29 de jan de 2011

Clássicos em campo - Coelho Neto X Lima Barreto

Mayara Araújo
O novo livro do pesquisador Mauro Rosso leva a campo uma épica disputa literária: a rusga entre Coelho Neto e Lima Barreto. O primeiro, um apaixonado por futebol, e o segundo, seu declarado opositor.
    Boa parte dos tradicionais clubes de futebol brasileiros celebrou seus centenários nos últimos cinco anos, ou hão de celebrá-lo nesta próxima década. O marco resulta do período de difusão do futebol no Brasil, ocorrido sobretudo entre a última década do século XIX e a primeira do século XX.
    Tal transição interessa não apenas ao caderno de esportes, mas também à cultura, já que o jogo de bola mais praticado no País, considerado uma paixão nacional, invadiu também as veredas da arte, tendo sido mote para artistas plásticos, cineastas, bailarinos, poetas, romancistas e cronistas (principalmente estes últimos).
    As crônicas jornalísticas, presentes nos jornais do início dos anos 1900, foram possivelmente a primeira linguagem literária a manter contato direto com o "jogo bretão", trazido oficialmente da Inglaterra por Charles Miller, em 1894, ou extraoficialmente pelos marinheiros ingleses, que corriam atrás de uma bola nos portos cariocas, inspirando jovens escravos e meninos pobres.
Personagens - e por que não dizer protagonistas? - Desse momento de aparição do futebol nas colunas de jornal, Lima Barreto e Coelho Neto travaram uma das melhores disputas ideológicas entre escritores. Para além do jogo, os dois escritores divergiam em diversos aspectos, contrários que eram sobretudo ao modelo de país desejado pelos republicanos.
    Sobre o campeonato intelectual travado entre ambos, o pesquisador carioca Mauro Rosso lança pela editora Difel, pertencente ao grupo editorial Record, o livro "Lima Barreto versus Coelho Neto: um fla-flu literário". Nascido de uma pesquisa acadêmica, o livro de Mauro Rosso acaba explorando muito mais do que o bate-bola entre Lima e Coelho. Os grupos de intelectuais cariocas do início do século XX, a história da imprensa do Rio e a história política brasileira surgem durante a narrativa fluida, de linguagem acessível.
Início de século
    Até a chegada do futebol no país tropical, diz-se que o povo brasileiro não tinha tempo, condições, nem sequer a cultura de praticar esportes. Apenas a elite se dispunha ainda ao remo, ao críquete, ao polo e a alguns outros, como formas de distração e aproveitamento do ócio burguês. O jogo de "football" chega ao Brasil como um símbolo de civilidade, de nação avançada, pegando carona nos adjetivos do país originário do esporte, a Inglaterra.
    A elitização do futebol durou, contudo, pouquíssimo tempo. Logo a tal brincadeira britânica cairia nas graças populares, tendo sido difundida pelos próprios membros da elite, que, apaixonados pela plasticidade do jogo, faziam questão de que cada vez mais pessoas o praticassem.
    Mauro Rosso recorda em um de seus muitos artigos sobre o tema que, "em 1904, o futebol já atraía tanta gente que foi preciso a Federação Carioca das Sociedades de Remo oficiar aos clubes um apelo para que não fossem realizados jogos nos dias de regatas".
    "O futebol passou de elitizado para paixão nacional em pouco mais de quatro anos. Foi o tempo suficiente. Um dos motivos desse fenômeno foi a facilidade do jogo. Os outros esportes exigiam treinamento e equipamentos: canoas, cavalos, uniformes. O futebol só exigia uma bola e habilidade com os pés", explica Mauro.
    O futebol que sensibilizou os ricos, a elite e depois pessoas de todas as classes, começou a chamar a atenção de jornalistas e intelectuais. "Os escritores desse início de século abraçaram o futebol por questões sociais e políticas até", revela o autor. Sob essa perspectiva é que Mauro observa a rusga clássica entre Lima e Coelho.
Os escritores
    A primeira inserção do futebol num romance foi feita por Coelho Neto, no livro "Esfinge", de 1908. O escritor fez parte de um grupo de escritores que, na época, faziam dos jornais sua forma de subsistência e de exercício da sua arte. Junto a Coelho, Medeiros e Albuquerque, Afrânio Peixoto, Olavo Bilac e João do Rio enalteceram o futebol como um elemento formador do Brasil.
    Esses tais, integrados ao processo de aceitação dos novos ideias republicanos, delinearam o movimento literário da belle époque carioca, "definida por uma produção narcisista, descompromissada, de escrita aristocrática", como conceitua Mauro Rosso. Afrânio Peixoto, que além de escritor era médico, foi quem diagnosticou em suas crônicas os efeitos salutares do futebol, atribuindo a ele a capacidade de formar uma nação brasileira sadia.
    O fervoroso discurso de Coelho Neto era apoiado por muitos, enquanto apenas três ou quatro eram adeptos às ideias de Lima Barreto.
    As primeiras de suas críticas ao futebol se referiam ao estrangeirismo e ao fato de servir às elites. Anos depois, quando da difusão do esporte, destacou veemente a violência do jogo, crítica, aliás, apoiada por outros jornalistas. Na década de 20, a rusga de Lima Barreto era com a exclusão racial praticada no esporte, reclamação comprovada quando Epitáfio Pessoa proibiu que negros fossem convocados para a seleção brasileira.
    "É preciso entender os motivos de Lima Barreto. Ele via o futebol como o símbolo de uma falsa civilização. Lima repudiava o poder da República, ela era sua arquiinimiga. Então tudo o que fizesse parte do projeto da República era alvo de Lima. O cinema e o carnaval, por exemplo, também foram temas por ele criticados", comenta Mauro.
Outros nomes
    Apesar da insistente e consistente crítica de Mauro Rosso de que a paixão nacional pelo futebol não foi suficientemente explorada pela literatura do País, muitos literatos amantes do jogo de bola, registraram-no em romances, poesias e crônicas de jornal.
    Para além da cobertura dos jogos e de comentários técnicos, esses nomes que precederam Coelho Neto e a boemia da belle époque escreveram sobre a beleza e a emoção do espetáculo da bola. "Nelson Rodrigues foi o grande escritor de futebol da sua época. Ele e seu irmão, Mário Filho. Nas décadas de 40 e 50, eles fizeram legítimas crônicas de futebol. Além deles, há muitos: Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos... Até Vinícius de Moraes escreveu poemas dedicados ao Garrincha. Foi um grupo que se dedicou ao futebol, embora o tema não tenha sido suficientemente literarizado", enumera Mauro Rosso.
    O pesquisador destaca alguns nomes que, na atualidade, representam a relação literatura, jornalismo e futebol. O jornalista Juca Kfouri e o ex-jogador Tostão, dois comentaristas esportivos da TV, sob a perspectiva de Mauro, merecem destaque.
    Para ele, essa cobertura poética do esporte ainda está refletida em muitas reportagens futebolísticas de TV. Aproveitando a tecnologia da captura de imagens, vez por outra, nas emissoras nacionais, nasce um aspirante a Coelho Neto ou Nelson Rodrigues, filosofando sobre a plasticidade do esporte e a ginga brasileira.
    "Vejo isso com bons olhos, o futebol é tão importante que despertou e sensibilizou os intelectuais naquela época e também os jornalistas desse tempo. É tudo tão bonito, emocionante e tão matéria para a construção de textos, que deve ser tratado no jornalismo com essa mesma poesia", opina o autor.
SERVIÇO
Literatura e Futebol
Lima Barreto versus Coelho Neto: um fla-flu literário
Mauro Rosso
Difel
2010
240 páginas
R$ 39
Do Diário do Nordeste

0 comentários:

Postar um comentário

Comente aqui!!!