14 de fev de 2011

Pereirinha diz que educação não é prioridade na administração de João Castelo

     Para o presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Antonio Isaías Pereirinha (PSL), Educação não é prioridade na administração pública. Convencido após a audiência pública promovida pelo legislativo para tratar do problema da falta de vagas na rede municipal de ensino, Pereirinha considera que o comprometimento de 31% do orçamento  com a educação é  suficiente.
    "Temos que compreender que há outras prioridades. A prefeitura tem que investir em segurança, cultura, infra-estrutura", explica o vereador. Constitucionalmente a segurança das compete ao estado. Por meio de decreto, em outubro do ano passado Castelo criou o Gabinete de Gestão Integrada, um embrião da Secretaria Municpal de Segurança com Cidadania de olho nos recursos do Pronasci - Programa Nacional de Segurança com Cidadania do governo federal.
    Na cultura o prefeito de São Luís fez um corte de 25% do parco orçamento, escoado quase exclusivamente na promoção de eventos.
    Pereirinha exorta a população de São Luís a "ser compreensível" com o prefeito João Castelo (PSDB) que elegendo outras prioridades deixa de atender mais de 3 mil crianças em idade escolas.
    O vereador liderou o grupo de 14 vereadores que apoiaram a reeleição da governadora Roseana Sarney. Presidente da Câmara em terceiro mandato, Pereirinha é cogitado como candidato a prefeito nas eleições em 2012 com apoio do empresário Fernando Sarney. No mínimo dividiria a chapa com o tucano Castelo na condição de vice-prefeito. Acordos estão sendo costurados nesse sentido. Sinal de avanços seria a liberação ambiental para que Castelo construísse o hospital prometido em campanha na área da reserva do Rangedor.

CNA pede ajuda do vice-governador do MA para evitar ampliação da reserva indígena em Amarante

    O presidente da Comissão Nacional de Assuntos Fundiários da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Fábio de Salles Meirelles Filho pediu, no dia 10 de fevereiro de 2011, ao vice-governador do Maranhão, Washington Luís Oliveira, o apoio do governo estadual para evitar a ampliação da reserva indígena Governador, localizada no município de Amarante do Maranhão, a 835 quilômetros da capital São Luís.
    Acompanhado do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Maranhão (Faema), José Hilton de Sousa, ele argumentou que o aumento da área, previsto nas portarias 677/08 e 1437/10, da Fundação Nacional do Índio (Funai) afetaria duas mil propriedades rurais na região, consolidadas antes da promulgação da Constituição Federal de 1988.
    A reserva tem hoje 42 mil hectares. Com a expansão prevista nas portarias, passaria para 200 mil hectares, e obrigaria a retirada de diversas famílias de produtores rurais que vivem no local. Após ouvir o pleito da CNA e da Faema, o vice-governador afirmou que levará o assunto à governadora do Estado, Roseana Sarney, com o objetivo de incluir o tema na pauta do encontro que ela terá com uma comissão técnica do Ministério da Justiça (MJ).
    "Esta reunião foi muito oportuna por causa dos acontecimentos na região e que já serão discutidas entre o Governo do Estado e o Ministério da Justiça", afirmou Meirelles Filho, que também é vice-presidente da Confederação. "É preciso que esta questão seja resolvida, pois muitos produtores estão inseguros para investir em suas terras", completou o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Pesca, Cláudio Azevedo, que participou do encontro.
    Também participaram da reunião o assessor técnico da Comissão Nacional de Assuntos Fundiários da CNA, Rudy Maia, Ferraz, o consultor Denis Lerrer Rosenfield e o secretário-adjunto de Agricultura, Raimundo Coelho, que também é vice-presidente da Faema.
Da CNA

Filme foca anônimos do carnaval

Ganhador do Prêmio especial do júri da Mostra de Cinema de São Paulo do ano passado, "O Samba que Mora Mim" faz um retrato intimista de quem está por trás dos holofotes na avenida Marquês de Sapucaí, no Rio.
    São pessoas anônimas que, durante o ano todo, respiram samba e criam fantasias para que celebridades e gente comum possam brilhar na passarela. O filme estreia em São Paulo, Rio, Curitiba e Porto Alegre.
    Dirigido por Georgia Guerra-Peixe, o filme é uma busca pessoal do samba e de seu entorno. A documentarista, filha de um historiador do assunto e sobrinha-neta do maestro César Guerra-Peixe, cresceu ouvindo sambas-enredo da Mangueira, sem nunca ter subido o morro. O documentário acompanha essa primeira experiência.
    Em seu passeio pela Mangueira, Georgia encontra pessoas que narram suas histórias. Em troca, a diretora conta as suas. A favela por onde a documentarista circula é diferente daquela que se costuma ver no cinema - especialmente em filmes como "Cidade de Deus" e "Tropa de Elite". Não que "O samba que mora em mim" esconda ou finja que não existe tráfico ou violência, mas não faz disso o seu assunto. A diretora mostra que a comunidade possui valores, respeito e criatividade.
    Confessando que o que a intriga desde a infância não é o samba em si, mas as pessoas que vivem em torno da música, Georgia usa essa ideia como força motriz para sua câmera. Suas conversas desbravam a comunidade e seus habitantes e destacam a importância do samba ao dar a essas pessoas a sensação de pertencer a uma sociedade.
    Munida de curiosidade e boa intenção, a diretora é capaz de registrar bons depoimentos, graças ao seu faro para personagens repletos de histórias de vida. Falta ao filme um pouco de ambição para se aprofundar nos detalhes desses personagens que ganham alguns minutos de fama diante da câmera. Em todo caso, Georgia faz uma bonita homenagem aos anônimos que transformam o Carnaval do Rio no maior espetáculo do gênero no mundo.

Assista o trailer de "O samba que mora em mim"


Do Portal Vermelho

Desvios na FAPEMA será tema de debate no Campus da UEMA

    Professores da Universidade Estadual do Maranhão, UEMA; Universidade Federal do Maranhão, UFMA e Instituto IFMA estarão reunidos nesta terça-feira, 15, às 16 horas, no Centro de Ciências Exatas e Naturais (CECEN) no Campus Paulo VI da UEMA para discutirem medidas a serem tomadas sobre as denúncias do uso irregular de bolsas estudantis concedidas pela Fundação de Amparo a Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA).
    O debate está sendo puxado pelo professor Francisco Gonçalves da UFMA, ex-presidente do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores, PT-MA.

DCE da UFMA pede criação de CPI na Assembleia para apurar supostos devios na FAPEMA

    O Diretório Central dos Estudantes, DCE, da Universidade Federal do Maranhão, UFMA, quer a imediata convocação da presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão, FAPEMA, Rosane Guerra, pela Assembleia Legislativa para dar explicações "sobre possível desvio de conduta" no órgão vinculado à  Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Desenvolvimento Tecnológico, SECTEC.
    A entidade pede apoio da Assembleia Legislativa para  abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquério, CPI, para apurar as denúncias veiculadas pelos meios de comunicação com informações obtidas no Portal da Transparência do governo do Estado.
    Para o DCE da gestão "Da Unidade vai nascer a novidade", FAPEMA pode estar sendo utilizado para outros fins, distanciados de sua finalidade real, de fomento à pesquisa e educação.
    A entidade exige uma prestação de contas clara e objetiva sobre os investimentos e resultados obtidos pela fundação. Segundo o DCE houve demissão em massa de trabalhadores e trabalhadoras que se mantinham com bolsas da FAPEMA na Universidade Virtual do Estado do MARANHÃO – UNIVIMA. Entende que a democratização do Ensino Técnico, Superior e Pós-Graduação Lato Sensu esta sendo aos poucos desmontado pelo atual governo.
    A manifestação do DCE-UFMA foi apresenta através de nota distribuída à imprensa e encaminhada ao Ministério Pública, OAB, entidades de representação estudantil.

Charge do dia - Ivan Cabral

Conselho Regional de Enfermagem abre 11 vagas em três municípios do MA

    O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão abriu concurso para 11 vagas em cargos de nível médio e superior. Os cargos são de enfermeiro-fiscal (3 vagas) e auxiliar administrativo (8 vagas). Os salários são, respectivamente, de R$ 1.449,65 e R$ 689,46. As vagas são para São Luís, Caxias e Imperatriz (veja aqui o edital).
    As inscrições devem ser feitas das 10h de 14 de fevereiro às 23h59 de 20 de março pelo site http://site.fsadu.org.br/. A taxa é de R$ 32 para nível médio e de R$ 55 para nível superior.
    A prova será em 3 de abril, nas cidades de São Luís, Caxias e Imperatriz.

Americana reclama ao ser confundida com Sarney no twitter



"Povo do Brasil, pelo amor do querido menino Jesus, eu não sou José Sarney"

    Uma coincidência tem tirado o sossego da gerente de produção Sarah Law Wu, do Colorado, nos Estados Unidos. Sarney, como ela se apresenta em seu perfil no Twitter, tem sido confundida com o presidente do Senado brasileiro, José Sarney.
    Sarney - a americana - reclamou publicamente de forma bem humorada em sua página no microblog. "Povo do Brasil, pelo amor do querido menino Jesus, eu não sou José Sarney", avisou.
    Em sua biografia no Twitter, ela se apresenta como gerente de produção e "loose cannon", expressão que em português significa uma pessoa imprevisível. Em seguida, ela esclarece: "Eu não sou José Sarney, um advogado, ou um advogado brasileiro. Eu sei que é confuso".
    Embora Sarah aparentemente desconheça José Sarney, ex-presidente do Brasil, o número de seguidores de seu perfil aumentou significativamente desde que ela decidiu reclamar no Twitter. "Amigos brasileiros, como tantos de vocês viram o meu tuíte?", perguntou neste domingo. E, em português, ela agradeceu.

Manchetes dos jornais

JORNAL PEQUENO - OAB aprova pedido de CPI para sistema carcerário
O ESTADO DO MARANHÃO - MS suspende para ações em 22 municípios do MA
O IMPARCIAL - Sarney: "Reforma política só não sai se Congresso não quiser"