23 de jan de 2011

Roseana Sarney nomeia mulher do primo presa pela PF em suposta compra de voto



Silva Teixeira e Deco Soares, primo de Roseana, em Roma
    A desportista e médica (não necessariamente nesse ordem) Silvana Texeira em setembro do ano passado foi presa pela Polícia Federal por suspeita de estar trocando consulta por votos de candidatos da coligação "O Maranhão não pode parar", entre eles a candidata à reeleição Roseana Sarney (PMDB).
    Solta na noite da prisão a mulher do ex-vereador e primo de Roseana, Deco Soares,  esteve acompanhada na cela da PF, por  Maria de Jesus Monteiro Macedo (proprietária da casa onde foram encontrados santinos de Luciano Moreira, Manoel Ribeiro, Roseana, etc), a Dona Dijé e Kátia Regina Alves Mota (paciente) que se encontravam na hora do flagrante na casa onde a médica e desportista atendia no Recanto dos Vinhais, em São Luís.

Casa de Dona Dijé
    Filha do ex-deputado Temístocles Teixeira, já falecido, a médica e desportita integra a nova equipe da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer. Pobres as companheiras de cela da jogadora e médica não tiveram destino tão nobre reservado à desportista. Exemplo de negaça que a médica deve professar entre os esportistas maranhenses.
   Tivesse o processo do Ministério Público Eleitoral consequência, a nomeação da desportista e médica seria a prova incosteste do crime eleitoral flagrado. Mas, aceita na hora foi a nota da coligação divulgada à época.
Leia aqui a nota:
Coligação ‘O Maranhão Não Pode Parar’”
A candidata ao governo do Maranhão, Roseana Sarney, rechaça de forma veemente toda e qualquer tentativa de ligação da sua candidatura ao episódio da prisão de uma médica sob acusação de prestar consultas em troca de voto, num bairro de São Luís. Ao mesmo tempo, Roseana Sarney afirma que a referida médica não integra o Comitê da Campanha da Coligação “O Maranhão não pode parar”, não tem qualquer vínculo oficial com sua campanha a governadora do Maranhão, e, sendo assim, não está autorizada a proceder em nome da candidata ou de qualquer membro da Coligação.
Por oportuno, Roseana Sarney reafirma que toda orientação de sua campanha é pautada no respeito à Legislação Eleitoral, e que a ninguém é dado o direito de ignorar as regras das eleições.
São Luís, 22 de setembro de 2010
Roseana Sarney
Candidata ao Governo do Maranhão.”

Grupo de ciclistas brasilienses que participa do 24ª edição do Piocerá tem apenas uma mulher


Ana Paula Ferreira entre ciclistas
    A engenheira de sistema de redes Ana Paula Ferreira, 35 anos, é a única mulher na equipe de ciclistas candangos que participarão 24ª edição do Rally Piocerá, que tem largada no dia 25, em Terezina (PI) e termina quatro dias depois em Jericoacoara, no Ceará, depois de passar pelo Maranhão.
    Os aventureiros candangos vão percorrer 357km em cima das bikes, fora os deslocamentos de ônibus e de balsa.
    Os integrantes do grupo que nunca disputaram o Piocerá traçaram como meta terminar a prova sem quebrar e relativamente inteiros.

PROGRAMAÇÃO FINAL DO IOCERÁ 2011
Dia 23 – Domingo: Teresina (PI): Jockey Clube do Piauí
Vistoria técnica e médica: 09h00min às 19h00min

Dia 24 – 2ª Feira: Teresina (PI): Jockey Clube do Piauí
Vistoria técnica e médica: 08h00min às 14h00min
• Briefing para participantes de regularidade e Bikes às 18h00min
• Show de Manobras Radicais (19h00min)
• LARGADA PROMOCIONAL (20h30min)

Dia 25 – 3ª Feira: Teresina/ Barreirinhas – MA
LARGADA: Jockey Clube do Piauí (06h00min)
CHEGADA: Praça da Igreja Matriz (15h25min)
Show de Manobras Radicais (18h00min)
BRIEFING: Grand Solares Resort Lençóis
Horários: 20h00min – Bikes
20h30min – Motos
21h00min – Carros 4x4, Motos Rally e Quadriciclos

Dia 26 – 4ª Feira: Barreirinhas - MA / Parnaíba – PI
LARGADA: Posto Petrobras Leal (09h00min)
CHEGADA: Porto das Barcas (14h30min)
Show de Manobras Radicais (18h00min)
BRIEFING: Auditório Associação Comercial - Porto das Barcas
Horários: 20h00min – Bikes
20h30min – Motos
21h00min – Carros 4x4, Motos Rally e Quadriciclos

Dia 27– 5ª Feira: Parnaíba - PI /Ubajara – CE
LARGADA: Posto Petrobras – Nsra. da Conceição (09h00min)
CHEGADA: Em frente ao Centro Odontológico/CAGECE (14h00min)
Show de Manobras Radicais (18h00min)
BRIEFING: Hotel Pousada da Neblina
Horários: 20h00min – Bikes
20h30min – Motos
21h00min – Carros 4x4, Motos Rally e Quadriciclos

Dia 28 – 6ª Feira: Ubajara/Jijoca de Jericoacoara – CE
LARGADA: Em frente a CAGECE (08h00min)
CHEGADA: Em frente à Igreja de Santa Luzia (13h50min)
CHEGADA em Jericoacoara (14h50min)
Show de Manobras Radicais em Jijoca (18h00min)

Dia 29 – Sábado: Festa de Premiação
Local: Jericoacoara (20h00min)
Com informações do Correio Brasiliense

Ex-governador Pastor Luiz Porto estuda disputar prefeitura de Imperartriz pelo PPS emn 2012

Willian Marinho
     O ex-vice-governador do estado, pastor Luiz Carlos Porto, confirmou na semana passada que mantém o projeto de disputar a prefeitura de Imperatriz em 2012. Para isso, estaria avaliando convites dos dirigentes partidários de cinco legendas para assinar filiação e viabilizar sua campanha. Entre os partidos, estaria o PPS e que, desta forma, estaria voltando à legenda que lhe deu o mandato de vice-governador na chapa de Jackson Lago.
     Porto não confirmou o convite, mas não desmentiu, preferindo anunciar em momento adequado qual será o seu destino. A prioridade será para o partido que garantir legenda à sua candidatura a prefeito de Imperatriz em 2012.
     Nesta semana, Luiz Porto pretende fortalecer este objetivo e consolidar se aceitará o desafio pelo PPS. Receberá as lideranças do diretório estadual do PPS em Imperatriz para discutir a consolidação do projeto político do partido para Imperatriz, que é a segunda força eleitoral do Maranhão.
     Antes, os líderes do PPS terão audiência com o prefeito Madeira, ocasião em que demonstrarão as insatisfações do PPS com os espaços políticos que a legenda não tem no governo municipal e anunciar a disposição de lançar candidato próprio à sucessão do próprio Madeira.
     Ainda de forma tímida, o PPS já discute a possibilidade de assumir candidatura própria e deixar o bloco de apoio aos tucanos. Embora contando com dois secretários municipais e que não são considerados como indicação do partido, pois não foram indicados pela sigla e sim por convite pessoal do prefeito Madeira, como são considerados da cota pessoal do prefeito, o partido alega não ter nenhum cargo no governo do PSDB em Imperatriz.
De O Progresso

A “importância” do senador José Sarney para o Amapá

Nezimar Borges
    O senador pelo Amapá José Sarney é tido por analistas em política como uma das figuras proeminente da República brasileira. Porém é interessante ressaltar que embora importante para os diversos governos em diversas épocas, no entanto não traduziu necessariamente a assertiva de ser o mesmo para os brasileiros e muito menos para os amapaenses.
    O senador aparece como uma das dez pessoas mais influentes do Congresso Nacional no ano passado, aliás, de certa forma é um político que possui “bom” trânsito entre os governos de plantão desde a década de 90. Além de tudo desempenha papel de relevo entre estes e a parte podre, a mais atrasada e a mais deplorável da política brasileira, atua em nome da tal governabilidade que vez por outra é sinônimo de corrupção e, portanto, nesse caso, há de se reconhecer a importância, aspas, deste senador para a República brasileira.
    Mas para o Amapá há sérias controvérsias, senão vejamos: ao passar parte das férias em Belém no final de 2009 senti o que se pode dizer “discriminação política” de uma pessoa consangüínea e outra nem tanto, quando diziam quase com a mesma sincronia “como é que pode vocês elegem este maranhense…?” e “vocês deveriam se envergonhar!” outra não necessariamente nestas palavras “vocês são a vergonha do Brasil!”, sobretudo antes de explicitar-lhes que a esmagadora maioria dos amapaenses comunga das mesmas indignações, haja vista já então havia o prenúncio dos últimos acontecimentos à esquerda volver na política local. Mas algumas destas expressões, no entanto, era pura sátira ao ponto de ser mordaz, enquanto outra apenas gozação com índole alheia.
    Contudo costuma se dizer que quanto mais distante do Amapá, proporcionalmente cresce a ojeriza ao povo amapaense por causa do caudilho maranhense, o que ocasiona dizer que eles não nos suportam, sem claro, generalizar.
    Em tempo, vejam o que escreve um jornalista do planalto central depois de divagar toda sua eloqüência e hipóstase em artigo que causou perplexidade e protesto na sociedade Tucuju: “Há fatos que corroboram minha total desconfiança sobre a existência física do estado do Amapá. Por exemplo, o Sarney. O Sarney se diz senador pelo Amapá, certo? Mas onde é que ele vive? No maranhão! Se o Amapá existisse, por que o Sarney teria residência fixa no maranhão? Simplesmente porque o Amapá é uma Liliput, uma Terra do nunca, onde só Gulliver e Peter Pan podem chegar.”
    Em resumo, o artigo traduz infelizmente a realidade com que muitas pessoas Brasil afora vêem e pensam de forma desfigurada o Estado do Amapá, entretanto é compreensível tanto o repúdio quanto, também, as linhas acima principalmente se se toma o que de fato o senador maranhense representa, não só para o cidadão brasileiro, mas para a classe política em si. E queiramos ou não atinge lamentavelmente o sofrido, acolhedor, hospitaleiro e brioso povo amapaense.
    Certamente o que corrobora para serem compreensíveis certos pontos de vistas como a que escreveu o escriba goiano são certas ações nada republicanas da politicalha nacional tão bem representada na figura de Sarney e do seu partido, o PMDB. Já para os amapaenses é só olhar no retrovisor para ver as ações do grupo político capitaneado e comandado pelo oligarca nestes últimos oito anos no qual lançou o Estado do Amapá numa situação de falência sem precedentes em sua recente história.
    Não obstante os indicadores sociais amapaense, parelha juntamente com o Estado do Maranhão como os dois piores do país em pesquisa feita pelo Ministério do Trabalho no ano passado, quando confirmou para o Amapá saldo negativo na geração de novos postos de trabalho, enquanto que no resto do Brasil houve crescimento. Isto sem ir aos famigerados indicadores do IDH amapaense nesses últimos anos e os casos de corrupção generalizada em torno dos comandados de Sarney.
    Visto que é o senador que se intitula estadista, portanto terá a responsabilidade de se transvestir verdadeiramente como tal e ajudar o Estado amapaense a sair do marasmo que se encontra? Ele em fim de carreira política, quiçá de vida, trará para si o espírito republicano do homem público comprometido, pelo menos uma vez em sua vida, a estender o poder que possui a ajudar o Estado que lhe deu guarida a vinte e quatro anos de vida pública? Até aqui pode se dizer com extrema convicção que o senador maranhense teve alguma importância para este Estado?
    Absolutamente, pelo contrário. Afinal o histórico repugnante de suas ações nesses últimos anos é que faz ratificar sua insignificância para o Estado do Amapá e, por fim ainda há esperança que se faça jus ao Estado que espera de um verdadeiro Estadista onde a importância entre aspas seja mero equivoco de escrita.
P.S1.: No início de dezembro passado o governador Camilo Capiberibe esteve no MME e o interino ministro da Pasta, Márcio Zimmermann se postou solidário a ajudar a resolver com sua boa vontade a questão energética do Amapá
P.S2.: Quarta feira última o governador voltou ao Ministério da Minas e Energia (pasta que Sarney controla) e, para sua surpresa, o titular Edsom Lobão não o recebeu e sim Zimmermann, este ao contrário da sua boa vontade em dezembro, informou ao governador para que o Estado do Amapá resolva a questão da falida CEA em 15 dias, questão esta que passa pela dívida da empresa junto a Eletronorte de 1,4 bilhão de reais que os aliados de Sarney deixaram nesses últimos oito anos.
PS3.: Pelo visto o senador passa longe de ser um Estadista como auto-lisonjeia nos bastidores. Não se importa com os apagões que o amapaense poderá sofrer doravante.
Nezimar Borges – Professor

Cantando pela serra do luar

Ferreira Gullar
NA ABERTURA da exposição comemorativa de meus 80 anos, no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio, fui surpreendido por um coral de jovens estudantes que, postado na escadaria, à entrada do museu, começou a cantar "O Trenzinho do Caipira". Após o primeiro momento de espanto, passei a cantar com eles, baixinho, claro, pois não desejava ser ouvido; é que não resisti ao impulso de participar daquele momento.
    Não havia ali, a meu ver, um homenageado e, sim, uma encantada confraternização.
    Mas, por incrível que pareça, enquanto cantava e me confundia com as demais pessoas ali presentes, veio-me uma constatação: a do contraste entre aquele momento e o outro, distante 40 anos, quando pus letra na tocata da "Bachiana nº 2", de Villa-Lobos.
    Muita gente conhece a história do "Poema Sujo", escrito por mim em Buenos Aires, em 1975, mas o que constatei, de súbito, nesse momento de confraternização, foi o contraste entre a alegria de agora e o desamparo em que me encontrava naquele apartamento da avenida Honorio Pueyrredón, certo de que o mundo desabava sobre minha cabeça.
    Não pretendo me valer desse pretexto para falar de mim mesmo ou do "Poema Sujo", de que a letra do "Trenzinho" é parte. Não é isso. A surpresa me arrebatou, ali, à entrada do museu, diante daqueles meninos e meninas que o cantavam, reacendendo, inesperadamente, em mim, a manhã de maio de 1975, quando, como quem faz a última coisa possível, escrevia aquele poema que, mal sabia eu, iria tornar-se o mais conhecido e traduzido dentre os tantos que escrevi na vida.
    Assim foi que, subitamente, estou de volta àquele momento. Estou desgastado e ferido pelos anos de exílio, pelas perdas, pelas decepções e derrotas. A família, os amigos, o Rio de Janeiro, com suas praias e montanhas lilases, estão fora de meu alcance, e não me conformo com isso. É que, então, ali, era apenas um poeta às voltas com um poema que inventava -a única alegria possível.
    Agora, em 2010, diante do coral, no hall de entrada do MNBA, o tempo se abre como um abismo e me suga e me atira, outra vez, para 40 anos atrás, naquele instante esvaído no curso da vida, mas que a cantiga do coral me traz de volta, sem que ninguém ali o perceba, cantando que estão ou encantados com o canto, senão eu que, não obstante, continuo a cantar com eles.
    O presente é canto vibrante mas, dentro dele, estou eu-outrora, diante da máquina de escrever Lettera 22, inventando o "Poema Sujo". E é nesse momento do poema, quando lembro das viagens de trem que fazia com meu pai, que a "Bachiana nº 2" invade o quarto (a "Bachiana" que, quando ouvi pela primeira vez, me fez lembrar daquelas viagens e que agora, ao contrário, vem trazida pela lembrança delas). E a letra que, durante 20 anos, tentara escrever, sem o conseguir, escrevo-a então em menos de 20 minutos:
"Lá vai o trem com o menino
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino
Cidade e noite a girar."
    A mesma letra que ouço agora na voz dos garotos, nesse começo de noite em dezembro de 2010. Sim, a mesma, mas outra, pois a que ouvia, escrevendo-a, era quase silêncio, murmúrio que se juntava à melodia de Villa-Lobos tocando na vitrola. E me pergunto, agora, quando escrevo esta crônica, de que afinal somos feitos, se de matéria ou de memória. Mas, veja bem, memória não é passado? Ou não é? Tendo a pensar, fora da lógica aparente, que tudo é presente, todo o vivido, só que, em geral, estamos ocupados demais com o agora para nos darmos conta disso.
    De qualquer modo, não poderia nunca imaginar, naquela manhã distante, que aquele murmúrio se tornaria canção, que aqueles versos um dia seriam um canto público na voz de meninos e meninas do meu país, décadas depois, numa noite de alegria e comemoração, quando o que foi sofrimento e desespero se apagou para sempre, pois a própria vida, na sua alquimia, os mudou em festa.
"Lá vai o trem sem destino
Pro dia novo encontrar
Cantando vai pela terra, vai pela serra, vai pelo mar."
Da Folha de S. Paulo

Manchetes dos jornais

GAZETA DA ILHA - Execução na Vila Vitória
ITAQUI-BACANGA - Mototaxista tem morte trágica na Avenida dos Portugueses
JORNAL EXTRA - Ação na justiça: OAB quer fim da pensão de ex-governadores
JORNAL PEQUENO - Prefeita de Conceição de Lago Açu é denunciada a 3 órgãos investigativos
O ESTADO DO MARANHÃO - Meta do aumento da frota de ônibus não foi cumprida
O IMPARCIAL - Questão de planejamento: "O Estado não está aqui para gastar mal"
TRIBUNA DO NORDESTE - Exército afasta membros que furtavam no Alemão