9 de mai de 2011

Poluição em comunidades de Açailândia provocada pelo Programa Grande será tema de audiência

    O relatório de estudo realizado pela Federação Internacional de Direitos Humanos (FIDH), Justiça Global e Rede Justiça nos Trilhos sobre os impactos de empreendimentos do Programa Grande Carajás nas comunidades e Piquiá de Baixo e Califórnia, no município de Açailândia (MA), será apresentado durante audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa do Maranhão no dia 19 de maio, às 15 horas, no Palácio Manoel Bequimão, no bairro do Cohafuma, em São Luís.
    A audiência vai tratar do tema “Impactos em saúde e meio ambiente em Açailândia - Paradigma para o questionamento do modelo de desenvolvimento proposto pela Vale ao Estado do Maranhão”. Os deputados estaduais Bira do Pindaré (PT) e Eliziane Gama (PPS) vão coordenar a audiência.
    As comunidades de Piquiá de Baixo e Califórnia sofrem há anos as consequências da poluição, do degrado ambiental e social, tornando-se dessa forma um paradigma para diversos outros conflitos que a cadeia de mineração e siderurgia provocou no território do corredor de Carajás.
    A pesquisa da FIDH dá visibilidade a várias violações de direitos humanos e se conclui com uma série de recomendações formais para as autoridades da União, do Estado do Maranhão e do Município de Açailândia, para a Vale e siderúrgicas da região e para o BNDES.
    As entidades que assessoraram a pesquisa dizem-se extremamente preocupadas pelos projetos atuais de duplicação dos trilhos ao longo de toda a Estrada de Ferro Carajás.
    “Além de estarmos questionando oficialmente a legitimidade dos licenciamentos ambientais desse enorme empreendimento, perguntamo-nos, em nome de várias comunidades tradicionais e locais que estamos acompanhando, quais serão os benefícios reais para as famílias e territórios e quais, ao contrário, os novos impactos necessários para garantir o dobro de escoamento e lucro para uma única grande multinacional”, afirma Danilo Chammas, advogado da Rede Justiça nos Trilhos.
Com informação da Justiça nos Trilhos

0 comentários:

Postar um comentário

Comente aqui!!!