31 de out de 2010

Sarney: "Votar em Dilma é votar em Roseana"

Wilson Lima
    Sob o título “Domingo, bom Dilma”, a coluna semanal do presidente do senado, José Sarney (PMDB), publicada hoje pela manhã no jornal O Estado do Maranhão, pediu votos à presidenciável Dilma Rousseff (PT), teceu elogios à petista e críticas à campanha de José Serra (PSDB).
    Sarney conclamou o voto dos eleitores maranhenses afirmando que “votar em Dilma é votar em Roseana. Duas mulheres competentes, capazes que irão juntas fazer um governo de inovações e progresso”. “Lula, o operário, fez um grande governo, incorporou o povo nos dividendos do desenvolvimento, mudou a sociedade brasileira e Dilma vai continuar esse trabalho, olhando para nossa região e para o nosso povo. Amiga de Roseana, trabalhando junto com ela como líder do governo no Congresso, abre-se um grande momento para o Maranhão”, projetou o presidente do Senado.
    Em seu texto dominical, Sarney criticou José Serra, alegando que ele não tem conhecimento dos problemas nacionais e que a vitória do tucano seria o retorno da “falta de perspectivas que tínhamos antes do governo Lula”. “Dilma deu um banho de conhecimento, mostrou que conhecia muito mais os problemas nacionais, que tinha uma visão de Brasil mais completa e que a proclamada competência do Serra não passava do Restaurante Fasano, dos granfinos da plutocracia paulista”, alfinetou o presidente do Senado.
    O presidente do Senado ainda complementou. “Seus primeiros programas (eleitorais de José Serra) eram como se fossem para a reeleição ao governo de São Paulo, tal era o enfoque exclusivo que dava às obras que tinha executado em seu estado. Era assim, sem direito a contestação, mesmo que sua candidatura fosse à presidência do Brasil e não ao governo da “Pauliceia Devairada” do nosso Mário de Andrade”

De O Estado de S. Paulo

Eleições 2010 - Presidente eleito será conhecido entre 20h e 21h30 deste domingo

    O horário não é preciso, mas segundo estimativas informais de membros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o próximo presidente da República será confirmado matematicamente entre 20h e 21h30 deste domingo (31). Os cálculos são feitos com base no que ocorreu no primeiro turno. Em 3 de outubro, quando estavam em disputa os cargos de presidente, governadores, deputados federais, estaduais e distritais e senadores, às 20h30 já estavam apurados 90% dos votos.
    A crença agora é que a apuração será ainda mais rápida devido ao menor número de cargos concorrentes. Neste segundo turno, entretanto, a advento do horário de verão em alguns estados aumenta a diferença de fuso horário entre regiões do país, o que atrasará o fechamento das urnas e, consequentemente, a apuração. Com isso, a eleição em Estados como Acre só terminará às 19h no horário de Brasília.
Com informações do Estado de S. Paulo

Manchetes dos jornais

GAZETA DA ILHA – Pense num sortudo!
ITAQUI-BACANGA – Matança: Aumenta número de assassinatos e execuções em São Luís
JORNAL EXTRA – Viva a Democracia: Hoje é dia de escolher nosso maior Pinóquio
JORNAL PEQUENO - Povo vai às urnas para eleger novo presidente do Brasil
O ESTADO DO MARANHÃO - Eleições 2010 – Brasileiros elegem hoje seu novo presidente
TRIBUNA DO NORDESTE – Brasil vai as urnas para escolher seu presidente

Lula defende posse de barrados pela Ficha Limpa

Renata Camargo
    Em duras críticas à "falta de clareza" sobre a validade da Lei da Ficha Limpa para estas eleições, o presidente Lula defendeu neste domingo (31) que os candidatos barrados pela Ficha Limpa que receberam votos suficientes para se eleger sejam empossados. "O político sai candidato, é eleito, mas depois não pode assumir. Então, que não deixassem ele ser candidato", protestou Lula ao sair da sessão eleitoral onde votou, em São Bernardo do Campo (SP).
    As críticas à Lei da Ficha Limpa foram feitas durante entrevista coletiva nesta manhã. Em entrevista à imprensa, Lula criticou ainda a tentativa de barrar a posse do deputado federal eleito Francisco Everaldo Oliveira Silva (PR-SP), o Tiririca. O presidente afirmou que "o que estão fazendo com o Tiririca é um desrespeito com um milhão de pessoas que votaram nele". Tiririca foi eleito com 1,3 milhão de votos, mas para tomar posse terá que provar na Justiça Eleitoral que sua declaração de escolaridade não é falsa.
    Na avaliação do presidente, o Congresso Nacional tem "uma parcela de culpa" a respeito da polêmica em torno do prazo de validade da Lei da Ficha Limpa. Lula criticou ainda que "é um erro definir questões políticas no Judiciário". "O Congresso Nacional poderia ter sido mais preciso. Os 81 senadores e os 513 deputados têm uma parcela de culpa em tudo isso", considerou.
"Menor do que entrou"
    Confiante na vitória da candidata petista, Dilma Rousseff, o presidente Lula considerou ainda que o candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, "saiu menor do que entrou na campanha política". Lula criticou a "agressividade" de Serra no embate eleitoral contra a candidata do PT.
    "A agressividade dele com a Dilma é uma coisa que eu achava que tinha acabado na política. Fui cinco vezes candidato e perdi três e vocês nunca me viram com esse nível de agressividade", disse Lula. À imprensa, o presidente defendeu a escolha de uma mulher para presidente. Ele afirmou que "as mulheres não são respeitadas e há preconceito na política".
    Lula disse também que Dilma irá construir um governo "com a cara dela e do jeito dela e com pessoas de sua confiança". "Lógico, vou discutir muitas coisas com ela", enfatizou. Lula afirmou que não há possibilidade de se candidatar novamente em 2014 e sinalizou que continuará "socializando", com países da América Latina, as experiências sociais bem-sucedidas de seu governo. "Quando eu entrei, sabia que ia sair. O importante é isso: que você tenha um momento para entrar e para sair. Isso é importante para a democracia", disse Lula.
Do Congresso em Foco