10 de mai de 2011

Professores da UFMA param nesta quarta-feira

     Insatisfeitos diante das políticas de desmonte do serviço público, os docentes da Universidade Federal do Maranhão, UFMA,  paralisarão nesta quarta-feira,11, as atividades  em defesa do ensino publico de qualidade e contra precarização do trabalho docente.
    Os docentes criticam, entre outras medidas editadas pelo governo federal, a que cria a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares S.A. – EBSERH, transformando os Hospitais Universitários em empresas privadas; o Projeto de Lei que cria a Avaliação de Desempenho com o propósito de demitir servidores a partir de duas avaliações negativas seguidas; – O PL que praticamente congela os salários dos servidores públicos federais até o ano 2019; e o que cria as fundações estatais de direito privado incentivando as PPP – Parceria Público-Privado, transferindo boa parte dos serviços, especialmente de saúde e educação, mas também de outras áreas, para o mercado capitalista. Ou seja, privatização.
    As criticas também fazem referências ao corte de R$ 50 bilhões no orçamento de 2011, sendo R$ 1 bilhão das Universidades Federais; o cancelamento de concursos públicos e suspensão das nomeações dos aprovados em concursos já realizados; e a a proposta do governo de desfederalização dos colégios de aplicação(COLUN).
    A APRUMA - Seção Sindical do Andes - Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior está convocando os professores para atividades na UFMA e ato público, que reunirá outras categorias, a partir das 16h, na Praça Deodoro, no centro de São Luís.
Da Assessoria da Apruma

Raimundinha escapou fedendo


Paulo Diógenes excursiona com espetáculo Raimundinha, meu nome é humor
     Era sexta-feira, 6, e passava um pouco das 21 horas. No palco de um dos mais importantes teatros de São Luís do Maranhão, o Theatro Arthur Azevedo (TAA), o show de abertura da temporada do espetáculo Raimundinha, meu nome é humor, do humorista cearense Paulo Diógenes. Quando, com apenas 15 minutos de show, a plateia foi atingida por três preservativos recheados por um material, no mínimo, desagradável: fezes humanas.
    As camisinhas, com o conteúdo, segundo o próprio Paulo Diógenes, “ainda fresco”, sujou o teatro inteiro, impedindo a continuidade do show. “O teatro, que é belíssimo, ficou todo ‘cagado’, com o perdão da má palavra. Quem fez isso não queria me atingir, porque o saco que chegou mais perto de mim foi na quinta fileira, queria era acabar com o espetáculo. Fiquei chocado e triste pela plateia”, declarou o humorista.
    A temporada previa três apresentações. A de sexta, que acontecia com o teatro lotado, foi cancelada, e as de sábado, 7, e domingo, 8, foram mantidas, mas com o público menor. “Muitas pessoas devolveram os ingressos com medo de que acontecesse de novo”, disse Paulo. Os shows eram organizados pela Moraes Jr. Produções, que lançou nota de esclarecimento. “Pedimos sinceras desculpas e esperamos que haja punição para o responsável”, disse em nota. A produtora e pessoas atingidas pelas fezes procuraram a polícia e fizeram boletins de ocorrência, mas até o momento não foi apontado nenhum suspeito.
    A produtora ainda levanta outra questão: “O TAA não tem segurança desde a entrada, passando pela bilheteria e agora chegando até a plateia”.
    Por telefone, outro humorista, Lailtinho, lamenta o ocorrido. “Isso é um fato inédito e nós só podemos repudiar. O certo é que agora a gente não pode mais usar o jargão do teatro - Merda! - depois disso a gente só vai dizer ‘Sorte’ mesmo”, brinca.
De O Povo

Um clip tosco pro Caostelo

Miss Maranhão eleita em 2009 vai receber R$ 40 mil de indenização por dano moral

    Louisse Freire da Silva, eleita Miss Maranhão 2009 – substituída pela 2ª colocada sem comunicação oficial prévia para participar em seu lugar da 55ª edição do Concurso Miss Brasil do mesmo ano – conseguiu na 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), reunida na manhã desta terça-feira, 10, o direito de receber o valor de R$ 40 mil, cujo pagamento deverá ser feito solidariamente pelo fotógrafo Marcio Prado e pela Gaeta Promoções e Eventos Ltda. A decisão dos desembargadores foi unânime e de acordo com o posicionamento do Ministério Público.
    A Ação Ordinária de Dano Moral foi proposta por Freire em abril de 2009, com pedido de antecipação de decisão, devido ainda haver tempo de ela ser reconduzida ao posto e concorrer, no dia 9 de maio, do concurso nacional. No entanto, a medida do juiz plantonista não foi atendida – depois revogada – o que gerou a não participação no evento e constantes constrangimentos à estudante, que teve seu nome e imagem amplamente divulgados pela imprensa como sendo irresponsável e doente.
    A miss eleita alegava que havia sido substituída de forma arbitrária, sem direito a defesa, o que lhe fez perder a oportunidade de concorrer aos R$ 200 mil destinados ao 1º lugar do Miss Brasil. Ela só soube que não seria a representante do Maranhão pela imprensa. No mais, também que foi humilhada e ofendida publicamente, sendo destituída do posto por puro desprezo por parte de Prado e inércia da Gaeta, tudo devidamente demonstrado no processo. Ela, inclusive, assinou contrato com a Gaeta, fez fotos e vídeos, mas não conseguiu desfilar e nem receber cópias destes.
    Marcio Prado, em comunicado oficial divulgado à época, dizia que ele, representante legal do Miss Brasil no Maranhão, tinha o direito de analisar as condições das candidatas e que, neste caso, Louisse não cumpriu com diversos compromissos agendados, além de não ser simpática e cooperativa, o que seria fato impeditivo para que a candidata representasse o estado.
    O desembargador-relator Paulo Velten, em seu voto, observa que tanto o fotógrafo como a empresa Gaeta tiveram oportunidade de produzirem prova a seu favor. Se não o fizeram, não é fato para que o processo seja anulado. Não verificou motivos suficientes para substituição de Louisse e, portanto, por pensar ser justo e apto compensar todas as perdas sofridas por ela, pela frustração de um sonho e aos outros benefícios que ela deixara de conceber, os condenou ao pagamento da indenização.
Da Assessoria do TJ

Metalúrgicos voltam a paralisar produção da Alcoa no Maranhão

    Os trabalhadores da Alumar/Alcoa acabaram de suspender as atividades na linha de produção da empresa na tarde desta terça-feira (10). Outra parte dos trabalhadores estão de braços cruzados no km 14 da BR-135 (após a PRF) em protesto que começou às 15:35h.
    A greve liderada pelo Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de São Luís – Sindmetal e Central dos Trabalhadores do Brasil –CTB/MA ocorre em virtude do impasse ocasionado pela Alcoa/Alumar em não querer repassar um reajuste salarial com ganho real, ou seja, com índices acima da inflação do período que foi de 6,36%.
    A Alumar/Alcoa é a única empresa do ramo que se opõe ao reajuste mesmo tendo tido um lucro de 309 milhões de dólares somente no 1º trimestre de 2011, com um crescimento de 22%.
De acordo com representantes do Sindmetal, a manifestação é o quarto ato da greve da categoria deflagrada desde o dia 14 de abril, quando os trabalhadores paralisaram as atividades ao longo do acostamento da BR 135.
   Saúde e segurança no ambiente de trabalho, fim do assédio moral e das terceirizações precárias/fraudulentas, redução da jornada e novo turno de trabalho, são algumas das outras reivindicações.
A gerência da Alumar/Alcoa tentou impedir a greve dos Metalúrgicos através da Justiça. A decisão liminar prolatada pelo Juízo da 2ª Vara do Trabalho determinou que os trabalhadores não bloqueassem a BR 135 – decisão que os trabalhadores sempre cumpriram, pois em nenhuma das paralisações qualquer trecho da BR foi bloqueado - mas que utilizassem de todos os meios legais para reivindicar melhores salários e condições de trabalho.
    A diretoria do Sindmetal informa que os movimentos paredistas continuarão até que a Alumar/Alcoa se posicione propositivamente acerca do reajuste salarial dos trabalhadores.
Da Assessoria do Sindmetal

Mateus se prepara para ir além do Norte e Nordeste

Pedro Carvalho, enviado a São Luís

    Algo que chama a atenção nas ruas de São Luís (MA), além dos muitos buracos, é a quantidade de carros novos. Várias concessionárias abriram as portas na cidade recentemente, para atender a uma população que comemora um expressivo aumento de renda. Uma exceção é o empresário Ilson Mateus, 48. O maior varejista do Maranhão, com 22 supermercados, 10 mil funcionários e faturamento anual de R$ 2,3 bilhões dirige um Gol branco 1.0 sem ar-condicionado e com quatro anos de uso. Mas seu negócio vai pegar a estrada – o Grupo Mateus, que passa por auditoria para receber investimento de fundos de capital, vai inaugurar filiais este ano no Pará e no Tocantins.
Crescimento apoiado no consumo da classe C: “Nosso plano vai além de Norte e Nordeste”

    Ilson chegou morar na rua quando criança, depois engraxou sapatos e trabalhou como garimpeiro em Serra Pelada, mas foi salvo da miséria por um agudíssimo instinto de comerciante. Tinha apenas 19 anos quando colocou 70 caixas de refrigerante numa Chevrolet A10 e saiu à caça de mercadinhos do sul do Maranhão. Em menos de um ano, juntou dinheiro para comprar a segunda caminhonete. “Sempre investi tudo que ganhei no próprio negócio”, conta – o que ajuda a explicar o fato de não dirigir um carrão hoje. Numa época (ainda mais) difícil de virar empreendedor no Brasil, em 1986, Ilson inaugurou a mercearia de 50m2 que daria origem ao Grupo Mateus.
    O faro de varejista fez o empresário passar ileso por planos econômicos que levaram muita gente a perder dinheiro – na verdade, os lucros dele cresceram nessas épocas. “Quando a inflação era aquela loucura, eu vendia 100 latas de óleo de manhã e fechava o mercado, para poder comprar 110 latas à tarde”, conta. “Também pagava mercadoria com cheque sem fundo no Alto Parnaíba, onde iam demorar 40 dias para descontar e dava tempo de vender as coisas.” Nem o Plano Collor foi problema. “O povo sentiu que ia ter algum congelamento e colocou tudo na poupança, porque não acreditava que mexeriam nela. Eu comprei tudo em mercadoria”.
    Por fim, Ilson construiu um império. O Mateus tem 52% do mercado maranhense e é um dos maiores grupos de varejo e distribuição do Norte e do Nordeste brasileiro. Em São Luís, tem três vezes mais lojas que Carrefour e Wal-Mart somados. (O primeiro, com a bandeira Atacadão, possui só uma filial na capital maranhense; o segundo tem seis, com a rede Bom Preço.) “A gente consegue sentir a temperatura dos bairros mais promissores antes, por causa de nossa distribuidora”, explica Mateus. “Assim, dominamos as regiões primeiro e não deixamos eles avançarem.”
    Após inaugurar cinco lojas no ano passado – três delas no mesmo dia, para causar impacto –, o empresário anuncia ao iG que vai abrir mais seis em 2011 e outras 12 no ano que vem. E, depois de 25 anos no ramo, o grupo sairá do Maranhão. Em Palmas, capital do Tocantins, Ilson já adquiriu dois terrenos e deve começar a construir em breve. No Pará, ele vai atacar uma área praticamente virgem de concorrentes, no sul do estado. E não deve parar nisso. “Nosso plano vai além de Norte e Nordeste”, adianta.
    Dinheiro para isso não deve faltar. Primeiro, a empresa está capitalizada – as vendas cresceram 56% em 2010, 44% em 2009 e 26% em 2008. Além disso, ela está na mira de fundos de investimento, interessados em adquirir 15% do negócio, avaliado no total em cerca de R$ 1,6 bilhão. Normalmente, isso permite pagar parte do endividamento bancário de uma companhia, o que exclui os juros do balanço mensal. O Grupo Mateus passa agora por auditoria da Ernst&YoungTerco para viabilizar o aporte.
    Para os especialistas, a aposta de Ilson parece correta. “O consumo dos segmentos emergentes vem se mostrando o que mais tem dado retorno, enquanto os segmentos luxo e médio já mostram certa saturação”, explica Marcos Gouvêa, sócio da GS&MD, uma consultoria especializada em varejo. “Isso deve continuar e ser a tendência mais marcante dessa década”, afirma. Segundo pesquisa divulgada essa semana pela Associação Paulista de Supermercados, as classes D e E consumiram 16% a mais em 2010, com relação ao ano anterior – nas classes C e A/B, o aumento foi de 13%.
    Enquanto sua rede atinge cifras dignas de multinacional, Ilson segue andando de carro popular e morando em um apartamento alugado por R$ 1.400 na capital maranhense. “Rapaz, esse carro resolve a minha vida, então não penso em comprar outro, não”, informa. “Quando a gente sabe o que é passar necessidade, dá valor a cada centavo”. Perguntado sobre luxos com os quais aceita gastar, ele diz apenas que gosta de pescar. “Às vezes vou a uma fazenda de um amigo, no rio Xingu, onde dá tucunaré de dez quilos”. Mais do que sovinice, parece ser estratégia de negócios. “Não tenho um dólar no exterior, não tenho fazenda, nada – aplico tudo no grupo”.
Assista Ilson Matreus falando sobre mercado varejista e expansão aqui
Do IG

Aumento de gasolina em Codó (MA) desmente Lobão

Dia do Orgasmo é suspenso em Esperantina, no Piauí

Era para ser uma festa de puro prazer já que nesta segunda-feira,9, foram completados os dez anos de existência do Dia do Orgasmo em Esperantina, uma cidade de 48 mil habitantes e a 186 quilômetros de Teresina (PI).
    A festa não aconteceu porque o prefeito da cidade, Jânio Aguiar (PSB), disse que apesar da comemoração do Dia do Orgasmo estar prevista por lei aprovada pela Câmara dos Vereadores e promulgada pelo prefeito da época , Felipe Santolia (DEM), este ano a Prefeitura está enfrentando dificuldades financeiras, tem que socorrer 90 famílias atingidas pelas enchentes, e vive uma instabilidade jurídica por não saber até quando fica no cargo já que assumiu no dia 13 de abril, após a cassação do prefeito Francisco Antônio (PT) por abuso do poder econômico e social.
    O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que cassou Francisco Antônio no dia 28 de março determinou a posse do presidente da Câmara dos Vereadores, Jânio Aguiar, mas ainda não marcou a data das novas eleições.
    “Eu concordo com o Dia do Orgasmo, vinham muitos médicos e especialistas dar palestras sobre saúde, sexualidade e prazer e a população já estava se esclarecendo sobre um tema que é tabu, mas não temos dinheiro e precisamos cuidar dos alagados”, falou Jânio Aguiar.
    O advogado, ex-vereador de Esperantina e autor do projeto de lei que criou o Dia do Orgasmo, Arimatéia Dantas, afirmou que a comemoração, no dia 9 de maio, sempre foi polêmica.
    “A polêmica deste ano é o que a Prefeitura de Esperantina esqueceu de comemorar o Dia do Orgasmo. Já tinha acertado tudo sobre a comemoração com o prefeito Francisco Antônio este ano e como já é um evento oficial da Prefeitura Municipal viajei para a Europa. Quando voltei, Chico Antônio estava cassado”, declarou Arimatéia Dantas, que foi vereador de Esperantina de 1996 a 2000, pelo PT.
    Ele recorda que apresentou o projeto de criação do Dia do Orgasmo em 2000, não foi reeleito,mas a Câmara dos Vereadores aprovou o dia 19 de maio como o Dia do Orgasmo. Lembra que o Dia ganhou fama há oito anos quando aproveitou o programa do ex-presidente Luiz Lula da Silva, o Fome Zero para criar o slogan “Fome Zero, Orgasmo Dez”.
Do Meio-Norte

Planalto intervém para conter crise na pasta da Cultura

O governo decidiu intervir no Ministério da Cultura para tentar controlar o bombardeio sofrido pela titular da pasta, Ana de Hollanda.
    Com o apoio do PT, escalou uma "interventora" para o órgão com o objetivo de represar a disputa política e evitar que a situação chegue ao ponto em que a presidente Dilma Rousseff se veja obrigada a demitir a ministra.
    A secretária nacional de Cultura do PT, Morgana Eneile, foi nomeada assessora especial da ministra com a missão expressa de ajudá-la a debelar a crise e construir uma agenda positiva.
    Eneile apoiou a indicação de Hollanda para o ministério, em dezembro passado.
    A ministra tornou-se alvo de críticas por várias razões.
    Ela quis rever a reforma na lei de direitos autorais prometida por seu antecessor, Juca Ferreira, e suspendeu o pagamento de convênios com indícios de irregularidades.
    Também eliminou do site do ministério o selo "Creative Commons", licença para uso livre de conteúdo na internet.
    Em outra frente, fragilizou-se entre os petistas. Provocou isso ao cancelar a nomeação do sociólogo Emir Sader para presidir a Fundação Casa de Rui Barbosa, depois que ele declarou em entrevista à Folha que a ministra era "meio autista".
    Todos esses episódios, somados ao uso de diárias de viagem em finais de semana sem agenda oficial, transformaram Ana de Hollanda na mais frágil residente da Esplanada dos Ministérios.
    Dilma autorizou a operação para salvar sua auxiliar, mas espera que ela dê demonstrações de que consegue neutralizar os ataques.
    "Ela está sob uma guerra psicológica pesada", disse ontem o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral).
     "A posição no Planalto é de apoio e respaldo a ela. Agora, tudo depende dela e da capacidade de sua equipe de cerrar fileiras em sua defesa."
CHORO
    Em encontro com lideranças do PT ontem em São Paulo, Ana de Hollanda deu sinais de fragilidade.
    Observada da plateia por Morgana Eneile, que estava com outros assessores, ela chorou no início de sua fala, pediu desculpas e disse que estava emocionada. Gaguejou ao explicar a estrutura da pasta e lamentou não ter tempo para responder perguntas.
    Brevemente, comentou a crise: culpou a imprensa por publicar "intrigas" e afirmou em seguida: "Meus companheiros estão comigo".
    Para interlocutores de Dilma, Ana de Hollanda sofre uma das campanhas mais "sórdidas" já protagonizadas por um ministro em apenas cinco meses de gestão.
    No Planalto, o ex-ministro Juca Ferreira é visto como um dos interessados no enfraquecimento da sucessora, após ter feito intensa campanha para seguir no comando do ministério. A Folha não conseguiu localizá-lo para comentar o assunto.
    Para demonstrar que, por enquanto, ela conta com a retaguarda do Planalto, Gilberto Carvalho visitará a colega amanhã. Nas palavras de um interlocutor da presidente, quando um técnico tira um jogador de campo antes do fim do primeiro tempo, é porque errou na escalação. Ou seja: por ora a demissão não interessa ao Executivo.
    Dilma, contudo, não pretende segurar Ana de Hollanda a qualquer preço.
Da Folha de S. Paulo

Voos entre São Luís e Milão (IT) começam a partir do dia 15

    Com tarifas a partir de 690 euros (ida e volta), a companhia Blue Panorama Airlines começa a operar no Nordeste do Brasil a partir do dia 15 de julho. A proposta das rotas liga São Luís, no Maranhão, e Fortaleza com Milão, na Itália.
    A partir da próxima semana, as passagens estarão disponíveis para a venda. Os voos terão frequência semanal, partindo toda sexta-feira, a partir da segunda semana do mês de julho.
Diálogo
    O principal objetivo da parceria é aumentar o diálogo turístico com os italianos, e de estabelecer e fortalecer relações comerciais entre o Brasil e a Europa.
    Para o vice-residente comercial da Blue Panorama Airline, Francesco Veneziano, essa relação com o Nordeste é muito importante. Para ele, a criação de um voo direto é relevante não apenas para trazer turistas para as cidades nordestinas, mas também o oposto. "Nós também queremos levar o brasileiro para conhecer a Itália", afirma.
Copa 2014
     A criação desse voo está dentro dos esforços estruturais para a Copa do Mundo de 2014, com a meta de inserir São Luís na rota do turismo internacional. Dessa maneira é forte a parceria com Fortaleza, um dos portões de entrada de turistas mais movimentados do país.
    O voo direto foi oficializado na apresentação do Conselho Gestor que está a frente da festa de 400 anos da capital maranhense. Durante a solenidade, o prefeito da cidade assinou o 1º Protocolo de Intenções de Viabilização com as empresas Blue Panorama Airlines, como primeiro presente a São Luís pelos seus 400 anos.
Outros voos
    Além desse, Fortaleza conta também com outros voos diretos internacionais regulares: A TAP, para Lisboa (Portugal), a Iberia para Madri (Espanha) e a TACV para Cabo Verde, no continente africano.
Com informações do Diário do Nordeste

Manchetes dos jornais

Maranhão
AQUI-MA - Atrás das grades
JORNAL PEQUENO - João Castelo pede ao MP que apure vazamento de suposto relatório
O ESTADO DO MARANHÃO -OGX vai procurar mais gás e petróleo em bacias do MA
O IMPARCIAL - Movimento no aeroporto tem aumento de 42,9%
Nacional
CORREIO BRASILIENSE:A ladainha do consumidor - Devo, não nego. E Vou gastar mais
FOLHA DE SÃO PAULO:Depressão e álcool tiram mais anos de vida do brasileiro
O ESTADO DE MINAS:Governo joga duro com os médicos dos planos
O ESTADO DE S. PAULO:Governo quer abater dívida rural de quem reflorestar
O GLOBO:Inflação faz governo pressionar Petrobras a baixar a gasolina
VALOR ECONÔMICO:Tesouro quer limitar gastos com custeio administrativo
ZERO HORA:Metade das cidades gaúchas ignora o Código de Trânsito
Regional
DIÁRIO DO PARÁ:CTBEL confirma reajuste do ônibus
JORNAL DO COMMERCIO:Recife vai derrubar casas em área de risco
MEIO-NORTE:
O POVO:Polícia prende homem com 320 cartões clonados