6 de out de 2010

Duda Mendonça apresenta a conta a Roseana Sarney

    O marqueteiro Duda Mendonça foi recebido pela governadora Roseana Sarney (PMDB) na terça-feira no Palácio dos Leões, um dia depois do TRE-MA anunciar a obtenção de 4,6 mil votos a mais que a soma dos outros candidatos.
    Mendonça amargou derrota em Minas Gerais e São Paulo. No estado em que fez contrato com o também peemedebista Hélio Costa, ex-ministro das Comunicações, foi derrotado pelos tucanos no primeiro turno. Em São Paulo, contratado por Paulo Skaf, empresário e ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Fiesp, não deu conta do recado diante do poderio de Geraldo Alckmin, vencedor também em primeiro turno.
    O marqueteiro baiano preferiu acompanhar a apuração do Maranhão a distância para não correr o risco de levar bofetada. Veio apresentar a conta que nem a Justiça Eleitoral saberá o valor real.

Roberto Rocha vai coordenar campanha de Serra no Maranhão

    O deputado federal Roberto Rocha, presidente regional do PSDB, vai coordenar no estado a campanha do presidenciável tucano José Serra no segundo turno. Rocha participou na terça-feira,5, de reunião com o presidente nacional da legenda, Sérgio Guerra, e de vários nomes de peso do tucanato. 
    Para elevar a votação de Serra no Maranhão, Rocha espera contar com a colaboração dos prefeitos das três principais cidades do estado: São Luís, Imperatriz e Açailândia. 
    Os prefeitos João Castelo, Sebastião Madeira e Ildemar Gonçalves devem entrar de cabeça na campanha. 
    Roberto Rocha também vai convocar os eleitos pelo partido para colaborarem com a campanha de Serra no Maranhão. Candidatos como Neto Evangelista, André Fufuca vão dar novo gás à campanha do tucano neste segundo turno.

Propaganda eleitral em rádio e TV começa na sexta

    A propaganda eleitoral em rádio e TV, que voltará a ser veiculada na próxima sexta-feira (8), começará com o programa de Dilma Rousseff, candidata petista à Presidência da República. A definição saiu a partir de resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O texto determina que estrearia a propaganda do segundo turno o candidato que obteve mais votos. A ordem é alterada no dia seguinte e assim sucessivamente.
    Serão veiculados dois períodos diários de 20 minutos para cada cargo em disputa, inclusive aos domingos, até o dia 29. Assim como no primeiro turno, no rádio, a propaganda será veiculada às 7h e às 12h. Na televisão, às 13h e às 20h30. Primeiro, serão transmitidos os 20 minutos destinados aos candidatos a presidente e a seguir os 20 minutos para os candidatos a governador.
    Os candidatos a presidente e a governador têm direito a dez minutos em cada bloco de transmissão. Eles ainda têm mais sete minutos e 30 segundos diários, cada um, para divulgar propaganda em forma de inserções de 15 a 60 segundos, o que totaliza 30 minutos diários de inserções.

Anulação dos votos dados a Penaldon Jorge pode modificar lista dos deputados estaduais eleitos

    Faltando menos de 72 horas para o Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão proclamar o resultado do pleito está em suspense a eleição do Dr. Pádua (PP) que recebeu 19.809 votos para deputado estadual na coligação "O Maranhão não pode parar E-4". Tanto é que Dr. Pádua ainda nem comemorou a vitória como deveria.
    Da mesma coligação o deputado estadual Penaldon Jorge (PSC), que participou das eleições com registro deferido com recurso, aguarda decisão do Tribunal Superior Eleitoral sobre o destino dos 13.555 votos. Ex-prefeito de Presidente Sarney, Penaldon Jorge tem contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas da União, alcançado pela Lei da Ficha Limpa.
    Se anulados os votos do deputado que concorreu à rreleição e ficou na quinta suplência vai haver um novo arranjo nas coligações pelos cálculo do quoeficientepermitindo até mesmo o ingresso de Valdinar Barros (PT), primeiro suplente do Partido dos Trabalhadores, que não se coligou.

O Silêncio de Lula

Marco Antonio Vila
    Lula perdeu. A soberba fez mais uma vítima. O presidente, com supostos 80% de aprovação, não elegeu sua sucessora no primeiro turno, como propalou nas últimas semanas. Toda a agressividade presidencial foi em vão.
    As ameaças foram aumentando na mesma proporção que os institutos de pesquisa apresentavam o favoritismo da sua candidata.
    Não custa imaginar como agiria discursando na festa da vitória que não houve. O silêncio de Lula nos últimos dias, caso raro, foi o mais extenso deste ano.
    A oposição recebeu um claro recado das urnas. Há espaço para uma candidatura propositiva e oposicionista.
    A maioria simples que o governo obteve foi graças ao apoio dos oligarcas (Sarney, Barbalho, Collor, entre outros), das centrais sindicais pelegas, dos velhos movimentos sociais sustentados com recursos públicos, das pesquisas que a cada dia jogavam uma ducha gelada na oposição e estimulavam o eleitor indeciso a votar na candidata oficial, da máquina estatal e de seus programas assistencialistas, e, finalmente, de Lula, que literalmente abandonou a Presidência para fazer campanha.
    Apesar de tudo, o governo não obteve a vitória que imaginava. O segundo turno era tudo o que Lula não queria. Agora sua candidata vai ter as mesmas condições que Serra. Continuar falando por ela como fez no primeiro turno vai pegar muito mal.
    O criador tem de dar alguma autonomia à criatura. Confundir apoio com tutoria, indica ao eleitor que Dilma não consegue caminhar com as próprias pernas.
    A oposição terá nova chance. Não tem desempenhado bem o seu papel. Acreditou na fantasia de que somente 4% da população achava o governo ruim. E, depois dos resultados da eleição de domingo, é mais fácil crer no chapeuzinho vermelho do que nas pesquisas eleitorais.
    O eleitorado apontou que a oposição tem de fazer política. Deve criticar (quem disse que o eleitor não gosta de crítica?) e propor alternativas. Chamar Dilma para o debate e não Lula. Afinal, é ela a candidata.
    A verdadeira eleição, espero, começou na noite do último domingo. Até então, o que tivemos foi um mero simulacro. Debates monótonos, um amontoado de propostas desconexas, muito marketing e pouca política.
    Foi o tipo de campanha que marqueteiro adora. Agora deve começar a eleição que interessa ao país. Longe daquilo que Euclides da Cunha, em 1893, chamava das "insânias dos caudilhos eleitorais e do maquiavelismo grosseiro de uma política que é toda ela uma conspiração contra o futuro de uma nacionalidade".
* MARCO ANTONIO VILLA é professor do Departamento de Ciências Sociais da UFSCar

Cleide Coutinho diz ser normal ausência no parlamento durante campanha eleitoral

    Nona mais votada entre os 42 deputados estaduais eleitos para a 17ª Legislatura que terá início em janeiro de 2011, a deputada estadual Cleide Coutinho (PSDB), ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão na manhã de terça-feira, 5, para justificar que sua ausência (e de seus coleguinhas) da Casa nos últimos dois meses: "A maioria dos colegas deputados esteve ausente nessa jornada, que foi a campanha eleitoral, porque o Maranhão é grande, as distâncias são enormes e a locomoção é bastante difícil pelas estradas, inclusive pela própria distância. Enfim, a campanha ocupa muito tempo".
    Durante o período de ausência os deputados mantiveram os salários intactos pela Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão.
    Reeleita para um segundo mandato com 49.159 votos, Cleide, é médica e mulher do prefeito de Caxias, Humberto Coutinho (PDT), empresário dono da Fundação homônima que controla a saúde no município. Junto com ela foi eleita a mulher do prefeito de Santa Inês, Robert Bringel, e do prefeito de Cururupu, Antonio Marcos de Oliveira (PDT), o Primo.

Deputadas eleitas para a 17ª Legislatura da AL do Maranhão
4ª Vianey Bringel (PMDB) - 61.769 - 2,03%
5ª Gardênia Castelo (PSDB) - 60.851 - 2,00%
9ª Cleide Coutinho (PSDB) - 49.159 - 1,61%
21ª Eliziane Gama (PPS) - 37.067 - 1,22%
26ª Valéria Macedo (PDT) - 33.362 - 1,10%
29ª Francisca Primo (PT) - 30.192 - 0,99%
31ª Graça Paz (PDT)- 29.380 - 0,97%

Bioinvasor ameaça siris nativos no litoral do Maranhão

SÃO PAULO - Um bioinvasor, vindo dos oceanos Índico e Pacífico, ameaça os siris nativos do litoral do Maranhão. Segundo o biológo José Maria Maia Filho, o siri não faz mal à saúde dos seres humanos, mas carrega um vírus que pode causar nos siris e caranguejos nativos uma doença chamada 'mancha branca', que mata.
     Além disso, como não tem predador natural e consome os mesmos alimentos que os nativos, a tendência é que a população do siri invasor aumente, podendo se tornar maior ou até mesmo eliminar a espécie do litoral maranhense. Os bioinvasores são trazidos para o litoral brasileiro por navios, na chamada água de lastro, armazenada nos porões para dar equilíbrio às embarcações quando elas estão sem carga. Pelas regras de navegação, essa água tem de ser substituída várias vezes durante a viagem, para que o navio chegue ao destino final sem espécies que causem desequilíbrio ecológico. Na avaliação dos pesquisadores, essa fiscalização deve ser feita com mais rigor.
De O Globo

Marina nega que tenha aceitado conversar com PT

    A assessoria de comunicação de Marina Silva (PV-AC), candidata derrotada na disputa pela Presidência da República, divulgou nota ontem, terça-feira, 5, negando que Marina tenha aceitado conversar com o PT sobre condições para apoiar Dilma Rousseff (PT) no segundo turno.
    Segundo a nota, Marina recebeu ligação telefônica do presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, na qual ele declarou que gostaria de iniciar conversas sobre as condições do apoio da senadora à presidenciável Dilma Rousseff, na segunda etapa da disputa eleitoral.
    Ainda de acordo com a nota, Marina agradeceu a ligação e reafirmou o que já havia antecipado à própria Dilma e ao ex-governador José Serra (PSDB), em ligações recebidas na última segunda-feira, 4: por considerar que sua candidatura é maior do que o próprio PV, nos próximos dias, ela estará envolvida em processo decisório baseado na escuta às parcelas da sociedade civil que se integraram ao seu projeto e às instâncias do próprio partido.
    “Você sabe que sou uma mulher de processo”, declarou a ex-candidata do PV à Presidência da República. Uma Convenção Nacional do PV deve ser convocada para definir os rumos a serem tomados pela legenda na eleição presidencial.
    O Partido Verde anunciou, também nesta terça-feira, que o presidente nacional do partido, José Luiz Penna, concederá entrevista coletiva nesta quarta-feira, 6, para anunciar como será o processo de definição do posicionamento do partido em relação ao segundo turno. O evento terá a participação do vice-presidente da legenda, Alfredo Sirkys, e do coordenador da campanha de Marina Silva, João Paulo Capobianco.
De O Estado de S. Paulo

Manchetes dos jornais

JORNAL PEQUENO - Jackson Lago diz que oposição do Maranhão tem que ir com Serra
O ESTADO DO MARANHÃO - Eleitos prometem fazer campanha para Dilma
O IMPARCIAL - 5 mil vagss: TJ, Seplan, PM e Samus devem fazer concurso ainda este ano