5 de jul de 2011

Malafaia critica cobertura da Parada Gay em São Paulo e cobra postura da Igreja Católica

9
    No sábado, (02/07), o pastor Silas Malafaia criticou em seu programa matinal os dados utilizados na cobertura da Parada Gay e da Marcha para Jesus em São Paulo, que aconteceram, respectivamente dias 23 e 26/06.
    Segundo Malafaia, a mídia (citando alguns jornais) não citou números reais da Parada, divulgando números “superestimados” de 4,5 milhões, dados pelos organizadores.
    Com relação à Marcha para Jesus, ele argumentou que a mídia informou que houve cerca de um milhão de participantes, número esse que segundo ele, corresponde apenas ao da concentração final. Silas Malafaia disse que a estimativa mais provável é de 2,5 milhões de pessoas no evento.
    Ele também comenta o fato de o evento da diversidade ter feito uso de símbolos da fé católica para uma campanha de prevenção de DST. “A Parada Gay ridiculariza símbolos católicos... é uma vergonha e a imprensa não diz nada. Eles querem botar uma mordaça na sociedade, para eles falarem o que quiserem”, completa Malafaia.
   O pastor da igreja Vitória em Cristo denuncia ainda a existência de sites que utilizam sua imagem e debocham da fé evangélica.
    A respeito de leis como a PL 122, que pretende criminalizar a homofobia, Malafia diz que pra situações assim já há lei, e por isso, esse tipo de obrigação reclamada pelos homossexuais pode ser considerada “lei do privilégio”.
    Ele ainda declarou que uma das possíveis razões para a imprensa ficar omissa nessa questão é porque “lá dentro das editorias está cheio de gays", disse Silas Malafaia, afirmando que eles manipulam a informação.
    O pastor elogiou o colunista da revista Veja, Reinaldo Azevedo, que expressou indignação quando soube que a Marcha Gay ofendeu símbolos da Igreja católica, publicando em seu blog um artigo que critica a atitude dos homossexuais.
    “ "ESTUPIDEZ! Lideranças do sindicalismo gay partem para o confronto com os católicos e levam à avenida “santos” em situações “homoeróticas”. Que a Igreja Católica tenha a coragem de enfrentar a imprensa e reaja à altura!" escreveu o jornalista no blog.
    Silas Malafaia respondeu aos que falam “pastor é nos púlpitos”, dizendo que médico, sindicalista, advogado, qualquer um de qualquer segmento pode falar de tudo neste país, mas quando um pastor fala, não pode porque é religioso.
    "Eu fui chamado para falar qualquer assunto da sociedade", concluiu ele reclamando seu direito de cidadão. Para completar, o pastor citou: "E não vos associeis com as obras infrutuosas das trevas, antes, porém, condenai-as; Mas todas estas coisas, sendo condenadas, se manifestam pela luz, pois tudo o que se manifesta é luz. (Efésios 5: 11;13)".
Do Comunique-se

0 comentários:

Postar um comentário

Comente aqui!!!