29 de set de 2010

Coordenador de campanha de Roseana apoia arremedo do "Minha Casa Minha Vida"

Bandeira da candidata fincada no assentamento
     Filiado ao DEM, partido que Lula quer extinguir, o coordenador de campanha da governadora Roseana Sarney (PMDB) e prefeito licenciado de São José de Ribamar, Luiz Fernando Silva, para "bombar" a votação da aliada no município vai na contramão do lema "Minha Casa, Minha Vida" de Dilma Roussef.
     Despejadas do local em março do ano passado por força policial, desde o início de setembro inúmeras famílias retornam ao loteamento Costa do Atlântico rebatizado pelos ocupantes de Cidade Nóva (sic). O loteamento fica a menos de dois quilômetros das praias Ponta Verde e Panaquatira, polos turísticos de São José de Ribamar.
     Sem água encanada, mas contando com a complacência da Cemar, os assentados se multiplicam de dia e à noite.

Policiais cumprem ordem judicial despejando famílias

     Na manhã de terça-feira vários automóveis particulares eram vistos no local. A poucos metros da rodovia que leva até a praia do Panaquatira, uma bandeira tremula por força da brisa com a estampa da candidata ao governo. O material de campanha é o salvo-conduto das famílias de ocupantes do loteamento reclamado pela família Cutrim, de políticos ligados ao prefeito licenciado.

     Carros de som com voz de sermão gravada por Luiz Fernando percorrem desde as primeiras horas da manhã as ruas do município. Ele pede voto para os aliados do partido da base de apoio a Dilma e também para oponentes do petista, e quase extirpados Nice Lobão e Max Barros, ambos do DEM. A eles, o prefeito credita as obras realizadas no município.
     Desde a semana passada Luiz Fernando desapareceu da coordenação de campanha da filha do Senador José Sarney (PPMDB-AP). Deu lugar a Hildon Rocha. Junto com o vice, Gil Cutrim, filho do presidente do TCE-MA e sobrinho do presidente do TRE-MA, inaugurou um parque botânico e entregou outras obras a pretexto da comemoração do aniversário da cidade.
     Por conta desse clima de tudo vale, o padre recém chegado à cidade modificou uma tradição secular da procissão do santo padroeiro no domingo passado, levando os fiéis a percorrer a cidade à noite.

Carta-denúncia do Forum Estadual pela Erradicação do Trabalho Escravo no Maranhão

     As entidades que compõe o FOREM – FORUM ESTADUAL PELA ERRADICAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO NO MARANHÃO, abaixo citadas, por decisão unânime no último Encontro da entidade, realizado nos dias 27 e 28 de agosto do corrente ano no município de Açailândia-MA, vem a público denunciar que a implantação dos CRDHs – Centro de Referência em Direitos Humanos no Estado do Maranhão, mais especificamente nos municípios de Açailândia e Imperatriz, não passam de uma estratégia político-eleitoreira da governadora Roseana Sarney para tentar se reeleger, fato que implica na distribuição de cargos a possíveis cabos eleitorais, beneficiamento seus apadrinhados com aluguéis de prédios particulares.
     Esclarecemos: o FOREM é uma organização que congrega e articula entidades dos movimentos sociais. Desde sua fundação em 2004 luta pela erradicação do trabalho escravo no Estado do Maranhão. Conseguiu estabelecer uma rede, envolvendo associações, sindicatos, pastorais sociais, centros de defesa, fóruns sociais, entre outros organismos sociais, fortalecendo a luta contra o trabalho escravo no Estado.
     Atuamos em favor das classes sociais pobres e excluídas de toda e qualquer política pública, pela ausência do Estado que, comprometido com os grandes empreendimentos econômicos, acabou por expulsar milhares de famílias do campo, rumo às cidades gerando assim todo tipo de mazelas sociais, principalmente o trabalho escravo, um dos mais perversos crimes praticados contra a dignidade humana.
     Fomos obrigados a escrever esta carta-denúncia, face aos descasos praticados no atendimento daqueles e daquelas que buscando ser atendidos nos CRDHs de Açailândia e Imperatriz e não tiveram um pronto atendimento. Assim se viram obrigados a procurar apoio junto aos organismos da sociedade civil, como se estes tivessem a função dos órgãos de Estados.
     Repudiamos a forma como os CRDHs têm atuado, ou melhor, deixado de atuar, haja vista os recursos destinados para sua finalidade, como bem diz o deputado estadual Davi Alves Silva Júnior em seu site: "são 2 milhões de reais de Emenda Parlamentar de sua autoria disponibilizados para equipar os Centros de Referências em Direitos Humanos no Estado do Maranhão e comprar veículos que ajudarão no transporte de pessoas com necessidades especiais; e no atendimento, orientação jurídica e psicossocial de 120 mil pessoas”.
     Entretanto, há muito que se questionar. Pois,na condição de parlamentar o dever deste deputado é fiscalizar o que está sendo feito com este dinheiro, afinal é dinheiro público. Esse dinheiro não passa de recursos públicos empregados de maneira irregular, já que não atende as diretrizes apresentadas pelo deputado.
     O precário financiamento das atividades sociais desenvolvidas pelos organismos sociais e a criminalização que sobrecai sobre os mesmos impossibilitam a continuidade de suas ações. Enquanto isso, nesses espaços públicos, a água e a energia são cortados por falta de pagamento, servidores contratados têm dificuldade de receber seus salários. E, pior ainda, se presta um desserviço às vítimas de violação de direitos.
     Questionamos às autoridades públicas: "Se há todo esse dinheiro disponível, por que um órgão de Estado que se entende como 'referência em direitos humanos' causa esses transtornos sociais e viola acintosamente os direitos de seus próprios servidores?
     Na certeza de que providências serão tomadas apresentamos às autoridades públicas, indignados votos de protestos, uma vez que não se pode brincar de fazer políticas públicas, principalmente quando se trata da escravização do ser humano.
Associação de Cultura Negra de Pedreiras-MA
Centro de Defesa da Vida e dos D. Humanos de Açailândia-MA
Centro de Defesa da Vida e dos D. Humanos de Bom Jesus das Selvas-MA
Centro de Defesa da Vida e dos D. Humanos de Santa Luzia-MA
Centro de Defesa de Santa Quitéria-MA
CPT – Comissão Pastoral da Terra/MA
Fórum Carajás
Fórum do Turi
Fórum Estadual Pela Moradia – Pindaré Mirim-MA

STF extingue recurso de Joaquim Roriz

     Diante da renúncia de Joaquim Roriz a sua candidatura ao governo do Distrito Federal, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) acaba de declarar extinto, sem análise de objeto, o Recurso Extraordinário (RE) 630147. O recurso foi ajuizado na Corte pela defesa de Roriz.
     Votaram pela extinção do feito sem a análise do objeto do recurso os ministros Marco Aurélio, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ellen Gracie, Celso de Mello e o presidente, ministro Cezar Peluso. Pela prejudicialidade do recurso, por perda superveniente do objeto votaram, os ministros Cármen Lúcia, Carlos Ayres Britto, Ricardo Lewandowski e Joaquim Barbosa.
     Os ministros declararam, ainda, que o reconhecimento da repercussão geral da matéria fica mantido, valendo para quaisquer outros recursos que versem sobre a constitucionalidade da Lei Complementar (LC) 135/2010 – a chamada Lei da Ficha Limpa.
     O objeto do recurso era o deferimento do registro da candidatura de Roriz ao cargo de governador do Distrito Federal. Na sexta-feira passada, após a interrupção do julgamento, Joaquim Roriz desistiu da candidatura.
Do STF

Lei Seca ainda não foi decretada no Maranhão

     O Maranhão está entre os estados que ainda não adotaram a lei seca durante o dia do primeiro turno das eleições;  próximo domingo, 3 de outubro.
     Em alguns estados a lei que proibe a venda e consumo de bebidas alcoólicas em locais públicas não vigorará. São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Bahia não adotam a abstenção alcoólica forçada. Vai valer no Distrito Federal, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Acre e Roraima.
     No Tocantins, Roraima e Mato Grosso dependerá do juiz eleitoral em cada município.

A prefeitos do MA, Sarney pede apoio para Roseana em "semana nervosa"

ELVIRA LOBATO
ENVIADA ESPECIAL AO MARANHÃO
     Embora diga que acompanha o pleito no Maranhão apenas como espectador, o ex-presidente e senador José Sarney (PMDB-AP) mergulhou de cabeça na campanha para reeleger a filha, Roseana, governadora do Estado.
     Em almoço fechado com dezenas de prefeitos anteontem, ele disse enfrentar uma das eleições mais importantes de sua vida e atacou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB.
      "O Fernando Henrique Cardoso não mandou um tostão para o Maranhão", disse Sarney, após alinhar todas as obras que realizou no Estado, ou para as quais viabilizou recursos, em seus mais de 40 anos de vida pública.
     O presidente do Senado convocou os prefeitos a buscar votos para Roseana nos próximos dias, que ele definiu como a "semana nervosa". Pesquisas locais de intenção de voto apontam para um segundo turno.
     O encontro foi organizado por Ricardo Murad, cunhado de Roseana, ex-secretário de Saúde e candidato a deputado estadual. Ele discursou antes de Sarney e pediu empenho dos prefeitos para impedir a "zebra".
    O encontro era fechado, mas um dos participantes gravou o discurso.
     Sarney, que se elegeu governador do Maranhão pela UDN, em 1965, (início do governo militar), disse que começou sua vida política no tempo da lamparina e listou as mazelas daquela época, para destacar seus feitos e os de Roseana.
     Segundo ele, o Maranhão era muito pobre, paupérrimo. Os presos ficavam amarrados a troncos porque não havia cadeias.
     Disse que sem as obras dele e as de Roseana, o Estado do Maranhão não teria nada.
     Sarney falou da sintonia de Roseana com Lula e Dilma, disse que ela "fascina o povo" e Brasília.
Da Folha de S. Paulo

Lula diz que Obama o chamaria hoje de "o cara do cara"

     Durante o evento de comemoração dos 60 anos da refinaria Landulpho Alves – Mataripe, em São Francisco do Conde (Bahia), o presidente Lula afirmou que terminará o mandato com mais de 80% de popularida. Lula disse ainda que, caso Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, soubesse dos seus índices de popularidade hoje, diria que ele “é o cara do cara”.
     "O Obama disse há dois anos que eu era o cara. Mas ele ainda não conhecia as pesquisas que estão saindo nesses dias. Nós vamos terminar o mandato com mais de 80% de aprovação, de bom e ótimo. Se colocar regular, vamos chegar a 96%. Ele iria falar: 'pô, não é que esse cara é o cara do cara?', declarou.
Da Folhaonline

Segundo via do título pode ser retirada até amanhã

     Aqueles que desejam retirar a segunda via do título de eleitor tem até amanhã, quinta-feira (30), para solicitar o documento na Central de Atendimento ao Público do Tribunal Regional Eleitoral (TRE).
     O atendimento ocorre das 8h às 18h e a segunda via é fornecida na mesma hora. É importante ressaltar que este ano é obrigatório, no momento da votação, apresentar o título de eleitor e um documento com foto.
     Para quem tirou o documento nos SACs, as unidades farão plantão no sábado – 8h às 17h – e domingo – 8h às 15h – para entrega dos títulos. Segundo o TRE, já foram impressas 70.775 segundas vias do título de eleitor desde o dia 6 de maio.

Marcos Silva se destaca no debate da TV Mirante entre candidatos ao governo do estado


     O candidato do PSTU, Marcos Silva, se destacou durante o debate da TV Mirante na noite de terça-feira, 28, entre os cinco candidatos ao governo do Maranhão. Silva, que tenta pela quarta vez chegar ao Palácio dos Leões desde o primeiro bloco do debate mostrou segurança e transparência em suas explanações sobre problemas do estado e programa de governo.
     Na antítese esteve a governadora Roseana Sarney (PMDB) que se assemelha a Silva na tentativa de chegar ao quarto mandato.
     Como uma senhorinha por várias vezes a aliada de Lula pediu respeito, demonstrando distanciamento com a função pública diante das críticas verdadeiras encetadas pelo também socialista Saulo Ancângeli, candidato do PSOL.
      "Isso é uma inverdade", iniciou sua fala a governadora ao dar resposta ao pedetista Jackson Lago sobre a paralisação do PAC-ANIL. Em seu programa de governo promete acelerar o projeto, iniciado em 2008 com menos de 20% das obras concluídas após modificação do projeto original.
     O candidato do PCdoB, Flávio Dino, no segundo bloco do debate tirou a muleta de Roseana, sublinhando a declaração da mesma de que quem faz as coisas no Maranhão é o presidente Lula através dos programas do governo federal. "O governo federal faz e a senhora bota a placa", alfinetou Dino.
     Roseana reconheceu que teve como aliado o presidente tucano Fernando Henrique Cardoso. "Na época de Fernando Henrique ele não olhava para o Maranhão como Lula olha hoje. Fui sua aliada, mas hoje posso dizer isso", rebateu a filha do senador José Sarney (PMDB).
     O modelo de governo proposto pela peemedebista foi consensual entre os outros candidatos. "A ideia dos grandes projetos, governar para os grandes, levando ao abandono a população" eis o rótulo do modelo.
     "O Maranhão é um estado pobre. Está situado na região mais pobre do país, que é o nordeste brasileiro. Assim como o Brasil que é um estado pobre", justificou a governadora diante da acusação de Flávio Dino sobre a responsabilidade do grupo político a que ela pertence sobre o estado de pobreza do estado.
     Roseana transferiu para o governador Pedro Neiva de Santana a autoria da Lei da Terra, processo de ocupação do território maranhense por estrangeiro desencadeado no governo Sarney.
     A governadora reclamou do retrovisor usado pelos candidatos da oposição. Por outro lado, puxou para si a autoria de projetos como a Ferrovia Norte-Sul, e o polo agroindustrial de Balsas.
     "Há uma torcida no Brasil para que o Maranhão se liberte da oligarquia de uma família", frisou Marcos Silva, sugerindo que a direção do governo seja entregue aos conselhos populares. "Só os trabalhadores organizados podem livrar esse estado domínio de uma família", concluiu.
     Saulo Arcangeli desferiu acusações contra os ex-governadores e o Flávio Dino. Emparedou o comunista na questão da saúde em Caxias, quando citou seus laços políticos com o prefeito de Caxias e proprietário de fundação de saúde, Humberto Coutinho. A questão levantada deixou Dino titubeante. Arcageli responsabilizou o pedetista Jackson Lago por inflar a especulação imobiliária na região das praias com a modificação do Plano Diretor que beneficiou construtoras. "Infelizmente o senhor não soube planejar a cidade de São Luís", afirmou o candidato do PSOL.
     A borduna na candidata da coligação "O Maranhão não pode parar" veio através de Marcos Silva já no quarto bloco. Ao indagar sobre um sentimento de remorso que poderia ter acometida a filha do senador José Sarney ao privatizar o BEM e a Cemar obteve a resposta de que a empresa de energia foi vendida para que o governo pudesse fazer os Vivas.
     No mesmo diapasão tratou a questão da cultura citando o descaso com a Biblioteca Pública Benedito Leite, fechada desde o início da terceira gestão de Roseana Sarney. Enfim, apesar de morno o debate - o único da campanha- procurou sede em todos, tanto candidatos como eleitores. Pena que no portal do Sistema Mirante de Comunicação não foi postado nem um compacto do debate.

Algumas ideias de Marcos Silva
Sobre Segurança
"Lamentavelmente parte de nossos jovens e mulheres e são jogados a drogas, ao desemprego, sem esperança no futuro em função da situação social que vive nosso estado. Um estado que deixa mais de 19% da população com mais de 15 anos sem saber ler ou escrever, é um estado que sem dúvida alguma trata de forma perversa"

Sobre desenvolvimento econômico
"Nosso estado tem muitas riquezas naturais. Sem dúvida nenhuma há uma grande quantidade de água, de recursos naturais e uma população com muita vontade de trabalhar. Ele precisa de um processo de desenvolvimento econômico. Historicamente nosso estado tem se vinculado aos grandes projetos. Primeiramente no final da década de 60 quando o governador José Sarney aplicou no Maranhão a lei da terra, trazendo grandes empresários para tomar conta das terras, expulsando o homem do campo. A segunda questão passa pelo processo de liquidação de empresas, feita exatamente pelo FHC e pela ex-governadora Roseana Sarney. Esse processo vai de 95 até 2002. Liquidaram toda a agricultura, a Copema, privatizaram o Banco do Estado e a Cemar, fazendo com que nossa economia reduzisse e que o nosso povo ficasse no desemprego".

Sobre a Lei da Terra
"Na verdade a candidata foi mal orientada pelo Duda Mendonça traz uma questão que não é o Marcos Silva que afirma isso, porque na verdade eu era apenas uma criança na época. Mas a senhora pode pegar os estudiosos, pesquisadores da Universidade Federal do Maranhão - Wagner Cabral e Fátima Gonçalves-que vão demonstrar quando foi esse processo em 69 através da Lei da Terra que criou a violência no Maranhão através do latifúndio.
Desenvolvimento econômico também o Marcos Silva não ensinou para ela. Desenvolver economia significa gerar alimentos, no setor primário, com incentivo à agricultura. Da mesma forma no setor secundário, industrializar o nosso estado. Não como a Kao I de Rosário, que não deu certo, mas trazer indústria de calçados, vestuários e de alimentação. “Assim você constrói uma economia forte, baseada na pequena e média produção”.

Manchetes dos jornais

ATOS E FATOS - Complicou: Dilma cai em todas as faixas e eleição pode ir ao 2º turno
JORNAL PEQUENO - Roseana é alvo de críticas e fica na defensiva no debate da TV Mirante
O DEBATE - Dilma não tem vitória garantida no primeiro turno
O ESTADO DO MARANHÃO - Debate deu o tom final da campanha para o governo
O IMPARCIAL - Eleições 2010: 2 Pesquisas, 2 Turnos, 2 Apostas

Roseana é alvo dos candidatos da oposição

EUGÊNIA LOPES - Agência Estado
     Líder nas pesquisas de intenção de voto, a atual governadora e candidata à reeleição do governo do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), foi o alvo dos dois principais candidatos de oposição que disputam a corrida estadual.
     Tanto Flávio Dino, do PC do B, como o ex-governador Jackson Lago, do PDT, tentam levar a eleição no Maranhão para o segundo turno. Para se defender das acusações que seu grupo político, apesar de comandar há décadas o Maranhão, não fez nada pelo Estado, Roseana se valeu de seu cabo eleitoral, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
     "Há dez anos não tínhamos o Lula como presidente", disse a governadora. Ela aproveitou ainda para renegar sua parceria com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. No período em que foi governadora, entre 1996 e 2004, Roseana foi aliada do tucano. "O Fernando Henrique não olhava para o Maranhão como o Lula olha", alegou.
     O debate entre cinco candidatos ao governo maranhense foi morno. Os candidatos do PSOL, Saulo Arcangeli , e do PSTU, Marcos Silva, atacaram todos os candidatos. Do lado de fora da repetidora da TV Globo do Maranhão, que pertence ao grupo Sarney, foi montado um forte esquema de segurança, que teve até tropa de choque da Polícia Militar. Centenas de partidários de Flávio Dino e Roseana Sarney tomaram conta das ruas ao redor da televisão.
De oesatadao