5 de jun de 2010

Professores do município de São Luís em greve iniciam semana concentrados em frente à Câmara

     O Sindicato dos Professores do Município de São Luís, SindEducação, se reuniu neste sábado para consolidar a pauta de mobilização da greve iniciada em 19 de maio.
     Na próxima segunda-feira,7, os professores vão promover mais uma concentração em frente à Câmara Municipal.
     Em reunião com os vereadores na terça-feira passada, 1º de junho, os sindicalistas apresentaram as fundamentações das propostas que motivam a greve. Representantes do Sindicato dos Servidores Municipais também participaram da reunião que teve início às 11 horas e se estendeu até as 14 horas.
     Na próxima terça-feira,8, será formada uma comissão arbitral composta por vereadores, representantes das secretarias municipais de Educação, de Governo e da Administração; e dos sindicatos de Educação e dos Servidores Municipais, para negociar com o Eexecutivo. Castelo se mantém irredutível na ofertade de 6% de aumento. Os professores querem 18%, refletindo o reajuste do Fundeb.
     Segundo o SindEducação os poucos professores que furam a greve estão encontrando salas vazias. Em escolas onde há turmas com 50 alunos a freqüência tem sido em média de cinco estudantes durante a semana. A secretária municipal de Educação, Sueli Tonial, ex-secretária de Estado da Saúde e dona do Laboro, percorreu escolas na semana passada, pressionando grevistas e insufrando pais contra mestres.
     No dia 20 de maio o prefeito João Castelo (PSDB) assinou o Decreto n n.º 39.945/2010, concedendo progressão vertical a 35 servidores do magistério. Para o SindEducação a medida que aparentemente contemplaria uma pequena parcela da categoria é motivo de desespero para alguns professores.
     Segundo esclarecimento dos sindicalistas o decreto do Executivo Municipal, servidores em final de carreira, na última referência da tabela de vencimento do magistério (referência I), após a concessão da progressão vertical, foram removidos para o início da tabela, como se estivessem iniciando o seu vínculo com o ente público (referência A).
     Na reunião com os professores os vereadores se comprometeram a suspender a votação até que sejam esgotadas todos os diálogos com os professores, para que então seja feito um acordo com o executivo.

Agenda da Greve
Segunda-feira, 7 de junho – Mobilização em frente à Câmara Municipal de São Luís (manhã e tarde)
Terça-feira, 8 de junho – Concentração na Praça Deodoro às 8 horas e passeata

Flávio Dino defende Maranhão “mais forte e justo”

     Seis municípios foram visitados em dois dias pela comitiva que acompanha o deputado federal e pré-candidato ao governo do Maranhão Flávio Dino (PCdoB). Itapecuru, Pio XII, Bom Jardim, Santa Luzia, Buriticupu e Imperatriz foram as cidades que receberam a visita do grupo desde a última quinta-feira, 3.
     As viagens têm o objetivo de divulgar a chapa majoritária que se candidatará ao governo do Maranhão e ao Senado nas eleições de outubro – formada por PCdoB, PT e PSB – e de colher sugestões para a elaboração do programa de governo. Além de Flávio Dino, acompanham o itinerário a pré-candidata a vice-governadora Terezinha Fernandes (PT) e os candidatos ao Senado Bira do Pindaré (PT) e José Reinaldo Tavares (PCdoB).
     “Este é o momento de dividirmos com os maranhenses a tarefa de fazer do Maranhão um estado livre e justo. Estamos conversando olho no olho com a população, sem maquiagem e sem marcas. Quero que o povo tenha a oportunidade de avaliar quem eu sou e o que eu proponho para o estado do Maranhão”, disse Flávio Dino.
     Em Itapecuru-Mirim, onde participou de evento no Itapecuru Social Clube, Flávio Dino foi recebido pelos vereadores Índio do Brasil (PSB) e JR do PT. Flávio Dino falou para empresários, representantes da associação comercial, da associação comunitária dos ceramistas e para diversos líderes comunitários. Ele também se reuniu com o grupo liderado pelo empresário Rogério Baiano, que disputou as eleições para prefeito do município em 2008. O pré-candidato ao governo do Maranhão destacou a importância da indústria de cerâmica, que atualmente beneficia, direta ou indiretamente, um quarto da população da cidade.
Desenvolvimento
     De Itapecuru, o grupo seguiu para Pio XII, onde recebeu o apoio dos vereadores Duduca e Josué Lima, bem como de sindicatos de trabalhadores rurais e do sindicato dos pescadores local. Na noite da quinta-feira, o ato político foi em Bom Jardim, onde o público reunido foi de mais de 500 pessoas.Flávio Dino lembrou que os três anos e meio que já exerceu do mandato como deputado federal reforçaram nele a necessidade de se mudar a política do Maranhão.
     “Estamos apresentando soluções para que haja o desenvolvimento real do povo do Maranhão. O nosso objetivo é renovar a política do nosso estado. Hoje dá para ver a enorme distância que há entre o nosso desenvolvimento o do resto do Brasil”, avaliou o pré-candidato, que também classificou de “injustificáveis” os indicadores sociais maranhenses de hoje em dia. “O resto do Brasil cresceu, se desenvolveu, melhorou seus indicadores. O Maranhão ficou para trás. Chegou a hora de combater essa marca de pobreza”, reforçou Flávio Dino.
     Na manhã de sexta-feira, o público lotou o auditório de um clube local em Santa Luzia para o discurso de Flávio Dino e das lideranças que o acompanhavam. A parada seguinte foi em Buriticupu, no clube Avenida 01. A programação da sexta-feira encerrou com participação no Salão do Livro de Imperatriz. Na agenda do pré-candidato também está previsto jantar com a presença de uma centena de empresários da região tocantina.
     Neste sábado e no domingo, estão na agenda da caravana ainda as cidades de São Pedro da Água Branca, Vila Nova dos Martírios, Cidelândia, João Lisboa, Amarante, Buritirana e Senador La Roque.

Da Assessoria de Comunicação Flávio Dino

Lambe-Lambe: Dia Internacional do Meio Ambiente - o mau exemplo da administração Castelo

Açaifolia será ponto de encontro de políticos neste fim de semana

Segundo informações da organização do Açaifolia, que acontece na cidade de Açailândia até este domingo, 6, a governadora Roseana Sarney (PMDB) e o ex-governador por ela cassado, Jackson Lago (PDT) vão dividir o camarote do prefeito Ildemar Gonçalves (PSDB).
     A  preocupação do cerimonial é como acomodar num espaço de cerca de 10 mentos quadrados 40 anos de rivalidade política.
     Também evitam trombar com Roseana no mesmo camarote, o prefeito de Imperatriz, Sebastião Madeira(PSDB), e o deputado estadual Carlinhos Amorim (PDT) que confirmaram presença.
     O deputado federal Roberto Rocha, pré-candidato a senador pelo PSDB, desembarcou neste sábado às 10 horas da manhã em Imperatriz. Tem encontro agendado com o prefeito Sebastião Madeira, e ao meio dia se reúne com a imprensa no Ponto da Picanha. Á noite, vai ao Açaifolia. Seu colega de Câmara e de partido Carlos Brandão cumpre igual agenda. Outra presença garantida é do deputado federal Ribamar Alves (PSB).

Com informações do Blog Rei dos bastidores

Frase de efeito- em VEJA

"A arte existe porque a vida, por si só, não basta."
Ferreira Gullar, poeta, que acaba de ganhar o Prêmio Camões, o mais prestigiado da literatura em língua portuguesa

Diretor que nomeou fantasmas de Sarney será candidato a deputado distrital pelo PTC

EM VEJA
É muita cara de pau!

Pivô do escândalo no Senado, ex-diretor-geral busca

um mandato para voltar a reinar em Brasília

Gustavo Ribeiro

EM CAMPANHA
Propaganda do ex-diretor na periferia: de olho na política
     O ex-datilógrafo Agaciel Maia é um personagem-chave da crise que sacudiu o Senado no ano passado. Diretor-geral da instituição durante catorze anos, Agaciel perdeu o cargo quando se descobriu que era dono de uma mansão, avaliada em 5 milhões de reais, nunca declarada à Receita Federal. A casa, soube-se depois, era apenas um detalhe em sua biografia. Agaciel era o principal operador da máquina que produzia contratos superfaturados e nomeava funcionários-fan-tasma, por meio de atos secretos, em benefício de um seleto grupo de políticos. Seu poder era tão incontrastável que, mesmo sendo um mero burocrata, era tratado como o 82° senador. Apesar dos escândalos em que estava me-tido, Agaciel conservou o emprego de servidor e o salário de 23 000 reais. Mas não ficou totalmente satisfeito. Agora, depois de um ano de recolhimento, o ex-diretor está decidido a entrar de vez no mundo da política – universo que, em duas décadas de convivência com o poder, aprendeu a conhecer como poucos. Tratando-se de Agaciel Maia, o risco de isso acabar dando certo para ele não é desprezível.
Roberto Stuckert Filho/Ag. O Globo








FÔLEGO DE GATO

Agaciel Maia perdeu o cargo,

mas manteve o emprego e

o salário: amigos influentes


     As negociações em torno do novo projeto estão adiantadas. Agaciel já decidiu que disputará um mandato pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC), sigla que elegeu o ex-deputado Clodovil Hernandes em 2006. Só está em dúvida em relação ao cargo. Sua ideia inicial era eleger-se deputado federal no Rio Grande do Norte, onde cresceu e de onde saiu há quase quatro décadas. Mas, diante do alto risco e do custo elevado, seria uma aventura temerária mesmo para alguém impetuoso como ele. O mais provável é que dispute uma das 24 cadeiras da Câmara Distrital de Brasília, cujos parlamentares se no-ta-bilizaram por esconder propinas em lugares exóticos, como meias. O PTC estima que seu mais novo candidato possa conquistar cerca de 10 000 votos. Seu sistema propulsor seria formado por servidores do Senado – casta que Agaciel sempre privilegiou e da qual é uma espécie de ídolo. "É a minha turma", confirma o ex-diretor.
A direção do PTC não se importa com a biografia tisnada de seu novo pupilo. "Acredito que ele pode nos trazer muitos votos. Às vezes as pessoas tomam certas atitudes por necessidade", justifica o presidente da sigla em Brasília, Divino Omar Nascimento. Com o sinal verde do partido, Agaciel já está em campanha. Ele mandou pintar em muros da periferia o seu endereço na internet, uma maneira disfarçada de fazer campanha eleitoral antecipada. O site abriga artigos sobre problemas da cidade e dados biográficos inúteis, como a data em que se tornou membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Agaciel garante que o objetivo não é eleitoral. "É só para que os servidores do Senado não percam o contato comigo", explica. Havia jeito mais fácil e barato. Bastava comparecer ao trabalho, onde raramente é visto. Apesar das dificuldades de uma campanha, sua carreira é promissora. Com dinheiro, amigos influentes e vasta experiência política, ele tem tudo para criar sua própria dinastia.

Manchetes dos jornais

AQUI-MA - Facadas na Liberdade
GAZETA DA ILHA - Adolescente édesovado no Batatã
JORNAL PEQUENO - Militar é executado a tiros por motoqueiros no Coroado
O ESTADO DO MARANHÃO - Lula sanciona o Ficha Limpa
O IMPARCIAL - Deputados viajantes
TRIBUNA DA NOTÍCIA - Mais um  PM é morto em bairro de São Luís