18 de jan de 2011

Bruno Azevedo escreve algo novo onde já se nasce obsoleto pela mera impossibilidade de renovação

    Não há dúvida que "O monstro Souza", romance fastifood de Bruno Azevedo e Gabriel Girnos, do selo Pitomba, é o título mais inovador acrescentado à literatura maranhense em 2010. Da capa soturna, pero no mucho, de Girnos, sob desenho de Marcatti, à orelha nonsense (um texto sobre o cachorro Bingo assinado pelo ex-presidente da AML, Lino Moreira), intui-se que o tom irônico será o diapasão do autor que inaugurou sua bibliografia com "Breganejo Blues". Em breve este deve ganhar versão em "imagem em movimento" na tela.
    A história de um serial killer, espécie gestada a partir de um cachorro quente injeitado do Souza - "sujeito que usa branco e que não sabe se é feliz" - embora às vezes soe pueril, transborda humor e transgressão como na sequência de interjeições do delegado Caolho, do segundo depê: Caralho - constatou. Caralho- dialetizou. Caralho - semantizou. Caralho - filosofou. Caralho -suspirou.
    Em seu romance fastifood Bruno Azevedo resgata ícones do universo literário do Maranhão, como o decantado nas hostes do poder, e, diga-se de passagem, pouco lido, Padre Antônio Vieira; sobre o qual afirma: era motense. O escritor consegue levar a cabo a máxima dostoievskiana sobre a universalidade contida no microcosmo da aldeia. Tudo no livro é São Luís. Um glossário situa o leitor nos meandros do universo da ilha labiríntica onde os franceses fundearam e depois outros e outros, enquanto aguardam a serpente emergir.
    O verbo usado tem um sotaque de ludovico caboclo. Entre uma e outra passagem hilária Azevedo decalca a língua do povo ilhéu e alhures. Palavras como intanguido, chalerar, e expressões como "levanta a tromba, abaixa a tromba", enfatizam sua visão desse cosmo. Audaz e desprovido do complexo de inferioridade, do kitsch, Bruno Azevedo vai fundo nas questões da província. Põe tudo numa vitrine sobre uma penteadeira de puta.
    Os desenhos de Girnos intercalam e amparam a narrativa frenética de "O Monstro Souza". Os recortes de jornais de São Luís com o superlativos do inusitado são de corroer qualquer critério racional.
   Por fim, a obra introduz inovação na literatura do solo gentil "onde ser do lugar e ser caduco confunde-se, onde já se nasce obsoleto pela mera impossibilidade de renovação".

Manchete

Com crédito em baixa Func lança edital para selecionar jurados do carnaval de passarela

Se repetir o calendário de pagamento do ano passado a Fundação Municipal de Cultura, órgão da Prefeitura de São Luís, vai misturar os pagamentos dos cachês dos jurados do carnaval de passarela com o das brincadeiras juninas. Aí será preciso a decisão de uma frota de gente para que os compromissos sejam honrados.
    Este ano a Func adotou procedimento diferente. Lançou edital com propósito de fazer uma seleção do pessoal através da comissão de carnaval. Quer pessoas ligadas às áreas afins no julgamento do desfile das escolas e blocos na passarela do Anel Viário. O cachê prometido para cada jurado por dia de desfile é de R$ 400,00. Mas tudo pode não passar de projeto. Aí a coisa não vai.
     Diante das dificuldades de caixa que a Func atravessa, com telefones cortados e outras pendências financeiras históricas, o prazo que se encerra no dia 18 de fevereiro pode ser estendido para próximo do carnaval, que este ano cai em março.
    A coisa é tão feia que o espelho da Func hoje é a Fonte do Ribeirão que depois de anos a fio secou por falta de zelo.A poucos metros dali o Conselho Municipal de Cultura lateja. Fora do período eleitoral o carnaval deste ano não deve ser tão prestigiado pelo prefeito. Em 2010, por conta da eleição da filha, Castelo e a ex-prefeita Gardênia Gonçalves não tiraram a fantasia: foram cativos na passarela.

Maranhão: Cortejo do Divino em Paço do Lumiar

Edital de concurso dos Correios será divulgado até o dia 24 de janeiro

    Até o dia 24 de janeiro os Correios vão divulgar o edital referente ao concurso público nacional para preenchimento de até oito mil vagas. No edital vão constar, entre outras informações, o período de inscrição, valor da taxa e o conteúdo das provas.
    A expectativa é realizar as etapas previstas no edital até o final do primeiro semestre de 2011. Todas as etapas do concurso serão acompanhadas pela Polícia Federal.
    Em dezembro do ano passado, a prova foi anulada porque não foi especificada a quantidade de vagas. Os candidatos que se inscreveram nesse concurso - cerca de um milhão de pessoas - têm até o dia 11 de abril para comparecerem a uma agência dos Correiros e ter a devolução do dinheiro pago na taxa de inscrição.
    Os candidatos devem portar documento de identidade com foto e comprovante de inscrição, se ainda tiverem. Quem se inscreveu pela internet deve informar o número do CPF. O telefone da Central de Atendimento dos Correios é (11) 3003-0100.
Do eBand



29ª Bienal de São Paulo-Obras selecionadas será levada para 11 cidades, duas do Nordeste

Peça da 29ª Bienal de São Paulo
    A 29ª Bienal de São Paulo - Obras Selecionadas exposição  com cerca de 190 obras de 35 artistas, escolhidas entre os 850 trabalhos que compuseram a  bienal realizada no ano passado inicia nesta terça-feira em Belo Horizonte (MG) uma itinerância por 11 cidades brasileiras.
Até 20 de março a exposição ficará no Palácio das Artes e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia. As obras foram selecionadas pelos curadores Moacir dos Anjos e Agnaldo Farias.
    Em todas as cidades por onde irá passar, a 29ª Bienal de São Paulo – Obras Selecionadas refletirá os conceitos artísticos expostos no Pavilhão da Bienal no Parque Ibirapuera. A relação entre arte e política, mote central da 29ª Bienal, também será o fio condutor das mostras itinerantes. “Um determinado grupo de artistas e obras, pela importância que cumprem para o conceito geral da exposição, será mantido em cada cidade, mas haverá modificações específicas devido à peculiaridade dos espaços expositivos”, explica Agnaldo Farias.
    A 29ª Bienal de São Paulo – Obras Selecionadas também será levada a Salvador, Rio de Janeiro, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Araraquara, Campinas, São Carlos, Piracicaba, Santos e Ribeirão Preto. Em todos os espaços expositivos, o projeto contará com uma atração inédita: uma visita virtual à exposição original, em formato de vídeo 360 graus. A iniciativa também contempla o treinamento de educadores para trabalhar nas visitas orientadas às exposições.
Com informações do Cross Brasil

Invenção de maranhenses reduz em até 60% os atropelamento em cidades do país

    O cronômetro para semáforo de pedestre, invenção patenteada pelos engenheiros maranhenses José Lúcio Lira e Mara Carliane Lima Ferreira, está ajudando a reduzir o número de acidentes e atropelamento em Taboão da Serra, município da região metropolitana de São Paulo. Outras cidades também estão adotando a invenção instalada em São Luís na adiministração do prefeito Tadeu Palácio (PDT).
    O equipamento fornece a indicação do tempo exato que cada cor do sinal permanecerá acesa (como opção pode-se utilizar o cronômetro para apenas uma cor, a verde por exemplo); terceiro, o ''semáforo com cronômetro'' é dotado de circuitos de no-break, cuja função é fazer com que semáforo permaneça funcionando mesmo quando ocorre uma falta de alimentação de energia comercial.
   Em reportagem do jornal Bom Dia Brasil, da Rede Globo, a invenção dos maranhenses foi destaque.
Assista à reportagem da Rede Globo
 

Movimento popular em Imperatriz completa 16 anos nesta terça-feira

A chamada "Revolução de Janeiro" ou a "Revolta Cidadã", nomes dado por alguns ao movimento que liderado pelo Fórum da Sociedade Civil provocou uma intervenção estadual no município de Imperatriz em janeiro de 1995,completa hoje 16 anos. Leia mais no Blog do Josué Moura

Maranhão atende menos de 10% das crianças em idade de creche

    Entre 2005 e 2009 o Maranhão foi um dos estados que registrou o índice mais baixo de matrículas em creches no país. No estado houve um aumento de apenas 4,18%. Supera apenas o Pará, na rabeira com 1,32%. A média de crescimento no Nordeste foi de 25%. O maior percentual foi registrado em Mato Grosso do Sul com crescimento de 73,46%.
    Nesse período as matrículas de crianças entre 0 e três anos de idade em creches no Brasil tiveram um aumento de 34%, passando de 1,4 milhões para 1,8 milhões. O levantamento foi feito pelo programa Todos pela Educação com base nos dados do Censo da Educação Básica. Os estados do Norte e Nordeste enfrentam maior dificuldade para ampliar o atendimento.
    O mais alto índice de atendimento está no estado de Santa Catarina. Das 299 mil crianças na faixa etária para matrícula, 34% têm acesso à creches.
    O Maranhão está entre os oito estados cuja taxa bruta de atendimento está abaixo de 10% da população carente. Tem 9,02% das crianças matriculadas.  O estado recebe complementação do Fundeb, que desde 2007 inclui na cota de financiamento as matrículas de creches e pré-escola para que atinja o patamar mínimo estipulado pelo MEC.
    O Centro-Oeste foi a região que maisaumento em número de matrículas em creches, com incremento de mais de 50%.
Com informações do Todos pela Educação

Prefeituras podem adquirir bicicletas para transporte escolar por preço mais baixo

     Os Municípios agora poderão adquirir bicicletas por preço mais baixo para o transporte escolar dos estudantes de sua rede. As normas deste tipo de aquisição foram publicadas por meio da Resolução 40/2010 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).
    De acordo com a norma, a aquisição pode ser feita mediante adesão ao Programa Caminho da Escola e à Ata de Registro de Preços do pregão eletrônico realizado pelo FNDE. Para 2011, os preços já foram registrados no pregão realizado no final de 2010.
    As bicicletas podem ser adquiridas com recursos próprios ou de convênios, e de acordo com a resolução, será permitido que os Estados adquiram as bicicletas para cessão aos Municípios. Os Municípios que realizarem a compra das bicicletas com recursos próprios ficam responsáveis pela definição da forma de gestão e normas para utilização das bicicletas.
    De acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM), a adesão ao programa pode beneficiar as prefeituras, tanto em relação aos preços mais baixos quanto na facilidade do processo de compra.
    Além disso, destaca a CNM, a inclusão da bicicleta como meio de transporte escolar representa uma alternativa para os Municípios que enfrentam dificuldades em garantir o acesso dos estudantes à escola, tendo em vista a existência de trechos nos quais não é possível o tráfego de veículos grandes, a não existência de rotas para determinados trajetos, dentre outras situações.
No entanto, é preciso que os gestores definam as diretrizes para a utilização das bicicletas, e estejam atentos às condições de segurança dos alunos nos percursos percorridos.

Pela décima vez Secma vai bancar festival de música carnavalesca do Sistema Mirante

    Na primeira reunião ministerial a presidente Dilma Rousseff destacou que quer “uma gestão com transparência, princípios éticos e republicanos". A orientação da petista bem que poderia ser seguida pela governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PDMB), que durante sua campanha à reeleição repetiu até a náusea o bordão "eu e Dilma presidente".
    Mas, a filha do senador José Sarney (PMDB-AP) prefere seguir sua trilha de descendente de déspota. Disso há exemplos à mancheia e derramando. Dos mais prosaico é a realização do festival de marchinhas carnavalescas. Como ocorreu nos anos em que esteve no governo, a versão 2011 novamente promovida pelo Sistema Mirante de Comunicação tem partrocínio exclusivo da Secretaria de Estado da Cultura, SECMA. No entendimento do "melhor governo da minha vida", a ética nem para estrofe tem serventia. Aos compositores do certame momesco a fonte inspiradora pode advir do poeta Manoel Bandeira em "Não sei dançar":
"Uns tomam etér, outros cocaína.
Eu tomo alegria!
Eis aí por que vim a este baile de terça-feira gorda.
Mistura muito excelente de chás... Esta foi açafata...
- Não, foi arrumadeira.
E está dançando com o ex-prefeito municipal.
Tão Brasil!"

Suplente de Lobão diz que não usará verba indenizatória do mandato vapt-vupt

BRASÍLIA - Segundo suplente do senador Edison Lobão (PMDB-MA), o economista Remi Ribeiro (PMDB-MA), de 70 anos, não tem o que fazer no seu único mês de mandato. Sem sessões plenárias, sem reuniões de comissões, sem possibilidade de fazer discursos e sem nenhuma votação, Ribeiro faz parte do grupo de cinco suplentes contemplados com mandato neste mês em substituição aos senadores titulares que assumiram cargos no Executivo.
    "Se não tiver nenhuma tarefa, você senta na cadeira e cumpre o dispositivo constitucional", consola-se ele. Na quarta-feira passada, tradicionalmente dia de maior movimento no Congresso durante os meses de trabalho, Ribeiro atendeu ao Estado em seu gabinete, interrompendo a leitura de exemplares de revistas semanais postos sobre sua mesa de trabalho. Ele era o único parlamentar no Senado na tarde daquele dia.
    O titular da vaga, Edison Lobão, licenciou-se do mandato para comandar o Ministério de Minas e Energia. Ele obteve mais oito anos de mandato na eleição passada, mas o suplente que assumirá a partir de fevereiro será o filho do ministro e primeiro suplente, Edison Lobão Filho (PMDB-MA).
Prontidão. Ostentando o título de senador por apenas um mês, o esquenta-cadeiras Remi Ribeiro se coloca de prontidão para não deixar "vazia" a vaga do Maranhão. "A gente está cumprindo um dispositivo constitucional e, ainda que no recesso, devo estar presente para o caso de alguma coisa acontecer aqui em Brasília."
     Além do salário de R$ 16,5 mil, o suplente vapt-vupt tem direito a verba indenizatória de R$ 15 mil, mais auxílio moradia de R$ 3,8 mil, e demais cotas de passagem, correio, telefone e gasolina devidas aos senadores titulares. Ribeiro afirma que não vai usar a verba indenizatória ou nenhum tipo de favorecimento proporcionado pelo mandato no Senado. "Não estou aqui atrás de verbas nem de passaporte especial", afirma.
Gaveta. Para muitos dos suplentes de um único mês, o título de parlamentar seria uma credencial para visitar os ministérios e pressionar pela liberação de verbas da União para seus municípios. Outros suplentes têm em mente a elaboração de propostas. "Tenho diversos projetos na área sindical ligada a calçados. Não quero ser um semideputado", disse Vicente Selistre (PSB-RS), um dos parlamentares temporários da Câmara.
    Ainda que algum projeto seja apresentado até o dia 31, seu destino será a gaveta. Quando acaba uma Legislatura, os projetos em tramitação são arquivados se ainda estiverem só na fase inicial.
    A senadora Danimar Cristina (PR-PR), suplente de Flávio Arns (PSDB-PR), recém-empossado vice-governador do Paraná, esteve em Brasília na semana passada. Ela disse que tem ocupado seu mês de mandato "com muitas ideias, de tudo um pouco" e fazendo contatos "aqui e acolá". Segundo a assessoria da parlamentar, na quarta-feira ela teve uma audiência no Ministério dos Transportes. "Está sendo uma experiência muito importante", comemorou a senadora-tampão.
De O Estado de S. Paulo

Sarney troca controle da Eletrobrás por presidência do Senado e reabilitação de Renan Calheiros

   O PMDB cobrará um preço para compensar a perda de poder no setor elétrico: a candidatura única do senador José Sarney (AP) à presidência do Senado, devolução da Eletronorte à legenda (hoje ocupada interinamente pelo técnico Josias Matos de Araújo) e apoio do governo no processo de reabilitação de Renan Calheiros (AL). Por essa estratégia, Sarney será eleito presidente do Senado de agora a 2012, e Renan lhe sucederá, com o apoio do Palácio do Planalto e do PT.
   Por decisão da presidente Dilma Rousseff, que resolveu fazer uma varredura no setor elétrico, o atual presidente da Eletrobrás, Antonio Muniz Filho, será substituído por Flávio Decat. Muniz Filho é apadrinhado de Sarney, que o quer na Eletronorte, estatal que ele já presidiu. Pelas regras criadas pela presidente, na qual predominará a nomeação de técnicos para as empresas do sistema elétrico, um partido pode adotar o profissional. Muniz Filho é um técnico que acabou caindo nas graças de Sarney.
   A Eletronorte deverá tornar-se em breve a mais importante das empresas da holding Eletrobrás, pois estão ligadas a ela as usinas de Tucuruí, Jirau, Santo Antonio e Belo Monte (esta ainda dependendo de licença de instalação por parte dos órgãos ambientais), com capacidade conjunta para gerar pouco mais de 25 mil megawatts. Hoje, quem manda na estatal é Adhemar Palocci, diretor de Engenharia da empresa. Ele é irmão do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci.
   As negociações sobre a saída de Muniz Filho da Eletrobrás foram feitas pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, diretamente com José Sarney. Segundo relato de peemedebistas, Sarney concordou em abrir mão do poder no sistema elétrico porque não tinha outra saída. Em compensação, recebeu do governo a promessa de que será candidato único à presidência do Senado.
   E mais: nas negociações, o governo comprometeu-se a apoiar o atual líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), na próxima eleição para a Mesa da Casa. Ou, em caso de afastamento de Sarney por qualquer motivo, a garantir eleição de Renan, reabilitando o líder que foi obrigado a renunciar à presidência do Senado em 2007, depois das denúncias de que uma empreiteira pagava a pensão de uma filha que tivera fora do casamento. O próximo vice-presidente do Senado será do PT. O nome ainda não foi escolhido. Disputam a vaga os senadores eleitos Marta Suplicy (SP) e José Pimentel (CE).
   "Quando a negociação é feita às claras, tudo se resolve", disse o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), que até a semana passada comandava uma espécie de frente de batalha pela manutenção dos cargos do partido. Chamado ao Planalto pelo ministro Antonio Palocci, Henrique Alves concordou em mudar sua atitude. "O Palocci nos disse: "o PMDB não está no governo; o PMDB é o governo", afirmou Henrique Alves.
Afilhados. Enquanto a substituição de Muniz Filho na presidência da Eletrobrás não é feita, o PMDB de Sarney e Renan continua a nomear afilhados. Toma posse amanhã na disputada presidência do INSS Mauro Luciano Hauschild, afilhado de Sarney e Renan. Ele era chefe de gabinete do ministro do Supremo Tribunal Federal José Antonio Dias Toffoli, ex-advogado do PT. Entra no lugar de Waldir Moysés Simão, nomeado pelo PT durante a gestão de José Pimentel no Ministério da Previdência. O ex-secretário da Receita Otacílio Cartaxo também disputava o posto.
     Nas negociações com o PMDB, já está praticamente certo que o deputado Rocha Loures (PR) ocupará a vice-presidência de Loterias da Caixa Econômica Federal, e que a diretoria de Crédito Agrícola do Banco do Brasil irá para o ex-governador do Paraná Orlando Pessutti. Essa diretoria conta com R$ 120 bilhões para empréstimos ao setor agrícola.
As minas de ouro do setor
R$ 8,16 bilhões
é o total que a Eletrobrás terá em verbas para investimento
R$ 1,25 bilhão
constitui a fatia de Furnas
R$ 807 milhões
compõem o montante que a Eletronorte poderá investir
De O Estado de S. Paulo

Manchetes dos jornais

ATOS & FATOS - Vereador presidente do PP é executado a tiros
CORREIO DE NOTÍCIAS - Anunciada a criação do sistema de prevenção de catástrofes
JORNAL A TARDE - Inscrições no SISU são prorrogadas até quinta-feira
JORNAL PEQUENO - 38 pessoas detidas na "guerra" contra a poluição sonora em São Luís
O DEBATE - São Luís realiza doações para o Rio
O ESTADO DO MARANHÃO - Petrobras começa a procurar petróleo na Bacia Pará-Maranhão
O IMPARCIAL - Polícia teme novas explosões de bancos
TRIBUNA DO NORDESTE- Aumenta combate a poluição sonora