6 de ago de 2011

Índios recebem comida estragada no MA

FERNANDA ODILLADE BRASÍLIA
    Estudantes das escolas indígenas do Maranhão recebem merenda estragada e enfrentam falta de alimentos por conta de falhas na distribuição, feita poucas vezes ao ano e em quantidade insuficiente para suprir a necessidade dos alunos.
    Relatório da Funai (Fundação Nacional do Índio) ao qual a Folha teve acesso revela ainda outros problemas em 19 escolas indígenas maranhenses.
    Há acusações de chefe vendendo a comida no próprio mercado, escolas fechadas desde o início do ano, falta de regularidade no transporte escolar e alunos liberados por falta de comida.
"Isso evidencia a fragilidade do processo de fiscalização da Secretaria de Educação do Maranhão e a irresponsabilidade com o dinheiro público", informa o relatório da Funai, concluído no fim de junho e feito a pedido do Ministério Público Federal no Estado.
    Na semana passada, o Ministério Público entrou com ação civil contra o governo do Maranhão.
Responsável pela execução dos recursos federais na educação indígena, o governo estadual contratou por R$ 3 milhões uma empresa que, segundo a Funai, não é capaz de entregar os alimentos durante o período letivo.
    Há oito escolas que não recebem merenda desde o fim de 2010 e outras sete onde a comida só chegou nos primeiros dois meses deste ano.
    Relato de índios e professores aos técnicos da Funai revelam que "lata de sardinha estava estufada, a linguiça continha larvas e os legumes [estavam] murchos e passados".
    "Graves falhas na prestação do serviço vêm comprometendo tanto o acesso à merenda escolar como sua qualidade e adequação às culturas locais", escreveu na ação o procurador Alexandre Silva Soares, reiterando que as mesmas irregularidades se repetem há anos.
OUTRO LADO
    A própria Secretaria de Educação do Maranhão admitiu, em nota à Folha, que detectou irregularidades na distribuição feita pela empresa terceirizada.
    A secretaria informou que "suspendeu imediatamente o contrato e iniciou o processo de centralização da alimentação escolar, com acompanhamento e fiscalização desde a aquisição dos alimentos até a distribuição nas escolas indígenas".
    O órgão informou ainda que o contrato está sendo investigado pelo próprio governo do Estado.
Da Folha de S. Paulo

No claudiohumberto.com.br

‘ODORICO’ SANTANA O prefeito de Sucupira do Norte (MA) não é novela, mas é seguido de perto pelo Ministério Público: Benedito Santana teria desviado R$ 239,3 mil da Saúde do Estado. O “astro” poderá ter que devolver R$ 1 milhão.

Manchetes dos jornais

Maranhão
O DEBATE - Mais de 2 mil ocorrências registradas na delegacia da mulher em São Luís
O ESTADO DO MARANHÃO - Governo reage a embargo da prefeitura e mantem obra
O IMPARCIAL - Escassez de gasolina causa fila no porto do Itaqui
Nacional
CORREIO BRASILIENSE:Divórcio Capital Brasília
FOLHA DE S. PAULO:Agência rebaixa nota dos EUA
ESTADO DE MINAS:O caro direito de ir e vir
O ESTADO DE SÃO PAULO:Dilma tenta acalmar militares após nomeação de Amorim
O GLOBO:Agência de risco rebaixa EUA e aumenta incerteza na economia
ZERO HORA:Economia dos EUA sofre rebaixamento histórico
Regional
DIÁRIO DO PARÁ:PM baleado por bandido em tiroteio
JORNAL DO COMMERCIO:Muitas queixas e pouca colaboração no trânsito
MEIO-NORTE:Prisão de quadrilha desvenda 4 mortes
O NORTE: Muda esquema de segurança em presídio