11 de mar de 2011

Maracujá de época


José Sarney
    Descartes, o mais notório dos filósofos que defenderam a "dualidade substancial", isto é, que os homens possuem o corpo e a alma totalmente independentes, um e outra separados, certamente nunca viu nem podia ver um Carnaval brasileiro. É uma festa popular -e demonstrativa de que não há separação alguma.
    Se são dois em um passam a ser um em dois na compulsão da alegria, numa entrega total do corpo no gingado do samba no pé e no evidente relaxamento de qualquer reserva moral -de tal modo que não é o Ministério da Educação, guardião da sanidade cívica, que exige ter cuidado com a alma, mas o Ministério da Saúde que esclarece que se deve ter cuidado é com o corpo, pois a camisinha, tão necessária quanto rejeitada, não pode faltar e incorporou-se de corpo e alma no Carnaval, que agora não necessita somente do estimulante da bebida e da batucada frenética, mas essencialmente de um quarto, onde tudo termina e começa.
    Vim passar o Carnaval no Maranhão, onde o que mais se deseja é manter os valores da tradição, no saudosismo dos velhos Carnavais, onde o forte são os blocos de rua, sem ninguém querer saber quem é preto, branco, amarelo ou vermelho, nem cafuzo nem mulato, católico ou evangélico ou umbandista ou espírita, rico ou pobre, irmanados num único valor: a cultura da alegria, do brincar e do se esbaldar, que ninguém é de ferro.
    O Maranhão recusa render-se ao trio elétrico, preferindo os circuitos de rua com as figuras que são de vários séculos, o Fofão e o Cazumbá, a pularem e gritarem para terror da meninada.
    Neste ano, até uma novidade raríssima apareceu. Um pé de maracujá cuja fruta tem a forma nada convencional do órgão genital masculino -de fazer inveja aos anjos barrocos e comedidos que o Aleijadinho esculpiu nas igrejas de Minas.
    Logo foi fundado um bloco, o Maracujá Safado, que em três dias já tinha 500 adeptos, com o dito, copiado em isopor, pendurado no pescoço. A dona da casa onde apareceu a novidade começou a cobrar dois reais para quem quisesse vê-lo, já cantando a marchinha: "Eu quero ver maracujá".
    A Embrapa foi acionada para observar o fenômeno e estudar a maneira de plantá-lo e reproduzi-lo, o que seria um inusitado produto de exportação, com compradores cativos nas sex shops.
    E a irreverência do nome dos blocos? O Jegue Folia, Casinha da Roça, Vira-Lata, Bicho Terra, Confraria do Copo, Lapada, C-de-Asa, Máquina de Descascar Alho, Não Enxerisa Malandro, Siri-na-Vara e tantos e tantos outros de "reggae", afro, índio, caboclo de pena. Todos com o lema orgulhoso: "Carnaval da Tradição, melhor do Brasil, é do Maranhão". Com maracujá e tudo.
PS - O Vira-Lata é um bloco surgido da década de 1930 em São Luís e  já extinto. Caboclo de pena é um personagem do bumba-meu-boi.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente aqui!!!