21 de mar de 2010

DAI-ME COM MODERAÇÃO

A viagem

Autora de "Fumaça Negra", musicóloga Margaret de Wys diz que os médicos não acreditam que tenha se curado com hoasca; feito de cipó e arbusto, chá alucinógeno lança altas doses de serotonina no sistema nervoso central

A hoasca confere status de realidade às experiências interiores
Cerimônia conduzida pelo xamã Carlos no interior da floresta amazônia, do Equador

Cerimônia conduzida pelo xamã Carlos no interior da floresta amazônica, no Equador

MARCELO LEITE

COLUNISTA DA FOLHA

O poder da ayahuasca sobre a vida de uma pessoa pode ser devastador -em geral, para o bem. A americana Margaret de Wys que o diga. Depois do contato com a bebida alucinógena originária da Amazônia, conhecida no Brasil como hoasca, sua carreira de compositora sofreu um baque e o casamento acabou, mas ela se curou de um câncer de mama.

O tumor havia sido diagnosticado em 1999. Com simpatia pelo xamanismo, De Wys (pronuncia-se "di uaiz"), rumou para a Guatemala. Queria buscar uma cura entre os participantes de uma cerimônia maia de caráter ecumênico, com curandeiros de vários países. Ali encontrou o equatoriano Carlos e, por suas mãos, a hoasca.

"Eu enxergo dentro de você -suas veias, seus órgãos, seu sangue, suas células", anunciou-lhe Carlos, da etnia shuar (ou jivaro), na cerimônia em que beberam o preparado do cipó Banisteriopsis caapi e das folhas de Psychotria viridis.

"A fumaça negra está presa em seu peito. Venha para o Equador e eu a curarei."

"Black Smoke - A Woman's Journey of Healing, Wild Love, and Transformation in the Amazon" (Fumaça Negra, ed. Sterling, 240 págs., US$ 19,95, R$ 36) é o título do livro que a professora do Bard College, de Nova York, publicou há um ano sobre "a jornada de cura, amor selvagem e transformação de uma mulher na Amazônia", como diz o subtítulo.

"Carlos" é um nome fictício que ela deu, na obra, à sua paixão sul-americana. Após a publicação, De Wys passou a organizar pequenos grupos de americanos para conhecer os poderes do shuar (a primeira viagem, em fevereiro, tinha cinco pessoas).

Entre a Guatemala e o Equador, ela se submeteu a uma lumpectomia (retirada de tumor e tecidos adjacentes) nos EUA. Não seguiu, contudo, o tratamento prescrito pelos médicos americanos: seis semanas de radioterapia e cinco anos do antitumoral tamoxifeno.

"Fico aterrorizada com remédios ocidentais", diz, "por causa dos efeitos colaterais".

Todos os anos ela faz exames para verificar se o tumor voltou, e o resultado é sempre negativo. "Você não tem mais nada no peito, não enxergo nada", disse-lhe Carlos há poucos meses, durante sua última visita ao Equador.

"Nem eu", respondeu-lhe a compositora. "Mas os médicos não acreditam em cura."

Na iniciação com "natem" (nome shuar para a hoasca) há dez anos, porém, De Wys viu de tudo. Suas "mirações", como se diz entre praticantes brasileiros do Santo Daime e da União do Vegetal, incluíram entrar na boca de uma sucuri do tamanho de uma garagem.

Numa das alucinações, uma onça macho invadiu o corpo de Carlos, e outra, fêmea, o da americana. "O jaguar em Carlos era selvagem e brutal", contou De Wys à jornalista Roberta Louis em entrevista publicada pela "Bomb Magazine".

Hoje, sua relação com o equatoriano é estritamente profissional, ressalva.


Olhos bem fechados

O poder da hoasca sobre a mente deriva dos potentes alcalóides presentes no cipó B. caapi e no arbusto P. viridis empregados no preparo do chá.

O arbusto é rico na substância alucinógena dimetiltriptamina (DMT), que não tem efeito quando ingerido. Mas a DMT conta com a ajuda da harmina e da harmalina do cipó para chegar ao sistema nervoso central, onde juntas iniciam a subversão da consciência.

O mecanismo básico é uma inundação de serotonina, neurotransmissor com múltiplos e complexos efeitos no corpo e no cérebro.

Pessoas deprimidas, por exemplo, costumam ter baixos teores de serotonina. A fluoxetina (Prozac) consegue melhorar sua vida porque impede a recaptação (retirada) do neurotransmissor no espaço livre entre os neurônios, reforçando a comunicação entre eles.

Há uma tradição de pelo menos duas décadas de pesquisa sobre a hoasca no Brasil.

Uma equipe de dez neurocientistas da USP de Ribeirão Preto, do Instituto Internacional de Neurociência de Natal Edmond e Lily Safra, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, e do Centro IBM JB Watson (Nova York) tem apresentado em congressos um trabalho com algumas revelações surpreendentes sobre a beberagem. Seis deles já experimentaram a hoasca.

Draulio de Araujo, Sidarta Ribeiro e seus colegas trabalharam com dez usuários frequentes do chá. Todos eram membros do grupo de Mestre Pelicano (irmão do cartunista Glauco) em Ribeirão Preto. O manuscrito tem o título "Vendo com os Olhos Fechados".

O grupo de pesquisa registrou imagens de atividade cerebral obtidas por ressonância magnética funcional durante tarefas visuais antes e depois da ingestão de 0,2 litro do chá.

A tarefa tinha três passos: contemplar uma imagem familiar por 21 segundos, depois fechar os olhos e imaginar a foto mostrada, e, por fim, olhar uma versão embaralhada da mesma imagem.

Três testes psiquiátricos padronizados avaliaram sintomas psicóticos, despersonalização/desrealização e sintomas maníacos dos participantes. Como era de esperar, todos tiveram aumento de sintomas depois de tomar o chá.

Todos também relataram aumento da capacidade de imaginação no segundo passo da tarefa, com as cenas tornando-se muito mais vívidas e reais -apesar dos olhos bem fechados. As áreas cerebrais mais ativadas estão associadas com a recuperação de memórias episódicas (fatos, lugares, pessoas), a ação intencional e o processamento visual.

Sua ordem unida, contudo, é reorganizada pela hoasca. Na vigília sem o chá, sensações interiores são intencionalmente interpretadas à luz de memórias e servem de base para a ação, a cada momento.

Revelações místicas

Sob a ação do chá, a imaginação chega ao poder, de certo modo, com a área visual primária (BA17) tomando a dianteira da ativação das áreas frontais envolvidas na vida consciente.

Nessa sequência, as imagens compostas pela imaginação sem peias aparecem para a mente como fatos.

"A hoasca confere status de realidade às experiências interiores", resumem os neurocientistas. "É compreensível, portanto, por que a hoasca foi culturalmente selecionada ao longo de muitos séculos por xamãs da floresta tropical para facilitar revelações místicas de natureza visual."

"As mirações são tão reais quanto a percepção visual de elementos externos, pelo menos no que diz respeito à modulação observada no sistema visual primário", explica Draulio de Araujo.

"Foi uma baita surpresa", afirma Sidarta Ribeiro. "Esperávamos que as áreas frontais assumissem a liderança."

Tais conclusões, no entanto, "explicam" (aspas de Ribeiro, em comunicação por e-mail) como ocorrem as mirações, sem excluir nem confirmar interpretações místicas.
--------------------------------------------------------------------------------

No Brasil, a hoasca foi retirada em 1987 da lista de substâncias proibidas

É uma droga muito mais benigna para o organismo do que a heroína e a cocaína

--------------------------------------------------------------------------------
Na tradição de pesquisa sobre a hoasca, ganhou fama um artigo publicado em fevereiro de 1996 por cientistas brasileiros, americanos e finlandeses no periódico "The Journal of Nervous & Mental Disease".

Tinha como primeiro autor Charles Grob, da Universidade da Califórnia.

Era tudo de bom: 15 usuários do chá na União do Vegetal, comparados com 15 não usuários no grupo de controle, se mostraram mais reflexivos, leais, estoicos, frugais, ordeiros e persistentes. E ainda mais confiantes, relaxados, otimistas, despreocupados, desinibidos, enérgicos...

O estudo chegou a ser usado em tribunais americanos na batalha iniciada em 1999 por Jeffrey Bronfman em favor da legalidade da hoasca. Representante da União do Vegetal nos EUA e um dos herdeiros do império Seagram de bebidas alcoólicas, Bronfman teve três tambores da bebida confiscados como droga ilegal.

O caso só se encerraria em fevereiro de 2006, quando a Suprema Corte confirmou decisões anteriores determinando a devolução da hoasca e a legalidade de seu uso em contexto religioso.

No Brasil, a hoasca foi retirada da lista de substâncias proibidas em 1987, e a decisão sofre contestações desde então. No entanto, foi reconfirmada em 25 de janeiro deste ano pela resolução nº 1 do Conad (Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas).

Apesar do reconhecimento da legitimidade do uso religioso do chá, parece haver consenso de que se trata, sim, de uma droga. "Certamente, como o LSD, a maconha, o álcool e o café", afirma o neurocientista Sidarta Ribeiro.

"É uma droga muito mais benigna para o organismo do que a heroína e a cocaína, pois não há overdose conhecida, nem adição [vício] pronunciada."

Potencial perturbador

Henrique Carneiro, especialista em história de alimentos e bebidas da USP, concorda que o chá não é fisiologicamente perigoso: "Psicologicamente, depende. É uma substância com potencial perturbador para quem não é experiente, ou dependendo do ambiente -um ambiente sereno tende a garantir boas experiências".

Para Ribeiro, a hoasca não deve ser dada a quem estiver no limiar de psicose, grávida ou for criança. "Pessoas com tendências psicóticas? Mentes frágeis? Esquece!", sentencia De Wys, que não admite gente desse tipo em seus grupos.

Mas ela sustenta que Carlos já curou esquizofrenia com a hoasca -e até gangrena.

Seu fascínio pelas curas que evita chamar de "miraculosas" -pois, para os xamãs, elas e os espíritos envolvidos fazem parte da ordem natural do mundo- também a trouxe "quatro ou cinco vezes ao Brasil".

Quem a atraiu foi o médium João de Deus, de Abadiânia (GO), mas ela aproveitou para conhecer terreiros de umbanda. Tudo para escrever um novo livro, concentrado em curandeiros do Brasil e da África do Sul.

Para a americana, Carlos e João de Deus, de certo modo, têm práticas similares, na medida em que se comunicam com espíritos ou os incorporam para realizar as curas.

Há uma grande diferença, porém: Carlos o faz de forma "consciente".

É ver para crer.

ONDE ENCOMENDAR - Livros em inglês podem ser encomendados em

americana

Celso Borges*

...quem se candida a salomé?

no banquete dos salafrários

salve-se quem puder...

Excerto do poema americana (por causa de bob dylan), do livro "Música", Editora Medusa (2005)

Esperando Godot...ou a limpel, limpfort,coliseu, etc, na Avenida Ferreira Gullar

Brechó

Fernando Abreu *

trocam-se

velhas reverências

por novas referências

Do livro "Umbigo do Mundo", Clara Editora (2003)

Autor de homenagem a Sarney tem folha corrida recheada de crimes

O nem tão jovem Ruy Oliveira Pires (foto), 36 anos, assessor especial da Secretaria de Estado Esportes e Juventude, preside o Conselho Estadual de Juventude, CEJOVEM. Nessa condição organizou a homenagem ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no espaço Renascença na sexta-feira passada.

Ruy Pires está cogitado para suceder o secretário Roberto Costa, apadrinhado do vice-governador João Alberto (PMDB), que se desincompatibilizará para disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Ele figura como protagonista no processo sobre desvio de recursos na União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Luís, UMES.

O escândalo veio à tona em 2002. O inquérito policial 7460/00 resultou no processo de Nº 372001 que se encontra na Primeira Vara de Justiça Criminal da Capital. Junto com Pires, 18 pessoas foram indiciadas pela Primeira Promotoria de Justiça Criminal. Elas são acusadas de estelionato, apropriação indébita, furto qualificado, formação de quadrilha, entre outros.

No entendimento de ao menos cinco promotores de Justiça os indiciados utilizaram diversas inatividades criminosas. A polícia apurou que eles lesaram centenas de pessoas para obter vantagens ilícitas. Arquivado por razões estranhas, o processo contra Pires foi reativado em novembro do ano passado.

Nos autos do processo, Pires figura como fraudador da ata da eleição que o tornou presidente da entidade entre 1994 e 1996. Como assessor de Costa, Pires foi guindado à presidência do Conselho Estadual de Juventude.

Na sexta-feira ele viveu seu momento de glória. Coroou uma movimentação que vem alinhavando desde que passou a fazer parte da equipe de Roberto Costa e presidir o CEJOVEM. Usa como cooptação viagens a Brasília e outros artifícios turbinados com recursos públicos.

A homenagem ao senador acusado de esconder nomeações em atos secretos, chefe de um poder oligárquico que se pretende perpétuo, não condiz com o espírito de liberdade inerente à juventude. Com quase rugas de corrupção, Pires trava o curso da história com a reverência ao caquético. Longe dele cometer o crime de lesa-majestade.

Na folha corrida de Ruy Pires constam práticas criminosas como emissão de cheques sem fundos;fraude em notas fiscais e outros incursos nesse universo que não abomina. Mais detalhes da  folha corrida do presidente do CEJOVEM pode ser encontrada no Blog Acorda Alice

Manchetes dos jornais

ATOS & FATOS – Prefeito de Cururupu condenado a devolver mais de R$ 700 mil
DIÁRIO DA MANHÃ – Trabalhadors rurais querem Flávio Dino
ITAQUI-BACANGA - Malaca é morto com mais de cem chuçadas na CCPJ
JORNAL A TARDE – Primeiro dia de vacinação contra gripe H1N1 lota postos em São Luís
JORNAL EXTRA – Polícia "queima" na bala assantante de motel
JORNAL PEQUENO – Grupo ligado a Sarney desvia de fundo mais de R$ 1,43 bilhões
O DEBATE – Primeiro dia de vacinação lota postos de saúde em São Luís
O ESTADO DO MARANHÃO – Grávidas se mobilizam na vacinação contra gripe A
O IMPARCIAL – Começa guerra contra gripe A
TRIBUNA DO NORDESTE – Começa vacinação contra a gripe suína em São Luís