7 de jul de 2010

Roseana é a mais rica dos 6 candidatos ao governo do estado com patrimônio avaliado em R$ 7 milhões

     Disparadamente a governadora Roseana Sarney (PMDB), 57 anos, é a mais rica entre os seis candidatos ao governo do Estado nas eleições de outubro deste ano. O patrimônio declarado da filha do senador José Sarney (PMDB-AP), avaliado em R$ 7.838.530,34, é nove vezes superior ao de Flávio Dino (PCdoB) e 11 vezes maior que o do ex-governador Jackson Lago (PDT).
     O menor patrimônio é do sindicalista Marcos Silva, candidato do PSTU, que declarou possuir apenas uma casa no Conjunto São Raimundo avaliada em R$ 20 mil e um automóvel no valor de R$ 8 mil. Saulo Ancângelis, servidor público federal e candidato do PSOL, declarou possuir bens avaliados em R$ 136 mil. O candidato do PCB, Marcos Igreja, apresentou uma declaração de bens de apenas um item: automóvel Pálio Weekend, ano de fabricação 2004, avaliado em R$ 34 mil.
     Dentre os 26 itens enumerados pela governadora do estado somamos dois milhões de cotas da TV Mirante representa o bem mais valioso: R$ 2, 711 milhões. Nas eleições de 2006, a então candidata pelo PFL, Roseana Sarney, não apresentou a declaração de bens à Justiça Eleitoral.
     O valor do patrimônio declarado de Roseana  é inferior ao contrato firmado com o publicitário baiano Duda Mendonça que imprirá sua marca na campanha da peemedebista ao preço de R$ 10 milhões.
PATRIMÔNIO DOS CANDIDATOS
Roseana Sarney - R$ 7.838.530,34
Flávio Dino - R$ 869.807,96
Jackson Lago - R$ 697 mil
Saulo Arcângeli – R$ 136.990,00
Marcos Igreja – R$ 34 mil
Marcos Silva – R$ 28 mil

Declaração de bens de Roseana Sarney
1 LOTE Nº 03, QUADRA QI-11CONJ.1 LAGO SUL, EM BRASÍLIA Casa 748.450,43
2 IMOVEL NA AVENIDA DOS CAIAPOS, Q-21, Nº9 Casa 1.750.000,00
3 IMOVEL NA RUA JOAO LIRA,Nº95, LEBLON, NO RIO DE JANEIRO Apartamento 259.890,46
4 LOTE Nº1, Q-3, LOTEAMENTO CALHAU, EM SÃO LUÍS Terreno 20.818,20
5 ÁREA RURAL NO DISTRITO FEDERAL, COM ÁREA DE 4,2 HA Terreno 8.327,67
6 LOTEAMENTO NO ALTO DO CALHAU, EM SÃO LUIS Terreno 354.218,23
7 IMOVEL COM AREA DE 40.292M, EM PAÇO DO LUMIAR Terreno 16.666,67
8 174.964 PN DE SHARP Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica) 82,86
9 42.000 PN DEM SID INFORMATICA Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica) 82,86
10 2262 8408, NO RIO DE JANEIRO Linha telefônica 2.081,91
11 9971 1101, EM SAO LUIS Linha telefônica 293,78
12 MOTO HONDA QUADRICICLO Veículo automotor terrestre: caminhão, automóvel, moto, etc. 21.000,00
13 MOTO SUZUKI AN 125 Veículo automotor terrestre: caminhão, automóvel, moto, etc. 5.700,00
14 BANCO BRADESCO, AG. 2192 Depósito bancário em conta corrente no País 1,00
15 BANCO BRADESCO, AG. 2192 Fundo de investimento financeiro - FIF 190.376,83
16 BRADESCO AG.2192 Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros) 600.971,05
17 BANCO DO BRASIL, AG. 4884-4 Depósito bancário em conta corrente no País 23.631,18
18 BRADESCO AG.2192 Caderneta de poupança 9.688,23
19 3364 2066 3364 1563, EM BRASILIA Linha telefônica 2.637,10
20 IMOVEL NA ILHA DE CURUPU, EM RAPOSA-MA Casa 691.666,67
21 1/4 DA FAZENDA CURUPU, EM RAPOSA-MA Outros bens imóveis 150.013,50
22 770 QUOTAS DE CAPITAL RADIO MIRANTE Quotas ou quinhões de capital 770,00
23 2.711.000 QUOTAS DE CAPITAL DE TV MIRANTE Quotas ou quinhões de capital .711.000,00
24 2.288.463 AÇOES GRAFICA ESCOLAR Quotas ou quinhões de capital 265.461,71
25 4.700 QUOTAS DE CAPITAL DE RADIO LITORAL MARANHENSE Quotas ou quinhões de capital 4.700,00
Total: 7.838.530,34

No Radar on-line de VEJA.com

Pacto de não-agressão
Há duas semanas, Flávio Dino reuniu-se reservadamente na casa de Jackson Lago em São Luís para selar um acordo de não-agressão para as eleições. Ficou decidido que Dino e Lago não vão se atacar na corrida ao governo do Maranhão. O alvo deles é descontruir Roseana Sarney, candidata à reeleição.

No sacrifício
Mesmo com a saúde debilitada por um câncer recente e a idade avançada, 75 anos, Jackson Lago decidiu ir para a disputar o governo maranhense para tirar votos de Roseana. Ele já admite a pessoas próximas que sua tarefa é provocar um segundo turno, ainda que seja entre Flávio Dino e a filha de Sarney.
Por Lauro Jardim

Marcos Silva diz que mostrará na campanha os impactos da oligarquia na vida dos maranhenses

     O sindicalista Marcos Silva (foto),44 anos, será candidato ao governo do Estado do Maranhão pela terceira vez pelo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, PSTU, nas eleições deste ano. Ele foi o primeiro dos seis candidatos a pedir registro de candidatura junto ao Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão, TRE-MA, na segunda-feira, 5, prazo final dado pela legislação eleitoral.
     Junto com a candidatura de Marcos Silva o PSTU disputará vagas no Senado Federal, na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa do Maranhão “com um perfil de oposição de esquerda, classista e socialista”. Como previsão de gastos de campanha, o PSTU no Maranhão apresentou uma projeção de R$ 10 mil, individualmente, para cada um dos seis candidatos às eleições majoritárias e proporcionais. Por deliberação da direção nacional do partido é vedado o recebimento de recursos de empresas para campanha.
     Em entrevista ao jornalista deste blog, Marcos Silva falou sobre suas propostas de campanha, da disputa eleitoral no Maranhão e da conjuntura política no estado e no país. Veja abaixo a entrevista

Qual será seu discurso de campanha nessa sua terceira tentativa de chegar ao governo do Estado?
Marcos Silva - Vamos mostrar os impactos da vida do maranhense sobre a dominação de uma oligarquia. Nesse aspecto também vai ser importante para nós deixar bem claro que a pseudo-oposição fez uma experiência, em que essa experiência demonstra que eles não têm capacidade de mudar a realidade que o povo vive. Foi a experiência de dois anos do governo Jackson.

Quais são as propostas que o senhor apresentará ao eleitorado maranhense?
MS - Nós queremos desenvolver uma campanha em defesa da reforma agrária. Achamos que o Maranhão concentra um grande número de latifundiários e uma imensidão de trabalhadores sem terra e sem estímulo para trabalhar no campo. Em contrapartida o que a gente percebe é o crescimento do agronegócio. Nesse aspecto queremos desenvolver a campanha em defesa da reforma agrária para gerar emprego no campo e ao mesmo tempo produzir alimentos. Outra questão fundamental é a universalização dos serviços públicos, de saneamento básico, saúde, educação e moradia digna. Isso é fundamental e vai constar no nosso debate. E, por fim, a constituição de um programa industrial que seja assentado nas necessidades do povo do Maranhão, em contrapartida a essa visão de desenvolvimentismo imperialista. Isso só gera lixo, agressões ao meio ambiente e a criação de uma constelação ampla de desempregado.

A bandeira da reforma agrária é remota e hoje abriga movimentos fortes como o quase proscrito MST e legalizados como a Fetaema, entidade ligada à Contag (Confederação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura). O PSTU tem esses movimentos como parceiros?
MS - A luta pela reforma agrária não é propriedade de uma organização a ou b. Ela é propriedade da necessidade dos trabalhadores sem terra do Maranhão de ter um pedaço de terra para trabalhar na terra e sobreviver na terra. Nesse aspecto nós temos uma diferença programática com a FETAEMA (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadores na Agricultura do Estado do Maranhão) que, lamentavelmente, sua direção prefere continuar acreditando nos políticos que são aliados do agronegócio. Então, evidentemente, não dá para o PSTU despertar o apoio dos dirigentes da FETAEMA, porque eles estão presos historicamente a esses setores que são aliados do agronegócio. Políticos, que mesmo de esquerda, são de uma esquerda tradicional, que demonstra claramente que é uma pseudo-esquerda. Com relação ao MST tenho plena certeza e convicção de que muitos dos companheiros que compõem a direção do movimento verão no PSTU um aliado da luta pela reforma agrária. Embora tenhamos diferenças táticas e até estratégicas, temos ações comuns. Creio que tanto o MST como organizações menores deverão estar juntos.

Como é que fica o PSTU diante das cifras milionários de gastos de campanha?
MS - Nosso partido sabe muito bem que vamos enfrentar o preconceito de classe. As organizações da classe trabalhadora, operária, revolucionária, ela sofre com o preconceito de classe porque são candidaturas de trabalhadores que estão na linha da pobreza ou então no setor médio. No entanto, nós temos um referencial, que é a classe trabalhadora. Nós vamos fazer nossa campanha assentada na mobilização dos trabalhadores e vamos buscar apoio político e financeiro no seio da classe trabalhadora. A única forma hoje de combater a politicagem, a compra de voto, só os trabalhadores tem condições de fazer isso. Porque eles sobrevivem de sua renda, da renda de seu trabalho. Portanto, eles não precisam vender o seu voto para sobreviver.

O senhor acha possível o PSTU enfrentar o grande poderio econômico em torno das candidaturas chamadas burguesas ou da “pseudo-esquerda”?
MS - Nós temos certeza que nosso candidato a presidente, que é o Zé Maria, e a vice, que é a maranhense Claudia Durans, vão caminhar esse país todo conversando com os trabalhadores, pedindo apoio político e financeiro para a campanha. Aqui no Maranhão nós vamos seguir a mesma linha. Essa não é a primeira experiência. Se nos lembrarmos da campanha de Lula de 89, no primeiro turno, quando setores da burguesia ainda não acreditavam nele, fizemos uma campanha em porta de fábrica, visitando universidades, nas ruas, vendendo bottons, camisas, fazendo finanças próprias. O Lula passou a ser financiado pela Odebrecht, Camargo Correa, Bradesco e Banco Itaú só a partir de 94. Porque no segundo turno de 89 demonstrou-se a clara possibilidade dele chegar ao poder central. Temos certeza de que as mudanças que precisam ser feitas no Maranhão e no Brasil e no mundo só pode ser feita de forma independente pela classe trabalhadora.


Os candidatos do PSTU-MA nas eleições 2010
Governador: Marcos Silva
Vice-governador: Hertz Dias
Senadores: Luis Carlos Noleto (1º suplente: Maria do Carmo Durans-2º suplente: Maria Sales) e Claudicéia Durans (1º suplente: Valdinéia Ferreira da Silva-2º suplente: Janildes Santos)
Deputado Federal: Eloy Nathan
Deputado Estadual: Ramon Zapata.

Pais denunciam diretores de escolas da rede municipal que aprovam alunos sem aulas

    Pais de alunos da Unidade Escolas Básica Augusto Mochel, no bairro do Maracanã, denunciaram ao Sindicato dos Professores do Município de São Luís, que a direção da escola estaria atribuindo notas para alunos em disciplinas que nunca foram ministradas por falta de professores.
     Em greve desde o dia 19 de maio, os professores da rede municipal de ensino estiveram na escola do Maracanã na segunda-feira passada para conversar com pais e alunos da escola.
     Segundo Maria José Galeno do Nascimento, mãe do aluno Joendel Nascimento Menezes, as disciplinas de ciências, geografia, matemática, língua portuguesa e educação física não chegaram a ser ministradas em 2009, mesmo assim os alunos receberam as notas e foram aprovados.
     Com faixas e cartazes, os manifestantes conversaram com a comunidade local explicando e conscientizando os motivos da paralisação e pedindo providências urgentes para que a situação seja resolvida.
     Os alunos da UEB Augusto Mochel protestaram contra as condições lastimáveis da escola onde além de não ter aulas, falta giz, material para higiene, banheiros degradados e total abandono da quadra poliesportiva.
     “Isto é o cúmulo do absurdo. A direção do sindicato vai denunciar o caso imediatamente ao Ministério da Educação, além do mais vamos acionar o Ministério Público Estadual para fazer as necessárias investigações e punir os envolvidos, disse a profª Lindalva Batista, presidente do SINDEDUCAÇÃO.
Do Portal do Sindeducação

Bira do Pindaré comunica em carta que vai disputar vaga na Assembleia Legislativa

Carta aberta ao povo do Maranhão
     Após muita reflexão, comunico que decidi ser candidato a deputado estadual, número 13100, e peço seu apoio. Não foi fácil. Todos sabem que me preparei para ser candidato ao Senado. Tinha tudo pra dar certo. Entretanto, a imposição da aliança com o PMDB do Sarney impediu essa possibilidade. Fui trocado por Lobão e João Alberto.
     Cheguei a pensar em não ser candidato. A tristeza foi grande e a indignação maior ainda. Porém, com o acordo firmado junto à Direção Nacional do PT, pondo fim à greve de fome dos companheiros Manoel da Conceição, Dutra e Terezinha que protestavam contra a decisão de apoiar a candidatura do Sarney, passei a cogitar a hipótese de ser candidato. O Acordo garante a liberdade de fazer campanha para candidatos majoritários do arco de aliança do PT, nos desobrigando da vinculação com a candidata do PMDB.
     Confesso que a dúvida foi imensa: federal ou estadual? Ouvi muita gente. Houve muita discussão. No final predominou a idéia da candidatura a deputado estadual.
     Aceito o desafio com muita humildade. Sei do potencial e das chances que temos de ser eleito, mas temos que reconhecer que a situação é bastante adversa o que exige esforços redobrados.
     Coloco-me à disposição para travarmos essa luta juntos. Da minha parte, tenham certeza que, uma vez conquistado esse mandato, faremos do mesmo um instrumento a serviço dos que lutam e sonham por um Maranhão sem oligarquias, sem medos e sem peias.
     Por isso dedicarei minhas forças para a eleição de Flávio Dino Governador do Maranhão, candidato escolhido democraticamente pelo PT maranhense. De igual modo, lutarei pela eleição de Dilma Presidenta, embora desejoso de que ela consiga se livrar dos coronéis, pois o Brasil merece e o Maranhão agradece.
     Farei campanha nos 217 municípios maranhenses. Vamos precisar de todo mundo, “um mais um é sempre mais que dois”.
     Assim seguirei, honrando a história de Manoel da Conceição, nosso maior líder, sonhando e lutando por uma sociedade socialista e solidária. Com a bênção de Deus, serei o novo deputado estadual do Maranhão.

Bira do Pindaré

Patrimônio arqueológico é resgatado em Estreito

     O Consórcio Estreito Energia (Ceste), por meio do Núcleo Tocantinense de Arqueologia (Nuta) da Universidade do Tocantins (Unitins), vem realizando o trabalho de resgate arqueológico nos 12 municípios envolvidos com o empreendimento. Já foram identificados e registrados 72 sítios arqueológicos.
     Em Estreito, o sítio Testa Branca II, identificado pelo Nuta ainda na ocasião da construção da ferrovia Norte-sul, considerado a “menina dos olhos” para os arqueólogos, agora passa pelo trabalho de salvamento dos vestígios históricos.
     O sítio apresenta uma grande formação rochosa com escrituras rupestres, além de espaços com bom estado de conservação que serviam de abrigo para os habitantes da época. Segundo a arqueóloga do Nuta, Cristiane Loriza Dantas (foto), apenas o trabalho de registro das gravuras encontradas tinha sido realizado anteriormente.
     “Nenhuma intervenção no subsolo havia sido feita. Esse é o trabalho que realizamos agora para saber até onde é possível encontrar as gravuras rupestres e buscar vestígios de materiais e objetos utilizados pelos habitantes da época”, disse a arqueóloga revelando que nos primeiros 40 cm de escavação já foi possível encontrar material cerâmico. Outros aspectos das gravuras encontradas e dos objetos coletados serão alvo de pesquisas do Nuta para detalhamento de questões como a datação dos mesmos.
      O resultado de toda essa pesquisa estará, posteriormente, registrado em publicação científica que será distribuída para os municípios da área de abrangência direta da UHE Estreito. “Esse legado histórico estará a salvo e disponível como fonte de pesquisa para estudantes e profissionais. Será possível observar aspectos interessantes e peculiares a cada região em que a UHE Estreito tem influência direta”, comenta o Gerente de Meio Ambiente do Ceste, Sérgio Larizzatti.
     Como forma de manter a riqueza das informações coletadas latentes à população, principalmente os mais novos, pesquisadores percorrerão escolas públicas dos municípios, realizando o trabalho de educação patrimonial, para disseminar os resultados obtidos por meio de palestras e seminários. Esse trabalho de educação patrimonial já está sendo desenvolvido em alguns municípios, onde os resultados das pesquisas já estão prontos, como em Babaçulândia, Itapiratins, Goiatins e Tupiratins, no Tocantins. Em Estreito e Carolina, no Maranhão, Aguiarnópolis, Barra do Ouro, Darcinópolis, Filadélfia, Palmeiras do Tocantins e Palmeirante, no Tocantins, o mesmo trabalho será realizado até o fim do ano.
Da Assessoria de Imprensa do Ceste

Presidente do TJ-MA ainda não devolveu diárias recebidas indevidamente

     Enquanto a Administração do Tribunal de Justiça do Maranhão tenta justificar o calote dado nos novos servidores alegando não ter “recursos financeiros” para pagar as diárias, o presidente do TJ, desembargador Jamil Gedeon, ainda não devolveu aos cofres públicos a quantia calculada em R$ 11.792,00 ( mais juros e correção monetária) das diárias recebidas indevidamente por ele.
     O presidente Jamil Gedeon, na época, Corregedor Geral da Justiça, e mais quatro desembargadores foram condenados pelo Conselho Nacional de Justiça, em setembro de 2009, a ressarcir o Estado por receberem diárias sem terem viajado ou participado de eventos que justificassem o pagamento. Em sua decisão, o conselheiro Walter Nunes, relator do Procedimento de Controle Administrativo (PCA 20091000001696-0), concluiu ainda que o pagamento das diárias foi uma “conduta ilegal” da Administração e não um erro de cálculos. Em seu voto, disse o relator: “verifica-se a existência de indícios suficientes de ilegalidade na conduta dos responsáveis pelo pagamento das diárias examinadas”.
     Se a diretoria financeira do Tribunal de Justiça do Maranhão somasse o valor das diárias que deverão ser devolvidas pelo desembargador Jamil Gedeon e pelos outros desembargadores daria para pagar as diárias devidas aos 177 servidores que participaram do curso de iniciação funcional e ainda sobraria dinheiro.
Assistência Jurídica
     A diretoria do Sindjus informa para todos os novos servidores que a assessoria jurídica do sindicato está a disposição dos filiados que desejam cobrar o pagamento das diárias devidas pela Administração do Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão. Os servidores deverão entrar em contato com advogado Pedro Duailibe Mascarenhas. Endereço: Av. Jaime Tavares 1958- Areinha- Ed. Shopping Távola Center – Salas 301, 302 e 303, São Luís/MA - Cep: 65010-650. Telefones para contato: (98) 3232- 8485/ 3232- 5544.
Fonte: Poliana Sales - Imprensa Sindjus

Agricultores do Nordeste reinvindicam medidas contra seca e enchentes no 3º Grito da Terra

     Desde as primeiras horas desta  quarta-feira,7, cerca de seis mil trabalhadores rurais dos nove estados do Nordeste (Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão e Piauí) estão concentrados nos arredores da Ceasa, preparando-se para o grande ato que acontecerá às 14h, em frente ao prédio da SUDENE: o 3° Grito da Terra Nordeste.
     A mobilização, organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – CONTAG e pelas nove federações de trabalhadores rurais da região nordeste, vai reunir milhares de agricultores para reivindicar vida digna no campo e na cidade e medidas urgentes para os atingidos pela seca e enchentes.
     As primeiras reuniões entre os trabalhadores e trabalhadoras rurais e os representantes dos poderes públicos e autoridades dos estados iniciaram-se na segunda-feira,6, e se estenderam por todo o dia. Hoje, um café da manhã aconteceu às 5h. A partir das 9h, palestras simultâneas em três tendas temáticas sobre Convivência com o Semiárido, Reforma Agrária, Meio Ambiente, Sucessão Rural, Assalariados, Segurança Pública e Territorialidade e, das 13h em diante, caminhada nos arredores da CEASA, culminando em grande ato em frente ao prédio da SUDENE.
Do portal da CONTAG

No Jornal Extra

Senadores têm 89 carros oficiais à disposição

Eduardo Militão
     Além do salário de R$ 16 mil, deputados e senadores possuem carros oficiais à disposição. Verdade que a maioria dos deputados não tem acesso ao benefício. A exceção são os membros da Mesa Diretora, presidida atualmente por Michel Temer (PMDB-SP) e que possui sete membros titulares e quatro suplentes. Mas os deputados que não têm carro oficial podem contar com uma vaga de estacionamento ao redor da Câmara.
     No Senado, são 89 carros à disposição. E todo senador tem direito a eles. Para cada um, há à disposição um Fiat Marea ano 2003. Se algum dos 81 veículos quebrar, há mais seis na reserva. Como presidente do Senado, Sarney tem outros dois carros. Um Chevrolet Ômega ano 2003 e outro 2005. Um dos veículos é usado pela segurança.
     Os veículos só podem rodar em Brasília com uma cota semanal de 25 litros de gasolina ou 36 litros de álcool, algo como R$ 65 por semana. No mês, fica em torno de R$ 260 mensais ou R$ 520, no caso dos dois carros de Sarney. Os motoristas dos veículos devem ser funcionários do gabinete ou da Presidência da Casa.
Servidores
     Os deputados podem contratar, sem concurso, até 25 servidores de sua confiança para trabalhar no gabinete e nos estados. São os secretários parlamentares. A verba para pagá-los é de R$ 60 mil mensais. Os salários dos secretários atualmente variam de R$ 601 a R$ 8 mil por mês.
     O Senado não dá uma verba específica para contratar funcionários do gabinete. Mas um cálculo da ONG Transparência Brasil dá ideia de que, na prática, seja algo de pelo menos R$ 82 mil por mês. Segundo a assessoria do Senado, os parlamentares têm 20 funcionários à disposição, sendo nove efetivos e 11 comissionados, ou seja, sem concurso. De acordo com a ONG, os salários dos não concursados varia de R$ 6.800 a R$ 8mil. Por isso, diz a Transparência Brasil, chegam a R$ 82 mil.
Plano de saúde vitalício
     Segundo a administração da Câmara, os deputados não têm plano de saúde vitalício, mas são atendidos pelo Departamento Médico (Demed) da Casa. Quando o serviço não está disponível, são autorizados a usarem a rede privada de saúde e a receberem ressarcimento, sem limite de valor, pelas despesas médicas.
     A Câmara não paga gastos com dentistas e tratamentos psicoterápicos. A Casa também não ressarce despesas de deputados que não estejam no exercício do mandato, informou a administração da Câmara.
     No Senado, até ex-senadores têm direito a ressarcir despesas médicas, odontológicas e psicoterápicas. Para os parlamentares atuais, funciona como na Câmara: o ressarcimento não tem limite de valor. Mas isso é apenas para as despesas médicas. Os gastos com dentistas e psicólogos ficam limitados a R$ 25.998,96 por ano ou R$ 2.166,58. Independentemente da despesa, ex-senadores só podem ser ressarcidos em até R$ 32.958,12 por ano.
Papéis, papéis, papéis...
     Os deputados podem usar o cotão para pagar “material de expediente e suprimentos de informática”, segundo o Ato da Mesa 43/09. Mas a Câmara também fornece material de expediente aos deputados que não quiserem usar a verba específica.
     Por mês, os parlamentares do Salão Verde podem imprimir até 15 mil páginas de gramatura 75 em tamanho ofício ou até 2 mil de gramatura 180 (cartolina).
     A cada sessão legislativa (doze meses, de fevereiro de um ano até janeiro do seguinte), o deputado pode imprimir até:
- 4 mil exemplares de uma publicação de 50 páginas;
- 1 mil pastas personalizadas com o nome do gabinete para guardar documentos;
- 2 mil folhas de ofício personalizado do gabinete;
- 50 blocos de 100 folhas personalizados;
- 5 mil cartões de visita
- 2 mil cartões de cumprimentos
- 5 mil cartões do gabinete tipo simples
- 1 mil cartões do gabinete tipo duplo
     Os deputados têm direito a um gabinete de 33,7 metros quadrados sem banheiro no Anexo III (onde não há elevadores) ou a um gabinete de 39 metros quadrados com banheiro no Anexo IV. Os locais são sorteados entre os parlamentares, mas ex-presidentes da Casa ocupam gabinetes em locais especiais, como o prédio principal e o Anexo II.
    No Senado, o Congresso em Foco não obteve informação sobre impressões e material de expediente. Também não soube qual a área dos gabinetes e quais os critérios para a repartição das salas.
Do Congresso em foco

Zé Reinaldo: “O povo quer participar da luta para mudar o Maranhão”


     O candidato a senador José Reinaldo Tavares (PSB) destacou a grande receptividade da população de São Luís demonstrada na caminhada liderada pelo candidato ao governo Flávio Dino e lideranças políticas da coligação “Muda Maranhão” (PCdoB, PPS e PSB), na tarde de ontem na Rua Grande. “O povo quer participar, estar junto nessa luta para mudar o Maranhão”, afirmou.
     Centenas de pessoas estiveram reunidas, entre candidatos, lideranças partidárias e a população em geral. A concentração foi na Praça João Lisboa, seguindo em direção à Praça Deodoro pela Rua Grande.
     Para Zé Reinaldo, essa caminhada, primeira ação após o registro da candidatura no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), feito na tarde da segunda-feira, 5, indica uma campanha promissora. “Essa campanha nos levará a vitória este ano e libertará o Maranhão definitivamente. O povo estava feliz e a receptividade foi a melhor possível, de forma que não poderia haver um início de campanha melhor que esse”, disse o candidato ao Senado.
     Ao final do percurso, uma parada na esquina entre a Rua Grande e a Rua do Passeio para um discurso improvisado. Zé Reinaldo foi escolhido para iniciar os breves discursos pelo seu histórico político, frisado pelo rompimento com a oligarquia Sarney. “Paramos aqui na esquina da Viração para representar a mudança que o Maranhão vai passar”, disse.

Manchetes dos jornais

AQUI-MA- Caso Euromar: Perdeu, playboy!
O DEBATE - Trabalho escravo no Maranhão
CORREIO DE NOTÍCIAS - Cinco presos na Euromar
GAZETA DA ILHA - Maracutaia na Euromar termina no xadrez
JORNAL EXTRA -Foragido da Justiça: Interpol procura "lalau" de carros 
O ESTADO DO MARANHÃO - Polícia prende cinco pessoas durante a operação Euromar
O IMPARCIAL- Prisões e carrões
TRIBUNA DO NORDESTE - Presos assassinos do seminarista Dayvit
O QUARTO PODER - Operação Euromar: Cinco são presos em São Luís e Brasília

Coligação de Roseana é a mas curiosa do país

     Em nada menos de 11 dos 26 Estados e o Distrito Federal as coligações regionais contrariam as majoritárias nacionais. Assim, partidos coligados em nível nacional são rivais ou integram alianças completamente diversas nas eleições estaduais. Isso ocorre no Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas, Paraná, Pernambuco, Roraima, Santa Catarina e Tocantins.
     O caso do Maranhão, de Roseana Sarney (PMDB), é o mais curioso. Sua coligação agrega o PT de Dilma Rousseff, o PV de Marina Silva e o DEM, que integra a aliança do tucano José Serra, além de 13 outras legendas.
     No Acre, Tião Viana, do PT, conta com uma rede "ecumênica" de apoio, que inclui o PV de Marina e 13 legendas com perfis ideológicos tão distintos quanto o PP e o PC do B.
     Em Minas, a ampla aliança de Antonio Anastasia (PSDB) também tem espaço para o PV. Nela estão ainda o PP, o PDT e o PSB, todos aliados de primeira hora do PT no plano nacional. Ao partido do governo federal, que disputará o cargo de vice-governador com Patrus Ananias, sobrou somente o PMDB, que é cabeça de chapa com Hélio Costa, e o PC do B.
Do estadao.com