17 de mar de 2010

Sarney apoia o governador do Rio contra emenda do pré-sal

O senador José Sarney (PSDB-AP), presidente do Senado Federal, afirmou ao governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), que a emenda Ibsen Pinheiro, aprovada pela Câmara, rateando os froyalties igualmente com todos os estados e municípios e não somente com os produtores, é inconstitucional. Concordou com o argumento apresentado pelo governador do Rio que tem encabeçada uma cruzada para conter a aprovação da emenda no Senado. Em último caso o veto do presidente da República.

Em encontro com deputados piauienses, que peregrinaram pelo país em busca do apoio das bancadas para aprovar a emenda do marco regulatório do pré-sal, a governadora Roseana Sarney (PMDB) se comprometeu em contribuir com a aprovação. A emenda beneficia municípios com elevação de receitas e estados com o maior naco. Sem ela as prefeituras continuaram com pires na mão à porta de governos e apoio parlamentar.

Na votação na Câmara, a bancada maranhense votou em peso pela aprovação. Tanto os da base do governo Roseana como os não alinhados com o grupo Sarney votaram pela aprovação da emenda. Dos 18 as excessões foram os depustos federais Nice Lobão (DEM) e José Vieira (PP), ausentes da sessão deliberativa.

Cabral que tem pranteado a decisão dos deputados, acredita que os senadores terão outra opinião sobre a unidade federativa no caso da divisão do dinheiro resultante dos royalties do petróleo. Conta como apoio de Lula para vetar a emenda.

Sarney disse inicialmente que bom seria uma "saída negociada". Joga o pepino pra cima de Lula que se desgastaria com o veto, mas nada que a blindagem popular não repila.

PDT descarta aliança com o PT que estuda aliança com PMDB de Sarney

Em carta assinada pelo presidente em exercício do Diretório Estadual, deputado Julião Amim, o PDT repudia compor com o PT no Maranhão reprisando aqui a aliança da base alianda do governo Lula. Decisivamente, o partido não aceita fazer parte de um leque de alianças que inclua além do partido de Lula o PMDB, comandado pelo senador José Sarney (PMDB-AP).
     Endereçada ao presidente do PT maranhenses, Raimundo Monteiro, da ala que apresentará nos próximos dia 26 e 27 de março a tese da aliança com o PMDB, sustentando a candidatura da governadora Roseana Sarney à reeleição,a carta assinada por Amim coloca que "só a possibilidade de haver essa aliança do PT com o PMDB no Maranhão já é motivo para deixar muitos companheiros constrangidos". 
     Veja abaixo a integra do documento que expressa a posição do PDT em relação ao PT e as estratégias para eleger a ministra Dilma Rousseff.


Senhor Presidente Raimundo Monteiro PT/Ma ,

Em razão de matéria divulgada por esse Partido, na qual inclui o PDT como integrante de uma provável aliança com os Partidos da base do Governo Lula com o objetivo de eleger a Ministra Dilma Rousseff Presidente da República vimos esclarecer o seguinte: Seria uma honra para nós do Partido Democrático Trabalhista – PDT do Maranhão, termos o Partido dos Trabalhadores – PT, integrando a aliança que disputará o Governo do Maranhão nas eleições do corrente ano de 2010. Entretanto, com todo respeito que nutrimos pelos demais Partidos políticos, não aceitamos participar de qualquer tipo de aliança que tenha o PMDB como um de seus integrantes.

Não podemos aceitar fazer aliança com este Partido porque no Estado do Maranhão ele é conduzido por lideranças políticas que representam interesses familiares de uma oligarquia que vimos combatendo desde a fundação do nosso Partido. Uma Oligarquia que é a responsável pelos altos indicies de pobreza da nossa população.

Uma Oligarquia que é a responsável pela morte de dezenas de trabalhadores rurais; responsável pela expropriação de terras de milhares de famílias maranhenses, quer diretamente, como foi o caso da Fazenda Maguary ou indiretamente através da política adotada para alienação das terras publicas do Estado.

Uma Oligarquia que é responsável pela expulsão de milhares de maranhenses, que foram para outros estados em busca de terras para suas lavouras e de melhores condições de trabalhos, sendo que, muitos deles não tiveram a sorte de retornar a seu estado porque pereceram na luta pela conquista do direito a terra; principalmente os que se estabeleceram no Estado do Pará.

Uma Oligarquia que enriqueceu a custa da corrupção, da expropriação do dinheiro público através da sua aliança com as grandes empreiteiras deste país. Como todos nós temos conhecimento do caso LUNUS, cuja imagem daquela montanha de dinheiro ainda permanece viva na memória do povo brasileiro.

Uma Oligarquia que alicia, que corrompe, que usa da sua influência e do seu poder para expropriar direitos de cidadãos indefesos, e que todos nós sabemos, bem como o PT sabe, que essa Oligarquia foi a responsável pela deposição do Governador Jackson Lago do Governo do Estado do Maranhão, com um processo forjado, mas conseguiu atender seu intento através da corrupção de aliciamento e do uso do seu poder de influência junto aos órgãos da República.

O povo do Maranhão não aceita que o PDT faça parte de aliança com um Partido que no nosso Estado é representado por essa gente, poderosa mais desqualificada, como tem registrado a imprensa internacional, colocando o Chefe do Clã como um símbolo do processo de corrupção do Brasil.

Além disso, todos nós sabemos que o PMDB de hoje não representa mais os ideais de Ulisses Guimarães, Severo Gomes, Renato Archer, Pedro Simon, Jarbas Vasconcelos, Tancredo Neves.

O PMDB de hoje representa, na sua maioria, os interesses de José Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho, Romero Jucá, Almeida Lima, entre outros da mesma linha de comprometimento. Sabemos que, só a possibilidade de haver essa aliança do PT com o PMDB no Maranhão já é motivo para deixar muitos companheiros constrangidos, uns podem até abandonar a política, outros podem deixar de ser candidato por não aceitarem esse tipo de aliança.

Portanto, em que pese o apreço que temos pelo Partido dos Trabalhadores que muitas vezes caminhamos juntos e quando caminhamos separados tínhamos os mesmos objetivos, para excluir o PDT de qualquer aliança no Estado do Maranhão, quando nela figure o PMDB. Mesmo que essa referência seja feita como uma possibilidade.

Sem mais para o momento, apresentamos nossas

Saudações Trabalhistas

Atenciosamente
DEP. FEDERAL JULIÃO AMIN CASTRO

Presidente em Exercício do PDT/MA



Jackson Lago chega a São Luís para confirmar candidatura ao governo

O ex-governador do Estado, Jackson Laho (PDT), desembarca nesta quinta-feira em São Luís, às 14h30 horas, procedente de São Paulo. Vem acompanhado da doutora Clay Lago e deve confirmar sua intenção de disputar o governo do Estado nas eleições de outubro deste ano.

     Cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral por captação ilícita de sufrágil e abuso de poder econômico, Jackson Lago polariza até o momento a disputa eleitoral das eleições majoritárias com a governadora Roseana Sarney, que tem se declarado candidata à reeleição para um quarto mandato.

     Na semana passada, o pedetista esteve reunido com o presidente do PSDB, Sérgio Guerra. Conversaram sobre a perspectiva de alianças políticas. Nada porém ficou decidido sobre uma provável aliança que os pedetistas maranhenses poderão fazer com o partido do candidato José Serra . Ao mesmo tempo, a ministra Dilma Rousseff corteja o apoio do pedetista no Maranhão, nem que para isso tenha aqui montado dois palanques antagônicos, um deles sustentado há décadas pelo poder do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

     Desde que foi afastado do Palácio dos Leões, Jackson Lago evitou falar sobre o episódio. Em suas raras manifestações públicas, através da imprensa, reproduziu um pensamento que desde o início do processo que resultou em sua cassação: um golpe contra a democracia.

     No segundo turno das eleições de 2006, Jackson Lago obteve a maioria dos votos. Dos 2.973.091 que comareceram às urnas no estado, Jackson Lago obteve 1.393.654 votos votos. Quase um milhão de eleitores se abstiveram de votar e outros 260 mil anularam o voto.  Esse universo de eleitores chega próximo ao número de votos obtidos por Roseana Sarney (então no PFL) que ficou em segundo lugar na eleição com 1.295.880 votos.

Manchetes dos jornais

AQUI-MA - Família no tráfico
ATOS & FATOS – Tratamento desumano na Caixa Econômica
DIÁRIO DA MANHÃ – Alteração na lista de espera do SISU retira vaga de candidatos aprovados
GAZETA DA ILHA – Depois de mais de 100 denúncias, família é presa
JORNAL A TARDE – Prefeitura aumenta frota do campus de cinco para oito veículos
JORNAL EXTRA – Coronel Melo: No profundo ostracismo
JORNAL PEQUENO – Surto de difteria mata uma criança no interior do Maranhão
O ESTADO DO MARANHÃO – Atecipada a 2ª etapa de vacinação contra gripe A
O IMPARCIAL – Cai movimento de carga no Itaqui
O QUARTO PODER – Presa com arma e contrabando
TRIBUNA DO NORDESTE – Antecipada no estado vacinação contra gripe