21 de ago de 2011

Maranhão: O santo vaqueiro S. Raimundo dos Mulundus em igreja de Vargem Grande (MA)

São Sebastião e São Raimundo Nonato dos Mulundus (D)

Imagem de São Raimundo Nonato dos Mulundus

Paisagem de Mulundus e devotas do Santo Vaqueiro

Painel sobre a vida do santo e indumentária no Santuário em Vangem Grande

Maranhão: Vargem Grande se prepara para Festa de S. Raimundo Nonato dos Mulundus

   A cidade de Vargem Grande (182 quilômetros distante de São Luís), na região do Baixo Munim do Maranhão, se prepara para mais uma edição da Festa de São Raimundo Nonato dos Mulundus. Os festejos do santo vaqueiro tem início às 6 horas desta segunda-feira, 22, na Igreja de São Sebastião, padroeiro do município, onde está o Santuário de São Raimundo Nonato dos Mulundus, e se estende até o dia 31 de setembro.

Concurso de samba-enredo da Beija-Flor em São Luís pode não passar de mise-in-scène

    Vai entrar para a história: o dia em que o Maranhão impôs sua poesia em ritmo de samba à comunidade de Nilópolis (RJ), berço da escola de samba Beija-Flor. Quem viver, ouvirá.
    Antes, 26 maranhenses concorrem na etapa local do concurso do samba-enredo da Beija-Flor de Nilópolis, que cantará  “São Luís - O Poema Encantado do Maranhão” na Marquês de Sapucaí do Rio no Carnaval 2012.
    Alguns dos inscritos são compositores há uma vida, como Oberdan Oliveira (ex-Nonato e Seu Conjunto). Outros têm know how  em certames, como Zé Lopes, Gilvan Mocidade, etc. Há estreias no ramo,  como a de José Figueredo, turismólogo histórico de São Luís.
    Todos, porém, devem apenas participar do mise in scène que a diretoria da escola monta no Maranhão para deixar que os nativos se sintam incluídos. Quão semelhante à "política cultural" do governo Roseana na gestão Luiz Henrique Bulcão. Em resume: mera figuração.
    São os fatos que comprovam: na semana passada o diretor de Carnaval da Beija-Flor de Nilópolis, Laíla, afirmou, que "há muito tempo não percebia a comunidade da escola, tão dividida com relação às composições que estão participando da disputa de sambas-enredo da azul e branco".
    Para participar do concurso na quadra da escola campeã de 2011 no Rio de Janeiro o compositor e parceiros desembolsam até R$ 50 mil, de acordo com informação do marketeiro Vinícius Nagem. No Maranhão a participação no certame foi custeado pelo erário. São outros quinhentos, já que segundo consta a Beija-Flor não dará despesa ao estado.
    "Quando começa um concurso, a gente logo observa a preferência dos segmentos para dois ou três sambas, no máximo. Normalmente é assim. Desta vez, estou sentindo a comunidade dividida entre muito mais obras. Isto se deve à qualidade das composições", mensura Laíla.
     Como parte da política de ufanismo Laíla não se contém:"Estou vibrando com o que escuto na quadra. Este concurso está me tirando o sono, mesmo tendo a certeza de que teremos um grande samba, para realizarmos um grande desfile". Diante do exposto, a dúvida sobra para o incautos.
    No próximo dia 5 de setembro a comissão de carnaval da Agremiação, comandanta por Laíla chegam a São Luís com objetivo de selecionar sambas de compositores maranhenses para se apresentar na quadra da escola. A escolha final será no dia 13 de outubro: dia em que o Maranhão impôrá sua poesia em ritmo de samba à comunidade de Nilópolis.
Compositores  e co-autores de samba-enredos:
1 -José Fernando Rabelo Mendes/João José Rabelo Mendes (Bacuri)
2 -Raimundo Nonato Barroso de Oliveira – Dico Barroso/Maria do Perpétuo Socorro Soares Teixeira – Socorro Teixeira (Paço do Lumiar)
3 -Pedro Rodrigues de Araújo/David Nunes de Araújo (Boa Vista do Gurupi)
4 -Cláudio Santos Sousa ------ (Rosário)
5 -Luiz Regis Furtado – Regis Furtado/Oberdan Nascimento Serra de Oliveira – Oberdan Oliveira (São Luís)
6 -Ricardo Moreno Gonçalves Melo – Ricardo do Cavaco/Marcos Paulo Lopes Silva, Paulinho Sabujá
José Istênio de Melo – Zeca Melo de Penalva e José Raimundo Cardoso Serra – Serrinha (São Luís)
7 -Marco Antonio Lago – Marco Lago/Cláudia Elita Lago – Cláudia Lago (São Luís)
8 -Júlio Vinicius Guerra Nagem – Vinicius Nagem -------- (São Luís)
9 -José Gomes de Figueiredo – José Figueiredo --------- (São Luís)
10 -Alysson Gustavo de Sá Ribeiro – Alysson Ribeiro/Domingos Santos Lopes – Dominguinhos Lopes,
Paulo Felipe Costa Martins – Paulo Felipe e Renato Bruno Guimarães Paixão – Renato Guimarães (São Luís)
11 -Levi Lima Carvalho – Levi Carvalho/ Egilena Silva Santos – Lena Santos (São Luís)
12 -Darlan Williams de Oliveira – Darlan Oliveira/Lucas Conceição Vieira Neto – Lucas Neto
Vinicius Hakã França da Silva – Hakã Silva (São Luís) São Luís
13 -Jailson Pereira Boas – Jailson Pereira/Vicente Anastácio Melo – Vicente Melo Wendson e Douglas Ribeiro Oliveira – Dennys Melodia (São Luís)
14 -José Pedro Pereira Costa – Pedro Costa ------- (São Luís)
15 -José Istênio de Melo – Zeca Melo de Penalva ------- (São Luís)
16 -Gilvan Moura Lima de Araújo – Gilvan Mocidade/José Lopes Filho – Zé Lopes e Luiz Carlos Henrique – Oró do Pandeiro (São Luís)
17 -Valmir Sales Lima – Valmir Sales/Reinaldo Coqueiro Rodrigues – Coqueiro da Vyla (São Luís)
18 -Josias Eduardo Silva Silva Filho – Josias Filho/Luzian Silva Fontes Filho – Luzian Filho e Welley Pericles Costa de Almeida e Gutemberg Maia Sousa – Mestre Gut (São Luís)
19 -Gislenaldo Machado Moreira – Gigi Moreira/Walasse Ribeiro Godinho – Wallasse Godinho e Wilson Raimundo Tavares Silva – Wilson Bozzó (São Luis)
20 -Carlos Quirino dos Santos Filho – Quirino do Cavaco/Antonio Carlos Araújo Ferreira – Carlos Cuica , José de Ribamar Fontoura Lobato Neto – Neto Peperi Carlos e Magno Dantas Silva – Magno Dantas e João Eudes Martins Júnior – João Eudes (São Luís)
21 -Márcio Henrique Guterres Guimarães – Márcio Guimarães ------- (São Luís)
22 -Sílvio Henrique dos Santos Rayol – Sílvio Rayol /Carlos Augusto Pinheiro Diniz – Carlinhos Diniz
e Paulo Henrique Martins Rayol – Paulinho Rayol (São Luís)
23 -Mary Cristina dos Santos Gomes ------- (São Luís)
24 -Alex Costa de Oliveira – Alex Gamboa/ Leonardo Pereira de Souza e João Paulo da Silva Falcão (São Luís)
25 -Francisco Paulo de Almeida Júnior – Chico Nô -------- (São Luís)
26 -José Luís Carvalho dos Santos – Professor José Luís/José Luiz Carvalho dos Santos Júnior – Luiz Júnior e Adelino Carvalho dos Santos – Maestro Adelino (São Luís)

Na agulha: Chico César espanta os males e malafaias

Turismo destina R$ 352 mi a cidades que não têm turistas

Dos 841 municípios beneficiados com verbas, apenas 105 são considerados relevantes para o setor no país
Quase a metade das liberações são ligadas a emendas de deputados que citam obras de infraestrutura turística
AGUIRRE TALENTO
DE SÃO PAULO
    O Ministério do Turismo gastou R$ 351,7 milhões nos últimos dois anos em obras que nada têm a ver com o setor: drenagem, esgotamento sanitário, praças e pontes.
    A maior parte das cidades que receberam as melhorias têm pouco ou nenhum fluxo de visitantes e turistas.
    Dos 841 municípios beneficiados pelos convênios de infraestrutura, somente 105 estão na lista dos considerados relevantes para turismo.
    Essa relação, feita pelo próprio ministério, é composta por 584 localidades.
    Quase metade dos recursos é ligada a emendas parlamentares, propostas sob a rubrica "apoio a projetos de infraestrutura turística".
    Uma das emendas do Turismo, destinada à capacitação de profissionais no Amapá, provocou a Operação Voucher da Polícia Federal, deflagrada há duas semanas.
    A cidade de Jandira (Grande São Paulo) recebeu R$ 2 milhões no ano passado para realizar uma obra de drenagem e pavimentação. Lá, não existem nem sequer hotéis para receber gente de fora.
    A Folha esteve na cidade e questionou as pessoas sobre o turismo. Elas estranharam: "Turismo? Aqui não vem turista", disse um morador.
    Falta pouco para a conclusão da obra. Um rio foi canalizado, uma ponte foi construída e será executada a pavimentação do terreno. Os recursos foram pleiteados pela própria prefeitura, administrada pelo PSDB, sem intermediação de emenda.
    A obra fica a cerca de 500 metros da prefeitura, mas está a mais de quatro quilômetros da principal atração local, um parque ecológico.
    Funcionários da prefeitura dizem que os visitantes do parque são os moradores.
R$ 2,3 MI PARA ASFALTO
    No Maranhão, a cidade de Timon, com 125 mil habitantes, ganhou R$ 2,3 milhões em 2010 para asfaltar ruas.
    O recurso saiu de emenda do deputado federal Sétimo Waquim (PMDB-MA), que é marido da prefeita, Socorro Waquim (PMDB). Ambos são do mesmo partido e Estado do ministro Pedro Novais.
    A prefeitura vê no turismo uma das possibilidades de desenvolvimento da cidade, mas a atividade ainda não pesa na economia local.
    No Rio Grande do Sul, Paim Filho (a 343 km de Porto Alegre) ganhou R$ 975 mil para asfaltar uma avenida.
    A verba foi viabilizada pelo deputado federal Marco Maia (PT-RS), presidente da Câmara, que pediu à pasta a liberação de recursos, sem necessidade de emenda. O prefeito da cidade, Ceser Beuren, também é petista.
    O município tem alguns atrativos, como um balneário e festas religiosas. Mas os maiores beneficiados com as obras foram os habitantes.
    "Foi bom para a comodidade dos moradores", disse Ivanilde Conte, coordenadora de projetos da Secretaria de Educação e Cultura. Ela cuida dos projetos ligados ao turismo, já que não há na estrutura municipal uma secretaria destinada à area.
    A Folha revelou ontem que a construção de uma ponte, fruto de uma emenda parlamentar do então deputado Pedro Novais (PMDB-MA), hoje ministro do Turismo, beneficiou uma empreiteira fantasma em uma cidade maranhense sem vocação turística, Barra do Corda.
Da Folha de S. Paulo

No Painel da Folha de S. Paulo

Marcado
Cresce no PMDB o bloco dos defensores de um pedido de demissão de Pedro Novais, antes que as denúncias o obriguem a fazê-lo. A blindagem ao ministro do Turismo não é a mesma que tentou manter Wagner Rossi na Agricultura. O escasso apoio a Novais reflete a divisão do partido. Ele é patrocinado pelo líder Henrique Alves (RN), ora sob ataque especulativo de metade da bancada da Câmara.
Alvorada
Mensagem matinal postada no Twitter: "Bom dia pra você que está mais derrubado do que ministro da Dilma!".
Por Renata Lo Prete

Lambe-lambe: Fogo-pagou na Ponta do Itapary, em São José de Ribamar (MA)





Em time que está ganhando...

Ferreira Gullar
Li com espanto, algumas semanas atrás, que o prefeito do Rio, Eduardo Paes, pretendia retirar as grades que cercam algumas praças da cidade. Mas por que isso - me perguntei - se essas praças se tornaram, depois que puseram as grades, locais tranquilos e limpos?
   E logo me ocorreu a hipótese de que se trata de pôr em prática o princípio abstrato de liberdade... Essa é uma expressão que cunhei para definir uma nova mania que se instalou na cabeça de alguns e que pode ser definida como a eliminação total de qualquer medida restritiva a qualquer coisa.
    Voltamos aos anos 70, quando se inventou o lema "é proibido proibir". Menos explicitamente, adota-se a mesma atitude em face de tudo o que pareça cerceamento ou repressão. Assim, há quem se oponha a que a prefeitura do Rio recolha meninos que fumam crack na rua.
    O argumento é que são levados, contra sua vontade, para lugares onde não há assistência médica de qualidade, nem terapeuta, nem... Conclusão: melhor mesmo é deixá-los na rua, gozando de plena liberdade. Imagino que alguém meteu na cabeça do prefeito que praças cercadas são antidemocráticas...
    Sabem por que penso isso? Porque, décadas atrás, quando o prefeito de então decidiu cercar as praças com grades, logo surgiram os defensores do princípio abstrato da liberdade para alegar que aquilo era contra o direito de ir e vir e, logo, atentava contra a liberdade dos cidadãos. Agora vejam vocês, eu que moro aqui em Copacabana, perto da praça Serzedelo Corrêa, fiquei estarrecido: a praça havia se tornado um valhacouto de vagabundos, mendigos, drogados e assaltantes.
    Ninguém usava a praça para nada. Levar crianças para brincar ali, nem pensar. Só os desavisados se atreviam a cruzar a praça certas horas, particularmente depois que anoitecia. O mesmo se podia dizer da praça do Leme, que fica algumas quadras adiante.
    Apesar dos protestos, o prefeito não voltou atrás e mandou cercar as praças com grades, com amplos portões que permitem o livre trânsito das pessoas. Graças a isso, elas voltaram a ser áreas de lazer, hoje frequentadas particularmente por crianças e idosos.
    A praça do Leme, por onde passo com frequência, tornou-se um lugar tranquilo, onde o pessoal se reúne para conversar, jogar dama e xadrez, enquanto as crianças correm e brincam alegremente.
    A praça Serzedelo, a mesma coisa. Já cansei de cruzá-la à noite sem nenhum temor. Nem se tem notícia, em todos estes anos, de qualquer assalto ocorrido ali. Então, cabe perguntar: por que acabar com o que deu certo e voltar à situação anterior, que deu errado?
Um dos argumentos usados para retirar as grades das praças é que isso já tinha sido feito na praça Tiradentes, com ótimo resultado. Li essa notícia e não me convenci, já que ando pela cidade e vejo mendigos espalhados por todo canto, deitados nas calçadas em ruas de menor movimento. Aqui, na minha rua mesmo, nos fins de semana, quando o comércio está fechado, várias calçadas são ocupadas por pessoas que ali dormem em cima de plásticos ou colchões velhos, que carregam consigo.
    Só não se instalam definitivamente ali porque, ao recomeçar a semana, as lojas abrem e eles são obrigados a sair. Mas, nas praças, não há lojas, a área é ampla, o policiamento precário, e por isso eles ali se instalam definitivamente. E é o que já está acontecendo na praça Tiradentes: ao contrário do que afirmavam os defensores do princípio abstrato da liberdade, os mendigos tomaram conta da praça, poucos dias depois de retiradas as grades.
   Sei que o prefeito Eduardo Paes tem espírito público, trabalha para melhorar as condições de vida na cidade. Quando escrevi aqui a respeito de uma rua no bairro de Anchieta, zona oeste do Rio, que se tornara um buraco só, ele me telefonou e se dispôs a mandar consertá-la.
    Isso faz talvez um ano, mas a obra foi feita e a rua está praticamente pronta, asfaltada, com as instalações de água e esgoto recuperadas. É verdade que um vereador cara de pau - que nestes 20 anos nem sequer reparara na buraqueira da rua - já estendeu ali uma faixa se dizendo autor do milagre. Mas isso pouco importa, há gente para tudo, particularmente no campo da política. Importa é que se faça o que deve ser feito, visando o bem-estar e a segurança das pessoas.
Da Folha de S. Paulo

Manchetes dos jornais

Maranhão
JORNAL PEQUENO - Três juízes do MA vivem sob proteção policial permanente
O ESTADO DO MARANHÃO - São Luís tem cinco vigilantes ilegais para cada um contratado
O IMPARCIAL - O drama dos hospitais particulares de São Luís
Nacional
CORREIO BRASILIENSE:Ganho real chega a até 300% em 8 anos
FOLHA DE S. PAULO:Planalto poupa o PT e corta verba de áreas de aliados
ESTADO DE MINAS:Como enriquecer com a boa-fé e a morte alheia
O ESTADO DE SÃO PAULO:Empresas usam brecha do Mercosul para pagar menos imposto
O GLOBO:Clínicas pagam propina para receber pacientes.
ZERO HORA:A Face desconhecida da legalidade
Regional
DIÁRIO DO PARÁ:Homem é morto com 34 facadas
JORNAL DO COMMERCIO:Policiais vão trocar burocracia pela rua
MEIO-NORTE:Guerra do tráfico já matou 36 em 7 meses
O POVO:Bem-vindos à era da comodidade