24 de dez de 2010

Natal e o desespero de um poeta em busca da esperança

    Por força do acaso cruzo o caminho do poeta Nauro Machado na rua do Alecrim. De chapéu na cabeça a barba alva se sobressai. Difícil não identificá-lo. É véspera de Natal. Por coincidência, nesse mesmo período o acaso havia nos posto em situação idêntica. O Natal foi o tema da conversa de outrora.
    Cumprimento-o trazendo à tona uma lembrança. No passado o poeta indicou a mim a leitura de um poema curto, de Fernando Pessoa, sobre o Natal, resumindo sua relevância com o comentário lacônico: é um pequeno poema, mas, o mais bonito sobre o Natal.
   Nesse encontro do presente, me equivoco do autor e digo a ele que seria do pernambucano Manoel Bandeira os versos sobre o Natal. Ele me pede algum verso para avivar-lhe a memória. Não me vem sequer um linha.
O poeta então emenda a conversa sobre poesia. "Estou vindo do Arteiro (proprietário da Livraria Athenas) onde deixei duzentos livros do meu livro "Pão maligno com miolo de rosas" já faz quase um ano.Fui lá hoje e só foram vendidos três livros. Acho que não publicarei mais livros no Maranhão", adverte como tomado por um anafilático desespero da esperância.

Eis o poema "Natal", de Fernando Pessoa
O sino da minha aldeia,
Dolente na tarde calma,
Cada tua badalada
Soa dentro de minha alma.

E é tão lento o teu soar,
Tão como triste da vida,
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida.

Por mais que me tanjas perto
Quando passo, sempre errante,
És para mim como um sonho.
Soas-me na alma distante.

A cada pancada tua,
Vibrante no céu aberto,
Sinto mais longe o passado,
Sinto a saudade mais perto

Navegue na era pós Lampião

Morre o professor Kalil Mohana

    Faleceu, na manhã desta sexta-feira (24), por volta das 8h30, aos 75 anos, no hospital UDI, em São Luís, o professor aposentado pela Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Kalil Mohana. Ele morreu de falência dos múltiplos órgãos.
    A família, irmãos e sobrinhos comunicam que o velório está ocorrendo na Central de Velório da Pax (Diamante), e o enterro será hoje (24) às 17 horas, no Cemitério do Gavião.
Quem foi Kalil Mohana
    Kalil Mohana, maranhense, nasceu em 8 de novembro de 1935, em Viana. Cursou o primeiro Ginásio no Colégio Marista, o científico no Ateneu Teixeira Mendes e São Luís. Fez os cursos de Geografia, História e Didática na Faculdade Filosofia, semente da Universidade Federal do Maranhão.
     Dirigiu a CADES de 1963 a 1971, ensinou no Marista, na Escola Normal do Estado, em vários cursinhos Pré-Vestibular, na Federação das Escolas Superiores e é um dos fundadores da UEMA (Universidade Estadual do Maranhão),onde ensinou durante vários anos.
     Conheceu o mundo inteiro (por meio de rápidas viagens) realizou 35 viagens com alunos do Colégio Maristas, e 91 com formandos universitários. É membro efetivo do Instituto Histórico e Geográfico e ocupa a cadeira de nº 8 da Academia Vianense de Letras (AVL), patroneada por seu irmão, o médico, escritor e padre João Mohana.Kalil é autor do livro "Viajando e Educando: As grandes Viagens"

Verba indenizatória da Câmara tem mil e uma utilidades

Regina Alvarez e Catarina Alencastro
    Escolhidos para o Ministério de Dilma Rousseff, os deputados federais Mario Negromonte (PP-BA), Pedro Novais (PMDB-MA), Maria do Rosário (PT-RS) e Iriny Lopes (PT-ES) têm em comum mais do que o mandato parlamentar. Todos utilizaram a verba indenizatória da Câmara dos Deputados, ao longo de 2010, para pagar pelos serviços de empresas que também trabalharam nas suas campanhas pela reeleição.
    A deputada Iriny Lopes, futura ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, usou os serviços da gráfica Quatro Irmãos em sua campanha, para impressão de material de divulgação. Segundo a prestação de contas apresentada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a empresa recebeu, em outubro, R$ 25 mil por esses serviços. Só que, ao longo do ano, a mesma gráfica recebeu R$ 80 mil da verba indenizatória da deputada, por serviços de divulgação da atividade parlamentar.
    Já a empresa Logic Processamento de Dados recebeu, em julho, R$ 5.970 para pré-instalação física do comitê de campanha de Iriny, segundo a prestação de contas apresentada ao TSE. Ao longo de 2010, a mesma empresa recebeu R$ 13.392 da verba indenizatória da Câmara, por supostamente ter prestado serviços de manutenção no gabinete da parlamentar. Procurada pelo GLOBO, a deputada não retornou as ligações.
    A deputada Maria do Rosário, que ocupará a Secretaria Especial de Direitos Humanos, usou na campanha os serviços da gráfica V&C, que, durante o ano, recebeu da Câmara, como parte da verba indenizatória, R$ 68.411 para divulgação da atividade parlamentar.
    Pelos serviços prestados à campanha da deputada, a gráfica recebeu R$ 241 mil, segundo os documentos enviados à Justiça eleitoral. Maria do Rosário também não respondeu às ligações dos repórteres.
Escolhido para o Ministério das Cidades, o deputado Mário Negromonte utilizou fartamente os serviços da empresa de táxi aéreo Aero Star em 2010, pagando os deslocamentos com a verba indenizatória da Câmara.
    Pelos documentos, ele pagou um total de R$ 151.200 até novembro. A mesma empresa também aparece na prestação de contas do parlamentar ao TSE como prestadora dos mesmos serviços, pelos quais recebeu R$ 64.500 entre agosto e setembro.
    Por meio de sua assessoria, Negromonte disse que não vê irregularidades no fato de a mesma empresa receber recursos da Câmara e de sua campanha.
— Os serviços foram prestados e as contas foram aprovadas pelo TSE e pela Câmara, dentro da legislação em vigor — afirmou.
    Já o deputado Pedro Novais, futuro ministro do Turismo — que ganhou destaque esta semana por ter incluído na prestação de contas da Câmara despesas em um motel em São Luís do Maranhão — contratou a empresa Dalcar Service durante sua campanha à reeleição por R$ 17 mil. Com a verba indenizatória, pagou à mesma empresa R$ 64.800 durante o ano de 2010.
De O Globo

Manchetes dos jornais

AQUI - MA - Na Vila Embratel: A culpa é da cachaça
JORNAL PEQUENO - Futura ministra usa verba irregular em hospedagem
O ESTADO DO MARANHÃO - Lula pede apoio de brasileiros a Dilma
O IMPARCIAL - O vale-tudo do Natal