4 de set de 2010

Diretora de escola do estado impede alunos de acessar laboratório de informática em Mata Roma

     A história não é escrita por pessoas com espírito "em branco", já afirmava John Reed (1887-1920), jornalista norte-americano engajado que testemunhou a revolução comunista bolchevique que deu início à extinta União da República Socialista Soviética, URSS. A afirmativa e os dados citados podem ser conferidos através do google. Menos pelos estudantes do Centro de Ensino Oliveira Roma, na cidade de Mata Roma.
     Na escola da rede estadual de ensino, no momento com atividades paralisadas, existe um laboratório de informática inacessível aos alunos matriculados nos três turnos do estabelecimento.
     Olga é a diretora da escola localizada na rua Comandante Renato Archer que não tem sobrenome Benário (ver google), mas possui costa quente bastante para tratar o laboratório como joia particular. Segue a cartilha da chefe maior. Só os professores mais chegados à bajulação, diríamos sem errar, têm acesso aos computadores.
     Algo normal e conforme os ditames dos compêndios da revolução apregoada pela mandatária do Palácio dos Leões.
     Pior ainda é o fato de ter os alunos que buscar as lan houses - três ao todo na sede do município - para realizar pesquisas exigidas pelos mestres.
     Diante desse universo de opções, o preço por hora de navegação ou utilização das máquinas fica em R$ 2,00, o mais caro da região.
     Os estudantes querem reclamar, mas não tem pra quem. Sabem que a diretora da Regional pertence ao grupo de reverentes à filha do senador.
     Sem acesso à internet - uma meta que Lula vende como universalizada em seu governo no país - os alunos de Mata Roma ficam à mercê da comunicação prosaica que tenta confundir o ambiente atual do Maranhão com Petrogrado no início do século passado na Rússia antiga.
    Falta a Ancelmo Raposo, secretário de Estado da Educação, adotar a barba ou o bigode à la Trotski, Stalin ou Lenin. Cabe a ele optar. Assim, quem sabe, mais tarde seu nome aparecerá no wikipédia, ao lado de figuras  como Roseana Sarney, "a vermelha", que já foi chamada pelos petistas de "a branca".

Humoristas temem autocensura após suspensão de lei

     Mesmo depois do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Ayres Britto ter suspendido a norma que proibia programas humorísticos de fazerem piadas com os candidatos das próximas eleições, a situação deve demorar um pouco para voltar ao normal.
     É o que assinala Marcelo Tas, jornalista e apresentador do programa CQC. "O problema é que rola um sintoma pós-traumático", afirmou. Tas ainda disse que o efeito intimidatório faz com que todos, “do repórter ao editor”, acabem se autocensurando por medo que suas ações acarretem uma multa à empresa. "É como quando você leva uma porrada no futebol ou quebra um braço e tira o gesso. Fica com receio de bater de novo ali”, exemplificou o âncora do CQC.

TJ-MA se adequa à acessibilidade

     O pleno do Tribunal de Justiça aprovou alteração do controle de freqüência dos servidores em benefício dos servidores com dificuldade de locomoção.

     Os registro de início e encerramento da jornada de trabalho, que podem ser feitos entre 7 e 20 h, poderão ser alterados para facilitar o acesso dos servidores portadores de necessidades especiais.

Frase do dia

“Eu voto na Dilma por causa do Lula. Se eu estiver no céu e o Lula no inferno, eu pulo para o inferno. Sigo ele para qualquer lugar.”
Homem, adulto, da classe C, morador de Uberana, Minas, ouvido em pesquisa Eu voto na Dilma por causa do Lula. Se eu estiver no céu e o Lula no inferno, eu pulo para o inferno. Sigo ele para qualquer lugar.
No blog do Noblat

Manchetes dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO - ANP autoriza exploração de´gás na bacia de Barreirinhas
O IMPARCIAL - Começa exploração de gás nos Lençois