23 de nov de 2010

"Vai que é bom" sugere um casamento do Pará com o Maranhão

    A Montagem teatral desde 2008 percorre diversas cidades do interior do Pará e Maranhão. O texto "Vai Que é Bom – O Casamento do Pará com o Maranhão", de Valdo Resende, mostra no palco alguns elementos fundamentais da cultura do norte e nordeste brasileiro.
    A peça é uma comédia musical onde, através de um casamento, os hábitos e costumes regionais são celebrados. A música, o folclore, a culinária, a mata nativa e, principalmente suas figuras humanas ganham destaque. Outras questões são abordadas: A preservação das riquezas arqueológicas, os problemas do desmatamento irregular e a diversidade cultural advinda da formação recente dos aglomerados urbanos.
    O espetáculo conta a história de Luís do Maranhão (interpretado por Fabrício Bezerra), e Nazaré do Pará (interpretada por Adriana Cavalcante). No dia da festa do casamento dos noivos, Nazaré é sequestrada pela cobra boiúna, onde leva Luís ao desespero, e na companhia do pesquisador Cascudinho (interpretado por Márcio Mourão), juntos seguem rumo na tentativa de resgatar a noiva. E nessa viagem, ambos passam por várias cidades do Pará e Maranhão, mostrando as riquezas culturais desses dois estados vizinhos, levando muita dança, música, informação cultural, e alegria ao público presente, fazendo assim um show de arte na comunidade, com o "Vai que é bom. O casamento do Pará com o Maranhão!"
    Vale ressaltar que o espetáculo pode ser assistido por pessoas de todas as idades. As crianças adoram e se divertem muito com os personagens, com as riquezas de figurino, adereços, e todas as novidades que o musical traz em cena, entre elas o fato de ser todo cantado ao vivo. O diferencial deste projeto, é uma lona coberta que é armada na praça central de cada cidade com 500 lugares, palco, som e iluminação, tudo de primeira qualidade, com a entrada franca, ou seja, todas as pessoas têm passe livre para assistir o musical, algo inovador no teatro brasileiro.
    Sônia Kavantan, diretora da Kavantan & Associados de SP, convidou o diretor Emanoel Freitas que, em Belém, reuniu o elenco para a montagem, com profissionais locais, entre esses: Adriana Cavalcante, Fabrício Bezerra, Luiza de Abreu, Márcio Mourão, Adelaide Teixeira, Fabrízio Bezerra, Saldanha Sal, Cynthia Pampolha (atriz substituta), e o próprio Emanoel Freitas. A produção é da Amazônia Imaginária (Belém-PA).
    A montagem já percorreu 15 cidades, sendo apresentada no Pará em 2008: Abaetetuba, Breu Branco, Castanhal, Goianéia, Santa Maria do Pará e Tailândia. Em 2009 no Maranhão nas cidades: Açailândia, Bom Jesus das Selvas, Buriticupu, Imperatriz, Lago da Pedra, Paulo Ramos, Presidente Dutra, São Pedro da Água Branca e Vila Nova dos Martírios. Agora, o espetáculo volta ao Pará para apresentações nas cidades de Barcarena, Moju, e Acará.
    No primeiro semestre de 2011 o musical será apresentado para o público de Belém. "Vai ser maravilhoso se apresentar em Belém, estamos viajando com esse espetáculo desde 2008, viajamos por várias cidades do Pará, e Maranhão. É muito gratificante mostrar e falar da cultura desses dois estados ricos de cultura, tenho certeza que o público daqui vai gostar" Diz o diretor e ator Emanoel Freitas.

Agenda das próximas apresentações no Pará
A lona cultural estará armada na praça central de cada cidade, e as apresentações serão sempre às 20h. Entrada franca.
De 22 a 24 de outubro de 2010 em Barcarena-PA
De 29 a 31 de outubro de 2010 no Moju-PA
De 5 a 7 de novembro de 2010 no Acará-PA
Com informações de O Liberal

Sérvio percorre Rio Amazonas a nado, da nascente à foz

    O jogador sérvio profissional de polo aquático Darko Novovic anunciou ter percorrido a nado os 5.450 quilômetros do Rio Amazonas da nascente, no Peru, à foz, em Belém do Pará, em 46 dias.
    Com isso, diminuiu em 20 dias o recorde anterior para a travessia, que era do esloveno Martin Strel, como informa o diário britânico 'The Guardian'. Para atingir a marca, ele nadava 16 horas por dia. Uma grade conduzida por barcos de apoio evitaram que fosse atacado por piranhas e jacarés. Novovic chegou a Belém na última semana.
    Segundo 'The Guardian', o atleta pretende entrar no Guiness, mas os organizadores do livro de recordes não receberam ainda um pedido formal. A experiência para o sérvio parece não ter sido das melhores, pois declarou a uma agência de seu país que 'a água do Rio Amazonas é a coisa mais nojenta' que já experimentou.
    'Faz a água tóxica do Rio Tamish (localizado na Sérvia) parecer potável, em comparação. Eu tomava três chuveiradas por dia e recebi três vacinas para me proteger. Em alguns dias o Amazonas está amarelo, e no seguinte, verde', relatou o recordista.

Lula concede a primeira entrevista exclusiva para blogueiros

    O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, vai conceder nesta quarta-feira (24), às 9h, uma entrevista coletiva para uma parte da blogosfera, que será transmitida ao vivo com exclusividade pelo Blog do Planalto. Será a primeira entrevista coletiva do presidente apenas para jornalistas que atuam na Internet.
    Foi confirmada pelo Planalto a participação dos blogueiros Altamiro Borges (Blog do Miro), Altino Machado (Blog do Altino), Conceição Lemes (Viomundo), William (Cloaca News), Eduardo Guimarães (Cidadania), Leandro Fortes (Brasilia, Eu Vi), Pierre Lucena (Acerto de Contas), Renato Rovai (Blog do Rovai), Rodrigo Vianna (Escrevinhador) e Túlio Vianna (Blog do Túlio Vianna).
PS - Pelo visto os amigos de Lula do Maranhão foram ignorados, mesmo diante dos zilhões de acesso. Anselmo Raposo bem que poderia reativar seu blog.

José Augusto Oliveira pode ser carta marcada na eleição na UEMA


    Com todos os telefones cortados por falta de pagamento no Campus Papa Paulo VI, em São Luís, estudantes, professores e funcionários da Universidade Estadual do Maranhão, UEMA, vão às urnas nesta quarta-feira,24, para eleger o próximo reitor e vice. O atual reitor, José Augusto Silva Oliveira teve sua candidatura confirmada nesta terça-feira pelo Tribunal de Justiça do Maranhão por decisão da desembargadora Nelma Sarney, derrubando liminar da juíza Luiza Madeira Nepomuceno, da 1ª vara da Fazenda Pública, que o impedia de concorrer.
    Sete candidatos disputam participação na lista tríplice. Caberá à governadora Roseana Sarney (PMDB) a escolha do próximo magnífico reitor da instituição superior de ensino estadual.
    Enganam-se aqueles que pensam que Oliveira enfrenta hostilidade no ninho sarneysta. A pecha de balaio não cola no atual reitor, que sucedeu ao deputado federal reeleito Waldir Maranhão (PP), ex-secretário de Estado Ciência e Tecnologia. Na interpretação da juíza ele irá para o terceiro mandato. A tia da governadora não entende assim.
    Durante a campanha eleitoral, José Carlos Oliveira envolveu a instituição na pendenga política partidária cedendo o campus para concentração de uma carreata organizada pelo coordenador de campanha da candidata Roseana Sarney, Ricardo Murad. Denunciado pelo candidato a deputado estadual Aderson Lago (PSDB), Oliveira reagiu com galhardia até em nota paga na imprensa. Prestou serviço e quer reconhecimento.
    No Campus Papa Paulo VI existem ene obras em andamento. Todas inconclusas, tocadas com recursos do erário estadual e aval do governo do estado. Daí acreditar que Oliveira é persona non grata, é ingenuidade deslavada. Há chances de outro candidato se habitar junto ao grupo político da governadora. Mas, são remotas.
    A eleição no campus em São Luís e em outros 22 campi no estado. Mas de 40 mil eleitores devem participar do pleito que tem início ás 9 horas e se encerra somente às 21 horas.
Quem são os candidatos
Iva Souza da Silva
Hamilton Jesus s. Almeida
Henrique Mariano Costa do Amaral
Joaquim Teixeira Lopes
José Augusto Silva Oliveira
José Belo Salgado Neto
José Gomes Pereira

Maranhão: Igreja de Nossa Senhora das Vitórias em Alto Parnaíba

Rubens Pereira Júnior cobra regulamentação do Sistema Estadual de Cultura

    O deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB) cobrou nesta terça-feira,23, do governo estadual a regulamentação do Sistema de Gestão e de Incentivo à Cultura do Estado (Segic) sancionado desde 2008 pelo executivo estadual. 
    O sistema de cultura instituiu o Fundo de Desenvolvimento da Cultura Maranhense que até hoje também não foi regulamentado. “Os dois diplomas são fundamentais para a política de incentivo, fomento e financiamento da produção cultural no estado. Sairíamos do clientelismo e apadrinhamento muito presente nesse setor”, afirmou o deputado.
    Segundo Rubens Pereira Junior com a regulamentação e funcionamento das duas leis teríamos uma grande transformação no apoio à produção cultural do estado.
    O Sistema de Gestão e de Incentivo à Cultura do Estado (Segic) foi criado em 2005. A lei que instituiu o Fundecma determina que o Chefe do Poder Executivo fixará o montante dos recursos orçamentários destinados ao Fundecma em cada exercício financeiro.
    “Mais uma vez, o Governo do Estado esqueceu do Fundecma quando da produção do orçamento para 2011. Tanto o Segic quanto o Fundecma é a oportunidade que temos de tratar o setor cultural de modo republicano”, declarou o parlamentar do PCdoB.
    Rubens Pereira Junior lembrou que a governadora Roseana Sarney tem dito e repetido que a sua gestão estará concatenada as políticas do Governo Federal. “Se existe esse desejo de fidelidade do Governo do Estado as políticas centrais, o Sistema de Gestão e de Incentivo à Cultura do Estado e o Fundo de Desenvolvimento da Cultura Maranhense são duas boas razões para esse enlace administrativo”, disse Junior.
    Tanto o Segic quanto o Fudecma foram inspirados nas diretrizes que institui o Plano Nacional de Cultura (PNC) aprovado por unanimidade há 13 dias pelo Senado Federal, numa decisão terminativa.
    O plano, agora submetido à sanção presidente Lula regulamenta o financiamento da cultura, estabelece as atribuições do poder público no setor e enumera princípios a serem observados, como a liberdade de expressão, a diversidade cultural e o direito de todos à arte e à cultura.
    “Assim como o Segic para nós aqui no Maranhão, o PNC é de um marco legal da cultura brasileira, que estabelece uma política de Estado para o setor cultural. No PNC são estabelecidas metas obrigatórias com prazo de dez anos para a área”, assegurou o deputado do PCdoB.
    Um dos principais objetivos do PNC é o de universalizar o alcance dos brasileiros à arte e à cultura, assim como qualificar ambientes e equipamentos culturais para formação e fruição do público.
    “Com o Plano Nacional de Cultura está assegurado o suporte governamental aos diversos atores e entidades da área. E isso, é que também está posto no Sistema Estadual aprovado por esta casa, já sancionado pelo Poder Executivo, mas não efetivado”,disse Rubens Junior.
    A exemplo do que ocorre em planos nacionais de Saúde e de Educação, o PNC tem como objetivo organizar uma lista de ações ligadas ao setor e definidos pela Constituição brasileira.
Da Assessoria do Gabinete do Deputado

Promotor pede afastamento do prefeito de Cururupu em caráter liminar

    O promotor de Justiça Francisco de Assis Silva Filho ingressou com Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra o prefeito de Cururupu, José Francisco Pestana (PDT), solicitando seu afastamento do cargo em caráter liminar. Ajuizada no dia 19 de novembro, a ação é decorrente do atraso no pagamento dos salários dos servidores do município de Cururupu, atrasado desde o mês de setembro.
   Embora do PDT, Pestana apoiou a candidata da coligção "O Maranhão não pode parar", Roseana Sarney (PMDB), nas eleições de outubro deste ano. Eleito para o segundo mandato em 2008, o prefeito já teve por diversas vezes as contas bloqueadas pela mesmo motivo da ação do MInistério Público.
    Segundo o representante do Ministério Público, somente uma parte do funcionalismo recebeu a metade da remuneração referente a setembro, sem nenhuma garantia sobre quando terão o pagamento do restante.
    Para Francisco de Assis Silva Filho, o atraso no pagamento dos servidores deve-se à falta de vontade do gestor público, uma vez que todos os municípios recebem regularmente as cotas relativas ao Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica), FPM (Fundo de Participação dos Municípios) e SUS (Sistema Único de Saúde).
    O pedido de afastamento liminar do prefeito justifica-se, de acordo com o promotor de Justiça, devido ao fato de, por ser superior hierárquico de todos os servidores, poder influir na apuração da irregularidade. “Poderá corromper as provas, ameaçar testemunhas com remoção ou demissão, ou ainda forjar ou engendrar contraprovas que venham a elidir o objeto da presente ação”, pondera no texto da ação.
    O Ministério Público requer também, ao final do processo, além da perda da função pública pelo prefeito  Pestana, a suspensão dos seus direitos políticos por cinco anos, o pagamento de multa de até 100 vezes o valor da remuneração recebida e a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios fiscais ou creditícios pelo prazo de três anos.
Com informações do Ministério Público

'Jucalândia' ajuda até a ex-sogra

Andrea Jubé Vianna

BOA VISTA - Nomeado pelo então presidente da República, José Sarney, para governar o antigo território de Roraima no final dos anos 80, o pernambucano Romero Jucá estabeleceu-se na região e construiu um império inspirado em seu padrinho político. Assim como a família Sarney controla o Maranhão há décadas, Roraima transformou-se num feudo da família Jucá. O poder desmedido do hoje senador e líder do governo Lula permitiu nomear até a ex-sogra, de 78 anos, como "assessora".
     A "Jucalândia" - como definem personagens dos meios político e jurídico de Roraima ao falar do poder do clã - inclui o controle, por meio de terceiros, de duas emissoras repetidoras de TV, Record e Bandeirantes, e a rádio Equatorial 93,3 FM. A Band está em 8 dos 15 municípios.
    No plano político, o alcance é mais amplo. Num Estado onde vivem 400 mil pessoas e detém o voto mais caro do País, o líder do governo Lula assegurou mais oito anos no Senado, conseguiu eleger a ex-mulher e ex-prefeita de Boa Vista Teresa Jucá deputada federal, e o filho mais velho, Rodrigo Jucá (o "Juquinha"), deputado estadual - o segundo mais votado. Levando-se em conta apenas o dinheiro contabilizado, Roraima exigiu um "investimento" de R$ 120 por voto.
    Governo 2014, Num cenário esboçado por analistas políticos locais para os próximos anos, a partir do resultado das eleições deste ano, Romero Jucá pode se tornar governador em 2014. O projeto de poder passa, antes, pela recondução de Teresa Jucá à Prefeitura de Boa Vista em 2012 e pela eleição de Rodrigo para a presidência da Assembleia Legislativa.
    No plano nacional, Jucá faz movimentos discretos para se candidatar à presidência do Senado, caso Sarney não tente se reeleger. Em 2005, quando assumiu o Ministério da Previdência Social, não completou seis meses na pasta, após a avalanche de denúncias que o tiraram do cargo.
    "Com o poderio que eles têm na mão, é possível (a concretização desse cenário)", comenta o atual presidente da Assembleia Legislativa, Mecias de Jesus (PR), uma das poucas vozes de oposição a Jucá no Estado, além do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB). "O governador deu metade do governo pra ele, sendo que na outra metade ele já mandava. Ele virou o rei do Estado", resume Mecias. Para exemplificar, afirma que na ausência do governador reeleito Anchieta Júnior (PSDB), Jucá até "convoca reuniões do secretariado".
Família empregada
    Jucá domina diversos órgãos no Estado, como a Funasa, na área de saúde, e a Companhia de Desenvolvimento de Roraima (Codesaima), uma autarquia na área de infraestrutura. Um dos exemplos mais visíveis da influência do senador nesses órgãos é o ex-coordenador regional da Funasa Ramiro Teixeira, atual presidente da Codesaima.
    O senador é "padrinho" da indicação de Teixeira para o comando da Funasa no Estado em 2005. No entanto, ele deixou o cargo após ter sido preso, em 2007, no âmbito da Operação Metástase da Polícia Federal, apontado como líder de um esquema de fraudes em licitações na Funasa. Teixeira acumula a presidência do órgão com o cargo de conselheiro administrativo.
    A Codesaima, que obteve poucos meses antes da eleição autorização da Assembleia Legislativa para contrair empréstimo de R$ 140 milhões, é apontada como cabide de empregos do governo local. Somente em abril, 80 pessoas foram nomeadas para cargos em comissão. Entre elas, a ex-sogra de Romero Jucá, dona Aurélia Saenz Surita, mãe de Teresa. Com mais de 78 anos, ela foi empossada como "assessor de diretor".
    Além disso, o senador emplacou a enteada Luciana Surita, filha de Teresa, no governo estadual. Há dois anos ela comanda a Fundação Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia de Roraima (Femact).
    A nomeação de Luciana só foi possível após a aproximação de Jucá de seu ex-adversário político, José de Anchieta Júnior. Na eleição de 2006, ambos estavam em lados opostos e Jucá perdeu a corrida para o governo do Estado para Ottomar Pinto (PSDB). Na época vice-governador, Anchieta assumiu o comando do Estado após a morte de Ottomar, em 2007.
Gafanhoto
    Com uma economia precária, Roraima responde por apenas 0,1% do PIB brasileiro e sobrevive às custas de recursos federais. A penúria é tão patente, que as secretarias de Estado funcionam com telefones cortados por falta de pagamento. No entanto, mais da metade da população consta da folha de pagamento do governo estadual, inclusive a primeira-dama, Shéridan Steffany de Oliveira, nomeada pelo marido para a Secretaria Extraordinária de Promoção do Desenvolvimento Humano, com salário de R$ 15 mil.
    "O povo tem saudades dos gafanhotos. O gafanhoto é que é bom: come e deixa comer", filosofa o taxista Francisco, que transportou a reportagem em Boa Vista.Ele se referia ao escândalo que estourou em 2003, quando a Polícia Federal descobriu 5 mil funcionários fantasmas, indicados por políticos, na folha de pagamento estadual.
    Apontado como um dos mentores do esquema - e recentemente condenado a seis anos de prisão -, o deputado Jalser Renier (DEM) sobrevive na política local. Ele é líder do governo Anchieta Júnior (PSDB) e um dos aliados locais de Jucá.
Da Agência Estado

Manchetes dos jornais

AQUI-MA - Barbárie: Tarado e cruel
ATOS & FATOS - Estados e municípios podem não pagar o 13º salário
JORNAL PEQUENO - Queda na receita ameaça obras e 13º salários nos estados
O DEBATE - MPE denuncia prefeito de São Benedito do Rio Preto
O ESTADO DO MARANHÃO - Seis índios guajajaras são presos em operação da PF
O IMPARCIAL -Caçada na aldeia