25 de mar de 2011

Um Dia para Entrar para a História do Maranhão

Hugo Freitas
O dia 24 de março de 2011 ficará marcado na História do Maranhão como sinônimo de tristeza, de dor, de indignação. É um dia para se esquecer mas, ao mesmo tempo, para se registrar nos anais históricos deste grande pedaço de fazenda da federação.
    É o dia em que o movimento estudantil secundarista do Estado mostrou-se completamente seduzido e locupetrado pelas falsas promessas de um governo que sobrevive às custas de propaganda cara e mentirosa.
    É o dia em quem falou mais alto que a força da mídia vendida foi a fraqueza dos que se deixaram bestializar pela força da grana.
    É o dia em que vemos os nosso sonhos serem soterrados no mesmo abismo onde despejaram nossas esperanças de ver este Estado livre das agruras de um judiciário "viciado", de uma Assembleia do povo "impopular" e de uma mídia fadada à subserviência aos seus mandatários.
    É o dia em que todas as incertezas que pairavam sobre a mente dos mais desatentos se dissiparam de forma límpida e cristalina, deixando à mostra a crueza do esfacelamento político da juventude maranhense.
    É o dia em que a classe trabalhadora mais vilipendiada deste país, a dos professores, foi traída por aqueles por quem lutam.
    É o dia em que a massa acéfala deste Estado deixou claro para todo mundo ver, ler e ouvir que aqui, no Maranhão, quem manda é o lorde de bigode, "Sir Nei", e seus peões articulados.
    É o dia em que se absteve do debate sobre a educação no Estado, A SEGUNDA PIOR EDUCAÇÃO DO BRASIL, a mesma classe sem carteiras, sem livros, sem quadros nem pincéis, sofrida e espoliada dos estudantes secundaristas maranhenses, que se manifestaram contra a greve dos professores e a favor do Governo Roseana Sarney.
    É o dia em que a ignorância de um povo, emblematizada na falta de perspectiva deste "novo futuro do Maranhão", foi exposta visceralmente em quase todos os veículos midiáticos do Estado e elevada à enésima potência, com nuances de "indignação".
    É mais um dia em que se amplia a coleção de vergonhas do Maranhão. O dia em que as palavras de Tim Maia soaram forte como vendaval: "Este país nunca terá jeito mesmo, enquanto pobre for de direita".
    Pobres de espírito, de corpo, alma e coração, juventude insandecida pelo presente contínuo das maravilhas virtuais da tecnologia e longe, muito longe, da historicidade de seu papel sociopolítico: o de dizer "NÃO" aos desmandos dos coronéis carcomidas e dizer "SIM" a todo e qualquer movimento que se levante pela melhoria da qualidade da educação em nosso Estado.
    Enfim, é o dia em que os "poderosos" devem estar sorrindo de orelha a orelha, pois na luta por salários dignos, melhores condições de trabalho e reestruturação das escolas, os professores ficaram sozinhos, "condenados" pela justiça, abandonados pela "Casa do Povo", massacrados pela mídia vendida - que está vencendo a "guerra de propaganda" na tentativa de jogar a sociedade contra a legítima e necessária greve dos educadores maranhenses - e traídos pelos próprios estudantes, em troca das migalhas que cada um destes segmentos deverá receber pelos bons préstimos oferecidos ao Governo Roseana Sarney.
    Assim como diz a canção de Zé Ramalho, está claro que o povo do Maranhão sabe bem o que quer. Afinal, numa vida de gado, "Povo marcado é Povo Feliz"!!!

MA: após denúncia do JN, casas rachadas começam a ser demolidas

    No Maranhão, vai começar a reconstrução de uma obra pública malfeita. Na última quinta-feira (24), o Jornal Nacional mostrou que casas construídas para vítimas das enchentes de Trizidela do Vale, no Maranhão, estavam rachando, quatro meses depois de inauguradas.
    Nesta sexta (25), começou o trabalho de demolição das que apresentavam maior risco e outras serão reformadas. A empreiteira se comprometeu a assumir o prejuízo. As famílias foram para abrigos ou para as casas de parentes.
    Moradores dessa mesma cidade e de municípios vizinhos que enfrentaram a enchente de 2009 receberam promessas de se mudar para outras casas, mas o repórter Honório Jacometo mostra que nada foi construído.
    A lavradora Nayara dos Santos se emociona ao ver a casa invadida pela água mais uma vez: “Fica esperando a água baixar é triste porque acaba com tudo. Quem já é pobre, tem que lutar para conseguir as coisas”, conta.
    Em 2009, Nayara e outras 185 famílias foram cadastradas pela prefeitura de Trizidela do Vale para ganhar uma casa longe das áreas alagadas. Os governos Federal, Estadual e o município fecharam um convênio.
    Na área que deveriam ter sido erguidas as casas para as vitimas das enchentes, um ano e dois meses depois da assinatura do convênio, nenhuma casa começou a ser construída.
    Em Pedreiras, cidade vizinha, as 309 casas que seriam construídas também ficaram só na promessa.
    “Está faltando a contrapartida do Governo do Estado para que nós possamos começar a contrapartida do município que é a infraestrutura do local”, declarou o secretário de Infraestrutura de Pedreiras, Elias Bento Silva.
    Em nota, o Governo Federal afirmou que autorizou o repasse de R$ 25 milhões para o Governo do Maranhão reconstruir 1.889 casas nas cidades atingidas pela chuva. Chegou a liberar a primeira parcela, mas, depois de uma inspeção, constatou que nenhuma obra foi feita e suspendeu o convênio.
    O Governo do Maranhão informou que o dinheiro liberado não foi suficiente para começar as construções e que o repasse só chegou depois de ter passado mais da metade do prazo para a conclusão das casas.
    Quem depende de um acordo entre as autoridades para sair das áreas de risco reclama da longa espera: “É uma calamidade. A gente que é pobre, não tem outra opção. Só Deus”, disse um senhor.

Poder público em São Luís não adere à Hora do Planeta

    A campanha mundial “Hora do Planeta” acontece neste (26), entre 20h30 e 21h30, quando  cidadãos, empresas, comunidades e poder público apagam suas luzes para mostrar seu apoio ao combate ao aquecimento global e às mudanças climáticas.  O poder público em São Luís  não aderiu ao movimento.
    O movimento é coordenado pela ONG WWF e visa mobilizar a sociedade e alertar os líderes mundiais em torno da luta contra o aquecimento global e em favor do meio ambiente. A campanha mundial, que ocorre desde 2007, teve a participação do Brasil, pela primeira vez, no ano passado, quando 113 cidades brasileiras, incluindo 13 capitais, participaram da Hora do Planeta 2009.
    Centenas de milhões de pessoas em mais de 4 mil cidades de 88 países apagaram as luzes. Monumentos e locais simbólicos, como a Torre Eiffel, o Coliseu e a Times Square, além do Cristo Redentor, o Congresso Nacional dentre outros ficaram uma hora no escuro. No site oficial do movimento (www.horadoplaneta.org.br), o participante deve se cadastrar, a fim de que a organização do evento possa contar o número de participantes da campanha em todo o mundo.
Com informações de agências




Correios muda edital e aumenta o número de vagas para 9.190

Foi divulgado na manhã desta sexta-feira, 25, pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - Correios, um novo edital para o seu concuso público que acrescenta outras 844 oportunidades às 8.346 vagas para nível médio que já haviam sido anunciadas.
    No total, agora estão sendo oferecidas 9.190 vagas distribuídas entre os cargos de carteiros (5.060 vagas), atendendentes (2.272 vagas), operador de triagem e transbordo (1.014 vagas), todas de nível médio, além dos cargos de nível superior - analista de correios (796 vagas); profissionais de medicina e segurança do trabalho (48 vagas).
    Para as funções de nível médio, a remuneração é de R$ 807,29, mais benefícios de vale alimentação, vale transporte, auxílio creche e assistência médica e odontológica, além de plano de carreira e possibilidade de desenvolvimento profissional.
    Já para os cargos de analista de correios e para profissionais de medicina, técnico e engenheiro de segurança do trabalho, os salários variam de R$ 1.003,57 a R$ 3.211,58, mais benefícios como, vale alimentação/refeição, vale transporte, auxílio creche ou babá, assistência médica e odontológica e plano de previdência complementar (Postalprev).
Inscrições
    Apesar da ampliação no número de vafas, o período de inscrições não foi alterado e segue aberto até as 23h59 do dia 5 de abril. Os interessados poderão garantir participação no site do Cespe/UnB (www.cespe.unb.br), organizador do concurso. O custo da taxa de inscrição varia de acordo com o nível e cargos escolhido, sendo de R$ 32 a R$ 63.
Provas
    A prova objetiva para os dois níveis está prevista para o dia 15 de maio. Para ambos os níveis o exame terá 50 questões de conhecimentos básicos, divididas nos temas de língua portuguesa, inglês (para alguns cargos), informática e administração pública, e 70 questões de conhecimentos específicos.

Um tributo a Nelson Brito


    Nasceu Nelson Brito em 17 de março de 1953 em São Luís do Maranhão com a missão de viver para sempre. Nesta sexta-feira, 25, o Laborarte fará Tributo a Nelson Brito, membro fundador do laboratório de artes em meados da década de 70. Arte e vida se confundiram na história de Nelson Brito como um exercício de paixão. A cultura popular norteava seus dias e suas noites.
    Desde cedo foi pego pelas mãos para ingressar no teatro, com letra maiúscula, com sugestivo nome de TEMA (Teatro Experimental do Maranhão). Foi seu batismo de fogo. Por lá aprendeu toda a carpintaria do teatro. Manipulou bonecos, iluminou personagens e toda sorte de engrenagens que a arte da interpretação exige na busca incessante do sentido da vida.

Claudio Silva, Nelson Brito e Rosa Reis em João Paneiro(1988)
   No Laborarte, fundado em 1972, o artista se desvencilhou das caixas cênicas clássicas, contagiou-se pelo espírito coletivo e ganhou as ruas. A convergência de expressões artísticas no endereço da Rua Jansen Muller dilapidou o artista para o mundo. Tudo ao mesmo tempo, na arte. Eis o lema daquele grupo de onde emergiu boa parte da geração de artistas das duas décadas seguintes na cena cultura da São Luís, que carregava o rótulo de Ilha Rebelde.

Laborarte no Teatro Itapicuraíba, no Anjo da Guarda
    O teatro estava no epicentro desta cena, amalgamado à música, às artes plásticas e uma paleta de cores artísticas vivazes, tonificada pelo espírito da juventude e rebeldia. Foi nesse tom que se organizaram na cidade entidades que congregavam a gente da cena teatral maranhense. Surgiram então o Movimento Teatral do Maranhão e entidades de classe como a Federação de Teatro Amador do Maranhão, da qual foi dirigente por duas gestões (em 1984-85 e 1989 -90). E , a partir do fortalecimento desta, sua transferência para a Confenata, entidade nacional.
    À frente do Laborarte no ano de 1979, Nelson Brito abriu as portas e janelas do casarão azulejado de azul da Jansen Müller para a renovação do elenco. Afinado com a ideia de tomar o popular como matriz essencial da cultura, atraiu expressões até então distanciadas do lugar. Dona Teté e o cacuriá, Mestre Felipe e o tambor de crioula, a capoeira se integraram aos poucos de maneira a identificar o grupo com viés mais popular.
    Era impossível mantê-lo fora do turbilhão cultural. Seu compromisso integral com a cultura o impulsionava a percorrer outros espaços, trocar impressões sobre arte, incentivar estreantes, enfim vivenciar sua paixão pela arte.
    Presente desde o primeiro momento na Fundação Municipal de Cultura, órgão da prefeitura de São Luís, em 2001 Nelson Brito foi convidado para dirigi-la. Chegou inovando no seminário Chegança, fazendo um diagnóstico do que havia e do ideal almejado. Tinha convicção de que o ideal era plausível e palpável.
    Assim foi quando se sentou em um almoço com o maestro Arthur Moreira Lima para discutir sobre a grade de programação do Festival Internacional de Música de São Luís. Radical quando necessário não abriu mão da participação do popular mais visceral. Defendeu até as últimas conseqüências a pluralidade das atrações. Venceu e viu que estava correto: foi o evento mais importante ocorrido na cidade no início deste século. Não são poucos os que assim afirmam.
    O imortal Américo Azevedo, homem sensível à cultura popular, observou em uma crônica o papel que Nelson Brito exerceu naquele evento musical intercontinental. Afinal da aldeia Guajajara à África, com conexão nos EUA, Europa e outros continentes, tudo aqui esteve presente. O de mais grandioso: de livre acesso a todos.
    “Não vi em nenhum momento Nelson Brito esbaforido ou enfezado com algum contratempo”, registro o acadêmico da AML, Américo Azevedo. Sintetizava dessa forma o artista eternamente faminto pela arte. Pode até parecer exagero, mas Nelson Brito foi, é e será um dos artistas mais importantes de São Luís dos últimos anos.

Depois de empurrar camisas para fãs atores da Globo enfrentam inferno astral em Teresina

    Diante da plateia reduzida para assistir "Fica frio" no Teatro Arthur Azevedo no final de semana passado, o pai do ator Kayky Brito apelou feio. Às poucas fãs que procuraram o ator global para pedir autógrafo e fazer fotos com o ídolo o pai impunha uma condição:" fotos somente com a compra de camisa do ator, fazendo propaganda da peça". Vendeu algumas. Kayky Brito, Germano Pereira, Marauê  Carneiro passaram anônimos pela cidade  .
    Em Teresina, para onde seguiram depois de São Luís, o ator Marauê Carneiro
cometeu uma grosseria imperdoável. A título de piada, Marauê comentou em sua página, no Facebook: ''Estamos em Teresina do Piauí, se e que o mundo tem cu, o cu do mundo é aqui!!'', escreveu ele em sua página. 
    A  peça será encenada hoje, amanhã e domingo, às 20h, no Teatro da Assembléia. O espetáculo estreou na quarta-feira no Teatro João Paulo II. Será o segundo fracasso de público de "Fica Frio".

No Rio crédito de celular pode ser transferido para os meses seguintes

    A Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) aprovou, ontem, o Projeto de Lei 2.124/2009, que garante a transferência dos créditos de celular que sobrarem num mês para os meses seguintes. A proposta foi aprovada pelos deputados estaduais em maio do ano passado. Mas, enviada ao governador Sérgio Cabral para sanção, foi vetada.
    A Alerj votou novamente o projeto na quinta-feira,24,e derrubou o veto do governador por unanimidade. O texto será promulgado nos próximos dias e passará a ter efeito a partir de sua publicação.
    O projeto de lei foi apresentado em março de 2009 pelo então deputado estadual Caetano Amado. Em sua justificativa, o parlamentar disse que, “atualmente, quando o usuário ultrapassa seu limite de minutos, (as operadoras) cobram o excedente; mas, quando sobram, não existe a possibilidade de acumular (os créditos) para o mês seguinte, causando uma injustiça muito grande aos usuários”.
Do Extra

Dois endereços na internet estão vinculados à comemoração dos 400 anos de São Luís

    A assessoria da Prefeitura de São Luís dormiu no ponto e perdeu os melhores domínios para comemoração dos 400 anos de fundação da cidade de São Luís na internet, que acabaram caindo em mãos de empreendedores.
    Dos dois endereços na rede mundial de computadores nenhum não têm qualquer conexão com o tal comitê instalado pelo Prefeito João Castelo na última quarta-feira,2, para organizar a festa.
    Com o endereço saoluisma400anos.com.br se acessa o projeto rumo aos 400 anos da São Luís, Promoções e Eventos, um conjunto de ações, promoções e eventos que em comemoração aos 400 anos de São Luís "objetiva divulgar, promover e desenvolver a cultura da cidade em ações que envolvamm todos os segmentos de sua população", conforme vídeo de apresentação do site. O copyright do domínio é de 2011.
    No outro endereço http://www.saoluis400anos.com.br/  é uma miscelânea de notícias e ofertas de serviços de cultura e assessoria em projetos. Não há identificação da home.Com @ de 2010 o site questiona "Como você quer a cidade em 2012? " e responde na lata: Trabalhe para isso!.
Os endereços:

UNE e UBES pedem a Dilma 10% do PIB e 50% do Pré-Sal para Educação


Estudantes da UBES e UNE com a presidente Dilma

A presidenta Dilma Rousseff recebeu, nesta quinta-feira (24/3), no Palácio do Planalto, um grupo de estudantes universitários e secundaristas que participaram de manifestações na Esplanada dos Ministérios. Sob liderança dos presidentes da UNE (União Nacional dos Estudantes), Augusto Chagas, e da Ubes (União Brasileira de Estudantes Secundaristas), Yann Evanovick, o grupo de estudantes foi recebido, num primeiro momento, pelo secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e em seguida todos se reuniram com a presidenta Dilma, que se fez acompanhar pelo ministro da Educação, Fernando Haddad.
    Após a reunião, Chagas e Evanovick conversaram com jornalistas sobre o encontro. Eles informaram que as entidades que representam os estudantes apresentaram à presidenta Dilma a pauta de reivindicação para o setor de educação. Segundo Chagas, a pauta contempla destinar 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para o setor e 50% da receita do fundo proveniente do pré-sal também para o sistema educacional. Evanovick afirmou que a presidenta Dilma mostrou-se sensível ao pedido dos estudantes.
     Durante a conversa, os estudantes solicitaram que as conquistas obtidas no Congresso Nacional não sejam vetadas pela presidenta em matérias que devem virar leis. De acordo com o presidente da Ubes, as entidades apresentaram 59 emendas em projeto de lei que tramita na Comissão de Educação da Câmara que trata do plano nacional de educação.
Do Blog do Planalto

Advogados de Jader querem acelerar diplomaçãono TRE do Pará


Jáder quer reformar decisão de Joaquim Barbosa

    Os advogados do senador eleito do Pará Jader Barbalho (PMDB) entraram em campo para que a diplomação e posse ocorram o mais rápido possível.
    O acórdão do julgamento do caso específico de Jader, que ocorreu em 26 de outubro do ano passado, ainda não foi publicado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que não impede, segundo o advogado Sábato Rossetti, que o ministro relator do caso, Joaquim Barbosa, reforme a decisão.
    O Supremo decidiu, durante a própria votação de quarta-feira, que os ministros poderão deliberar sobre o assunto de forma monocrática (sem consultar os pares).
    Para tentar acelerar esse processo, contudo, os advogados de Jader pediram ontem ao STF uma certidão com o resultado da votação que derrubou a aplicabilidade da lei complementar número 135 de 2010 (Lei da Ficha Limpa) para as eleições do ano passado.
ARGUMENTOS
    Um dos argumentos foi que essa aplicação, já no ano passado, contraria artigo da Constituição que determina que alterações no processo eleitoral só podem ser aplicadas em pleitos realizados um ano depois da publicação da lei, o que não foi o caso.
    Os advogados de Jader vão solicitar também um CD com o áudio da sessão e pedir que Barbosa reforme a decisão com base nesses documentos. Caso o ministro decida aguardar a publicação do acórdão para só então despachar o caso, os advogados recorrerão ao plenário. “Ficaremos de prontidão para que o caso seja concluído com a maior celeridade possível. É preciso garantir a segurança jurídica. Já temos uma decisão e não há necessidade de postergar”, afirma Rossetti.
    Tão logo o trâmite burocrático seja cumprido no STF, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) será comunicado para conceder o diploma de senador a Jader Barbalho e em seguida ocorrerá a posse em Brasília.
    Sábado Rossetti diz que não deve haver julgamento do pedido feito pelo PMDB de novas eleições ao Senado no Pará. “O objeto ficou prejudicado. Um dos argumentos (para o pedido de eleição) é que mais de 50% dos votos ao Senado haviam sido anulados. Com a validação das votações de Jader e Paulo Rocha (a decisão atinge também o petista) a anulação perdeu a razão de ser”. (Diário do Pará)
De O Diário do Pará

Marina na floresta

Fernando Barros e Silva
SÃO PAULO - Escancarou-se a disputa pelo comando e pelos rumos do PV. De um lado estão José Luiz Penna, presidente dos "verdes", e o deputado Zequinha Sarney (MA), do mainstream partidário; do outro, os "marineiros", representados pela voz do deputado Alfredo Sirkis, presidente do PV no Rio.
    A briga explodiu depois que Penna manobrou internamente e aprovou a prorrogação de seu mandato por mais um ano, frustrando a expectativa de que haveria renovação da direção verde ainda em 2011.
    Era uma crise anunciada. Marina fez com o PV um casamento de conveniência. A um partido sem expressão, vinha a calhar a candidata negra e de origem pobre, cuja trajetória pública se confundia com a pauta ambiental e a bandeira do desenvolvimento sustentável. Marina teve quase 20 milhões de votos. Acumulou respeitabilidade. Mas não engordou a bancada verde.
    Marina tomou Doril depois da eleição. Ela e seu grupo agora buscam respaldo na mídia e na opinião pública, que lhes são simpáticas, porque no front interno levaram uma rasteira. Quem manda no cartório verde é Penna e sua turma.
    No cargo desde 1999, esse tipo meio "hipponga", que mais lembra um remanescente de Arembepe, fala menos na língua peace & love do que no idioma dos negócios. Importa ao PV de Penna estar com Kassab em São Paulo, com Alckmin no Estado e com Dilma no plano federal. O PV é o Partido da Voltinha, sempre de olho no próximo cliente.
    Entre os "marineiros" circula até a versão de que Penna estaria agindo em nome de interesses maiores, sobretudo do petismo, empenhado em desarticular o legado eleitoral de Marina. Parece uma tese típica da esquerda, um tanto paranoica.
    Marina é uma reserva de energia limpa no PV. Mas precisaria também produzir alguma combustão política. Ela transmite a incômoda sensação de estar sempre num pedestal -além e acima das disputas. Sem descer da árvore para brigar, vai acabar eleita rainha da floresta.
Da Folha de S. Paulo

Charge do dia - Sponholz

Sonia Racy - Direto da Fonte

Sarney anda um tanto quanto emotivo. Não é que o senador caiu no choro na comemoração dos 45 anos do PMDB, terça-feira?
Da Folha de S. Paulo

Manchetes dos jornais

ATOS E FATOS - Professores afirma que o governo não quer negociar
JORNAL A TARDE - Governadora |Roseana Sarney assina convênio com ministério do Turismo para restaurar centro histórico
JORNAL PEQUENO - Policiais e professores mantêm greve por tempo indeterminado
O DEBATE - Comisão vai apurar atos de violência noSão Cristovão
O ESTADO DO MARANHÃO - Acusados da morte de prefeito de Imperatriz vão a júri popular
TRIBUNA DO NORDESTE - Edvaldo Holanda vai reforçar oposição na Assembleia

NO PAÍS
CORREIO BRASILIENSE:Dilma dás as costas a "amigão" de Lula
FOLHA DE SÃO PAULO: Dilma modifica política de Lula e vota contra o Irã
O ESTADO DE S. PAULO:Brasil muda de posição na ONU e irrita regime do Irã
O ESTADO DE MINAS:...E não é que vai sujar ainda mais
O GLOBO:Brasil muda e agora apoia investigar os abusos do Irã
VALOR ECONÔMICO:Novos governadores dão sequência à guerra fiscal
ZERO HORA:Dilma revê a política do Brasil sobre o Irã
DIÁRIO DO PARÁ:É do papão
JORNAL DO COMMERCIO:Preço do álcool fica menos competitivo
MEIO-NORTE: PMT tem 30 dias para extinguir terceirizados
O POVO: 27 postos de combustíveis funcionam através de liminar