17 de jul de 2010

Enquete em site aponta Roseana com maior índice de rejeição

     Enquete ainda em curso realizada pelo site do jornal O Quarto Poder (oquartopoder.com), de circulação diária em São Luís e em alguns municípios maranhenses, afere o índice de rejeição do eleitorado a nomes de candidatos que disputarão as eleições este ano. A candidata da coligação "O Maranhão não pode parar", Roseana Sarney (PMDB), encabeça a relalão com a maior das rejeições.
     Roseana trabalha para reduzir o índice de rejeição a seu nome em alguns colégios eleitorais significativos. O maior deles está em Imperatriz. A candidata à reeleição investe pesado para isso. Segundo pesquisa não divulgada, ela conseguiu baixar em sete pontos esse índice que beirava 30% entre os eleitores do segundo maior colégio eleitoral do estado.

Veja o resultado parcial da Enquete
Em quem você nunca votaria?
Roseana Sarney  - 38,27% (137 votos)
Jackson Lago  - 6,70% (24 votos)
José Reinaldo Tavares  - 5,87% (21 votos)
João Castelo - 7,54% (27 votos)
Tadeu Palácio  - 5,59% (20 votos)
Flávio Dino  - 4,75% (17 votos)
Edson Vidigal - 6,42% (23 votos)
Domingos Dutra - 6,42% (23 votos)
Edson Lobão - 5,31% (19 votos)
Lula - 6,70% (24 votos)
José Serra - 6,42% (23 votos)

Total: 358 votos

Zeca Baleiro: A Paixão Segundo Nelson

Na vida importa também a poesia, a paixão, o encantamento. Sem paixão, dizia o escritor, não se chupa nem um Chicabon
     Mesmo sabendo que a Copa do Mundo 2010 já não passa de uma conversa de botequim, não resisto, vou falar de futebol. Futebol pra mim é coisa séria. Está, no meu acervo cultural e afetivo, perfilado com a música, o cinema, a literatura e a religião. Mais que um esporte, é ritual metafórico de nossa existência. Isso talvez explique por que, em quase nenhum momento, eu tenha torcido de coração aberto por Dunga e sua Seleção (seu lema parecia ser “melhor um mediano vencedor que um gigante que perde”). Não tiro seus méritos. O ambiente da Seleção precisava de disciplina e ele a resgatou, ponto para ele. Também rigor e austeridade, coisas necessárias a todos, desportistas ou não. E ainda “comprometimento”, a palavra-chave de sua campanha. Faltou porém ensinar que na vida importa também – ou sobretudo – a poesia, a paixão, o encantamento. Sem paixão, dizia Nelson Rodrigues, não se chupa nem um Chicabon.
     O arguto leitor argumentará: “mas como falar em poesia num meio onde circula tanta grana?”... Também poderá dizer que já não cabe o futebol técnico ou irreverente, o drible, a invenção; que futebol hoje é mais força e menos arte, que já não há lugar para a beleza dentro das quatro linhas... É justo dizer que a Copa do Mundo é um campeonato perverso – rápido e mortal. Dela dizia o puro Garricha que é “um torneio mixuruca, não tem nem segundo turno”. Um lapso do cosmos e um grande time pode tombar. Não foi o caso desta Seleção. Foi sim o caso da inesquecível Seleção de 82, a encantadora vice-campeã daquela contenda (nostalgia não é falta de caráter. Ou é?).
     Foi também por um lapso que o Brasil não trouxe o caneco. Poderia ter ido à final, capenga como estava desde o início, com breves fagulhas criativas e nada mais, aos trancos e barrancos, claro que sim. O título, estou certo, reforçaria um pensamento que é feio ­reflexo da sociedade contemporânea. Premiados sejam os medianos aplicados, os cê-dê-efes disciplinados e aguerridos, os que batem continência à soberba e à arrogância – a vitória deve vir a qualquer custo. Castigo para os desadaptados brilhantes, para os gênios de pernas e alma tortas, para os camicases abnegados. Ou para os talentosos simplesmente.
     O futebol é mais que um esporte. É um ritual metafórico – e preciso – da vida. Talvez o que esteja faltando seja um pouco daquela pureza, daquela loucura santa de Garrinchas e Canhoteiros. Mas se já não há lugar para pureza no mundo, por que haveria no futebol?

P.S.1: Dunga não foi um mau jogador. Era mais ­técnico que todos os 101 volantes por ele convocados. Infelizmente, seu temperamento ficou mais célebre que seu futebol. É ressentido, e o ressentimento é um adversário imenso.
P.S.2: Já que o cargo de treinador da Seleção Brasileira é um cargo político, de abrangência e interesse nacionais, sugiro que se faça um plebiscito. Que o técnico seja escolhido pelo voto popular. Isso sim justificaria a cantilena do “comprometimento”.
P.S.3: Um salve para o goleiro Júlio César, menos pelas atuações e mais pela atitude, mostrando alma e coragem suicida ao assumir a culpa pelo primeiro gol da Holanda (culpa essa que nem sei se teve) ou ao derramar lágrimas sinceramente comovidas diante das câmeras de tevê.
P.S.4: Dedico este texto a Nelson Rodrigues, que, tenho absoluta certeza, não teria torcido para esta ­Seleção se vivo fosse.
Da Revista Istoé

Manchestes dos jornais

O ESTADO DO MARANHÃO - Juiz libera Alessandro Martins

Maranhão: Placa comemorativa na Praça do Cruzeiro em Montes Altos

Camelôs faturam com vídeo pornô "in memoriam" de Eliza Samúdio

     Os vendedores de DVDs piratas de todo o país faturam com filmes estrelados por Eliza Samúdio, a ex-namorada do goleiro do Flamengo, Bruno Souza, assassinada, com a participação do jogador, na noite de 9 de junho. No comércio de São Luís ainda não é possível encontrar cópias do filme.
      Passados mais de 30 dias, a trama ainda é o assunto mais comentado das ruas do Brasil, o que levou o comércio informal a tirar proveito para colocar dinheiro em caixa. O filme “Até que enfim anal”, estrelado por Márcia Imperator, tem a ex-amante de Bruno no elenco, sob o nome fictício de Fernanda Faria,  está sendo vendido nos balcões do mercado popular a R$ 5.
      O disco pirateado da película, é de autoria da Brasileirinhas, produtora pornográfica nacional. O filme, lançado em janeiro de 2007, ganhou o título de "Pornozão Ex-Mulher do Bruno". A capa tem fotos do goleiro, com o uniforme de treino do Flamengo, e de Eliza, vestindo chapéu branco, camiseta preta e calça jeans. No verso, um resumo das imagens de sexo explítico.
'In Memoriam'
     Há uma versão do encarte, mostrando fotos do atleta, que não participa do filme e está preso em Nova Contagem, e da moça, na época com 22 anos, sob o título "Eliza Samudio, ex-amante de Bruno, goleiro do Flamengo". No verso, as inacreditáveis palavras "In Memoriam".
     Jader Marques, advogado dos Samudio, disse que a família reagiu com tranquilidade à exposição exagerada da imagem de Eliza. Segundo ele, a modelo era independente e não contava detalhes de seus trabalhos aos parentes.
— É normal que se explore tudo o que diz respeito ao Bruno e à Eliza. Só não podemos esquecer é que ela não está mais aqui. Foi vítima de um crime brutal que precisa ser solucionado — ressaltou Marques.

FICHA TÉCNICA
Até Que Enfim, Anal
Direção: J. Gaspar
Produtora: Brasileirinhas
Elenco: Márcia Imperator, Pâmela Butt e mais
Duração: 120 minutos
Ano de Lançamento: 2006
País de Origem: Brasil
Audio: Português