8 de jun de 2010

Advogado do PT protocola representação contra adeptos da tese de aliança com Roseana Sarney

No mesmo dia (01/06/20100) em que os representantes do diretório nacional do PT levantaram voo das terras do Maranhão, outra novidade emerge no cenário da disputa entre defensores e detratores da aliança PT/PMDB.
     Com fundamento no Código de Ética e Disciplina e no Estatuto do PT, o advogado e militante Luis Antonio Pedrosa resolveu protocolar uma representação contra várias lideranças e dirigentes do partido. Todos os representados são todos adeptos da tese do PT pró- Roseana Sarney Murad.
     A representação foi protocolada no Diretório Estadual e Nacional, questiona a posição de afronta desse grupo à decisões da instância partidária local, promovendo acordos e alianças políticas com Roseana Sarney, sem o aval dos dois últimos encontros estaduais do PT. Além disso, a representação reivindica a oitiva formal dos delegados vítimas da tentativa de suborno por parte de militantes ou mediadores políticos do governo Roseana.
     De algum modo, esse documento formaliza, nas instâncias próprias do partido, as denúncias de compra de voto de militantes, para beneficiar a futura candidata ao governo do PMBD no Estado. Para os dois argumentos o diretório nacional do PT terá que responder formalmente também, em meio ao debate sobre a possibilidade de uma intervenção para obrigar o PT local a se coligar com o PMDB.
     No dia 11 de junho (sexta) o Diretório Nacional estará reunido e vai decidir a situação da aliança do PT/MA. Uma comitiva de dirigentes Pró-Flávio Dino estará embarcando para capital federal para acompanhar de perto o desfecho da situação. O dep., Domingos já decidiu que iniciará GREVE DE FOME a parti de sexta-feira, em Brasília e vigílias já estão sendo organizadas em São Luís, Imperatriz e Caxias. Segundo disse Sílvio Bembem “não vamos aceitar intervenção da direção nacional e nem vamos rebaixar a nossa história em aliança com a oligarquia Sarney no Maranhão”

Vereador acusa prefeitura de Timon de superfaturamento na compra de tratores

O vereador Uilma Resende (PDT) denunciou superfaturamento pela Coordenadoria Geral de Controle das Licitações Públicas do Município de Timon na compra de dois tratores da marca LB110 4X4 – Toldo - Turbo no valor de R$ 648 mil. Segundo ele, esse dinheiro daria para comprar três tratores da mesma marca e modelo.
     Resende revelou que a sua assessoria fez uma cotação de preço dos veículos no mercado e constatou ter havido superfaturamento nos valores da compra efetivada pela Prefeitura de Timon, pois a empresa Shark Máquinas para Construção Ltda, de Araucária - Paraná, está vendendo os mesmos tratores e com as mesmas especificações, o “LB110 4X4 – Toldo – Turbo, por R$ 215 mil cada um.
     “O gerente da empresa, Bertrand Bürger, informou por e-mail que esse preço era apenas de um, mas se fosse comprar mais de um, à vista, a compra dos veículos sairia até mais barato”, declarou o vereador Uilma Resende.
     O dinheiro que a prefeitura gastou para comprar os dois tratores é oriundo de uma emenda do deputado federal Professor Sétimo (PMDB), marido da prefeita Socorro Waquim, junto ao orçamento do Ministério da Agricultura e repassado para a Caixa Econômica Federal, conforme extrato de contrato publicado no Diário Oficial da União do dia 07 de dezembro do ano passado.
     A coordenadora-secretária da Coordenaria de Licitação, Maria Lidia de Araújo Nascimento, que não é funcionária efetiva do município, encaminhou ofício ao vereador Uilma Resende informando que “a empresa vencedora do processo licitatório foi a Econom-Comércio de Máquinas e Equipamentos Ltda, apresentando o preço total de R$ 648.000,00.
     Ela responde a processo movido pelo Ministério Público de Timon por improbidade e irregularidades junto a Comissão de Licitação da Secretaria Municipal de Saúde de Timon, da qual fez parte na primeira gestão da prefeita Socorro Waquim, em razão de um processo licitatório relativo ao convênio (n° 134/2005) que tinha por objeto a transferência de recursos visando à aquisição de dois veículos tipo Micro ônibus, Van completa 2005, a diesel. Além dela, estão sendo processados o ex-secretário de Saúde do Município, Itamar Barbosa e a prefeita Socorro Waquim.

Museu de Tudo: Biblioteca Pública Benedito Leite em calendário da Bacelar & Filho LTDA de 1975

PCdoB faz convenção em 16 de junho para oficializar apoio a Dilma

     O PCdoB realizará uma Convenção Nacional para deliberar, oficialmente, o apoio à ex-ministra Dilma Rousseff na disputa à Presidência da República. A atividade vai ocorrer às 17 horas de 16 de junho, no auditório de Brasil 21, em Brasília.
     Convocada por decisão do Comitê Central, a convenção também vai formalizar a coligação com os partidos que apoiam a pré-candidata petista. Além disso, deverá manifestar os eixos centrais do programa proposto para a candidatura de Dilma, no sentido de continuidade do rumo aberto pelo governo Lula, com aprofundamento das mudanças possibilitadas.
     Em 8 de abril, com um grande evento, também em Brasília, que reuniu milhares de militantes, o PCdoB anunciou a indicação de apoiar Dilma na corrida à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Tanto Lula como Dilma participaram do ato. Na ocasião, Renato Rabelo, presidente nacional do PCdoB, recuperou todo o processo político que levou o partido a tal posição, desde os debates do 12º Congresso em novembro de 2009.
     Agora, a Convenção reunirá o Comitê Central e dois delegados eleitos em cada um dos estados, além de lideranças políticas e sociais, num total aproximado de 250 presentes. Serão convidados presidentes de partidos da base aliada a Dilma Rousseff.
   Com sua participação na Assembleia dos Movimentos Sociais (na 2ª feira) e na Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (3ª), o PCdoB fortaleceu a defesa de um novo projeto nacional de desenvolvimento. A expectativa dos dirigentes comunistas é aproveitar a convenção de 16 de junho para dar mais um passo coerente e compromissado com a luta pelo desenvolvimento com soberania, democracia e valorização do trabalho.
     Na opinião do PCdoB — que apoiou Lula em suas cinco candidaturas à Presidência (1989, 1994, 1998, 2002 e 2006) —, é possível conquistar a terceira vitória seguida do campo democrático e popular na disputa eleitoral. Segundo o partido, é preciso ampliar a coligação de apoio a Dilma, ao mesmo tempo em que se deve fortalecer o núcleo de esquerda capaz de dar consequências ao rumo programático avançado.

Calendário eleitoral

JUNHO DE 2010

Dia 10 – quinta-feira
1. Data a partir da qual é permitida a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e escolher candidatos a presidente e vice-presidente da República, governador e vice-governador, senador e respectivos suplentes, deputado federal, estadual ou distrital (Lei no 9.504/97, art. 8o, caput).

2. Início do período de 10 a 30 de junho de 2010, a partir do qual, dependendo do dia em que os partidos políticos ou coligações escolherem seus candidatos, é vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por candidato escolhido em convenção (Lei nº 9.504/97, art. 45, § 1º).

3. Data a partir da qual os feitos eleitorais terão prioridade para a participação do Ministério Público e dos juízes de todas as justiças e instâncias, ressalvados os processos de habeas corpus e mandado de segurança (Lei nº 9.504/97, art. 94, caput).

4. Início do período para nomeação dos membros das mesas receptoras para o primeiro e eventual segundo turnos de votação (Resolução nº 21.726/2004).

5. Último dia para fixação, por lei, dos limites de gastos de campanha para os cargos em disputa, observadas as peculiaridades locais (Lei nº 9.504/97, art. 17-A).

Dia 11 – sexta-feira
1. Data a partir da qual caberá a cada partido político fixar o limite de gastos de campanha para os cargos em disputa, comunicando à Justiça Eleitoral, que dará a essas informações ampla publicidade, desde que não fixado por lei (Lei nº 9.504/97, art. 17-A).

Na Folha de S. Paulo: PTrificado

MELCHIADES FILHO
BRASÍLIA - Em público, Lula tem reiterado que é hora de "despaulistizar" a política no Brasil. Mas é justamente a seção paulista do PT que saiu fortalecida da pré-campanha.
     A crise do dossiê anti-Serra serviu para desidratar a última liderança capaz de desafiar o velho -e contestado- status quo do partido.
     Fernando Pimentel, melhor amigo de Dilma Rousseff e apontado, com justiça ou não, como o responsável pelos novos aloprados, teve ontem de desistir da candidatura ao governo de Minas Gerais.
     Caso saísse vencedor no segundo maior colégio eleitoral do país, o ex-prefeito de Belo Horizonte seria um contrapeso a Antonio Palocci, José Dirceu, Marta Suplicy, Rui Falcão e outros petistas de São Paulo que se aproximaram de Dilma e hoje até lhe indicam o que vestir.
     Nos demais Estados, não pintou outro nome. O PT não cresceu como o previsto na era Lula. No Nordeste, por exemplo, foi o aliado PSB que mais posições conquistou.
     Em contrapartida, desde os tempos áureos do Campo Majoritário não se via o PT paulista tão unido.
     As várias forças do partido no Estado voltaram a se agrupar em 2009, por uma questão de sobrevivência. Havia ainda a ressaca dos vários escândalos (mensalão, aloprados 1, quebra do sigilo do caseiro). E havia o desconforto com o projeto de eleger ao Planalto uma ministra desconhecida e inexperiente. Não fazia sentido desperdiçar energia com rivalidades locais.
     Agora, ironicamente, os paulistas se abraçam por causa das boas chances de vitória à Presidência.
     Não cuidam só de assegurar a atenção da candidata e a influência sobre os rumos da candidatura.
     Empenham-se, também, em tomar o controle da máquina da campanha, sobretudo a publicidade e a comunicação, e fincar âncora nessas áreas num governo Dilma.
      Dividir esse mercado futuro com Pimentel não cabia no roteiro.

Manchetes dos jornais

JORNAL PEQUENO - MPE pede cassação do deputado Sarney Filho
O ESTADO DO MARANHÃO - Planos de saúde cobrirão 70 novos procedimentos
O IMPARCIAL - O novo problema da estrada da Maioba