13 de out de 2010

Dilma Rousseff se irrita com repórter que pergunta se ela é homossexual

    A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, se irritou com um repórter em Teresina(PI), durante entrevista coletiva em que foi indagada sobre sua orientação sexual. "A senhora é homossexual?", perguntou o jornalista do PIauí. Com a voz alterada, Dilma disse que não responderia a esse tipo de pergunta porque sua orientação sexual não tinha nada a ver com o debate político.
    Ela participou de comício no início da noite na Avenida Marechal Castelo Branco, uma das principais de Teresina, acompanhada do presidente Lula e do governador Wilson Martins (PSB), candidato à reeleição com Sílvio Mendes (PSDB).
    Na entrevista concedida no Ceir (Centro Integrado de Reabilitação), serviço público que atende crianças, jovens, adultos e idosos com deficiência, a candidata respondeu perguntas sobre o aborto e casamento homossexual. Jornalistas de outros Estados também estavam no local.
    Dilma comprometeu-se mais uma vez em não enviar ao Congresso Nacional qualquer projeto de lei relacionado à legalização do aborto e do casamento de pessoas do mesmo sexo. A declaração da ex-ministra transparece um discurso mais cauteloso. A intenção é reverter o prejuízo político que ela sofreu quando líderes religiosos manifestaram-se contra sua candidatura, por acreditarem que Dilma é defensora das duas bandeiras.
    A petista disse que o Estado brasileiro é laico e, portanto, as opiniões das religiões devem ser respeitadas. Embora no passado a petista tenha declarado abertamente ser favorável às duas propostas.
Com informações do Portal Az

Frase de efeito

"A inteligência não pode ser desperdiçada em maquinar o mal, ainda que ele esteja presente e faça parte de nossa natureza".
Marina Silva (PV), ex-candidata a Presidência da República

Cleber Verde e Zé Vieira estão na "lista suja" dos rreleitos para Câmara

    Dois dos 13 deputados federais da bancada maranhense reeleitos nas eleições do dia 3 de outubro respondem a processo no Supremo Tribunal Federal: os deputados Cleber Verde (PRB) e Zé Vieira (PP).
    Os parlamntares apresentam pendências judiciais. Verde teve a reeleição cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral, TSE, no dia 7 de outubro. Foi alcançado pela Lei da Ficha Limpa. Ele recorreu da decisão.Ele responde a ação penal por crime contra a administração em geral, inserção de dados falsos em sistema de informações em processo de aposentadores quando era lotado no INSS.
    O bacabalense Zé Vieira responde por dois inquéritos, por crime de responsabilidade epeculato. Os processos datam deste ano.

Enrolados com a Justiça
Cleber Verde (PRB-MA) – reeleito*
Ação Penal 497 Crime contra a administração em geral, inserção de dados falsos em sistema de informações
Data de autuação: 05/09/2008
*O deputado teve sua reeleição cassada no último dia 7 pelo TSE com base na Lei da Ficha Limpa. Mas ainda cabe recurso.

Zé Vieira (PR-MA) - reeleito
Inquérito 2945 Crime de responsabilidade e peculato
Data de autuação: 14/04/2010
Inquérito 2943 Crimes previstos na legislação extravagante
Data de autuação: 13/04/2010

Ministro Gilmar Mendes é assaltado em Fortaleza

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes foi assaltado na noite desta terça-feira (12) quando caminhava no calçadão da avenida Beira-Mar, na praia do Náutico, em Fortaleza. Ele passaou o feriado na capital cearense e foi surpreendido por cinco bandidos que levaram o cordão de ouro do ministro. Os assaltantes fugiram.
    O ex-presidente do STF já foi vítima de um assalto no mesmo local, quando foi abordado por dois bandidos, no dia 29 de junho de 2008. Porém, há dois anos, o ministro estava acompanhado por três seguranças que o ajudaram.

Venda de mula em Junco do Maranhão não acata apelo preservacionista do presidente Lula

    No município com maior cobertura do programa Bolsa Família no país o comércio é aquecido pela venda de mula (cruzamento de jumento com égua).
    Em Junco do Maranhão, localizado à beira da BR-316, a 45 quilômetros da fronteira do Maranhão com o Pará, com 91,6% das famílias inscritas no programa carro-chefe do governo Lula, placas indicam a comercialização do animal. Cinco quilômetros da rodovia federal cortam a zona urbana do município ao meio.
    Segundo o IBGE em Junco do Maranhão existem 120 cabeças de mula e 80 motos. Algumas prestando serviço de mototáxi no posto construído pelo prefeito Mazin (Itamar de Araújo Pereira) pintado na cor verde, a mesma dos prédios públicos.
    Durante visita ao estado da Bahia em setembro deste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a preservação do jegue (jumento), animal típico do sertão nordestino que estaria desaparecendo por causa da explosão do consumo em seu governo.
    “A coisa que dá mais orgulho é que os caras estão trocando o nosso querido jegue por uma motocicleta. Estou até prevendo que, se continuar neste ritmo os jegues vão entrar em greve, vão construir um sindicato e a onde eu passar eles vão relinchar e vão dar coice”, soltou Lula na solenidade em que fez o apelo.
    A renda das 882 famílias do município que recebem o benefício oscila entre R$ 80 e R$ 200,00. Vai ser difícil ao comprador obter nota fiscal de venda da mula, já na cidade a prefeitura expediu apenas 29 alvarás este ano.
    A aprovação de Lula em Junco indiscutivelmente advém do programa. No primeiro turno das eleições, em 3 de outubro, a candidata do PT à presidência, Dilma Rousseff, obteve 2.410 votos, correspondente a 81,50% do eleitorado.
    A votação da presidenciável ficou bem próxima da governadora Roseana Sarney (PMDB), candidata à reeleição: com 2.338 votos, relativos a 79,12% do eleitorado do universo de 4.358 eleitores do município.
    Marina Silva recebeu no município pertencente à região do Gurupi, 5,31% dos votos. Somente 151 pessoas em Junco captaram a mensagem de sustentabilidade da candidata do Partido Verde.
    O Bolsa Família é a presença mais marcante do governo Lula em Junco do Maranhão. Há marcos menos perceptíveis da administração petista no município distante 480 quilômetros da capital maranhense. Um deles é a placa indicativa da construção de uma praça em uma das margens da rodovia federal. Com valor de R$ 86.126,75 a obra financiada pelo Governo Federal através do Ministério do Turismo e CAIXA não foi ainda iniciada.

A oposição tem Itamar e FHC. Sarney e Collor assombram o palanque de Dilma

Augusto Nunes
    No debate transmitido pela Band, José Serra brandiu por poucos segundos a arma que, acionada com firmeza e pontaria, liquidará de vez a aventura de Dilma Rousseff: o confronto entre os ex-presidentes que apoiam cada candidato. O palanque da sucessora que Lula inventou é assombrado por José Sarney e Fernando Collor. A campanha da oposição tem Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso.
    Sarney conduziu o país à falência com o Plano Cruzado, levou a inflação às nuvens e saiu do Planalto pela porta dos fundos. Fora o resto. Collor tungou a poupança dos brasileiros, conseguiu catapultar os índices inflacionários para o espaço sideral, apadrinhou uma quadrilha federal só igualada em gula e desfaçatez pelo bando do mensalão e foi despejado do Planalto por ter desonrado o cargo. Fora o resto.
    Obrigado a lidar com a verdadeira herança maldita, Itamar Franco resgatou a nação da UTI com o lançamento do Plano Real. Fernando Henrique sepultou a inflação para sempre, modernizou o país com a privatização de mamutes estatais, enquadrou os perdulários malandros com a Lei de Responsabilidade Fiscal e consolidou as diretrizes da política econômica que Lula, por instinto de sobrevivência, cuidou de manter intocadas. Com tamanho zelo que nomeou para o comando do Banco Central, em 2003, o deputado federal Henrique Meirelles, eleito pelo PSDB de Goiás.
    O Brasil, ensinou Ivan Lessa, esquece a cada 15 anos o que aconteceu nos 15 anos anteriores. E milhões de jovens nem conheceram o país atormentado pela inflação medonha e agredido pelo primitivismo das estatais devastadas pela inépcia e pela corrução. Alguns programas eleitorais e debates na TV bastarão para recordar aos amnésicos crônicos como foram os governos de Sarney e Collor — e descrever didaticamente para as novas gerações o inferno de que se livraram graças aos governos de Itamar e FHC.
    Collor e Sarney simbolizam o antigo, o coronelismo de terno e gravata, a roubalheira federal anabolizada pelo turbilhão inflacionário. Itamar e Fernando Henrique representam o país que pensa e presta. Dilma quer falar do passado? Seja feita a sua vontade. Os eleitores aprenderão que Lula, depois de malbaratar as safras plantadas pelos dois antecessores que apoiam Serra, pretende alojar no Planalto uma fraude que reverencia a dupla que arruinou o Brasil.
De Vejaonline

Braço da CNBB distribui panfleto anti-Dilma a fiéis

RODRIGO VIZEU
DE BELO HORIZONTE
    Um panfleto assinado por um braço da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) recomendando que fiéis contrários à legalização do aborto não votem no PT foi distribuído ontem, em Aparecida (SP) e Contagem (MG), antes e durante missas em homenagem ao Dia de Nossa Senhora Aparecida.
    O documento atribui posições pró-aborto ao PT, ao governo federal e, apesar de não citá-los nominalmente, ao presidente Lula e à presidenciável Dilma Rousseff.
    Trata-se do mesmo panfleto que já havia circulado entre fiéis durante o primeiro turno e no dia das eleições.
    O texto é assinado pelos bispos da Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, responsável pelo Estado de São Paulo.
    A seção é presidida pelo bispo de Santo André (SP), dom Nelson Westrupp. O conteúdo do panfleto também está publicado no site da regional da CNBB.
    Cerca de 150 mil pessoas estiveram ontem em Aparecida. Em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, cerca de 6.000 pessoas acompanharam a missa solene, pela manhã.
    A posição dos candidatos a presidente em relação ao aborto virou um dos temas principais da campanha, pautando debates entre Dilma Rousseff e José Serra (PSDB) e os programas de TV dos candidatos.
    O panfleto, datado de 26 de agosto, diz que Lula e Dilma assinaram o 3º Plano Nacional de Direitos Humanos, "no qual se reafirmou a descriminalização do aborto".
    A defesa da legalização é chamada de "política antinatalista de controle populacional, desumana, antissocial e contrária ao verdadeiro progresso do país".
    O texto afirma ainda que, no mesmo congresso em que deu "apoio incondicional" ao plano, o PT aclamou Dilma como candidata.
    Ao fim, o panfleto recomenda que os brasileiros "deem seu voto somente a candidatos ou candidatas e partidos contrários à descriminalização do aborto".
    Em Aparecida, policiais militares foram orientados a coibir qualquer tipo de panfletagem ao redor da Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Do lado de fora, no entanto, o documento era distribuído livremente.
"APENAS CATÓLICOS"
    Em Contagem, os quatro homens que distribuíram os papéis negaram receber dinheiro ou ter ligação com partidos ou grupos religiosos específicos, definindo-se como "apenas católicos".
    A CNBB divulgou uma nota oficial, em 16 de setembro, quando os primeiros panfletos foram distribuídos, afirmando que somente sua Assembleia Geral pode falar em nome da entidade.
    No último dia 8, a nota foi reiterada, em que "desautoriza qualquer decisão contrária à da Assembleia Geral, que não vetou candidatos ou partidos".
Da Folha de S. Paulo

Manchetes dos jornais

AQUI - MA - Romário bate-boca na Ilha
ATOS & FATOS - Serra reclama de ataques de Dilma Rousseff à sua família
JORNAL PEQUENO - Jackson Lago diz que coligação está unida para eleger Serra
O ESTADO DO MARANHÃO - Bancários podem encerrar greve hoje
O IMPARCIAL -  Greve dos bancários deve terminar amanhã