11 de jun de 2010

Dutra e Valdinar devem retirar candidaturas por conta da aliança do PT com PMDB no Maranhão

      A decisão da direção nacional em obrigar o PT a se aliar com o PMDB de Roseana Sarney aturdiu os petistas maranhenses. Como consequência, ao menos dois nomes devem se retirar da disputa eleitoral deste ano. O deputado estadual Valdinar Barros e o deputado federal Domingos Dutra – em greve de fome na Câmara Federal – estão determinados a não aliar seus nomes à filha do senador José Sarney (PMDB-AP).
     Barros tem o apoio declarado da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Estado do Maranhão, FETAEMA, e uma forte atuação entre integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra no Estado. Vítima sobrevivente da política excludente do sarneysmo no estado, o deputado petista repudia qualquer aproximação com o grupo Sarney.

O deputado Domingos Dutra não arreda da sua história de anti-Sarney. Autor da obra “O Camaleão”, folhetim sardônico sobre a trajetória do senador maranhense e seus tentáculos dominantes no setor público e privado estadual, Dutra excomunga qualquer aproximação com o clã Sarney.
     Antes mesmo da situação inusitada na qual mergulhou o partido desde o encontro estadual – ou, mais precisamente, desde o PED do ano passado que elegeu Raimundo Monteiro como presidente estadual da legenda – o parlamentar já havia esclarecido sobre suas condições para concorrer à reeleição.
      Os petistas maranhenses contrários à aliança com o PMDB dos Sarney irão se reunir neste sábado em plenária no Sindicato dos Bancários, na rua do Sol, em São Luís, para deliberarem sobre o futuro da corrente. O caminho apontado como alento é o judicial. Acreditam que terão a seu favor a legislação partidário, antídoto que o TSE pode ministrar para eliminar de vez o efeito ilegítimo do abaixo assinado fajuto e da intervenção branca do diretório nacional. Pelos visto parte dos petistas maranhenses está bicuda, tão adunca como os tucanos.

Em Veja.com: Dutra inicia greve de fome

O deputado federal Domingos Dutra, do PT, iniciou a greve de fome às 14h30 desta sexta-feira. A manifestação começou logo depois da decisão do diretório nacional do PT de fazer coligação com Roseana Sarney, do PMDB. “Foi a vitória do crime organizado comandado por Sarney”, protestou.
     Dutra está no plenário da Câmara dos Deputados com vários livros ao seu redor. Um deles foi ele mesmo quem escreveu, chamado “O Cameleão”. “É sobre a falta de caráter de Sarney”, afirmou Dutra a VEJA.com. O deputado também está lendo a obra “Oligarquia da Serpente”, de Othelino Filho e Othelino Neto, que fala sobre os escândalos em que o presidente do Senado, José Sarney, esteve envolvido.
     Dutra também levou para o plenário os livros ”Princípios de vida”, de Mahatma Gandhi, e ”A Arte da Guerra”, de Nicolau Maquiavel. As obras são para os momentos de ócio durante o protesto.
     Flávio Dino e sua candidata a vice, Terezinha Fernandes, do PT, vão se encontrar com Dutra no plenário ainda hoje para decidir se reivindicam na Justiça contra a decisão do diretório petista.
(Luciana Marques, de Brasília)


Corregedoria-Geral de Justiça vai investigar se juiz de Barreirinha é dono de empresa imobiliária

O corregedor-geral da Justiça, desembargador Antonio Guerreiro Júnior, requereu dados oficiais da Junta Comercial do Maranhão (Jucema) e da Secretaria de Estado de Infraestrutura (SINFRA), sobre atividades empresariais do juiz titular da Comarca de Barreirinhas, Fernando Barbosa de Oliveira Júnior. O corregedor pediu urgência na apuração de denúncias contra o magistrado.
     Fernando Barbosa de Oliveira Júnior seria dono da Lençóis de Areia Empreendimentos Turísticos e teria ligações estreitas com as áreas da hotelaria e do transporte terrestre, de acordo com um blog (o do jornalista Itevaldo Júnior). A notícia divulgada na tarde de quinta-feira, 10, traz como anexo cópia de certidão da Jucema com o nome do juiz (sócio majoritário da empresa) e de duas sócias cotistas, uma delas a mãe.
      “São denúncias graves e que precisam ser apuradas com rigor, sobretudo porque remetem a atividade vedada a magistrado e chegam consubstanciadas por cópia de documento de órgão do estado”, comentou Guerreiro Júnior, que mandou abrir processo acerca do caso. O corregedor disse que será dada ampla e legal possibilidade de defesa ao juiz.
     A Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman) proíbe a magistrados exercerem o comércio ou participar de sociedade comercial, inclusive de economia mista, exceto como acionista ou quotista. A condição de Fernando Barbosa na Lençóis de Areia o afasta das duas prerrogativas: detém R$ 39 mil dos R$ 40 mil mencionados como capital social e integralizado. Seria dono, portanto.
     De acordo com o documento da Jucema, a Lençóis de Areia Empreendimentos Turísticos – sediada no bairro Cruzeiro, em Barreinhas – opera desde dezembro de 2000 e está apta a prestar serviços em sete segmentos empresariais: construção de edifícios, incorporação de empreendimentos imobiliários, condomínios prediais, hotéis, restaurantes e similares, transportes aquaviários e transportes terrestres. Ainda segundo o blog, a outra sócia trabalha no Hotel San Fernando, em São Luís. O empreendimento pertenceria à Lençóis de Areia.
Da Assessoria da Corregedoria de Justiça

Dividido, PT aprova apoio a Roseana Sarney no Maranhão

RANIER BRAGON
DE BRASÍLIA
ANA FLOR
ENVIADA ESPECIAL A BRASÍLIA

    Dividido e sob o discurso de que a prioridade é a candidatura à Presidência de Dilma Rousseff, o PT nacional decidiu na tarde desta sexta-feira apoiar a candidatura de Roseana Sarney (PMDB) no Maranhão, anulando decisão do partido no Estado de integrar a chapa de Flávio Dino (PC do B).
     Por 43 votos a 30, o Diretório Nacional do PT acabou cedendo à pressão do presidente Lula, que tem a família Sarney como aliada em Brasília.
     A votação aconteceu depois de quase quatro horas de debate. Em entrevista pouco antes do resultado, o ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais) resumiu o argumento da ala vencedora.
     "Estamos preocupados é com a chance de Dilma [Rousseff] colocar 2 a 3 milhões [de votos] de frente no Maranhão. A melhor forma é ter um palanque que assuma integralmente a candidatura de Dilma, que é o palanque da Roseana."
     Lula já havia pedido ao PC do B a retirada da candidatura de Dino, mas não foi atendido. No Estado, Roseana terá também como adversário o ex-governador Jackson Lago (PDT).
     Pouco antes, o Diretório havia decidido por 44 votos a 30, mais uma abstenção, revogar a decisão da seção maranhense de apoiar Dino.
     Defenderam a posição pró-Roseana, em discurso, o presidente do partido, José Eduardo Dutra, o secretário de Comunicação, André Vargas, o ex-presidente da legenda Ricardo Berzoini e o deputado federal José Genoino.
     Integrantes da legenda no Maranhão, o secretário-geral do partido, José Eduardo Cardozo, e a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) se posicionaram contra a decisão do Diretório Nacional.
     A decisão segue posição da corrente petista CNB (Construindo um Novo Brasil), antigo "campo majoritário", que na noite de ontem havia aprovado por unanimidade o apoio formal do partido a Roseana.
     Caso o PT do Maranhão não cumpra a decisão, haverá intervenção.
Da UOL

Lula, um homem de palavra

Não sabia que isso era crime, diz filha de lavrador vítima de abuso no MA

KÁTIA BRASIL
ENVIADA ESPECIAL A PINHEIRO (MA)
     "Ele me batia muito, me empurrava. Ele me procurava de três em três dias, de oito em oito dias, mas eu não pensava que isso fosse crime."
     Dessa forma, Sandra Maria Monteiro, 29, descreveu ontem como era o relacionamento com o pai, o lavrador José Agostinho Bispo Pereira, 54, preso na terça passada em um povoado de Pinheiro, no interior do Maranhão.
     Segundo a polícia, os dois tiveram juntos sete filhos.Analfabeta e abandonada pela mãe, Sandra contou à Folha que viveu desde os 12 anos sem saber que a violência sexual, o cárcere privado e os maus-tratos cometidos pelo pai eram crimes.Disse que, quando tinha cinco anos, a mãe deixou a família. Contou que foi vítima do primeiro estupro aos 12 anos, antes de menstruar.
     "Ele disse pra mim que ia fazer um serviço e que era pra não dizer pra ninguém. Fiquei com medo de dizer e ele fazer qualquer coisa."
Pai Desconhecido
     O primeiro filho-neto nasceu quando ela tinha 15 anos. Hoje, as sete crianças têm de dois meses a 13 anos.Os filhos têm certidão de nascimento com pai desconhecido. Sandra disse que escondeu a situação até de um irmão, único que ainda morava na mesma casa.Apenas um dos sete partos ocorreu em um hospital.
Só o menino de 13 anos frequenta a escola, o que garante R$ 60 do programa Bolsa Família, única renda da casa.
     A família vivia afastada de vizinhos em uma ilha de difícil acesso, a 340 km de São Luís. As crianças foram encontradas subnutridas, quase sem roupas, com piolhos.
     A irmã Maria Sandra, 31, disse que também foi abusada sexualmente pelo lavrador e que teve um filho dele.
Sem Medo
     Sandra e os filhos foram retirados de um casebre do povoado em uma ação do Ministério Público e Conselho Tutelar. Seu pai está preso. Ela e seis filhos --o bebê de dois meses está com um parente-- estão na sede do conselho, agora alimentados, de banho tomado, cabelos cortados e roupas limpas.
     Apreensiva com as entrevistas, ela falou, de cabeça baixa, que no dia do resgate tinha saído de casa para arrancar um dente com uma vizinha. E estranhou o movimento da polícia no lugar.
Consciência
     Sandra diz que agora, ciente dos crimes que sofreu, não teme consequências do processo que o pai terá de enfrentar. "Sempre disse pra ele procurar mulher fora."
     Na entrevista à Folha, só chorou quando falou sobre a guarda dos filhos. "Fico aqui [no conselho] até o dia que eles quiserem, mas sempre com as crianças. Até o meu bebê eu quero de volta. Se eu conseguisse, queria também voltar pra minha casa. Aqui na cidade não me agrada morar, lá me sinto melhor."
Da Folha de S. Paulo

No Painel da Folha de S. Paulo

Última instância. A corrente majoritária do PT endossou ontem a intervenção pró-Roseana Sarney (PMDB) no Maranhão. As demais tendências do partido divergem, mas essa posição deve prevalecer no voto hoje, no encontro do Diretório Nacinal da sigla. A seção estadual queria apoiar Flávio Dino (PCdoB), ou, no máximo, manter-se "neutra" na disputa.

Sacou? Dino foi reclamar do destino com um expoente da bancada petista e ouviu: "Meu, o Lula mandou!"

Oportunidade. A oposição maranhense avalia que pela primeira vez em 20 anos, elegerá um senador. Concorrem o ex-governador José Reinaldo Tavares (PSB), o ex-ministro do STJ, Edson Vidigal (PSDB) e Roberto Rocha, presidente tucano local. O clã Sarney lançará Edison Lobão (PMDB).

TRE define horário para os Jogos da Copa do Mundo

O Presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, Desembargador Raimundo Cutrim, definiu o horário de expediente do Tribunal, Fóruns e Cartórios Eleitorais da capital e do interior do Estado nos dias de realização dos jogos da Seleção Brasileira na primeira fase da Copa do Mundo de Futebol.
     No dia 15 de junho, o expediente será das 7h30min às 14h30min e no dia 25 de junho não haverá expediente.
     Os prazos que porventura se iniciem ou completem no dia 25 de junho ficam automaticamente prorrogados para o primeiro dia útil subseqüente.

Jornal britânico chama lavrador do MA de 'Fritzl brasileiro'

O jornal britânico Telegraph publicou nesta quinta-feira, em sua edição online, uma reportagem sobre a prisão do lavrador José Agostinho Pereira, 54 anos, no interior do Maranhão, acusado de abusar sexualmente de uma filha e ter sete crianças com ela. O periódico compara o caso ao do austríaco Josef Fritzl, condenado em 2009 por manter a filha presa por 24 anos e ter também sete filhos com ela.
     O caso de Pereira ganhou repercussão internacional após a prisão do lavrador, na terça-feira. O jornal informa ainda que autoridades disseram que as crianças "aparentavam sofrer de subnutrição e mal conseguiam se comunicar umas com as outras. A maioria estava sem roupas."
     A reportagem destaca também que a família vivia isolada na localidade de Experimento, na cidade de Pinheiro. O pai teria ameaçado agredir a filha caso ela revelasse os abusos a que era submetida. Depois de uma denúncia anônima, a polícia foi enviada ao local e vigiou a rotina do grupo antes da prisão do lavrador.
     Um policial que participou da prisão e não quis se identificar disse ao Telegraph que Pereira "confessou tudo". Em entrevista à imprensa brasileira, no entanto, o lavrador foi questionado se havia engravidado a filha. Em resposta, ele negou apenas a paternidade da primeira criança - um garoto de 12 anos. "Tenho seis filhos", afirmou.
     O caso foi tema também na página da emissora CNN. Segundo o site, o lavrador disse saber que "é um crime". "Mas ela estava cometendo o crime também", afirmou.
     De acordo com a emissora, Pereira disse que "um lavrador só faz coisas porque os outros consentem, porque se o outro não consente, a pessoa não faz". A CNN lembra também que a polícia pediu exames para verificar se ele também abusou das filhas-netas.
Do Portal Terra


Manchetes dos jornais

AQUI-MA - Oitavo filho-neto
ATOS & FATOS - Sindicalista preso abusando de uma criança de 10 anos
JORNAL A TARDE - Governadora abre hoje o São João do Maranhão
O ESTADO DO MARANHÃO - Ficha limpa já vale este ano
O IMPARCIAL - O Monstro de Pinheiro: "Agora só penso em Deus e na Virgem Maria"

Dilma Rousseff fará parte do grupo que imporá Roseana ao PT do Maranhão

Quatro dias depois de obrigar o PT de Minas a apoiar o PMDB na disputa ao Palácio da Liberdade, a cúpula petista deve avalizar nesta sexta-feira, 11, a candidatura de Roseana Sarney (PMDB) a um segundo mandato, anulando a decisão do Diretório Estadual do partido, que em março aprovou a aliança com o deputado Flávio Dino (PC do B-MA).
     O apoio a Roseana é uma exigência da pré-candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff, e do presidente Lula. Dilma comparecerá nesta sexta cedo à reunião do Diretório Nacional do PT, que vai bater o martelo sobre o imbróglio no Maranhão e ratificar a parceria em Minas com o PMDB.
     A tendência é o PT aderir à campanha de Roseana. Motivo: a corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), que tem a maioria do partido, fechou questão, ontem, pela aprovação da aliança com a filha do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).
      "Não se trata de intervenção porque o 4.º Congresso do PT, em fevereiro, deu ao Diretório Nacional atribuição para examinar em última instância as alianças nos Estados", afirmou o presidente do PT, José Eduardo Dutra.
     Embora a corrente de Lula tenha posição unificada pelo aval a Roseana, a reunião de hoje promete polêmica. Na noite de ontem, o grupo Mensagem ao Partido - do secretário-geral do PT, deputado José Eduardo Martins Cardozo (SP) - ainda pregava, como alternativa menos traumática, a liberação do voto e neutralidade no Maranhão.
     "O PT está se vendendo ao Sarney", protestou o deputado Domingos Dutra (PT-MA). "Nós não vamos aceitar essa palhaçada. Se fizemos um encontro estadual e aprovamos a aliança com Flávio Dino, como essa decisão não vale?"
     Na noite de quarta-feira, Dilma, ministros e coordenadores de sua campanha reuniram-se em Brasília para discutir o formato da convenção do PT, no domingo. O caso mais dramático, agora, é mesmo o do Maranhão, já que há negociações em andamento no Paraná, Pará e Ceará. Por ordem do comando petista, o diretório mineiro obrigou, na segunda-feira, o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel a desistir da disputa à sucessão do governador Antonio Anastasia (PSDB), afilhado do tucano Aécio Neves, para apoiar a candidatura do senador Hélio Costa (PMDB-MG). Pimentel havia vencido prévia contra o ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias (PT).
     "Estamos fazendo tudo em nome do projeto nacional para o casamento com o PMDB", resumiu o deputado José Genoino (PT-SP). "Se a Roseana foi líder do governo Lula quando era senadora, como agora não serve para o PT apoiar?"
Convenção. O PMDB promove amanhã sua convenção nacional. É nesse encontro que vai decidir pelo apoio a Dilma e aprovar a candidatura do presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), como vice da chapa. Os problemas nos palanques servem de munição para o grupo contrário a Dilma, embora essa ala não tenha força para inviabilizar o acordo com o PT.

De O Estado de S. Paulo