares - Secretaria Municipal de Articulação e Desenvolvimento Metropolitano foi substituído por Othelino Neto

Imexíveis no governo Castelo
Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento (Seplan), Maria do Amparo Melo
Secretário Municipal da Fazenda, José Mario Bittencourt
Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa).
Secretário Municipal de Meio Ambiente, Afonso Henriques
Secretário Municipal da Criança e Assistência Social, Roseli Ramos

Ivete Sangalo foi pivô em demissão de jornalista do A Tarde

Natalia Mazotte
   Depois da demissão de Aguirre Peixoto, mais uma polêmica envolve o jornal A Tarde e seus profissionais. A repórter Emanuella Sombra se demitiu, na última segunda-feira (28), após discordar de cortes feitos em sua entrevista com a cantora Ivete Sangalo, informou o site Grande Bahia. Segundo a jornalista, uma parte importante, onde abordava a crise na empresa da cantora e o processo envolvendo um ex-empregado, foi retirada.
    Em nota, a repórter explicou que pediu para não assinar a publicação após a mudança feita pelo editor-chefe Ricardo Mendes e não foi atendida, o que motivou sua saída.
    “Publicar uma entrevista de capa, com oito páginas internas de perguntas e respostas, em que, aos olhos do leitor, não se toca em dois dos assuntos mais relevantes envolvendo a cantora (isso pelo menos nos últimos três meses) é praticar um anti-jornalismo ao qual, em quatro anos de profissão, não estou acostumada”, declarou Sombra.
    De acordo com o site Diário Baiano, a direção do jornal afirmou que o conteúdo retirado da entrevista não era exclusivo e apresentava inconsistências. Mendes disse respeitar a decisão da jornalista, mas acredita que sua escolha "parece uma provocação sem sentido de quem não tinha interesse em permanecer na empresa".
    Recentemente, jornalistas do diário fizeram greve de fome após a demissão, por suposta pressão de empreiteiras, do jornalista Aguirre Peixoto, responsável por uma série de matérias sobre crimes ambientais cometidos por incorporadoras com a conivência do governo estadual. Logo em seguida, o repórter foi readmitido.
Do Blog Jornalismo nas Américas

Vereadora que disse que Ivete Sangalo é "dependente química" enfrenta protestos na Bahia

Vereadora Tia Eron
    A vereadora da Câmara Municipal de Salvador, Tia Eron(DEM), enfrenta uma saraivada de protestos após ter declarado durante sessão legislativa da celebração dos 462 anos da cidade de Salvador e Dia Internacional da Mulher que a cantora Ivete Sangalo, “não serve de exemplo para os jovens porque é dependente química”.
    Diante da repercussão da declaração Tia Eron negou que tenha dado a declaração sobre a rainha do Axé. “Jamais esbocei qualquer tipo de ação contra mulher alguma”, desculpo-se a vereadora.
Ivete Sangalo
    Na Assembleia Legislativa da Bahia o deputado Leur Jr, propôs moção de repúdio à vereadora.
    “O deputado está equivocado. Ivete tem uma parcela muito grande na histórias de Salvador. O que houve foi um culto, após a sessão, lá na Câmara e o reverendo falou de Ivete, mas elogiou como homem as mulheres, a partir dela. Eu não sei de onde saiu isso. Batendo em Ivete estou batendo em mim”, jogou confete Tia Eron.
    Mas, em contrapartida, pessoas que participaram da audiência pública que aconteceu logo após a sessão solene pelos 462 anos de Salvador,na terça-feira (29), garantem que a vereadora democrata não só falou, como utilizou o microfone da Casa para expor o que pensa a respeito da cantora baiana.
     A assessora de imprensa da cantora Ivete Sangalo, a jornalista Marcela Oliva, avisou que não haverá pronunciamento sobre as possíveis declarações da vereadora Tia Eron (DEM) sobre Ivete ser dependente química. "Não iremos nos pronuciar sobre isso", disse.

Major Curió será processado criminalmente

    O militar da reserva Sebastião Curió Rodrigues de Moura, o ‘Major Curió’, um dos principais chefes da repressão à Guerrilha do Araguaia, episódio sangrento do período da Ditadura Militar no Brasil, vai responder em liberdade pela posse ilegal de quatro armas e munições sem registro. É a primeira vez que o militar, que chegou a ser deputado e prefeito cassado, responde a um processo criminal na Justiça de Brasília.
    Sebastião Curió vai responder ao processo criminal instaurado na 8ª Vara Criminal do TJ-DF. Quanto ao computador e documentos apreendidos em uma das residências do militar, durante a busca por documentos a respeito da guerrilha, o Ministério Público informou que vai analisar o conteúdo para esclarecer se há referência à declaração do major, há cerca de dois anos, quando exibiu ao jornal O Estado de São Paulo uma mala com papéis que detalhariam a execução dos guerrilheiros.
Do Diário do Pará

Charge do dia - Sponholz

Senador do Piauí denuncia fraudes no PSF do Maranhão

    A existência de uma série de fraudes no Programa Saúde da Família (PSF) foi denunciada na quinta-feira,31 de abril, pelo senador Wellington Dias (PT) no plenário do Senado Federal. O PSF visa à formação de equipes multiprofissionais, para o acompanhamento de famílias em regiões geográficas delimitadas. Essas equipes atuam com ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação e reabilitação de doenças.
    Baseando-se em dados publicados pelo jornal O Globo, na última segunda-feira (28), Dias afirmou que o Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente o PSF, tem sido alvo de desvios milionários de recursos públicos. As fraudes se dão, de acordo com ele, com a utilização de informações falsas nos cadastros do SUS, o que permite a médicos manterem credenciamento em várias unidades de saúde. Além disso, informou o senador, as falsificações cadastrais abrem brechas para o comércio de CPFs, com o objetivo de burlar as regras do PSF.
    Wellington citou ainda o caso de um médico que teria 17 vínculos com o SUS – 16 no Piauí e um no Maranhão – e carga horária de 34 horas diárias, sete dias por semana. Segundo o senador, um levantamento da Controladoria-Geral da União (CGU) mostrou que, em mais de 40% dos municípios fiscalizados, as equipes de saúde da família não cumprem a carga horária. Além disso, em 36,5% das 982 cidades fiscalizadas, de 2004 a 2009, o atendimento do PSF foi considerado deficiente.
    Dias destacou que sua proposta é que o Ministério da Saúde aperfeiçoe o seu sistema de forma que seja possível ter um cadastro nacional em rede nacional com o CPF e o CRM de cada médico, dentista, enfermeiro, psicólogo, enfim, dos profissionais do programa.
Do Meio-Norte

Dia 1º de abril - Dia da Mentira

    Governadora do Estado e candidata à reeleição, Roseana Sarney (PMDB), durante sabatina realizada pelo jornal O Imparcial, do grupo Diários Associados em São Luís (MA), em 24 de agosto de 2010, prometeu entregar 71 hospitais do programa Saúde é Vida após o término das eleições e também fazer uma "revolução" na educação do Estado.
    Em 2009, ao assumir o governo do Maranhão por determinação do Tribunal Superior Eleitoral, Roseana Sarney anunciou a construção de 72 hospitais no Estado. Até dezembro de 2010 apenas um foi entregue. "Todos os hospitais em construção serão entregues até o final do ano", garantiu a candidata na sabatina.
    No encontro com jornalistas do jornal maranhense a filha do senador José Sarney (PMDB-AP) afirmou que pretendia contratar professores, distribuir fardamento escolar e merenda de qualidade, caso fosse eleita. As melhorias no setor educacional, segundo a governadora, serão mais visíveis no ensino médio. "Vamos fazer uma revolução da educação do Maranhão a partir do ano que vem", declarou a candidata.

Museu de Tudo: Compacto simples do tempo da jovem guarda e do psicodelismo hippie-1973


Também conhecido como Single do inglês Single Play (também conhecido como, seven inches ou "7 polegadas" o compacto simples era um disco com 17 cm de diâmetro, tocado usualmente a 33 1/3 RPM (Rotações por minuto) no Brasil. Na Europa e EUA a 45 RPM . A capacidade normal de armazenamento era 4 minutos de cada lado, A ou B. O compacto simples era geralmente empregado para a difusão das músicas de trabalho de um álbum completo a lançado ou a ser lançado.

Na coluna do Ilimar Franco

    Os senadores do PMDB não tratam mais de cargos no governo Dilma Rousseff antes que sejam resolvidos os casos dos ex-senadores Hélio Costa (MG) e José Maranhão (PB). Foi esse o recado que o ministro Palocci (Casa Civil) recebeu anteontem do líder Renan Calheiros (AL). Para o PMDB do Senado, sem resolver as prioridades, não dá para avançar no restante das posições.
Ligações perigosas
    Estavam na conversa com Palocci, além de Renan Calheiros, Romero Jucá (RR) e José Sarney (AP). Eles disseram que era um desprestígio para o PMDB a não nomeação de Costa e de Maranhão. “O Hélio foi candidato a governador no segundo colégio eleitoral, Minas Gerais, onde a Dilma venceu. Não tem sentido nomear o (Fernando) Pimentel, que perdeu duas vezes, para o Aécio (Neves) e o Itamar (Franco), e não colocar o Hélio em lugar nenhum”, protestou Renan. Palocci explicou que Hélio Costa estava no limbo junto à presidente Dilma por sua ligação com o deputado Eduardo Cunha (PMDB-MG) no caso de Furnas.
    "O governo quer resolver, mas não encaixou uma solução” — Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Senado, sobre as indicações prioritárias do PMDB.
De O Globo

Manchetes dos jornais

Maranhão
ATOS E FATOS - Polícia Federal investiga prefeituras maranhenses
JORNAL A TARDE - Maranhão proporá novo modelo de PSF ao governo federal
JORNAL EXTRA - Usuário de drogas é morto com cinco tiros dentro de bar
JORNAL PEQUENO - Com Operação Geleira Polícia Federal investiga prefeituras do Maranhão
O DEBATE - MP divulga condições de 320 escolas públicas de São Luís
O ESTADO DO MARANHÃO - ANP constatou indíscios de cartel em postos de SLZ
O IMPARCIAL - Remédios mais caros

Nacional
CORREIO BRASILIENSE:Bandarra se complica. Durval escapa de novo
FOLHA DE SÃO PAULO:Pela 2ª vez, leilão para trem-bala deve ser adiado
O ESTADO DE S. PAULO:Governo quer taxar minério para fazer Vale investir em ação
O ESTADO DE MINAS:
O GLOBO:Interferência política torna FGTS-Vale a pior aplicação
VALOR ECONÔMICO:Concorrência do trem-bala é adiada outra vez, para julho
ZERO HORA:Alta nos combustíveis revela distorções de preço entre cidades

Regional
JORNAL DO COMMERCIO:Remédio sobe 4,69%
DIÁRIO DO PARÁ:8 mil vagas sobram por ano no Pará
MEIO-NORTE:PSF é alvo de desvio milionário, diz senador
O POVO:Justiça proíbe construção no Cocó

Guerrilha do Araguaia: 17 castanheiros teriam sido fuzilados

    O Grupo de Trabalho Tocantins (GTT), criado pelo Ministério da Justiça para tentar encontrar os restos mortais dos desaparecidos na Guerrilha do Araguaia, fez uma nova descoberta: 17 castanheiros teriam sido mortos pelos militares do Exército que puseram fim à guerrilha. Caso isso se confirme, o Exército poderá responder não apenas pela morte dos guerrilheiros, mas também pela morte de civis sem qualquer ligação com o movimento armado.
    A chacina teria acontecido no ano de 1974, no município de São João do Araguaia, a 60 km de Marabá. Quem fez a denúncia foi o ouvidor do GTT, Paulo Fonteles Filho, membro do PCdoB, com base no relato de ex-militares que atuaram na guerrilha, mas que hoje estão colaborando com as investigações.
    Segundo Paulo Fonteles, esta é uma informação que precisa ser esclarecida a qualquer custo, porque, no entendimento dele, esta não foi a única chacina de camponeses praticada pelo Exército nesta região na época da guerrilha.
    “Esta é uma informação absolutamente nova. Esses pais de família nunca mais voltaram para suas casas e até hoje permanecem anônimos. Nós também estamos interessados em saber o que aconteceu com lavradores e castanheiros”, explica Fonteles.
    Para o ativista político, quanto mais as investigações se aprofundarem e com auxílio da Comissão da Verdade, que está sendo criada pelo governo, muitas outras atrocidades cometidas pelo regime militar serão descobertas. “Se as informações que nós tínhamos já eram muito graves, essas informações sobre a região de Marabá vão ser muito mais reveladoras”, completa.
    Essa denúncia já foi apresentada ao Ministério da Defesa. Mas ele reconhece que será muito difícil identificar esses 17 castanheiros mortos, de pronto, uma vez que seriam necessários exames de DNA.
    Por isso, Fonteles entende que os parentes de camponeses que desapareceram durante a Guerrilha do Araguaia devem procurar as autoridades para contar suas histórias e ajudar a formar um banco de DNA na região. “Essa é uma luta dura, que vai durar muitos anos e, por isso mesmo, deve começar desde hoje.”
OPERAÇÃO LIMPEZA
    Paulo Fonteles denunciou também que as pessoas que estão colaborando com o GTT estão sendo ameaçadas de morte, assim como integrantes do próprio Grupo de Trabalho. Entre os seis que estão sendo ameaçados, está o próprio Paulo Fonteles. Segundo ele, um membro do GTT sofreu um misterioso acidente rodoviário em Marabá nos últimos dias.
    Segundo Fonteles, quem está por trás das ameaças tem medo que seja descoberta a chamada “operação limpeza”, que foi a remoção de corpos dos guerrilheiros, anos depois da guerrilha, feita para dificultar a localização desses cadáveres.
Do Diário do Pará