21 de jun de 2011

Não fosse a imprensa...

Eliane Cantanhede
Quem descobriu que o poderoso Palocci havia multiplicado seu patrimônio por 20 em quatro anos e acabara de comprar um apartamento pela bagatela de R$ 6,6 milhões foi a imprensa: os repórteres Andreza Matais e José Ernesto Credendio, da Folha de São Paulo.
    Quem acrescentou que Palocci ganhara R$ 20 milhões no ano eleitoral e que metade disso foi quando já era chefe da transição e virtual homem forte do governo Dilma foi a imprensa: a repórter Catia Seabra, da mesma Folha.
    Quem alertou para os riscos de libertinagem orçamentária com o tal RDC (Regime Diferenciado de Contratações) para a Copa e a Olimpíada foi a imprensa.
    Quem também identificou um contrabando que vincula a transparência dos contratos à ‘conveniência do Executivo’ foi a... imprensa.
    Ou seja: estão afrouxando as regras das licitações e do fluxo do dinheiro público para a iniciativa privada e mantendo tudo bem escondidinho do distinto público pagante.
    De Sarney, sobre o RDC: ‘Nós devemos encontrar uma maneira de retirar esse artigo, uma vez que ele dá margem inevitavelmente a que se levante muitas dúvidas sobre os orçamentos da Copa’. Palavras dele, hein, gente?!
    E, enfim, quem mostrou o recuo na questão do sigilo eterno de documentos públicos foi a imprensa, o que colocou o governo numa gangorra, para cima e para baixo, sem encontrar o equilíbrio entre o que a pessoa física Dilma pensa e o que a pessoa pública Dilma precisa fazer.
    É por isso que Lula se encontra com os tais ‘blogueiros independentes’ (sic, porque muitos são, mas nem todos...) e desanda a falar em controle da imprensa. E nem se tocou aqui em mensalão...
    Some-se o silêncio da imprensa ao sigilo do patrimônio de autoridades, ao sigilo dos documentos oficiais e ao sigilo dos contratos e gastos da Copa e da Olimpíada e tem-se o ambiente perfeito para... ah! você sabe. É como o diabo gosta.
Da Folha de S. Paulo

0 comentários:

Postar um comentário

Comente aqui!!!